Boletim Rumo a Tóquio-2020 #3

Em setembro tivemos 4 Mundiais que colocaram mais 8 países na lista de classificados para os Jogos.

Tiro

52nd ISSF World Championship All Events 2018 - Changwon, KOR - Final Skeet Men

Vincent Hancock (USA) na prova de Skeet no Mundial em Changwon. Foto: ISSF

O grande Mundial de tiro, em Changwon, na Coreia do Sul, alocou 4 vagas por prova individual e mais 2 por prova em equipe. Lembrando que pro tiro um atleta só pode garantir uma única quota pro seu país e cada país só pode ter no máximo 2 atletas por prova individual. Uma vez classificado, o atleta pode até disputar outras provas. Países classificados:

Pistola de ar 10m masculino: Coreia do Sul (2 vagas), Rússia e Ucrânia
Pistola de fogo rápido 25m masculino: China (2), França e Rússia
Rifle de ar 10m masculino: China, Croácia (2) e Rússia
Rifle 50m 3 posições masculino: China, Estados Unidos, Noruega e Polônia
Fossa masculina: Austrália, Eslováquia, Espanha e Kuwait
Skeet masculino: Estados Unidos, França, Itália e Noruega
Pistola de ar 10m feminino: China, Coreia do Sul, Grécia e Sérvia
Pistola 25m feminino: Alemanha, Rússia, Taiwan e Ucrânia
Rifle de ar 10m feminino: Coreia do Sul (2) e Índia (2)
Rifle 50m 3 posições feminino: Alemanha, Croácia, Grã-Bretanha e Rússia
Fossa feminina: Austrália, China, Eslováquia e Itália
Skeet feminino: Eslováquia, Estados Unidos (2) e Rússia
Pistola de ar 10m por equipe mista: China e Rússia
Rifle de ar 10m por equipe mista: China e Rússia
Fossa por equipe mista: Eslováquia e Rússia

A Rússia levou o maior número de vagas, com 12. China obteve 10, Coreia do Sul e Eslováquia 5 cada e Estados Unidos 4.

Ginástica Rítmica

RG WCh Sofia/BUL 2018:

O Mundial de Ginástica Rítmica em Sófia, na Bulgária, classificou os 3 grupos medalhistas na prova geral para os Jogos. A Rússia venceu a competição com 46,300 contra 44,825 da equipe da Itália e 42,050 da Bulgária. Apesar disso, a Rússia não levou nenhum dos ouros na finais por aparelho. Mas para a classificação olímpica o que valia era o geral.

Grupo feminino: Rússia, Itália e Bulgária.

Hipismo

charlotte-dujardin-mount-st-john-freestyle-photo-by-annan-hepner

Charlotte Dujardin (GBR) no adestramento nos Jogos Equestres

Nos Jogos Equestres, que só ocorrem a cada 4 anos, tivemos 6 vagas para cada uma dos 3 eventos por equipe. E uma extra no adestramento. A equipe americana venceu em casa o saltos por equipe numa disputa emocionante no desempate sobre a Suécia, a Grã-Bretanha levou no Concurso Completo e a Alemanha confirmou o favoritismo para dominar o adestramento. Cada evento vai ter qualificatórios regionais, mas ficou definido que a vaga no adestramento do Grupo G (que compreende o Sudeste Asiático e a Oceania) sairia para o melhor classificado nos Jogos Equestres. A Austrália foi a única equipe inscrito e só precisava que 3 conjuntos se apresentassem. Diferentes das edições anteriores, cada país só pode levar 3 conjuntos por prova e não mais 4. A Alemanha foi o único país que garantiu vaga nas 3 provas pelos Jogos Equestres. A Austrália também já está nos 3, mas a vaga do adestramento veio pela quota regional.

Saltos por Equipes: Alemanha, Austrália, Estados Unidos, Holanda, Suécia e Suíça
CCE por Equipes: Alemanha, Austrália, França, Grã-Bretanha, Irlanda e Nova Zelândia
Adestramento por Equipes: Alemanha, Austrália, Espanha, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Holanda e Suécia

Basquete

usa-basketball-team-768x432

Estados Unidos vence Copa do Mundo feminina. Foto: Xinhuanet.com

A equipe dos Estados Unidos venceu a Copa do Mundo feminina pela 3ª vez seguida e 10ª na história e, assim, já está classificada para os Jogos. As 10 vagas restantes sairão de 4 torneios pré-olímpicos mundiais, acabando com a representação continental no basquete feminino. Para buscar vaga olímpica, o Brasil precisa ficar entre os 8 primeiros na Copa América e depois entre os 2 primeiros de um dos 2 pré-qualificatórios americanos. Essas 4 equipes se classificam para os pré-olímpicos mundiais.

Quotas

45 países já se classificaram para Tóquio-2020. Bulgária, Eslováquia, Índia, Irlanda, Kuwait, Sérvia, Taiwan e Ucrânia entraram para essa lista.

Países com mais vagas:

Japão = 387
Estados Unidos – 41
Brasil – 23
Grã-Bretanha – 22
Austrália – 18
Rússia – 18
China – 17
Itália – 16
Alemanha – 15
França – 15
Nova Zelândia – 13
Holanda – 12
Espanha – 10
Suécia – 10
Dinamarca – 8

Em outubro teremos o início da Série Mundial de Rugby 7s feminino e o Mundial de Ginástica Artística, em Doha.

Anúncios

Copa do Mundo de Basquete Feminino – Final

Mesmo sem ter grandes atuações em nenhum dos 6 jogos que disputou, a equipe dos Estados Unidos venceu a Copa do Mundo pela 10ª vez e conquistou a vaga olímpica para Tóquio.

3d1-jzlhsksqh4isq-ntgq

Estados Unidos campeão mais uma vez. Foto: FIBA

Numa atuação apagada da sua maior jogadora, Liz Cambage, a Austrália não ficou a frente do placar em nenhum momento na final. As americanas logo abriram 10-0, mas a Austrália conseguiu se aproximar com 18-15 e o 1ºQ terminou 20-15. O jogo continuou parelho até o 27-23. Mas um apagão australiano no 2º e 3º quartos fez as americanas abrirem 17 pontos com 44-27 e a distância só aumentava, até a vitória em 73-56.

Cambage fez apenas 7 pontos, acertando apenas 2 cestas em 9 tentativas pra 2pts. Os números das duas equipes não foram bons. A Austrália teve 32,8% de aproveitamento nos arremessos e as americanas 35,2%, mas o alto número de faltas da Austrália dava os lances livre para a equipe dos EUA, que converteu 17 em 23, o que ajudou bastante no placar. Cambage conseguiu 14 rebotes, 11 defensivos, mas não foi o suficiente, já que  a mira não ajudava. Breanna Stewart, 10 pontos o jogo, foi eleita a MVP do torneio e as americanas chegam a 10 títulos na história, sendo este o 3º seguido e o 7º nos últimos 9 Mundiais.

Na disputa de bronze, a Espanha foi melhor e venceu a Bélgica com 67-60 para subir ao pódio. Puxadas pelos 17 pontos de Marta Xargay, 15 de Alba Torrens e 13 de Astou Ndour, a Espanha tinha uma equipe mais consistente, enquanto as belgas dependiam demais da sua craque Emma Meesseman, 24 pontos e 9 rebotes. A Espanha chega ao seu 3º pódio seguido em Copas do Mundo e se firma cada vez mais como a principal força europeia no basquete feminino. Na disputa do 5º lugar, a França venceu a China por 81-67 e na disputa do 7º, o Canadá fez 73-72 na surpresa Nigéria.

 

Copa do Mundo de Basquete Feminino – Dia 6

Captura de Tela 2018-09-30 às 13.15.10

EUA x Bélgica. Foto: FIBA

Em seu 1º Mundial, a Bélgica foi a grande surpresa do torneio chegando à semifinal, onde encontraram as temidas americanas. Elas começaram bem fazendo 26-21 no 1ºQ, mas as americanas foram pro intervalo com 40-39. Aí veio o domínio americano, que só aparece na 2ª metade dos jogos. Elas fizeram 33-18 no 3ºQ para abrirem e, com 20-20 no 4º, venceram por 93-77, se garantindo em mais uma final mundial, a 3ª seguida. O mito Diana Taurasi foi a cestinha da partida com 28 pontos, enquanto Emma Meesseman foi a maior pontuadora do lado belga com 23.

Captura de Tela 2018-09-30 às 13.16.07

Liz Cambage (verde). Foto: FIBA

A 2ª semifinal viu o encontro entre a Espanha, dona da casa, e a Austrália. Lideradas pela craque Liz Cambage, a Austrália fez 23-15 no 1ºQ, mas a Espanha virou no 2º para 35-34, com destaque para a atuação de Astou Ndour, com 17 pontos. As espanholas seguiram melhores no 3º com 23-16 e chegaram a ter 8 pontos de vantagem em 58-50. Só que a Austrália deu um show no 4ºQ com 22-8 e fechou em 72-66 para garantir a vaga na final. Cambage fez 33 pontos, 15 rebotes e 7 tocos.

Nos jogos classificatórios, a França venceu a surpresa Nigéria 84-62 para disputar o 5º lugar contra a China, que venceu 76-71 o Canadá.

Copa do Mundo de Basquete Feminino – Dia 5

Na sexta-feira tivemos as disputas das 4as de final em Tenerife.

A surpresa gigante foi novamente a Nigéria, que enfrentou as temidas americanas. A equipe africana conseguiu ficar na frente do placar por 18min e chegou a fazer 17-9 no 1ºQ! Pela 1ª vez na história uma equipe americana feminina não chega nem a 10 pontos no 1º quarto de um jogo. No intervalo, EUA foi pra frente com 27-23  e seguiu abrindo até arrasar as africanas no 4ºQ com 25-5 e fechar com 71-40 e se garantirem nas semifinais.

Captura de Tela 2018-09-29 às 12.09.13

Bélgica comemora uma inédita semifinal. Foto: FIBA

As americanas irão enfrentar nesse sábado por uma vaga na final a supresa Bélgica. Sem tradição e em seu 1º Mundial, a Bélgica foi bronze no último europeu e conta com uma equipe jovem, que foi campeã europeia Sub-18 em 2016. A Bélgica venceu a França por 86-65, sendo que tinha 53-31 no fim do 2ºQ. 23 pontos para Kim Mestdagh.

Captura de Tela 2018-09-29 às 12.11.33

Astou Ndour (ESP). Foto: FIBA

Na outra semifinal teremos a Austrália, que destruiu a China por 83-42. A craque Liz Cambage foi novamente a cestinha australiana, com 20 pontos e 9 rebotes. Na outra partida, as donas da casa espanholas venceram o Canadá, que não deu moleza. Espanha foi pro intervalo com a vantagem de 29-27, viu o Canadá ir melhor no 3ºQ com 23-18 (50-47), mas deu show no 4ºQ, não deixando as canadenses pontuarem por quase 8min! Com 21-3 no quarto final, a Espanha venceu 68-53 e está na semifinal de um mundial pela 3ª vez seguida. Lembrando que a Espanha é a atual vice mundial e olímpica e campeã europeia.

Copa do Mundo de Basquete Feminino – Dias 3 e 4

Grupo A

Captura de Tela 2018-09-29 às 11.58.13

Sandrine Gruda (FRA), camisa 7. Foto: FIBA

A Grécia fez 58-48 na Coreia do Sul para pegar a última vagado grupo, já que as duas equipes vinham de 2 derrotas na Copa do Mundo. No duelo que definiu a campeã do grupo, a França abriu melhor com 25-12 no 1ºQ, mas aos poucos o Canadá foi buscando e, no 4ºQ, com 26-14 na parcial, virou o jogo e venceu por 71-60.

Grupo B

Sem dificuldades, a Austrália passou tranquilamente pela Turquia por 90-64, com 25 pontos de Liz Cambage. E depois de fazer história no dia anterior, a Nigéria venceu a 2ª partida neste Mundial, agora com 75-70 sobre a eliminada Argentina.

Grupo C

O Japão venceu Porto Rico por 69-61 e, no jogo final, a dona da casa Espanha acabou perdendo de 72-63 para a Bélgica. Com isso, as duas equipes e o Japão empataram em 2 vitórias e 1 derrota, mas nos confrontos diretos, a Bélgica ficou em 1º no grupo, enquanto a Espanha ficou em 2º e fugiu das americanas na chave de mata-mata. Dizem as más línguas que foi de propósito…

Grupo D

A China fez 75-66 em Senegal para garantir o 2º lugar do grupo. Já as americanas venceram tranquilamente a eliminada Letônia por 102-76, mesmo com 30 pontos de Anete Steinberga.

Playoffs

Captura de Tela 2018-09-29 às 11.57.03

Nigéria vence Grécia. Foto: FIBA

Nos play-offs que classificaram para as 4as, o grande destaque foi com certeza a vitória espetacular da Nigéria sobre a Grécia e a classificação inédita de uma equipe africana para as 4as. A Nigéria começou melhor e foi pro intervalo com 31-26, abriu pra 48-37 no fim do 3ºQ, mas deixou as gregas encostarem no 4ºQ e até chegaram a virar com 56-55 faltando 20s pro fim da partida! Faltando 3s, falta grega e Elo Edema Edeferioka converteu os 2 lances livres pra dar a vitória à Nigéria com 57-56!

Já Senegal acabou perdendo pra Espanha por 63-48. A equipe africana pressionou no início e conseguir ir pro intervalo empatada em 34-34, mas fechou mal e as donas da casa garantiram sua vaga nas 4as lideradas por Astou Ndour e Laia Palau.

Nos outros jogos, a França derrotou a Turquia por 78-61 com 20 pontos e 7 rebotes de Sandrine Gruda e a China fez 87-81 no duelo asiático contra o Japão. Destaque para os 25 pontos da japonesa Nako Motohashi.

Copa do Mundo de Basquete Feminino – Dia 2

Vitória africanas históricas marcaram o 2º dia de disputas em Tenerife.

Grupo A

Canadá e França tinham vencido na estreia no sábado e repetiram o feito neste domingo, já se garantindo na próxima fase. As canadenses venceram a Coreia do Sul por 82-63 com 29 pontos de Kia Nurse, do NY Liberty. O Canadá abriu enorme vantagem no 1º tempo, indo pro intervalo com 45-24. Já a França venceu a Grécia por apertados 75-71. França fez 26-17 no 1º quarto, a Grécia encostou no intervalo com 38-36, virou para 59-54, mas fez um péssimo 4º quarto (21-12) para dar a vitória para as francesas. Destaque para os 28 pontos de Evanthia Maltsi, que é a 2ª maior pontuadora do torneio até agora.

Grupo B

d8b3d90e-d7c0-4aa5-ad8d-1c4d68bca9c5_1000

Nigéria comemora sua 1ª vitória em Mundiais. Foto: FIBA

Com mais uma ótima atuação de Liz Cambage, a Austrália arrasou a Argentina por 84-43. Com 24 pontos nesta partida, Cambage é a cestinha do torneio com 58 no total. Já a Nigéria conseguiu uma belíssima vitória sobre a Turquia, 4ª colocada no último Mundial e 6ª no Rio-2016. A Turquia começou melhor com 15-7 no 1ºQ e 34-29 no intervalo. Mas numa atuação de gala, a Nigéria virou no 3ºQ com 23-10 na parcial e 52-44 na partida, chegando a ter 17 pontos de vantagem! Pressionada, a Turquia até buscou no 4ºQ, mas não o suficiente e perdeu de 74-68. Foi a 2ª vitória de uma equipe africana em Mundiais sobre uma europeia. A 1ª foi um pouquinho mais cedo no Grupo D.

Grupo C

Num jogo muito apertado, o Japão venceu a Bélgica na prorrogação, após perder na estreia. Nenhuma seleção conseguia abrir muito o placar e o jogo terminou 68-68 no fim do tempo regulamentar. Na prorrogação, a Bélgica abriu com uma cesta de 3, que foi respondida logo em seguida pelo Japão, que virou e venceu por 77-75. Na partida seguinte, as donas de casa espanholas começaram mal contra Porto Rico (15-8 no 1ºQ), mas logo viraram e mantiveram a vantagem para vencer com 78-53, 22 pontos de Astou Ndour e chegar a 2 vitórias.

Grupo D

c1424442-124a-4c9a-8fb0-cbbc7b234fb9_1000

Astou Traoré (SEN) na vitória sobre a Letônia. Foto: FIBA

A vitória histórica veio no jogo que abriu o grupo. Senegal, que já tinha feito uma boa apresentação no dia anterior contra os EUA, e Letônia fizeram uma partida muito parelha e o placar trocou 22 vezes de liderança! Ninguém abriu mais que 6 pontos da outra equipe, mas enquanto a Letônia marcou 9 cestas de 3, Senegal fez apenas 1. Com 50s pro fim do jogo, as europeias tinham 67-66, Senegal virou 68-67, Letônia virou 69-68 e Senegal pediu tempo. Com 12s pro fim, Mame Marie Sy-Diop marcou uma cesta de 2 e deu a vitória para a equipe africana, a 1ª sobre uma europeia na história dos Mundiais! No jogo que fechou a rodada, os Estados Unidos venceram a equipe da China, mas seguem sem convencer. Apesar de chegarem aos 100 pontos, a vitória foi relativamente magra por 100-88 e as americanas só conseguiram abrir vantagem mesmo no 4ºQ. Breanna Stewart foi o destaque americano com 23 pontos e 5 rebotes.

A 3ª rodada será nesta terça-feira.

Copa do Mundo de Basquete Feminino – Dia 1

Pela 1ª vez desde 1959, o Brasil não disputa o Mundial feminino de basquete, que começou neste sábado em Tenerife, nas Ilhas Canárias, Espanha, com 8 jogos.

Grupo A

Medalhista nos últimos 5 europeus (prata nos 3 últimos), a França começou bem na sua busca pelo 1º pódio em mundiais dede 1953, quando foi bronze na 1ª edição. Com 89-58, derrotou a Coreia do Sul, com 19 pontos de Marina Johannés. O Canadá venceu por 81-50 a Grécia, que surpreendeu com o 4º lugar no Europeu em 2017.

Grupo B

a8d618fe-0556-4b90-bfb5-c243a8e57cce_1000

Liz Cambadge (AUS) contra Nigéria. Foto: FIBA

A Austrália venceu na estreia a Nigéria, mas sem conseguir abrir muito no placar, terminando com 86-68, 34 pontos e 12 rebotes de Liz Cambadge. A Turquia, 4ª no último Mundial em casa, arrasou a Argentina por 63-37.

Grupo C

As donas da casa estrearam com boa vitória sobre o Japão 84-71. No 1º quarto já abrira 20-10 e foram pro intervalo com 39-21 na frente de mais de 4.000 espectadores. No outro jogo do grupo, a Bélgica arrasou Porto Rico 86-36. As 12 jogadoras belgas jogaram e 11 pontuaram! Julie Vanloo foi a cestinha da partida com 17 pontos, sendo 5 bolas de 3.

Grupo D

No jogo mais disputado do dia, a China venceu a Letônia por 64-61. Mas o destaque veio no jogo seguinte entre as favoritíssimas americanas. Senegal começou arrasando no 1º quarto e chegou a ter 10-2 sobre as americanas! Elas ficaram na frente por quase 8min, mas o melhor basquete americano superou e elas venceram por 87-67 graças a um ótimo 2º quarto. Foi a menor diferença de placar em mundiais que uma equipe africana colocou nos EUA.