Saem os índices olímpicos pro Atletismo

Demorou, mas finalmente a IAAF divulgou os índices olímpicos pro atletismo.

Desta vez, a IAAF mudou seu sistema de classificação pros Jogos. Os índices estão bem mais fortes e poucos conseguirão classificação via índice. As vagas restantes para cada prova serão completadas pelo novo ranking da entidade.

esporte-salto-com-vara-thiago-braz-da-silva-20160815-135

Thiago Braz no Rio-2016

Aliás, que baita ranking!

A IAAF usou suas tabelas de pontuação (não são as mesmas tabelas usadas nas provas combinadas) para converter cada performance em pontos. Além disso, há uma bonificação para o nível da competição. Ou seja, se um atleta fizer uma baita marca para vencer em um meeting local (como muitos brasileiros fazem em São Bernardo e em Bragança Paulista), ele soma apenas 15 pontos. Se ele vencer uma final olímpico ou de mundial, soma 350 pontos independente da marca. No ranking, é tirada a média das 5 melhores performances de cada atleta dos últimos 12 meses (18 meses para os 10.000m).

Considerando as marcas de 2018 e desde ano, o Brasil teria 15 atletas com índice olímpicos já classificados para Tóquio:

  • Paulo André de Oliveira (100m – 10.02; índice 10.05)
  • Vitor Hugo dos Santos (200m – 20.21; índice 20.24)
  • Derick de Souza Silva (200m – 20.23; índice 20.24)
  • Aldemir Gomes da Silva Jr (200m – 20.23; índice 20.24)
  • Thiago André (800m – 1:45.10; índice 1:45.20)
  • Gabriel Constantino (110m com barreiras – 13.23; índice 13.32)
  • Márcio Teles (400m com barreiras – 48.70; índice 48.90)
  • Almir Cunha dos Santos (salto triplo – 17,53m; índice 17,14m)
  • Thiago Braz (salto com vara – 5,80m; índice 5,80m)
  • Darlan Romani (arremesso de peso – 22,00m; índice 21,10m)
  • Vitória Cristina Rosa (100m – 11.03; índice 11.15 e 200m – 22.73; índice 22.80)
  • Érica Sena (marcha 20km – 1:28:11; índice 1:31:00)
  • Nubia Soares (salto triplo – 14,69m; índice 14,32m)
  • Andressa de Moraes (lançamento de disco – 65,10m; índice 63,50m)
  • Fernanda Martins (lançamento de disco – 64,66m; índice 63,50m)

O último ranking foi divulgado no último dia 5. Coloca abaixo os outros brasileiros que pegariam vaga olímpica por estarem dentro das vagas por prova considerando 3 por país (só não contabilizei a maratona):

Jorge Henrique Vides – 100m (32º)
Rodrigo Pereira do Nascimento – 100m (63º)
Lucas da Silva Carvalho – 400m (28º)
Alexandre Russo – 400m (52º)
Altobeli Santos da Silva – 1.500m (65º) e 3.000m com obstáculos (33º)
Eduardo Santos Rodrigues – 110m com barreiras (26º)
Éder Antonio de Souza – 110m com barreiras (41º)
Talles Souza Silva – salto em altura (23º)
Alexsandro de Melo – salto em distância (21º)
Paulo Sérgio Oliveira – salto em distância (24º)
Mateus de Sá – salto triplo (18º)
Wagner Domingos – lançamento de martelo (14º)
Allan Wolski – lançamento de martelo (23º)
Caio Bonfim – Marcha 20km (55º)
Rosângela Santos – 100m (34ª)
Franciela Krasucki – 100m (79ª)
Geisa Coutinho – 400m (26ª)
Tatiane Raquel da Silva – 3.000m com obstáculos (38ª)
Juliana de Menis Campos – salto com vara (21ª)
Eliane Martins – salto em distância (14ª)
Geisa Arcanjo – arremesso de peso (17ª)
Mariana Marcelino – lançamento de martelo (28ª)
Laila Ferrer de Silva – lançamento de dardo (11ª)
Elianay Pereira – Marcha 20km (62ª)

A equipe teria 39 nomes mais os maratonistas, isso sem considerar a classificação dos revezamentos. Em Londres-2012 o Brasil levou 36 atletas no atletismo e no Rio-2016 contou com 67 competidores.

Anúncios

Boletim Rumo a Tóquio #6

Poucas competições deram vaga olímpica nos 2 primeiros meses do ano. Em janeiro, apenas o Mundial de Handebol masculino classificou para Tóquio. Em fevereiro, a Copa do Mundo de pistola e rifle na Índia e o campeonato africano de pentatlo moderno também valeram vaga para 2020.

Handebol

world20champions_1440x600

Dinamarca campeã mundial. Foto: IHF

A Dinamarca dominou em casa o Mundial masculino e levou seu 1º título mundial, unificando o título mundial ao olímpico. Na final contra a Noruega, os dinamarqueses destruíram seus adversários por 31-22 para levar o título vencendo seus 10 jogos disputados. A próxima vaga masculina será disputada nos Jogos Pan-Americanos, em julho e agosto.

Masculino: Dinamarca e Japão

Tiro

headline_img

Veronika Major (HUN) venceu a pistola de ar 10m e a pistola 25m (bateu WR na final), conquistando vaga olímpica para a Hungria

A Copa do Mundo de tiro 2019 começou na Índia apenas com provas de pistola e rifle. Mas não faltou polêmica, pois 2 atiradores do Paquistão foram impedidos de entrar na Índia. Por isso, o COI e a ISSF decidiram não dar baga olímpica na prova da pistola de fogo rápido 25m masculina, prova que os dois atiradores paquistaneses disputariam. Ainda assim, tivemos 2 vagas olímpicas em jogo para cada uma das outras 7 provas. A China fez a festa, conquistando 5 vagas e chega a 15 atiradores classificados para Tóquio.

Os brasileiros ficaram longe das vagas.

Rifle de ar 10m masculino: AUT, CHN (1+1), CRO (2), JPN, RUS, USA
Rifle 3 posições 50m masculino: CHN, HUN, ITA, JPN, NOR, POL, USA (2)
Pistola de ar 10m masculina: IND, JPN, KOR (2), RUS, SRB, UKR, USA
Rifle de ar 10m feminino: CHN (2), IND (2), JPN, KOR (2), USA
Rifle 3 posições 50m feminino: CHN, CRO, GBR, GER, JPN, RUS, SUI, USA
Pistola de ar 10m feminina: CAN, CHN, GRE, JPN, KOR (1+1), SRB, TPE
Pistola 25m feminina: CHN, GER, HUN, JPN, TPE, RUS, UKR, USA

Pentatlo Moderno

Num campeonato africano vazio, os egípcios dominaram em casa ficando com os dois títulos. Sherif Nazeir venceu no masculino e Haydy Morsy no feminino e ganharam as vagas continentais para Tóquio. A vaga é nominal e não pro país. As próximas vagas sairão da final da Copa do Mundo, em junho, em Tóquio, 1 por gênero.

Masculino: EGY e JPN
Feminino: EGY e JPN

Quotas

830 vagas estão definidas para 51 países. O Egito é o mais novo na lista com as vagas no pentatlo.

As equipes com pelo menos 5 vagas são:

Japão – 394 (4 incluídos por conta da divulgação do sistema de qualificação da canoagem de velocidade)
Estados Unidos – 53
Nova Zelândia – 31
China – 30
França – 29
Rússia – 26
Brasil – 23
Grã-Bretanha – 22
Austrália – 18
Itália – 17
Alemanha – 15
Angola – 14
Holanda – 12
Espanha – 10
Suécia – 10
Coreia do Sul – 8
Noruega – 7
Suíça – 7
Croácia – 6
Áustria – 5
Bulgária – 5
Eslováquia – 5
Grécia – 5

Boletim Rumo a Tóquio-2020 #5

Dezembro foi um mês com poucas competições classificatórias para Tóquio, com vagas apenas no handebol feminino e no futebol feminino.

Handebol

France-celebrating-their-win-over-Russia-EHF-Euro-2018

França campeã europeia. Foto: ehfeuro/Facebook

No campeonato europeu feminino disputado na França, as donas da casa venceram pela 1ª vez o título continental com 24-21 na final contra a Rússia, na reedição da final olímpica do Rio-2016, e ficaram com a vaga continental. Vale lembrar que a França é a atual campeã mundial no feminino. Já no campeonato africano, no Congo, a equipe de Angola sobrou e venceu mais uma vez o título continental, o 13º das últimas 16 edições, e levou a vaga africana.

Feminino: Angola, França e Japão

Futebol

Sem ser ameaçada em nenhum momento, a Nova Zelândia garantiu o título da Copa das Nações Feminina da Oceania e ficou com a vaga olímpica. Em 5 jogos disputados, as neozelandesas venceram os 5 com 43 gols a favor e nenhum contra. Na decisão, 8-0 sobre Fiji.

Feminino: Brasil, Japão e Nova Zelândia

Quotas

796 vagas estão definidas e temos 50 países já classificados. Angola é a novidade.

As equipes com pelo menos 10 vagas são:

Japão – 390
Estados Unidos – 53
Nova Zelândia – 31
França – 29
Rússia – 26
China – 25
Brasil – 23
Grã-Bretanha – 22
Austrália – 18
Itália – 16
Alemanha – 15
Angola – 14
Holanda – 12
Espanha – 10
Suécia – 10

2019 será um ano com dezenas de torneio classificatórios, mas janeiro ainda será um mês tímido, com vagas apenas no handebol masculino com o Mundial na Alemanha e Dinamarca, e no futebol masculino, com o Sul-Americano Sub20 no Chile. Janeiro também marca o início do período de classificação do hipismo e para obtenção de índices no atletismo para as provas de 10.000m, maratona, marchas, provas combinadas e revezamentos.

Boletim Rumo a Tóquio-2020 #4

Nas últimas semanas mais dois eventos definiram vagas olímpicas para Tóquio-2020: o Mundial de Ginástica Artística em Doha e o Campeonato das Américas de Tiro, em Guadalajara.

Ginástica Artística

Eram 3 vagas por equipe em jogo por gênero.

GYMNASTICS-QAT-WC-2018

Simone Biles no Mundial de Ginástica em Doha. Foto: Karim Jaafar/AFP

Na final masculina, a China ficou com o ouro com 256,634, muito pouco a frente da equipe da Rússia, com 256,585. A espetacular nota de 16,200 de Zou Jingyuan nas barras paralelas ajudaram e muito o título chinês. Com 253,744 o Japão, atual campeão olímpico e defensor do título mundial, ficou com o bronze, garantindo a 3ª vagas olímpica.

No feminino, mesmo sem uma Simone Biles inspirada e que colocou a mão na trave para se equilibrar, os Estados Unidos venceram novamente com muita folga. As americanas somaram 171,629 colocando quase 9 pontos a frente da Rússia, com 162,863. A última vaga foi pra China, bronze com 162,396. Cada equipe garante 4 vagas pros Jogos e pode até conseguir mais, caso um atleta que não esteve nesse Mundial lidere a Copa do Mundo 2019-2020.

Masculino: China (4 vagas), Japão (4), Rússia (4)
Feminino: China (4 vagas), Estados Unidos (4), Japão (1), Rússia (4)

Tiro

Foram 14 vagas em jogo no Campeonato das Américas, disputado em Guadalajara, no México, 2 na fossa masculina, 2 na feminina e 1 para cada uma das outras 10 provas individuais.

Os americanos faturaram 8 vagas e só não levaram mais porque já tinham conseguido o máximo na fossa feminina. Estados Unidos ficou com as vagas nas seguintes provas: rifle de ar 10m masculino, rifle 3 posições 50m masculino, pistola de ar 10m masculina, skeet masculino, rifle de ar 10m feminino, rifle 3 posições 50m feminino, pistola 25m feminina e fossa feminina.

Outros 6 países conseguiram uma vaga no torneio: Cuba na pistola de fogo rápido 25m masculina, Peru na fossa masculina, México na fossa masculina, Canadá na pistola de ar 10m feminina, Guatemala na fossa feminina e Chile no skeet feminino.

O Brasil ficou muito perto da vaga na pistola de fogo rápido 25m, onde Emerson Duarte foi prata, e na pistola de ar 10m masculina, onde Philipe Severo foi bronze.

Rifle de ar 10m masculino: CHN, CRO (2), JPN, RUS, USA
Rifle 3 posições 50m masculino: CHN, JPN, NOR, POL, USA (2)
Pistola de ar 10m masculina: JPN, KOR (2), RUS, UKR, USA
Pistola de fogo rápido 25m masculina: CHN (2), CUB, FRA, JPN, RUS
Fossa masculina: AUS, ESP, JPN, KUW, MEX, PER, SVK
Skeet masculino: FRA, ITA, JPN, NOR, USA (2)
Rifle de ar 10m feminino: IND (2), JPN, KOR (2), USA
Rifle 3 posições 50m feminino: CRO, GBR, GER, JPN, RUS, USA
Pistola de ar 10m feminina: CAN, CHN, GRE, JPN, KOR, SRB
Pistola 25m feminina: GER, JPN, TPE, RUS, UKR, USA
Fossa feminina: AUS, CHN, GUA, ITA, JPN, SVK, USA
Skeet feminino: CHI, JPN, SVK, RUS, USA (2)

Quotas

750 vagas já estão definidas e 49 países já estão classificados.

Entraram para a lista 4 novos países por conta das vagas no tiro: Chile, Cuba, Guatemala e México.

As equipes com pelo menos 10 vagas são:

Japão – 390
Estados Unidos – 53
Rússia – 26
China – 25
Brasil – 23
Grã-Bretanha – 22
Austrália – 18
Itália – 16
Alemanha – 15
França – 15
Nova Zelândia – 13
Holanda – 12
Espanha – 10
Suécia – 10

Teremos ainda este ano mais 3 competições classificatórias para Tóquio-2020: Copa das Nações Feminina da Oceania, que termina em 1º de dezembro, e os campeonato femininos de handebol da Europa e da África, que acabam no meio de dezembro.

Boletim Rumo a Tóquio-2020 #3

Em setembro tivemos 4 Mundiais que colocaram mais 8 países na lista de classificados para os Jogos.

Tiro

52nd ISSF World Championship All Events 2018 - Changwon, KOR - Final Skeet Men

Vincent Hancock (USA) na prova de Skeet no Mundial em Changwon. Foto: ISSF

O grande Mundial de tiro, em Changwon, na Coreia do Sul, alocou 4 vagas por prova individual e mais 2 por prova em equipe. Lembrando que pro tiro um atleta só pode garantir uma única quota pro seu país e cada país só pode ter no máximo 2 atletas por prova individual. Uma vez classificado, o atleta pode até disputar outras provas. Países classificados:

Pistola de ar 10m masculino: Coreia do Sul (2 vagas), Rússia e Ucrânia
Pistola de fogo rápido 25m masculino: China (2), França e Rússia
Rifle de ar 10m masculino: China, Croácia (2) e Rússia
Rifle 50m 3 posições masculino: China, Estados Unidos, Noruega e Polônia
Fossa masculina: Austrália, Eslováquia, Espanha e Kuwait
Skeet masculino: Estados Unidos, França, Itália e Noruega
Pistola de ar 10m feminino: China, Coreia do Sul, Grécia e Sérvia
Pistola 25m feminino: Alemanha, Rússia, Taiwan e Ucrânia
Rifle de ar 10m feminino: Coreia do Sul (2) e Índia (2)
Rifle 50m 3 posições feminino: Alemanha, Croácia, Grã-Bretanha e Rússia
Fossa feminina: Austrália, China, Eslováquia e Itália
Skeet feminino: Eslováquia, Estados Unidos (2) e Rússia
Pistola de ar 10m por equipe mista: China e Rússia
Rifle de ar 10m por equipe mista: China e Rússia
Fossa por equipe mista: Eslováquia e Rússia

A Rússia levou o maior número de vagas, com 12. China obteve 10, Coreia do Sul e Eslováquia 5 cada e Estados Unidos 4.

Ginástica Rítmica

RG WCh Sofia/BUL 2018:

O Mundial de Ginástica Rítmica em Sófia, na Bulgária, classificou os 3 grupos medalhistas na prova geral para os Jogos. A Rússia venceu a competição com 46,300 contra 44,825 da equipe da Itália e 42,050 da Bulgária. Apesar disso, a Rússia não levou nenhum dos ouros na finais por aparelho. Mas para a classificação olímpica o que valia era o geral.

Grupo feminino: Rússia, Itália e Bulgária.

Hipismo

charlotte-dujardin-mount-st-john-freestyle-photo-by-annan-hepner

Charlotte Dujardin (GBR) no adestramento nos Jogos Equestres

Nos Jogos Equestres, que só ocorrem a cada 4 anos, tivemos 6 vagas para cada uma dos 3 eventos por equipe. E uma extra no adestramento. A equipe americana venceu em casa o saltos por equipe numa disputa emocionante no desempate sobre a Suécia, a Grã-Bretanha levou no Concurso Completo e a Alemanha confirmou o favoritismo para dominar o adestramento. Cada evento vai ter qualificatórios regionais, mas ficou definido que a vaga no adestramento do Grupo G (que compreende o Sudeste Asiático e a Oceania) sairia para o melhor classificado nos Jogos Equestres. A Austrália foi a única equipe inscrito e só precisava que 3 conjuntos se apresentassem. Diferentes das edições anteriores, cada país só pode levar 3 conjuntos por prova e não mais 4. A Alemanha foi o único país que garantiu vaga nas 3 provas pelos Jogos Equestres. A Austrália também já está nos 3, mas a vaga do adestramento veio pela quota regional.

Saltos por Equipes: Alemanha, Austrália, Estados Unidos, Holanda, Suécia e Suíça
CCE por Equipes: Alemanha, Austrália, França, Grã-Bretanha, Irlanda e Nova Zelândia
Adestramento por Equipes: Alemanha, Austrália, Espanha, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Holanda e Suécia

Basquete

usa-basketball-team-768x432

Estados Unidos vence Copa do Mundo feminina. Foto: Xinhuanet.com

A equipe dos Estados Unidos venceu a Copa do Mundo feminina pela 3ª vez seguida e 10ª na história e, assim, já está classificada para os Jogos. As 10 vagas restantes sairão de 4 torneios pré-olímpicos mundiais, acabando com a representação continental no basquete feminino. Para buscar vaga olímpica, o Brasil precisa ficar entre os 8 primeiros na Copa América e depois entre os 2 primeiros de um dos 2 pré-qualificatórios americanos. Essas 4 equipes se classificam para os pré-olímpicos mundiais.

Quotas

45 países já se classificaram para Tóquio-2020. Bulgária, Eslováquia, Índia, Irlanda, Kuwait, Sérvia, Taiwan e Ucrânia entraram para essa lista.

Países com mais vagas:

Japão = 387
Estados Unidos – 41
Brasil – 23
Grã-Bretanha – 22
Austrália – 18
Rússia – 18
China – 17
Itália – 16
Alemanha – 15
França – 15
Nova Zelândia – 13
Holanda – 12
Espanha – 10
Suécia – 10
Dinamarca – 8

Em outubro teremos o início da Série Mundial de Rugby 7s feminino e o Mundial de Ginástica Artística, em Doha.

Boletim Rumo a Tóquio-2020 #2

Neste segundo boletim de acompanhamento das classificações olímpicas, vou repassar as vagas definidas nos Jogos Asiáticos, disputados até os último domingo na Indonésia.

Tiro com Arco

header_kim_woojin_wins_asian_games_2018

Kim Woojin (KOR) a caminho do ouro. Foto: World Archery

As primeiras vagas do esporte foram definidas na disputa de duplas mistas, que fará sua estreia olímpica em 2020. Na decisão, o Japão venceu a Coreia do Norte por 6-0 e ficou com o ouro. Como o Japão já tem equipe classificada, a Coreia do Norte garante um homem e uma mulher nos Jogos. Tivemos ainda duas vagas para os países que venceram no individual. O sul-coreano Kim Woojin e a chinesa Zhang Xinyan foram ouro e garantiram vagas pros seus países.

Vela

Eram duas vagas, uma na Laser masculina e uma na Laser Radial feminina, excluindo os países que já tinham garantido vaga pelo Mundial. O sul-coreano Ha Jee-min foi ouro na Laser masculina, mas a Coreia já tinha vaga e quem ficou com a quota foi a Malásia, que foi prata. Na Laser Radial feminina, Japão e China foram ouro e prata, mas já tinham vaga também. Assim, a Malásia também levou a vaga no feminino. Seguem classificados incluindo os garantidos no Mundial:

Laser masculina (15): Alemanha, Austrália, Brasil, Chipre, Coreia do Sul, Croácia, Estados Unidos, Estônia, Finlândia, França, Grã-Bretanha, Malásia, Noruega, Nova Zelândia e Peru

Laser Radial feminina (19): Alemanha, Bélgica, Canadá, China, Dinamarca, Estados Unidos, Finlândia, França, Grã-Bretanha, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Malásia, Noruega, Polônia, Suécia, Suíça e Turquia

Tênis

Os campeões dos Jogos ganharam uma preferência para ir para Tóquio. O uzbeque Denis Istomin e a chinesa Wang Qiang foram ouro e estão garantidos em Tóquio desde que sejam top-300 nos rankings da ATP ou WTA em 8 de junho de 2020.

Hóquei na Grama

2-9-18s1_asian-games

Japão é ouro no hóquei feminino. Foto: AP Photo/Aaron FAvila

Os campeões dos torneios de hóquei na grama se garantiam em Tóquio. Mas apenas o campeão. Só que o Japão veio e estragou a festa de todos. Já garantido no masculino e no feminino por ser sede, o Japão levou os dois ouros. Na decisão masculina, venceu a Malásia nos pênaltis por 3-1, após empate em 6-6, placar bastante fora do comum. No feminino, as japonesas venceram a Índia por 2-1. Como a vaga era apenas para o campeão e o Japão já estava garantido, essas vagas asiáticas vão pro pré-olímpico mundial. Malásia e Índia perderam uma grande chance e vão sofrer para conseguir se classificar.

Quotas

37 países já se classificaram para Tóquio-2020. Malásia, Uzbequistão e Coreia do Norte entraram para essa lista.

Países com mais vagas:

Japão – 363
Brasil – 23
Estados Unidos – 19
Grã-Bretanha – 15
França – 10
Nova Zelândia  – 10
Itália – 9
Dinamarca – 8
Austrália – 7
China – 7
Espanha – 6
Holanda – 6
Noruega – 5

Em setembro teremos vagas em disputa no Mundial de Tiro, de Ginástica Rítmica, nos Jogos Mundiais Equestres e na Copa do Mundo feminina de Basquete.

Sistemas de Qualificação Tóquio-2020 – Parte 2

Continuando os sistemas de qualificação para Tóquio com os esportes que terão suas primeiras vagas definidas já este ano.

Ginástica Artística

Captura de Tela 2018-08-19 às 21.27.16

Foto: AP Photo/Rebecca Blackwell

Provas: 14 (8 masculinas e 6 femininas)
Quotas: 196 (98 homens e 98 mulheres)
Quota Máxima por País: 4 homens pra equipe e 2 que não participam da equipe e 4 mulheres pra equipe e 2 que não participam da equipe.
Vagas por Prova: Como haverá uma qualificação geral, cada atleta pode participar de todos os aparelhos, mesmo que ele tenha se classificado por um único aparelho.

Sistema:
Este é bem complicado, mesmo. Nas últimas edições dos Jogos, boa parte das vagas vinham do último Mundial antes da Olimpíada e do pré-olímpico mundial, que era o evento-teste. Esta última competição não dará mais vaga.

Serão 12 equipes por gênero: as 3 primeiras se classificarão neste ano pelo Mundial de Doha, para as 3 equipes medalhistas, e as 9 vagas restantes sairão do Mundial de 2019, em Stuttgart. Neste Mundial, podem participar apenas as 24 melhores equipes do Mundial de 2018 e as 9 melhores na qualificação (excluindo as 3 já classificadas) se garantem em Tóquio.

O Mundial de 2019 dará mais 12 vagas no masculino e 20 no feminino para os melhores atletas na qualificação do individual geral, apenas para países que não tem vaga por equipe, 1 vaga no máximo por país. O Mundial de 2019 dará vagas para os 3 melhores atletas de cada aparelho cujos países não se classificaram por equipe. A vaga olímpica é pro próprio atleta e ele só pode garantir uma única vaga, mesmo que participe de mais de uma final por aparelho. Nesta situação, há um máximo de 18 vagas no masculino e 12 no feminino (e no máximo 3 vagas por país), mas é bem provável que não sejam totalmente preenchidas, já que não podem se repetir os países com vaga por equipe.

O próximo critério de qualificação vem da Copa do Mundo por aparelhos. Serão 8 competições até março-2020, contando os 3 melhores resultados de cada atleta. O melhor atleta de cada aparelho ganha a vaga olímpica, mas apenas 1 por país entre homens e mulheres. Um atleta de um país já classificado pode ganhar essa vaga, desde que ele não tenha participado do Mundial que seu país conquistou a vaga. Se isso ocorrer, esse atleta não pode competir por equipe nos Jogos. Na Copa do Mundo do individual geral, haverá um ranking de países, dando vagas para os 3 melhores países no masculino e 3 no feminino. Essas vagas são apenas para os países que levarão equipe e será uma vaga extra para as equipes.

As últimas vagas virão dos campeonatos continentais, nas finais do individual geral. Por gênero, são 2 vagas pras Américas, 2 para a Europa, 2 pra Ásia, 2 pra África e 1 pra Oceania. Para encerrar, serão dados dois convites, 1 no masculino e 1 no feminino. Esses critérios são bem complicados e estão cheios de asteriscos, por conta de quem pode participar de cada evento. Existe até uma possibilidade de um país não ganhar vaga por equipe e conseguir classificar 7 atletas individuais, mas não poderá participar da prova por equipes. Doido demais.

Tiro com Arco

rio16_b16_5004

Foto: World Archery

Provas: 5 (2 masculinas, 2 femininas e 1 mista)
Quotas: 128 (64 homens e 64 mulheres)
Quota Máxima por País: 3 homens e 3 mulheres
Vagas por Prova: 64 pros torneios individuais, 12 equipes masculinas e femininas. Se um país classifica pelo menos um de cada gênero, ele pode disputar as duplas mistas

Sistema:
Em primeiro lugar, todos os arqueiros, até os convidados, devem obter o índice mínimo num round duplo 70m. O índice masculino é 640 e o feminino 605. A prioridade é pelas vagas em equipe. O Japão tem automaticamente 3 homens e 3 mulheres classificados, desde que envie equipe para o Mundial de 2019. Neste Mundial, as 8 melhores equipes garantem vagas olímpicas. Caso o Japão esteja no top-8, apenas 7 equipes se classificam. Três equipes (ou quatro, no caso do Japão ser top-8 no Mundial) se classificarão pelo pré-olímpico mundial final.

As vagas seguintes sairão dos jogos continentais nas equipes mistas, apenas para as duplas campeãs nos Jogos Asiáticos, Jogos Europeus, Jogos do Pacífico, Jogos Pan-Americanos e Jogos Africanos. Caso o Japão vença os Jogos Asiáticos, a vaga irá para a equipe medalha de prata. Caso a equipe já tenha garantido vagas no Mundial, essas vagas irão pro Torneio Mundial Final.

O Mundial de 2019 dará mais 4 vagas individuais, uma por país. Os Jogos Asiáticos, Europeus e Pan-Americanos darão mais uma vaga no individual por gênero. Cada continente irá realizar depois mais um torneio pré-olímpico, onde só podem competir arqueiros de países não-classificados. São, por gênero, 4 vagas pra Europa, 3 para a Ásia, 3 para as Américas, 2 para a África e 1 para a Oceania. Haverá ainda um Torneio Mundial Final, aberto apenas para países ainda não classificados. Este torneio dará uma única vaga, a não ser que sobrem vagas para realocação. Finalizando, serão 2 convites por gênero da Comissão Tripartidária.

Hóquei na Grama

589725638

Provas: 1 masculina e 1 feminina
Quotas: 384 (192 homens e 192 mulheres)
Quota Máxima por País: 1 equipe masculina e 1 feminina, com 16 atletas cada
Vagas por Prova: 12 equipes por gênero com 16 atletas em cada equipe

Sistema:
Como sede, o Japão tem vaga garantida nos dois torneios. Há uma vaga para cada continente, apenas para o campeão do Pré-Olímpico Africano, Jogos Pan-Americanos, Jogos Asiáticos, Campeonato das Nações Europeias e Copa da Oceania. Se o Japão for ouro nos Jogos Asiáticos, a vaga não irá pro 2º colocado, mas pros pré-olímpicos mundiais.

As 6 vagas finais (ou 7) sairão de playoffs mundiais, que serão disputados pelas 4 melhores equipes da Hockey Pro League, 2 melhores equipes de cada um dos 3 torneio da Hockey Series 2019 e pelas 3 melhores equipes do ranking mundial restantes. Caso o Japão vença os Jogos Asiáticos, serão 7 vagas aqui e entram no jogo mais 2 equipes pelo ranking mundial. Os confrontos serão em duas partidas e leva a vaga quem tiver o melhor resultado agregado.

Taekwondo

2016-08-17t200039z_1_lynxnpec7g1av_rtroptp_3_olympics-rio-taekwondo-m-fly-800

Provas: 8 (4 masculinas e 4 femininas)
Quotas: 128 (64 homens e 64 mulheres)
Quota Máxima por País: 4 homens e 4 mulheres se pelo ranking, 2 homens e 2 mulheres se pelos pré-olímpicos continentais
Vagas por Prova: 16 vagas por categoria de peso, no máximo uma por país

Sistema:
O primeiro critério do taekwondo é o ranking olímpico de cada categoria. São 5 vagas para cada categoria no ranking divulgado em dezembro/2019, após a Final do Grand Prix, com no máximo 1 atleta por país por categoria. A vaga é para o país, mas para esse tipo de qualificação o país só pode mandar atletas que estejam no top-20 deste ranking. Após a etapa final do Grand Slam Champions Series em janeiro/2020, o ranking da série dará uma vaga por categoria.

Nos pré-olímpicos continentais serão, por categoria, 2 vagas para Ásia, Europa, América e África e 1 para a Oceania. Só podem disputar esses pré-olímpicos continentais países que classificaram menos de 2 atletas pelos ranking por gênero, já que há limite de 2 homens e 2 mulheres se as vagas vierem por esses torneios. Ou seja, se um país classificou 2 (ou mais) homens pelos rankings, por exemplo, ele não pode mandar homens para os torneios. O Japão não pode disputar o torneio continental, mas tem garantido 2 homens e 2 mulheres, embora possa enviar mais caso classifiquem pelos rankings. São ainda mais 4 convites para as 4 categorias que o Japão não escolheu disputar.

Nado Artístico

AP RIO OLYMPICS SYNCHRONIZED SWIMMING S OLY SYN BRA

AP Photo/Wong Maye-E

Provas: 2 femininas
Quotas: 104 mulheres
Quota Máxima por País: 8
Vagas por Prova: 10 vagas na prova de equipe e 22 pros duetos

Sistema:
Desta vez serão 10 equipes, contra 8 das outras edições olímpicas. Em ordem hierárquica, as primeiras 5 vagas são para os representantes continentais. A vaga asiática será para o Japão, a das Américas para a o campeão dos Jogos Pan-Americanos, a europeia para o campeão da Copa dos Campeões e a africana e da Oceania para as melhores equipes de cada continente no Mundial de Esportes Aquáticos de 2019. O Mundial dará mais 2 vagas, levando em consideração o resultado combinado das rotinas técnica e livre, para equipes que não ganharam as vagas continentais. De um pré-olímpico mundial em 2020 sairão mais 3 vagas.

Para a competição de duetos, as 10 primeiras vagas são para os 10 países classificados para a prova de grupos. São mais 5 vagas continentais, nas mesmas competições continentais conforme a classificação nas equipes. Por fim, o pré-olímpico mundial dará as 7 últimas vagas, totalizando 22.