Resumo do fim de semana de inverno

Esqui Alpino

Kjetil Jansrud deu show nas montanhas francesas de Val-d’Isère. Ele venceu o Super-G na sexta com 1:21.66 contra 1:21.83 do seu compatriota Aksel Lund Svindal. No sábado, mais uma bela prova para vencer o primeiro downhill da temporada, marcando 1:59.51, 0.26 melhor que o italiano Peter Fill, 2º colocado. No slalom gigaten no domingo, vitória do francês Mathieu Faivre, que somou 2:25.01 após 2 descidas, deixando o favorito Marcel Hirscher em 2º lugar, com 2:25.50.

16151c818b03dbbbd6fa9675fa478255af534f24

Ilka Stuhc (SLO)

No Canadá, em Lake Louise, o show foi da desconhecida eslovena Ilka Stuhec. Sem nunca ter subido ao pódio de uma etapa de Copa do Mundo, a sucessora da aposentada Tina Maze venceu na sexta o 1º downhill com 1:45.48, deixando a italiana Sofia Goggia em 2º com 1:45.70. No sábado, no 2º downhill, levou com 1:24.95, apenas 0.11 melhor que a suíça Lara Gut, a campeã da temporada passada da Copa do Mundo. Mas no domingo, no Super-G, Gut deu o troco e venceu com 1:02.68, 0.10 melhor que Tina Weirather, do Liechtenstein. Stuhec foi a 5ª colocada.

Classificação Masculina (após 5 eventos): 1) Marcel Hirscher (AUT) 280; 2) Kjetil Jansrud (NOR) 200; 3) Alexis Pinturault (FRA) 184

Classificação Feminina (após 7 eventos): 1) Mikaela Shiffrin (USA) 358; 2) Lara Gut (SUI) 330; 3) Sofia Goggia (ITA) 267

Biatlo

2048x1536-fit_martin-fourcade

Martin Fourcade (FRA)

Na Suécia, em Oestersund, a temporada começou como havia terminado a anterior, com show de Martin Fourcade. O francês começou ao lado de Marie Dorin-Habert para levar o revezamento misto individual, onde cada um faz duas pernas alternadas. No revezamento misto 2x6km+2×7,5km, ouro pra Noruega com o mito Ole Einar Bjoerndalen na equipe.

Nas provas individuais disputadas durante a semana, Fourcade começou com vitória no individual 20km com 30s de vantagem sobre o norueguês Johannes Boe. O francês venceu também o sprint com 23:31.9 e sem erros contra 24:13.4 do sueco Fredrik Lindstroem. Na perseguição 12,5km, Fourcade pecou ao errar dois tiros na última série e ficou com o bronze. O russo Anton Babikov venceu.

No feminino, a alemã Laura Dahlmeier levou os 15km individual com 46:14.0 e 2 erros. Anais Bescond foi prata com 46:29.8 e 1 erro e um bronze inédito para a bielorrussa Darya Yurlevich, graças a uma prova perfeita, sem erros. No sprint 7,5km, ouro pra Dorin-Habert com 20:09.7 contra 20:21.1 da finlandesa Kaisa Makarainen com 1 erro. Na perseguição, vitória da checa Gabriela Koukalova (antiga Soukalova, agora casada).

Classificação Masculina (após 3 eventos): 1) Martin Fourcade (FRA) 168; 2) Maxim Tsvetkov (RUS) 104; 3) Arnd Peiffer (GER) 100

Classificação Feminina (após 3 eventos): 1) Laura Dahlmeier (GER) 157; 2) Gabriela Koukalova (CZE) 132; 3) Marie Dorin Habert (FRA) 118

Esqui Nórdico

No tradicional Tour Nórdico de 3 etapas, de cross-country em Lillehammer, vitória do super norueguês Martin Sundby. Quem começou melhor foi o sueco Calle Halfvarsson, vencendo o Sprint clássico na sexta e os 10km livre no sábado, mas pecando na perseguição 15km. Melhor no geral, Sundby somou 1:05:40.1 e ficou com o título e assumiu a liderança na Copa do Mundo. Johannes Klaebo ficou em 2º e o finlandês Matti Heikkinen em 3º.

topelement

Heidi Weng (NOR)

No feminino, show de Heidi Weng. A norueguesa venceu o sprint na sexta e ficou em 2º lugar nos 5km livre e na perseguição 10km clássica. A americana Jessica Diggins venceu os 5km e a finlandesa Krista Parmakoski a perseguição. Weng somou 44:21.1 para vencer o Tour, deixando Ingvild Oestberg em 2º e o mito Marit Bjoergen em 4º.

Classificação Masculina (após 6 eventos): 1) Martin Sundby (NOR) 350; 2) Calle Halfvarsson (SWE) 316; 3) Johannes Klaebo (NOR) 304

Classificação Feminina (após 6 eventos): 1) Heidi Weng (NOR) 459; 2) Ingvild Flugstad Ostberg (NOR) 369; 3) Krista Parmakoski (FIN) 357

Mais domínio alemão no combinado nórdico em Lillehammer. Depois do Johannes Rydzek levar tudo na semana anterior na Finlândia, agora Eric Frenzel foi o cara. Na sexta, os dois fizeram parte da equipe alemã que venceu o Gundersen 4x5km com 31s de vantagem sobre a Noruega, enquanto a Áustria foi bronze.No sábado, Frenzel venceu a prova de Hs100/10km com 15s de vantagem e no domingo levou o HS138/10km. Ainda assim, Rydzek segue líder da Copa do Mundo.

Classificação Masculinas (após 4 provas): 1) Johannes Rydzek (GER) 330; 2) Eric Frenzel (GER) 294; 3) Björn Kircheisen (GER) 205

rtstbfx

Domen Prevc (SLO)

Bicampeão olímpico em Sochi, Kamil Stoch ajudou a Polônia a vencer a prova por equipes de saltos HS140 em Klingenthal, na Alemanha com 1128,7 pontos contra 1087,2 da Alemanha. Mas na prova individual, mais uma vitória do esloveno Domen Prevc, que vem em ótima forma. Irmão mais novo do vitorioso Peter Prevc, Domen fez 286,9 contra 286,7 do norueguês Daniel-André Tande.

Em Lillehammer, as mulheres começaram a Copa do Mundo e nenhuma novidade. As japonesas Sara Takanashi e Yuki Ito fizeram dobradinha nas duas provas do fim de semana. Takanashi venceu com tranquilidade as duas provas, com 19,9 pontos de vantagem na 1ª e 12,7 na 2ª. Takanashi já tem 46 vitórias em Copas do Mundo!

Classificação Masculina (após 3 eventos): 1) Domen Prevc (SLO) 220; 2) Severin Freund (GER) 204; 3) Daniel-André Tande (NOR) 178

Classificação Feminina (após 2 provas): 1) Sara Takanashi (JPN) 200; 2) Yuki Ito (JPN) 160; 3) Jacqueline Seifriedsberger (AUT) 110

Patinação de Velocidade

gettyimages-627175366

Pódio 5.000m masculino

Na 3ª etapa da Copa do Mundo de pista longa, em Astana, Cazaquistão, algumas surpresas no masculino. O holandês Dai Dai Ntab levou a 1ª prova dos 500m com 34.52 e o russo Ruslan Murashov ganhou a 2ª com o mesmo tempo. Apesar disso, Pavel Kulizhnikov segue líder da prova após 5 etapas. Nos 1.000m, ouro pro canadense Vincent de Haitre com 1:08.90, enquanto o russo Denis Yuskov levou os 1.500m com 1:45.50. Nos 5.000m, enorme surpresa com a vitória do neozelandês Peter Michael com 6:21.58, a 1ª vitória de um neozelandês na história do esporte. O italiano Andrea Giovannini levou a saída em massa e o Japão conquistou a perseguição por equipes, onde a Holanda, com time de desconhecidos foi desclassificada.

Também sem vários nomes fortes no feminino, a chinesa Jing Yu aproveitou e venceu as 2 provas dos 500m, com 37.85 e 37.64, aproveitando a ausência da japonesa Nao Kodaira, que havia vencido as 3 provas anteriores. A japonesa Miho Takagi levou os 1.000m com 1:15.25 e os 1.500m com 1:56.36, deixando as holandesas para trás. Nos 3.000m, mais uma vitória da checa Martina Sablikova, com 4:02.90. A canadense Ivanie Blondin venceu a saída em massa e o Japão ganhou na perseguição por equipes.

Trenós

Na 1ª etapa do bobsled, em Whistler, a campeã olímpica Kaillie Humphries venceu no feminino em casa com 1:46.53, 0.24 melhor que o trenó austríaco de Christina Hengster. Nas duplas masculinas, o alemão Francesco Friedrich levou e nos quartetos, ouro pro trenó russo dirigido por Alexander Kasjanov. Edson Bindilatti ficou na boa 16ª posição no trenó de 4 entre 19 e em 23º nas duplas.

r1mq-fxyiayr8981720

Yun Sungbin (KOR)

No skeleton, o sul-coreano Yun Sung-bin mostrando boa evolução ao vencer com 1:45.86, 0.12 melhor que o russo campeão olímpico Alexander Tretiakov. Martin Dukurs decepcionou fora do pódio, em 4º. No feminino, vitória da canadense Elisabeth Vathje.

Em Lake Placid, o americano Tucker West venceu em casa no luge com 1:43.088, apenas 0.006 melhor que o russo Semen Pavlichenko! Tatjana Hüfner levou no feminino com Natalie Geisenberger fora do pódio, algo raro no luge. Nas duplas, Toni Eggert/Sascha Benecken pela 3º vez na temporada etapa e estão com 100%. No revezamento, vitória do Canadá.

Classificação Masculina (após 2 etapas): 1) Felix Loch (GER) 210; 2) Johannes Ludwig (GER) 209; 3) Roman Repilov (RUS) 186

Classificação Feminina (após 2 etapas): 1) Natalie Geisenberger (GER) e Dajana Eitberger (GER) 170; 3) Birgit Platzer (AUT) 145

` (após 2 etapas): 1) Toni Eggert/Sascha Benecken (GER) 300; 2) Robin Geueke/David Gamm (GER) 225; 3) Tobias Wendl/Tobias Artl (GER) 197

Resumo do fim de semana

Saltos Ornamentais

Isaac Souza Filho

Melhor nome da nova geração, Isaac Souza Filho foi o destaque brasileiro no Mundial Junior de Saltos Ornamentais, em Kazan, Rússia. No domingo, último dia da competição, ele ficou na ótima 7ª posição na plataforma Grupo A (16 a 18 anos) com 482,00 pontos. A prova foi vencida pelo chinês Lian Jun jie com 593,55.

Na prova por equipes, o 2º melhor resultado do Brasil, com o 8º lugar entre 15 equipes. O Brasil também competiu, mas no Grupo B (14 e 15 anos), com Luis Felipe Moura e Anna Lúcia dos Santos. Luis foi 14º no trampolim de 1m, 24º no de 3m e 20º na plataforma. Anna Lúcia foi 15ª no trampolim de 1m e 21ª no de 3m. A China venceu 7 das 15 provas.

Outros Esportes:

Rafael Andrade foi campeão pan-americano de ginástica de trampolim, em Bogotá. Ele fez 54,750 na final do trampolim para ficar com o ouro contra 54,295 do mexicano Luis Armando Cetina. Daiene Luma foi 4ª colocada no feminino com 50,000, a 0,225 do pódio.

– Com equipe cheia de novos nomes, o Brasil volta do Grand Slam de Tóquio de judô sem medalhas. Felipe Kitadai (60kg) e Rochele Nunes (+78kg) foram os melhores brasileiros, perdendo a disputa de bronze e terminando em 5º lugar nas suas categorias. 18 brasileiros disputaram o torneio.

– A seleção brasileira de para-badminton, esporte que estreará nos Jogos Paralímpicos de Tóquio-2020, venceu 5 ouros, 7 pratas e 12 bronzes no Pan-Americano da modalidade na Colômbia. Os brasileiros estivera presentes em todas os pódios.

– No GP de Turim de florete, Guilherme Toldo chegou à chave principal perdendo na estreia de 15-10 para Ka Long Cheung, de Hong Kong e terminando em 55º no geral. Ghislain Perrier foi o 93º e Pedro Marostega o 134º. O italiano Alessio Foconi foi ouro com 15-7 sobre o americano Alexander Massialas na final.

Adilson da Silva não passou pelo corte no Alfred Dunhill Champiosnhip, na África do Sul. Ele fez 144 tacadas após duas rodadas, uma acima do necessário para avançar. O campeonato já vale pela temporada de 2017 do Sunshine Tour e do Tour Europeu.

– Quatro brasileiros disputarão o Grand Prix Final de taekwondo no Azerbaijão esta semana: o medalhista olímpico Maicon Siqueira (+80kg), Iris Sing (49kg), Raphaella Galacho (+67kg) e Henrique Precioso (68kg). Medalhista mundial Venilton Teixeira (58kg) foi convocado, mas pediu dispensa.

 

Valeu, Morten!

000_6g9sx

E chegou o fim de uma era vitoriosa. Após muita especulação, o dinamarquês Morten Soubak anunciou que seu contrato não será mais renovado e está fora da seleção feminina de handebol.

Na seleção desde 2009, o dinamarquês foi peça importantíssima na evolução que o esporte deu no país. O handebol feminino vinha em ascensão com três participações olímpicas seguidas (Sydney-2000, Atenas-2004 e Pequim-2008) e um ótimo e surpreendente 7º lugar no Mundial de 2005. Mas com Morten a seleção chegou a outro patamar.

Com ele, o Brasil se tornou uma das equipes mais fortes do mundo e impõe o mesmo respeito que as principais equipes europeias. O auge veio em 2013 com o título mundial na Sérvia em uma campanha brilhante com 9 vitórias em 9 jogos. A tão desejada medalha olímpica não veio por muito pouco.

Além disso, Morten descobriu o que é ser brasileiro. Ele se casou com uma brasileira e tem uma filha. Se diz mais brasileiro que dinamarquês e criou um enorme vínculo com o país em que reside há mais de 10 anos, quando veio para ser técnico da equipe masculina do Pinheiros. Mas seus contatos com o país vem desde 1995.

A Confederação terá menos dinheiro a partir de 2017 com o fim ou redução de patrocínios, Morten tem um convite para ser técnico da equipe de Angola, e há boatos de desgate das relações do técnico com dirigentes e com as jogadoras, não confirmados.

Infelizmente, essa fase da equipe chega ao fim com o Torneio Quatro Nações, conquistado neste sábado pelo Brasil após empate em 21-21 com a Eslováquia. Não é o fim do mundo, claro. O Brasil tem jogadoras espetaculares que jogam nos melhores clubes europeus, tem duas jogadoras eleitas as melhores do mundo em 2 anos diferentes. Agora é saber que comandará uma equipe cada vez mais cobrada no próximo ciclo olímpico.

Obrigado Morten por tudo. E que venha a nova fase.

Resumo do fim de semana de inverno

Esqui Alpino

Mikaela Shiffri (USA) no slalom gigante em Killington

Com apenas disputas no feminino, em Killington, Estados Unidos. No 2º slalom gigante da temporada, a francesa Tessa Worley, campeã mundial em 2013, venceu com 1:59.26, 0.80 mais rápida que a norueguesa Nina Loeseth. A italiana Sofia Goggia completou o pódio. Vários nomes não muito acostumados a pódios nessa temporada.

No domingo, no slalom, mais um show de Mikaela Shiffrin. A americana, competindo em casa, sobrou pra vencer com 1:27.95, deixando a eslovaca Veronika Zuzulova em 2º com 1:28.68 e a suíça Wendy Holdener em 3º com 1:28.81. Shiffrin disparou na liderança, mas ainda não tivemos provas de downhill e de Super-G ainda.

Classificação Feminina (após 4 provas): 1) Mikaela Shiffrin (USA) 325; 2) Wendy Holdener (SUI) 168; 3) Nina Loseth (NOR) 165

Esqui Nórdico

A cidade finlandesa de Ruka recebeu a abertura dos 3 esportes nórdicos: cross-country, combinado nórdico e saltos.

Marit Bjoergen (NOR)

Na abertura, nos sprints clássicos, Pal Goldberg venceu no masculino e a sueca Stina Nilsson no feminino. Na prova longa, também no estilo clássico, o finlandês Iivo Niskanen venceu os 15km e Marit Bjoergen, de volta após a gravidez, levou os 10km. Devemos ver muitas vitórias dela novamente!

Classificação Masculina (após 2 eventos): 1) Calle Halfvarsson (SWE) 116; 2) Iivo Niskanen (FIN) e Pal Goldberg (NOR) 100

Classificação Feminina (após 2 eventos): 1) Stina Nilsson (SWE) 136; Marit Bjoergen (NOR) 126; 3) Krista Parmakoski (FIN) 125

Severin Freund (GER)

Nos saltos, o esloveno Domen Prevc começou vencendo. Irmão mais novo de Peter Prevc, 3º na prova, Domen fez 321,8 pontos contra 318,3 do alemão Sevenrin Freund, campeão da temporada 2014-15 e vice na passada. No domingo, foi a vez de Freund levar com 290,6 contra 279,0 do norueguês Daniel André Tande.

Classificação Masculina (após 2 eventos): 1) Severin Freund (GER) 180; 2) Domen Prevc (SLO) 120; 3) Manuel Fettner (AUT) 110

No combinado nórdico, não deu pra ninguém. Num fim de semana inspirado, Johannes Rydzek venceu as 2 provas de HS142+10km. Na 1ª, foi o 2º melhor nos saltos e venceu com 34s de vantagem. Na 2ª, foi 5º no salto, mas se recuperou no esqui vencendo por quase 15s.

Classificação Masculina (após 2 eventos): 1) Johannes Rydzek (GER) 200; 2) Wilhelm Denifl (AUT) 102; 3) Akito Watabe (JPN) 96

Patinação Artística

Na última etapa antes da Grande Final, o campeão olímpico Yuzuru Hanyu brilhou em casa no masculino. Ele venceu com 301,47 e venceu com muita tranquilidade. O americano Nathan Chen foi 2º com 268,91. No feminino, mais uma russa venceu (5º ouro russo em 6 etapas). Anna Pogorilaya somou 210,86 contra 198,00 da japonesa Satoko Miyahara.

Os canadenses Meagan Duhamel/Eric Radford ficaram com o ouro nos pares com 204,56, seguidos de duas duplas chinesas. Na dança artística, Tessa Virtue/Scott Moir, campeões olímpicos em Vancouver-2010, venceram com 195,84. Assim, estão definidos os 6 concorrentes de cada prova para a Grande Final, que será disputada de 8 a 11 de dezembro em Marselha.

Luge

Pódio feminino em Winterberg

Domínio alemão na 1ª etapa do circuito de Luge, em Winterberg. Em casa, Johannes Ludwig levou no masculino ao somar 1:44.732 após as 2 descidas. O russo Roman Repilov e o alemão Andi Langenhan completaram o pódio. No feminino, pódio completo alemão. Depois de começar a última temporada com algumas bobeadas, Natalie Geisenberger venceu a 1ª com 1:50.724, seguida de Tatjana Hüfner e Dajana Eitberger. Geisenberger segue rumo ao 5º título geral seguido, para igualar o feito de Hüfner. Nas duplas, mais um pódio todo alemão, sendo que a vitória ficou com Toni Eggert/Sascha Benecken.

Curling

Após uma 1ª fase brilhante com 9 vitórias em 9 jogos, a equipe da Escócia liderada por Eve Muirhead perdeu na semifinal por 11-6 para a Rússia de Victoria Moiseeva no Europeu de Curling. Na decisão, Moiseeva e sua equipe fizeram 6-4 sobre a Suécia de Anna Hasselborg para ficar com o título, enquanto Muirhead venceu 6-2 a República Checa para levar o bronze.

Niklas Edin (SWE) na decisão

Niklas Edin (SWE) na decisão

Na disputa masculina, um clássico nórdico entre os 2 maiores nomes do campeonato, que venceram os últimos 3 mundiais. A Suécia de Niklas Edin venceu 8 das 9 partidas na 1ª fase e passou com 8-5 pela Rússia na semifinal. Na outra, a Noruega de Thomas Ulsrud fez 7-4 na Suíça. Na grande final, um duelo muito equilibrado que foi a 5-5 após os 10 ends. No end adicional, a Suécia fez um ponto e a equipe de Edin vence o Europeu de Curling pela 3ª vez seguida!

Brasileiro Sênior e Campeonato Open de Natação – Resumo

Foi talvez o campeonato brasileiro absoluto mais fraco do Brasil nos últimos anos. Desde o Finkel de 2011 não ocorria uma competição nacional sem um medalhista olímpico. Muita gente de fora e tempos fracos mostraram que está todo mundo de enorme ressaca olímpica. Até mesmo quem não foi pros Jogos.

São dois torneios em um. Pela manhã, nas eliminatórias, são premiados os vencedores do Brasileiro Sênior, apenas para atletas nascidos em 1996 ou antes. Os 8 melhores independentes da idade se classificam para nadar as finais do Open a tarde.

Brandonn Almeida

Foram poucos tempos bons. O grande destaque foi, sem dúvida, Brandonn Almeida. Campeão mundial juvenil nos 1.500m livre, Brandonn venceu os 400m medley no Open com excelentes 4:12.49, 10º melhor tempo do ano no mundo! Este tempo o colocaria na final olímpica do Rio e em 7º na final. Ele ainda venceu os 200m costas e 200m medley e coroou sua brilhante participação com a vitória nos 400m livre, última prova da competição, com 3:49.46, baixando a marca sul-americana em 0.16!

No feminino, um dos destaques foi Etiene Medeiros, que levou os 50m livre, 50m costas (27.79, melhor índice do campeonato) e 50m borboleta. Bom tempo de Manuella Lyrio nos 200m livre com 1:58.25 e marca interessante de Jhennifer Conceição nos 50m peito, com 31.08. No masculino, bom ver o retorno de Thiago Simon, que não nadava bem desde o Pan de Toronto. Ele venceu os 200m peito com 2:10.78, melhor índice técnico de uma prova olímpica. Boas provas de Pedro Cardona , vencendo os 100m peito com 1:00.46, e de Gabriel Santos nos 100m livre, com 48.60.

Após os torneios, os 8 melhores índices técnicos até o momento são:

  1. Thiago Simon – 200m peito – 2:10.78 (915)
  2. Pedro Cardona – 100m peito – 1:00.46 (904)
  3. Brandonn Almeida – 400m medley – 4:12.49 (901)
  4. Gabriel Silva Santos – 100m livre – 48.60 (899)
  5. Felipe França – 100m peito – 1:00.65 (896)
  6. Leonardo de Deus – 200m borboleta – 1:56.21 (884)
  7. Guilherme Guido – 100m costas – 54.30 (875)
  8. Manuella Lyrio – 200m livre – 1:58.25 (872)

Essa lista deve mudar bastante após o Maria Lenk em abril. Além disso, há algumas discrepâncias nessa tabela de pontos da FINA. Brandonn fez o 10º tempo do mundo e pegaria vaga na final olímpica, mas está atrás do Pedro Cardona, que sequer passaria para a semifinal no Rio-2016.

Além do que, podemos esperar alguma mudança nos critérios da CBDA pro Mundial, já que apenas 8 nadadores estão garantidos. Caso haja alguma mudança nos patrocínios, a equipe pode aumentar. Tudo dependerá de uma eventual nova diretoria em 2017, após as eleições na entidade.

Natação no fundo do poço

Que o esporte brasileiro entrou numa enorme crise após os Jogos Olímpicos e por conta da crise econômica do país não é novidade. Várias confederações terão que reduzir imensamente as despesas pois perderam muitos patrocínios. Vários cortes de técnicos foram anunciados, diminuição nas viagens, redução de recursos para a base entre outras medidas que retrocederão o esporte olímpico brasileiro em anos. E isso depois de receber uma Olimpíada… Além desses fatores comuns a várias confederações, a CBDA conta ainda com um enorme problema judicial.

Por conta disso e da drástica redução de patrocínio dos Correios, a confederação anunciou os critérios de convocação para a natação no Mundial de Esportes Aquáticos de 2017, que será disputado em Budapeste. Como eles não tem ideia de quanto terão de dinheiro, a CBDA decidiu convocar apenas OITO nadadores para o Mundial. OITO. Serão os 8 melhores índices técnicos, apenas em provas olímpicas após o Brasileiro Sênior/Troféu Open que começou nesta quarta em Palhoça e após o Maria Lenk, em abril. Oito, independente do gênero.

Com dinheiro sobrando em 2015, a CBDA enviou a Kazan para o Mundial 81 atletas! Foram 10 saltadores, 1 saltadora de penhasco, 8 nadadores de águas abertas, 2 equipes de pólo aquático (25 atletas, por conta da exclusão de um jogador no masculino), 25 nadadores de piscina e 12 no nado sincronizado.

Os critérios podem mudar até lá. Mas o sinal vermelho não apenas acendeu, está gritando.

Resumo do fim de semana de inverno

Patinação Artística

Elena Radionova (RUS)

Na Copa da China, 5ª etapa do GP de Patinação, uma bela disputa no individual masculino. O canadense tricampeão mundial e vice olímpico em Sochi-2014 Patrick Chan venceu por muito pouco, somando 279,72 contra 278.54 do chinês Jin Boyang.

No feminino, a vitória ficou com a russa Elena Radionova com 205,90, a frente da canadense Kaetlyn Osmond com 196,00. Foi a 4ª vitória seguida no circuito de uma russa, a 3ª patinadora diferente. Nos pares, dobradinha chinesa. Yu Xiaoyu e Zhang Hao venceram com 203,76 enquanto Peng Cheng e Jin Yang fizeram 197,96.

Na dança artística, os irmãos americanos Maia e Alex Shibutani repetiram o ouro da 1ª etapa ao vencerem com 185,13. Os canadenses Kaitlyn Weaver e Andrew Poje ficaram em 2º com 181,54.

Patinação de Velocidade

Prova de saída em massa masculina

A segunda etapa da Copa do Mundo foi disputada em Nagano, no Japão. Sven Kramer começou vencendo mais uma, levando o ouro nos 5.000m com 6:15.17, apenas 0.53 melhor que seu compatriota Jorrit Bergsma. Bergsma se recuperou para vencer a prova de saída em massa com quase 4s de vantagem.

O alemão Nico Ihle venceu os 500m com 34.82. Nos 1.000m, Kjeld Nuis repetiu o ouro da 1ª etapa com 1:08.46 em mais uma dobradinha holandesa. O americano Joey Mantia levou os 1.500m com 1:45.43 enquanto a Holanda venceu mais uma perseguição por equipe e o Canadá levou a novidade do sprint por equipes.

No feminino, a japonesa Nao Kodaira levou mais uma prova dos 500m, com 37.75. Já a americana Heather Bergsma segue com tudo ao levar os 1.000m com 1:14.81 e os 1.500m com 1:55.29. Nos 3.000m, Martina Sablikova venceu com 4:03.56 enquanto a sul-coreana Bo-Reum Kim levou a saída em massa. Mais uma vitória da Holanda na perseguição por equipes enquanto o Japão venceu o sprint por equipes. Quem segue deixando a desejar é Ireen Wust, que ainda não venceu nesta temporada.