Mundial de Canoagem Slalom – Parte II

3133-20171001-3400-1-10-2017-16-18-02

Ana Sátila e sua 2ª medalha neste Mundial! Foto: CBCa

Depois de fracassar no C1 apesar de todo o favoritismo, a australiana Jessica Fox deu show na final do K1. Na semifinal, passou com o 10º tempo, ficando a apenas 0.07 da 11ª. Na decisão, ela foi a 1ª a descer e fez uma prova limpa com 97.14. Aí foi só torcer contra. Nenhuma atleta chegava perto do tempo da australiana. A última a descer foi a britânica Fiona Pennie, a melhor nas eliminatórias e na semifinal, mas, quando ela perdeu a 10ª porta, o ouro caiu nas mãos da jovem australiana de apenas 23 anos e 7 títulos mundiais! A eslovaca Jana Dukatova foi prata com 101.76 e a alemã Ricarda Funk bronze com 102.62. Ana Sátila, bronze no C1 na sexta, ficou em 15º lugar na semi e não pegou final.

20170930-03625_pau

Benjamin Savsek (SLO). Foto: ICF

Na final do C1 masculino, o esloveno Benjamin Savsek foi espetacular. Mesmo com uma falta e a punição de 2s, conseguiu fazer o melhor tempo, com 94.81. Em 2º lugar o eslovaco Alexander Slafkovsky com 96.29 e o bronze foi pro veteraníssimo e multicampeão eslovaco Michal Martikan. Após 3 pódios seguidos em mundiais, Savsek finalmente levou o ouro enquanto Martikan, aos 38 anos, chega a sua 21ª medalha em Mundiais! Ele ainda tem 5 medalhas olímpicas. Felipe Borges ficou em 25º na semifinal.

No domingo, foi a vez da estreia do Extreme Kayak em mundiais. É uma prova de baterias com 4 por vez onde os 2 primeiros avançam. Há portas que devem ser cruzadas pela direita ou pela esquerda, portas de remonta e área onde deve ser feito um rolamento. Ana Sátila foi avançando, venceu sua bateria de 4as de final, contou com duas desclassificações na semi e, na decisão, conseguiu uma medalha de prata, sua 2ª medalha neste Mundial! A vitória foi da alemã Caroline Trompeter e no masculino o ouro foi pro checo Vavrinec Hradilek.

Anúncios

Mundial de Canoagem Slalom – Parte I

Ana Sátila novamente entra para a história da canoagem brasileira conquistando a 1ª medalha de um brasileiro em Mundiais de canoagem slalom, em Pau, na França.

3131-20170929-300-29-9-2017-16-08-46

Ana Sátila. Foto: CBCa

Na prova do C1 feminino, que fará sua estreia olímpica em Tóquio-2020, Ana brilhou e contou bastante com a sorte. Nas eliminatórias na quarta-feira, fez o 13º tempo na 1ª descida para avançar pra semifinal. Hoje na semi, deu 3 toques nas portas, mas fez uma descida excelente (a 3ª mais rápida) e terminou em 7º lugar com 119.21 se garantindo na decisão. A australiana Jessica Fox vinha com o melhor tempo de 114.44. Na final, a britânica Mallory Franklin, a 1ª a descer, brilhou zerando com 109.09. As duas russas fizeram descidas ruins. Uma inclusive virou o caiaque e perdeu 6 portas. Ana foi a 4ª a descer e vinha muito bem, mas acabou tocando na penúltima porta. Ainda assim, assumiu o 2º lugar com 114.29. Aí foi hora de secar as 6 restantes. A britânica Eilidh Gibson vinha muito bem, mas tocou uma no final e piorou seu tempo, ficando atrás da brasileira. A checa Tereza Fiserova, penúltima a descer, zerou sua passagem e assumiu o 2º lugar, jogando a brasileira para 3º. Restava apenas Fox. A australiana comeõu muito bem, mas deu dois toques seguidos e se embananou numa porta invertida e, com 119.72, terminou em 6º. Medalha inédita de bronze para Ana Sátila em um Mundial adulto!

No K1 masculino, dobradinha checa num quase empate. Ondrej Tunka e Vit Prindis fizeram o 1-2 com 91.84 e 91.86 respectivamente, ambos zerando. Prata no Rio-2016, o esloveno Peter Kauzer completou o pódio com 92.13. No C2 masculino, que não é mais olímpica, vitória dos donos da casa Gauthier Klauss/Matthieu Péché com 105.30, deixando os primos eslovacos campeões olímpicos Ladislav e Peter Skantar em 2º com 105.37. Tricampeões olímpicos, os gêmeos eslovacos Pavol e Peter Hochschorner seguem em má fase, perdendo 2 portas e terminando em 10º.

No retorno do C2 misto a mundiais após um hiato de 36 anos, mais um ouro francês com Margaux Henry/Yves Prigent. Nas provas por equipes na terça-feira, a Eslováquia venceu no C1 masculino, República Checa no K1 masculino, Grã-Bretanha no C1 feminino e Alemanha no K1 feminino.

Foi a 19ª medalha do Brasil em provas olímpicas em Mundiais em 2017.

Resumo olímpico da semana

Vôlei

Captura de Tela 2017-09-13 às 00.48.37

Foto: FIVB

O Brasil ficou com a prata na Copa dos Campeões de Vôlei feminino no Japão, após 3 vitórias em 5 jogos. Começou vencendo por 3-1 a Rússia, depois perdeu de 3-2 para a China e para o Japão, antes de vencer 3-0 a coreia do Sul e fechar a campanha com 3-0 sobre as americanas. A China ficou com o ouro de maneira invicta e os Estados Unidos foram bronze também com 3 vitórias.

A seleção feminina encerra, assim, o ano com um excelente retrospecto, de 3 ouros (Grand Prix, torneio de Montreux e Sul-Americano) e uma prata em 4 competições, mas mostrou muita inconstância, embora esteja em renovação.

Canoagem Slalom

Ana Sátila não medalhou por pouco na etapa final da Copa do Mundo em La Seu D’Urgell, na Espanha. Na última competição antes do Mundial no fim do mês na França, Ana chegou às finais das duas provas que disputou. No K1, depois de fazer o melhor tempo na semifinal, acabou ficando em 4º lugar na decisão com 99.93, a 1.78 do bronze. A vitória foi da alemã Ricarda Funk com 96.82. No C1, que agora é olímpica, Ana Sátila terminou em 7º com 115.69, ficando a 2.68 do pódio. O ouro ficou com a espanhola Nuria Vilarrubla com 108.37.

Pedro da Silva, finalista olímpico, parou na semifinal do K1 em 25º.

Hipismo

A equipe brasileira formada por Pedro Muylaert/Prince Royal Z MFS, Yuri Mansur/Babylotte, Pedro Veniss/Quabri de Isle e Eduardo Menezes/Quintol foi prata na Copa das Nações no CSIO5* de Spruce Meadows, no Canadá. Somando 8 pontos, o Brasil empatou com os Estados Unidos, que contou com a bicampeã olímpica Beezie Madden. No desempate, Madden e Muylaert zeraram, mas a americana fez o percurso em 39.21 contra 39.75 do brasileiro.

Este torneio não valeu pro circuito da Copa das Nações. Apesar disso, o Brasil já está classificado pra etapa final, que será no fim do mês em Barcelona e contará com os mesmos 4 cavaleiros acima e também com Marlon Zanotelli.

Outros Esportes

img-20170910-wa0011

Equipe de karatê na Alemanha. Foto: CBK

– Os atletas brasileiros conquistaram 2 pratas na etapa final da Karate1 Premier League na Alemanha. Campeão no ano passado, Douglas Brose perdeu na final dos 60kg por 6-2 para o russo Evgeny Plakhutin. Nos 67kg, Vinicius Filgueira também perdeu na decisão 5-3 para o japonês Hiroto Gomyo.

Adilson da Silva fica em 37º no Omega European Masters de golfe, válido pelos fortes Tours Europeu e Asiático, na Suíça. Ele somou 276 tacadas, 10 acima do campeão, o inglês Matthew Fitzpatrick e ganhou 1,2029 potnos no ranking mundial. No Tour Latinoamericano, no México, nenhum brasileiro passou pelo corte.

Shayanne da Silva foi a única brasileira no Mundial Cadete de lutas, em Atenas. Nos 49kg, ela perdeu na estreia de 10-0 por superioridade para a ucraniana Tetiana Profatitilova, que foi bronze na categoria.

Mundial de Canoagem – Dia 2

Mais um dia com apenas eliminatórias e semifinais.

Canoa

20170825-interna-3

Erlon Silva e Isaquias Queiroz não fizeram uma boa eliminatória da prova que foram prata nos Jogos do Rio, o C2 1.000m. Eles ficaram em 5º com 3:47.476, ficando quase 11s atrás dos italianos vencedores da bateria, que já se classificaram pra final. Os brasileiros precisam ainda disputar a semi. No C2 200m, Erlon e o estreante Maico dos Santos foram 4º na sua bateria e precisarão disputar a semi. Os 3 primeiros de cada bateria já iam direto pra final. Russos Ivan Shtyl e Alexander Kovalenko venceram a bateria e seguem rumo ao tricampeonato mundial da prova.

No C1 200m feminino, prova que agora é olímpica, Valdenice do Nascimento ficou apenas em 5º lugar na sua bateria, mas vai pra semi. Canadense Laurence Vincent-Lapointe segue rumo ao penta da prova. O checo Martin Fuksa venceu sua bateria do C1 500m e segue rumo ao bicampeonato. Nenhum brasileiro disputou a prova.

Caiaque

Édson Isaias ficou em 4º na sua bateria do K1 200m e vai pra semifinal, como quase todos os competidores, incluindo o britânico campeão olímpico Liam Heath. No K1 500m, Vagner Souta foi 3º na sua bateria, mas na semifinal, ficou apenas em 6º e vai pra Final B. Bicampeão da prova, o dinamarquês René Holten Poulsen está na final.

Entre as mulheres, Lisa Carrington venceu sua bateria do K1 200m e segue e busca do pentacampeonato mundial da prova. No K1 1.000m, a australiana Alyce Burnett e a húngara Dóra Bodonyi devem disputar o ouro.

hungary_k4500_racice-compressor

No K4 1.000m masculino, a Alemanha não conta com nenhum dos atletas campeões olímpicos no Rio e acabou em 3º na sua bateria, mas estão na final. No K4 500m feminino, a Hungria conta apenas com Krisztina Fasekas-Zur da equipe remanescente dos Jogos do Rio, mas mesmo assim venceu sua bateria e é a favorita pra final, mas pode encontrar dificuldade com a Nova Zelândia e com a Alemanha, que tem as mesmas 4 atletas da equipe prata no Rio.

Mundial de Canoagem – Dia 1

Depois de uma quarta-feira com apenas provas da paracanoagem (sendo um ouro pro Brasil), o Mundial de Canoagem começou nesta quinta em Racice, na República Checa.

20170824-interna-3

Isaquias Queiroz

Isaquias Queiroz quase caiu no final das eliminatórias do C1 1.000m e ficou em 2º na sua bateria atrás do checo Martin Fuksa (que se classificou direto pra final) por quase 2s. Mas à tarde, Isaquias voltou para vencer com tranquilidade a sua semifinal com 3:57.612, 2.200 na frente do bielorrusso Maksim Piatrou. Campeão olímpico Sebastian Brendel venceu sua bateria eliminatória e já está na final.

No C2 500m feminino, que agora é olímpica, Andrea de Oliveira e Ângela da Silva ficaram em 3º na sua bateria eliminatória com 2:09.096. Na semifinal, novamente em 3º lugar com 2:09.176, empatando com dupla checa e se classificando pra final A.

Único outro brasileiro a competir nesta quinta, Vagner Souta fez boa campanha, ficando em 4º na sua semifinal, atrás de checo, húngaro e belga e vai ter que disputar Final B. Prata no Rio no K1 1.000m, o checo Josef Dostál venceu sua semi e está na final A. Ele é o único do pódio do Rio neste mundial na prova. Bronze no Rio no K1 500m, a neozelandesa Lisa Carrington está a final A, mas ficou apenas em 2º na sua semifinal. No K2 1.000m masculino, interessante que as 3 duplas que subiram ao pódio no Rio não estão com a mesma formação neste Mundial, com apenas 1 atleta medalhista em 2016. No K2 500m feminino, favoritismo segue da Hungria, que venceu por quase 4s sua bateria, mesmo com atletas diferentes da dupla ouro no Rio.

O Mundial segue nesta sexta com muitas outras eliminatórias e semifinais, mas ainda sem finais.

Isaquias traz mais duas medalhas da base

Três medalhas no Rio-2016, mas Isaquias Queiroz ainda é da base. Na semana anterior, no Mundial Junior/Sub23 de canoagem de velocidade na cidade romena de Bascov, ele faturou mais duas medalhas pro seu acervo.

3096-20170729-300-29-7-2017-10-27-07

Isaquias no topo do pódio do C1 1.000m

No C1 1.000m Sub23, ele ficou atrás do russo Vladislav Chebotar por praticamente 900m, até ultrapassá-lo no final e levar o ouro com 4:35.072, contra 4:36.692 do russo. Já na prova de C1 200m Sub23, Isaquias ficou atrás do lituano Henrikas Zustautas, 11º nesta prova no Rio-2016. Zustautas venceu com o tempo de 39.192 contra 39.464 do brasileiro. Na categoria juvenil, Jacky Godmann obteve os melhores resultados fora os do Isaquias. Ele foi 4º na Final A do C1 200m Jr e 7º na Final A do C1 1.000m Jr.

Depois de quase ficarem fora do Mundial Junior por falta de verbas, a seleção júnior masculina foi pra Argélia. Pelo grupo C, venceu dois jogos (36-29 na Tunísia e 37-17 em Burkina Faso), mas com 3 derrotas (29-21 pra Espanha, 23-20 pra Rússia e 28-23 pra Macedônia) acabou ficando em 5º no grupo, sendo eliminado. Ainda venceu por 41-20 a Arábia Saudita e perdeu por 18-27 pro Egito, terminando no 18º lugar, a pior colocação da história.

Desde o fim dos Jogos do Rio, os brasileiros conquistaram em mundiais de base as seguintes medalhas (6O-3P-3B):

Ouro – Wesley Dantas – Surfe Júnior (set/16)

Ouro – Duda / Ana Patrícia – Vôlei de Praia Sub21 (jul/17)

Ouro – Adrielson / Renato  – Vôlei de Praia Sub21 (jul/17)

Ouro – Revezamento 4x400m misto – Atletismo Sub18 (jul/17)

Ouro – Uncas Batista – Remo single skiff peso leve Sub23 (jul/17)

Ouro – Isaquias Queiroz – C1 1.000m Sub23 (jul/17)

Prata – Manoel Messias – Triatlo Sub23 (set/16)

Prata – Ana Sátila Vargas – Canoagem slalom K1 Sub23 (jul/17)

Prata – Isaquias Queiroz – C1 200m Sub23 (jul/17)

Bronze – Lucas Ferreira – Remo single skiff Júnior (ago/16)

Bronze – Luana Madeira – Levantamento de Peso 48kg Júnior (jun/17)

Bronze – Giovana Rosa – Atletismo 400m Sub18 (jul/17)

Remo e canoagem dão medalhas em Mundiais de base

.A semana passada adicionou mais duas medalhas pro Brasil nas categorias de base: na canoagem slalom e no remo.

É até estranho saber que a Ana Sátila ainda é de categoria de base. Ela ainda tem 21 anos e medalhou mais uma vez em uma Campeonato Mundial Junior/Sub23. Desta vez, ela ficou com a prata no K1 Sub23. Na final, ficou atrás apenas da australiana Jessica Fox, medalhista olímpica, por apenas 1s48. Na final do C1 Sub23, Ana ficou em 4º lugar, a 2.20 do bronze.

2017-07_sub23-02

Uncas Batista no topo do pódio no Mundial Sub23

Já no Mundial de Remo Sub23, Uncas Batista foi quase perfeito. No single skiff peso leve ele venceu a sua bateria eliminatória, a sua bateria de quartas de final, ficou em 2º na sua semifinal atrás de mexicano, mas, na decisão, assumiu a liderança com 700m e não perdeu mais, até vencer com 6:59.46 contra 7:01.41 do mexicano Alexis Garcia. Na bateria de quartas de final, Uncas fez 6:46.34, a melhor marca da história pra prova no Sub23. Belo ouro.

A decepção veio no vôlei, no Mundial Sub 20 feminino, no México. Depois de uma primeira fase com 3 vitórias (3-1 nos EUA, 3-1 na Sérvia e 3-2 em Cuba), a equipe perdeu os 3 jogos na 2ª fase (3-0 pra Polônia, 3-1 pra Turquia e 3-0 pra Rússia). Depois, venceu 3-1 a Bulgária e 3-1 a Polônia para terminar na 5ª posição. O título ficou com a China com 3-0 na Rússia.

Desde o fim dos Jogos do Rio, os brasileiros conquistaram em mundiais de base as seguintes medalhas (5O-2P-3B):

Ouro – Wesley Dantas – Surfe Júnior (set/16)

Ouro – Duda / Ana Patrícia – Vôlei de Praia Sub21 (jul/17)

Ouro – Adrielson / Renato  – Vôlei de Praia Sub21 (jul/17)

Ouro – Revezamento 4x400m misto – Atletismo Sub18 (jul/17)

Ouro – Uncas Batista – Remo single skiff peso leve Sub23 (jul/17)

Prata – Manoel Messias – Triatlo Sub23 (set/16)

Prata – Ana Sátila Vargas – Canoagem slalom K1 Sub23 (jul/17)

Bronze – Lucas Ferreira – Remo single skiff Júnior (ago/16)

Bronze – Luana Madeira – Levantamento de Peso 48kg Júnior (jun/17)

Bronze – Giovana Rosa – Atletismo 400m Sub18 (jul/17)