Mundial de Handebol Feminino – Dias 3 e 4

Favoritas Rússia e Noruega seguem invictas e o Brasil continua patinando bem abaixo do que estávamos acostumados.

Grupo A

0_a65i4158

Foto: IHF

A Romênia é a única invicta do forte grupo A, com 4 times europeus. Bronze no último Mundial, a equipe foi apenas 9ª nos Jogos do Rio. Depois de uma estreia tranquila sobre o Paraguai, venceu 31-28 a Eslovênia e fez um duríssimo jogo contra a Espanha, vencendo por 19-17, sendo 8 gols de Cristina Neagu, que joga na supercampeã equipe do CSM Bucareste. No jogo contra as eslovenas, Neagu fez 11 gols! Depois de perder na estreia pra Eslovênia, a França passou com 26-19 pela Angola de Morten Soubak e de fáceis 35-13 pelo Paraguai. A Espanha fez 32-15 no Paraguai e a Eslovênia venceu 32-25 Angola.

Classificação após 3 jogos: 1) ROU (6 Pts, 3V-OE-OD, Saldo +17); 2) FRA (4; 2-0-1; +28); 3) ESP (4; 2-0-1; +19); 4) SLO (4; 2-0-1; +5); 5) ANG (0; 0-0-3; -18); 6) PAR (0; 0-0-3; -51)

Grupo B

Já neste grupo quem passeia é a Noruega. A eterna favorita venceu mais duas com 36-21 na Argentina e 35-20 na Polônia. A República Checa segue como supresa do grupo (que tem 5 equipes europeias) e tem o 2º lugar no momento. Elas venceram 29-25 a forte Polônia, mas perderam 36-32 pra Suécia na terça-feira. No domingo, as suecas já haviam vencido 25-22 a Hungria, que nesta terça massacrou a Argentina por 33-15. O grupo deve ficar bem embolado até o final da fase.

Classificação após 3 jogos: 1) NOR (6; 3-0-0; +38); 2) CZE (4; 2-0-1; +6); 3) SWE (4; 2-0-1; +4); 4) HUN (2; 1-0-2; +7); 5) POL (2; 1-0-2; -16); 6) ARG (0; 0-0-3; -39)

Grupo C

0_rus-bra_079

Rússia atacando contra o Brasil. Foto: IHF

Tá difícil pro Brasil. Depois de sofrer pra empatar com o Japão na estreia, a seleção ficou atrás do placar contra a Tunísia por praticamente todo o jogo. Faltando menos de 10min pro fim do jogo que veio a virada. O Brasil perdia de 20-15 e virou pra 22-21, graças novamente às goleiras Babi e Mayssa e às finalizações de Duda (5 gols) e Ana Paula (7). Já nesta terça, o Brasil não conseguiu ameaçar a campeã olímpica Rússia. As russas fizeram abriram 8-2 rapidamente e o Brasil até que encostou com 9-6, mas o 1º tempo acabou 14-7. Na 2ª metade foi só manter o ritmo e vencer por 24-16. Agora o Brasil tem pela frente Dinamarca e Montenegro precisando vencer um jogo.

O que complicou para o Brasil foi a vitória surpreendente do Japão de 29-28 sobre Montenegro. A Rússia seguiu invicta pois tinha vencido na 2ª rodada 28-24 as montenegrinas. Ainda pelo grupo tivemos duas vitórias dinamarquesas por 32-18 no Japão e 37-19 na Tunísia.

Classificação após 3 jogos: 1) RUS (6; 3-0-0; +32); 2) DEN (4; 2-0-1; +25); 3) BRA (3; 1-1-1; -7); 4) JPN (3; 1-1-1; -13); 5) MNE (2; 1-0-2; +2); 6) TUN (0; 0-0-3; -39)

Grupo D

As donas da casa venceram a 2ª partida com 23-18 sobre a Coreia do Sul, mas na terça-feira sofreu o empate de 22-22 com a Sérvia, que empatou no último segundo com Dragana Cvijic. Na rodada anterior, a Sérvia havia vencido Camarões por 34-21. Quem começou a aparecer após perder na estreia foi a Holanda, com 2 vitórias: 40-15 na China e 29-22 em Camarões. No duelo asiático, as coreanas venceram as chinesas, o saco de pancadas deste Mundial, por enquanto, por 31-19.

Classificação após 3 jogos: 1) SRB (5; 2-1-0; +33); 2) GER (5; 2-1-0; +18); 3) KOR (4; 2-0-1; +9); 4) NED (4; 2-0-1; +30); 5) CMR (0; 0-0-3; -33); 6) CHN (0; 0-0-3; -57)

Anúncios

Mundial de Handebol Feminino – Dias 1 e 2

Começou nesta sexta-feira o Mundial de handebol feminino na Alemanha com as donas da casa recebendo a fraca equipe de Camarões na Arena de Leipzig e seguiu no sábado com outros 11 jogos.

Grupo A

0_af8i8141

Na cidade de Trier, no oeste alemão, o grupo A começou com a Romênia passando fácil pelo Paraguai com 29-17. Mas a grande surpresa ficou com a Eslovênia, que não tem história no handebol feminino, ao vencer as atuais vice-campeãs olímpicas, a forte seleção da França. Com 9 gols de Ana Gros, as eslovenas abriram logo no início 6-1 e mantiveram até o final a vantagem. No final, as francesas conseguiram encostar, mas a vitória ficou a Eslovênia com 24-23. Fechando o grupo, a sempre perigosa Espanha venceu Angola, novo time de Morten Soubak, por 28-24.

Grupo B

Maior potência do handebol feminino, a Noruega é a atual campeã mundial e segue forte rumo ao tetra. Lideradas pela veterana Heidi Loke, a Noruega massacrou a forte Hungria no 1º tempo com 21-11 até vencer com 30-22, com 7 gols de Nora Mork. A Polônia largou na frente ao vencer a Suécia por 33-30 e a República Checa passou com 28-22 pela Argentina, que não terá vida fácil num grupo com 5 seleções europeias.

Grupo C

0_bra-jpn_288

Jogando longe de seu melhor, com problemas na defesa e um novo técnico, a equipe brasileira sofreu para empatar com o inexpressivo Japão. As japonesas abriram inacreditáveis 15-8 no 1º tempo antes do Brasil diminuir e ir pro intervalo atrás por 15-12. O 2º tempo foi de recuperação e o Brasil dependia da sua grande goleira Babi e do brilho de Duda e Ana Paula, que marcou 11 gols. Em nenhum momento da partida o Brasil, que ainda teve que lidar com uma arbitragem duvidosa, ficou a frente do placar. Quando empatamos em 28-28, o Brasil chegou a fazer o 29ª, mas o tempo acabou quando a bola estava no ar, na direção do gol, mas o tento foi invalidado.

Atuais campeãs olímpicas, a Rússia massacrou a Tunísia por 36-16 enquanto Montenegro surpreendia a Dinamarca com 31-24, numa brilhante atuação de Jovanka Radicevic com 12 gols, artilheira da rodada.

Grupo D

Em casa, a Alemanha, que busca o 2º título mundial (o 1º foi em 1993), passou fácil na abertura por Camarões com tranquilos 28-15 no jogo único da sexta-feira. No sábado, em Leipzig, foi a vez da Sérvia massacrar a China por 43-23, repetindo a vantagem de 20 gols que a Rússia fez no Grupo C. Fechando a rodada, a Coreia do Sul derrotou por 24-22 a sensação Holanda, atual vica-campeã mundial e europeia e 4ª no Rio-2016.

Isaquias traz mais duas medalhas da base

Três medalhas no Rio-2016, mas Isaquias Queiroz ainda é da base. Na semana anterior, no Mundial Junior/Sub23 de canoagem de velocidade na cidade romena de Bascov, ele faturou mais duas medalhas pro seu acervo.

3096-20170729-300-29-7-2017-10-27-07

Isaquias no topo do pódio do C1 1.000m

No C1 1.000m Sub23, ele ficou atrás do russo Vladislav Chebotar por praticamente 900m, até ultrapassá-lo no final e levar o ouro com 4:35.072, contra 4:36.692 do russo. Já na prova de C1 200m Sub23, Isaquias ficou atrás do lituano Henrikas Zustautas, 11º nesta prova no Rio-2016. Zustautas venceu com o tempo de 39.192 contra 39.464 do brasileiro. Na categoria juvenil, Jacky Godmann obteve os melhores resultados fora os do Isaquias. Ele foi 4º na Final A do C1 200m Jr e 7º na Final A do C1 1.000m Jr.

Depois de quase ficarem fora do Mundial Junior por falta de verbas, a seleção júnior masculina foi pra Argélia. Pelo grupo C, venceu dois jogos (36-29 na Tunísia e 37-17 em Burkina Faso), mas com 3 derrotas (29-21 pra Espanha, 23-20 pra Rússia e 28-23 pra Macedônia) acabou ficando em 5º no grupo, sendo eliminado. Ainda venceu por 41-20 a Arábia Saudita e perdeu por 18-27 pro Egito, terminando no 18º lugar, a pior colocação da história.

Desde o fim dos Jogos do Rio, os brasileiros conquistaram em mundiais de base as seguintes medalhas (6O-3P-3B):

Ouro – Wesley Dantas – Surfe Júnior (set/16)

Ouro – Duda / Ana Patrícia – Vôlei de Praia Sub21 (jul/17)

Ouro – Adrielson / Renato  – Vôlei de Praia Sub21 (jul/17)

Ouro – Revezamento 4x400m misto – Atletismo Sub18 (jul/17)

Ouro – Uncas Batista – Remo single skiff peso leve Sub23 (jul/17)

Ouro – Isaquias Queiroz – C1 1.000m Sub23 (jul/17)

Prata – Manoel Messias – Triatlo Sub23 (set/16)

Prata – Ana Sátila Vargas – Canoagem slalom K1 Sub23 (jul/17)

Prata – Isaquias Queiroz – C1 200m Sub23 (jul/17)

Bronze – Lucas Ferreira – Remo single skiff Júnior (ago/16)

Bronze – Luana Madeira – Levantamento de Peso 48kg Júnior (jun/17)

Bronze – Giovana Rosa – Atletismo 400m Sub18 (jul/17)

Resumo olímpico da semana

Handebol

not_grd_0000032741

Sem adversários de mesmo nível, a seleção feminina conquistou o Torneio Quatro Nações em São Bernardo. Arrasou por 40-13 o Chile e por 36-9 a República Dominicana e derrotou Portugal por 35-29.

O Brasil enfrentou 3 equipes bem fracas na preparação para o Pan, que começa no próximo domingo na Argentina e dará 3 vagas para o Mundial em dezembro na Alemanha. Na primeira fase, o Brasil pega EUA, Colômbia, Paraguai e Porto Rico.

Luta

img-20170609-wa0046

Joilson Santos Jr no topo do pódio

A equipe brasileira juvenil conquistou 8 medalhas no Pan da categoria em Lima. Apesar da greco-romana ser o pior estilo do Brasil no adulto, foram 4 medalhas na competição juvenil. O único ouro do país em Lima veio com Joilson Ramos Jr, que venceu a categoria 66kg e se tornou bicampeão continental. Ele venceu suas 3 lutas com muita tranquilidade e superioridade. Rafael Crystêllo Filho foi prata nos 120kg, Erivan Rocha nos 55kg foi bronze e Douglas Rocha nos 96kg também foi bronze.

Na luta feminina, Shayenne Silva foi prata nos 48kg ao perder para peruana por 19-17 (!!). Fabiana Alcantara nos 63kg e Thais Oliveira nos 72kg foram bronze. Na luta livre, apenas um bronze, com Daniel Nascimento nos 55kg.

Vôlei

Na 2ª semana da Liga Mundial, o Brasil foi para a Bulgária e, assim como na 1ª, venceu duas partidas e perdeu uma.

Na sexta, venceu o Canadá por 3-1 (23-25, 25-20, 25-22, 25-23). No sábado, fez 3-1 na campeã mundial Polônia (25-21 ,25-20, 17-25, 25-19) e no domingo não foi páreo para a Bulgária, que venceu por 3-1 (25-22, 25-19, 23-25, 25-19).

Após 6 jogos, o Brasil está em 3º no Grupo 1 com 4V e 2D atrás da França, que está invicta com 6 vitórias, e Sérvia, que tem 5.

Outros Esportes

– Participação bem modesta dos brasileiros no Pan de pentatlo moderno, em Santo Domigno. No masculino, William Muinhos foi 8º com 1.399 pontos (52s atrás do campeão) e Gabriel Sasaqui foi 21º com 1.297 entre 41 atletas. No feminino, Priscila Oliveira terminou em 10º com 1,264 (85s atrás da campeã) e Bianca Cavalcanti foi 18ª com 1.189 entre 28 atletas.

Bia Haddad Maia segue embalada e chegou às semifinais do Bol Open, torneio da WTA de US$ 125.000 na Croácia. Bia venceu na 2ª rodada a sueca cabeça 1 Johanna Larsson por 76(3) 61 e nas quartas derrotou a italiana Sara Errani por 61 64, até perder na semifinal para a sérvia Aleksandra Krunic de virda por 16 62 60. Com mais uma boa campanha, Bia atingiu seu melhor ranking da carreira , o 94º lugar

Alexandre Rocha ficou em 4º no Rust-Oleum Championship, em Illinois, com 281 tacadas, 7 acima do alemão campeão Stephan Jaeger. Alexandre somou 3,45333 pontos pro ranking e subiu quase 400 posições no ranking, para 858º.

Philip Greenlees venceu a seletiva brasileira para os Jogos Olímpicos da Juventude de Buenos Aires-2018, em Campinas. A FEI ainda precisa confirmar as vagas sul-americanas pros Jogos.

– Em amistoso de Rugby XV em São Paulo, Brasil vence Portugal com virada histórica. Com menos de 10min pro final da partida, os Tupis perdiam de 21-6, mas, com 3 tries seguidos, virou para 25-21

– Na Série Mundial de triatlo em Leeds (GBR), Danilo Pimentel foi 31º na prova masculina com 1:53:26, quase 7min atrás do campeão Alistair Brownlee.

Vela e tiro com arco tem seus posts próprios.

Resumo olímpico da semana

Handebol

not_grd_0000032562

Sofrendo um pouco pela falta de ritmo, o Brasil foi campeão do Pan-Americano Júnior Masculino em Assunção, no Paraguai. No Grupo B com apenas outras 2 equipes, o Brasil arrasou a equipe americana por 52-24, mas teve uma certa dificuldade com o Chile, vencendo por 35-30. Direto na semifinal, venceu novamente o Chile, mas de forma arrasadora por 30-11 (!). Na decisão, pegou a grande rival Argentina e levou o título com 31-23, se classificando para o Mundial Júnior, que Serpa em julho na Argélia.

Foi a 12ª edição do torneio e o Brasil igualou os 6 títulos da Argentina. Assim, cada um tem 6 ouros e 6 pratas na história.

Badminton

Ygor Coelho começou seu tour europeu e foi vice-campeão no Aberto da Polônia. Ele passou pelo americano Bjorn Seguin por 21-19 21-13, depois pelo inglês Sam Parsons por 21-9 10-21 21-15, pelo indiano Subhankar Dey por 13-21 21-19 21-15 e na semifinal pelo polonês Michal Rogalski por 21-15 21-13. Na decisão acabou derrotado pelo malaio Jia Wen Tan por 21-13 20-22 21-10 e conquistou seu segundo vice campeonato no ano. Ele segue agora para a França pro Aberto de Orléans.

Judô

185830260317medalhistas

No Aberto Pan-Americano de Lima, os judocas brasileiros conquistara 18 medalhas, sendo 9 ouros, 3 pratas e 6 bronzes. As vitórias ficaram com: Phelipe Pelim (60kg), Charles Chibana (66kg), Marcelo Contini (73kg), Gustavo Assis (81kg), Ruan Isquierdo (+100kg), Eleudis Valentim (52kg),  Tamires Crude (57kg), Samantha Soares (78kg) e Rochele Nunes (+78kg).

68 judocas sub-18 e sub-21 competiram em dois torneios na Alemanha. As meninas foram para Thuringen e os meninos para Bremen. Eles faturaram 9 medalhas (1O-2P-6B) enquanto elas ganhara 15 (4O-4P-7B).

Tiro

7 atiradores brasileiros foram para Acapulco para mais uma etapa da Copa do Mundo de tiro ao prato. Roberto Schmits vinha muito bem na qualificação da fossa, mas na última série fez apenas 21 pratos e despencou para o 39º lugar com 116 no total. Fernando Mello acabou como o melhor brasileiro em 30º com 117. Na fossa doublê, Filipe Fuzaro terminou em 17º com 122 pratos, 13 a menos pra pegar vaga na final. A próxima etapa será no fim de abril no Chipre.

Outros Esportes

Nathalie Moellhausen entrou direto na have principal do GP de espada em Budapeste, como cabeça de chave 8. Na estreia venceu a polonesa Ewa Nelip por 15-10, mas caiu na 2ª rodada por 15-11 para a japonesa Ayaka Shimookawa, terminando em 18º lugar.

Andressa de Morais fez índice para o Mundial de Londres no lançamento de disco em São Bernardo com 61,78m (índice é 61,20m) no sábado. Neste domingo, Geisa Coutinho fez 52.06 nos 400m e também atingiu o índice pro Mundial.

– Rafael Becker foi 22º (279, 9 abaixo do par) e Rodrigo Lee 36º (281, 7 abaixo) no Aberto de Honduras de golfe, válido pelo Tour PGA Latinoamericano. Em prova na Louisiana pelo web.com Tour, Alexandre Rocha não passou pelo corte, com 1 tacada acima do par, precisando de 2 abaixo para avançar. E pelo Symetra Tour, que e o acesso pro LPGA tour feminino, Luciane Lee foi 17ª com 4 abaixo do par em prova na Califórnia.

– Os brasileiros voltaram do Aberto da Espanha de taekwondo com 4 medalhas, sendo 1 ouro, 1 prata e 2 bronzes. Camila Bezerra (49kg) foi campeã, Raphaella Galacho (73kg) vice e Carolina Bezerra (46kg) e Diego Almeida (68kg) foram bronze.

– Várias medalhas brasileiras no Aberto Juvenil do Paraguai de tênis de mesa, com 4 ouros nas 6 provas individuais. No juvenil masculino, Carlos Ishida ficou com o ouro ao vencer argentino por 4-1. No cadete, Kenzo Carmo venceu argentino por 3-0 e no mini-cadete Joon Shim fez 3-0 em sueco. No feminino juvenil, Beatriz Kimoto venceu por 4-0 Giulia Takahashi em final brasileira.

Mundial Masculino de Handebol – Finais

Duas decisões, duas medalhas inéditas e o domínio absoluto francês.

Disputa do bronze – Eslovênia x Croácia

0_co_photos_match_3e_place_stef3976

Num jogo espetacular, a Eslovênia conseguiu a maior virada deste mundial e uma medalha inédita. A Croácia que começou melhor, abrindo 5-3 com 3 gols de Manuel Strlek. Com 6-4, a Croácia já tinha 5 contra-ataques rápidos e o técnico esloveno fez alterações. Com 20min, a Croácia seguia com o controle da partida, com 12-8. No restante do tempo, os goleiros não defendiam muito e seus aproveitamentos caíram. Com 2 seguidos de Luka Cindric, a Croácia foi pro intervalo com boa vantagem de 18-13.

A Eslovênia logo fez 2, mas numa ótima sequência, a Croácia marcou 4 seguidos e abriu 22-15! Com 7 gols de vantagem e 20min faltando, a vitória parecia certa. Parecia. A Eslovênia pediu tempo, mas a diferença subiu para 8 com 24-16. Mas os eslovenos começaram a crescer e foram encostando. Blaz Blagotinzsek fez 3 seguidos pro seu time e aos poucos eles iam chegando. Quando a Croácia fez 29-24, faltavam 8min. Mas foram 5 gols seguidos da Eslovênia em 5min deixando a Croácia abismada com o empate em 29-29, depois 30-30. Quando, no último minuto Borut Mackovsek fez 30-29 pra Eslovênia, a Croácia ficou no desespero para empatar e não conseguiu. Numa virada espetacular, a Eslovênia ganha um bronze histórico, a 1ª medalha do país em competições mundiais.

Final – França x Noruega

0_co_photos_finale_af8i3948

Em sua primeira final da história, a Noruega tinha a dura missão de segurar a espetacular França, em casa, na frente de 15.600 torcedores. Os franceses buscavam seu 6º título mundial, o 4º em 8 anos. A partida começou apertada, sem ninguém abrir mais de 2 gols de vantagem. Com gol do capitão Bjarte Myrhol, a Noruega abria 6-4 e, com 2 de Espen Hansen, chegava a 10-7. O técnico Didier Dinart tirou o veterano goleiro Thierry Omeyer, que não fazia uma grande partida, e colocou o grande Vincent Gerard. A troca rendeu frutos e a França chegou ao empate com 16-16, cm boa sequência de Kentin Mahe. Até que com gols do mito Nikola Karabatic e de Valentin Porte, os donos da casa encerraram o 1º tempo na frente com 18-17.

0_co_photos_finale_stef5869

Na volta, a França voltou arrasadora. Michael Guigou fez dois logo no começo e, em 7min, os franceses abriam para 23-18. A Noruega tentava buscar, mas não conseguia um sequência de gols e a França mantinha sua vantagem de 4-5 gols. Faltando pouco mais de 10min, a vantagem francesa era de 27-23 e veio uma sequência de 4 seguidos, com 2 de Karabatic. Com pouco tempo pra virar e sentindo a pressão da torcida que lotava a arena de Paris, a Noruega não tinha forças para virar e, com 33-26, a França venceu o jogo, com gol final do craque Karabatic.

O francês foi eleito o MVP do mundial e Gerard o melhor goleiro. Nedim Remili também entrou na seleção do mundial, assim como 3 noruegueses, 1 croata e 1 sueco. O macedônio Kiril Lazarov foi o artilheiro com 50 gols em apenas 6 jogos. O próximo mundial será em 2019, com sede dividida entre Alemanha e Dinamarca.

Mundial Masculino de Handebol – Semifinais

Duas semifinais espetaculares que coroaram a França e tiveram um feito inédito na história do esporte.

França x Eslovênia

0_a65i14871

Empurrada por 15.600 torcedores em Paris, a França não tinha outra opção a não ser vencer o jogo e chegar a sua 7ª final, a 4ª nos últimos 5 mundiais. E começou melhor, abrindo logo 4-1 sobre a Eslovênia, que buscava sua 1ª final na história. Os donos da casa levaram duas suspensões de 2min em sequência e ainda assim conseguiram manter os 3 gols de vantagem. Mesmo assim, os adversários encostaram em 6-5. A França abriu 9-6 e a Eslovênia mudou o sistema de de defesa, o que não teve muitos efeitos. Mantendo a vantagem, o 1º tempo terminou com 15-12 pra França. O 2º tempo foi equilibrado com gols se alternando. Na metade do tempo, a vantagem tinha aumentado para 25-19 e foi só segurar o placar até a vitória em 31-25, com 6 gols de Nedim Remili.

Croácia x Noruega

captura-de-tela-2017-01-28-as-11-48-56

Bjarte Myrhol (NOR)

O grande jogo foi mesmo o 2º, nesta sexta-feira. Diferente da equipe feminina, a equipe masculina da Noruega jamais medalhou em um europeu, mundial ou Olimpíada. Aliás, não disputam uma edição olímpica desde Munique-1972! A Croácia começou forçando e na metade do 1º tempo já vencia por 6-3. Mas Espen Hensen e Kristian Bjornsen logo buscaram e viraram para 7-6. Logo a Noruega ampliou para 11-8 com 2 de Eivind Tangen, mesmo após uma defesa de um 7m do goleiro croata Ivan Pesic. OS noruegueses chegaram no intervalo na frente com 12-10. No retorno, a Croácia logo buscou e chegou a 13-13, até que Marko Mamic conseguiu uma boa sequência e os croatas passavam a frente com 18-16. Quando Sander Sagosen empatou em 18-18, faltavam 10min. A Croácia conseguiu 3 seguidos para 22-20. A Noruega diminui e pediu tempo. Sagosen empatou e, no último ataque, Torbjorn Bergerud defendeu, mas foi marcado um 7m pra Croácia. Já com o cronômetro estourado e a partida empatada em 22-22, a chance da vida croata, mas Zlatko Horvat perdeu, com Bergerud defendendo com o joelho! E o jogo foi pra prorrogação. Mamic e Horvat marcaram no retorno, mas liderados pelo inspirado capitão Bjarte Myrhol a Noruega logo virou e abriu 28-25 para vencer de maneira espetacular e garantir uma inédita final. Myrhol fez o gol decisivo e foi o artilheiro norueguês com 6.