Mundial de Esportes Aquáticos – Dia 9

Encerramento dos saltos e do nado sincronizado e todas as atenções se voltam à natação.

Trampolim 3m sincronizado misto

Wang Han e Li Zheng venceram o 8º uro chinês nos saltos após somar 323,70, mas foram seguidos de perto pela dupla britânica do queridinho Tom Daley e Grace Reid, que somou 308,04. Os canadenses Jennifer Abel e François Imbeau-Dulac completaram o pódio com 297,72. A dupla brasileira formada por Tammy Galera e Ian Matos competiu, mas logo no 1º salto, um salto extremamente básico, um meio mortal de costas carpado, Tammy se desequilibrou e pulou antes de Ian, e a dupla tirou um 0. Engraçado que na mesma prova, a dupla mexicana em seu 4º salto também fez algo parecido e Julian Sanchez caiu de maneira bem cômica. Os vídeos podem ser vistos aqui.

Plataforma masculina

tom-daley-competencia-mundial-budapest_medima20170722_0116_5

Tom Daley (GBR)

Fechando os saltos ornamentais, a grande prova da plataforma masculina. E teve um show de Tom Daley e do chinês Chen Aisen. Ambos fizeram uma prova espetacular e chegaram perto dos 600 pontos. Daley liderou a prova do início ao fim e recebeu pelo menos uma nota 10 em 4 dos 6 saltos! Todos acima de 90 pontos e 2 acima de 100, somando 590,95. Chen Aisen não ficou tão atrás, mas levou 10 apenas no último e ficou com a prata com 585,25. Seu compatriota Yang Jian levou o bronze com 565,15. Daley fatura seu 2º título na prova, fora o show.

Rotina Livre Combinada

Sem Rússia, tivemos um campeão diferente no nado sincronizado feminino. A equipe da China venceu com 96,1000 nesta prova que combina apresentações de solo, dueto e grupo. A Ucrânia ficou com a prata com 94,0000 e o Japão o bronze com 93,2000

Dueto Misto Livre

Fechando a modalidade, o dueto misto da Rússia venceu o 7º ouro do país em Budapeste no nado sincronizado em 9 provas. Depois de perderem para a dupla italiana na rotina técnica por apenas 0,0340, Mikhaela Kalancha e Aleksandr Maltsev saíram com o ouro com a nota de 92,6000 contra 91,1000 dos italianos. A dupla americana repetiu o bronze da rotina técnica com a nota de 88,7667. Os brasileiros Renan Souza e Giovana Stephan ficaram na 7ª posição com 80,0667.

Pólo aquático feminino

Sem surpresas nos playoffs classificatórios para as quartas de final. Rússia fez 11-10 na Holanda no confronto mais equilibrado do dia e pega a Itália. a Austrália passeou com 16-2 na França e vai enfrentar a fortíssima seleção americana. Canadá fez 16-3 na Nova Zelândia e pega as donas da casa húngaras. Espanha venceu a China por 13-5 e vai enfrentar a Grécia. Na disputa do 13º ao 16º, o Brasil venceu a 1ª em Budapeste com 10-5 sobre a África do Sul e pega o Japão (17-8 no Cazaquistão) na briga pelo 13º lugar.

Mundial de Esportes Aquáticos – Dia 8

Ouro pro Brasil e Ana Marcela Cunha cada vez mais histórica!

25km feminino

maratona-ana-marcela-cunha-20170721-0004

O que dizer de Ana Marcela Cunha? A baiana deu mais um show no Lago Balaton para faturar o tricampeonato da prova mais longa do Mundial, se tornando a 1ª tricampeã mundial de uma prova de águas abertas da história! E apenas a 3ª, se considerarmos as provas de piscina (Sarah Sjöström tem 3 100m borboleta e Katinka Hosszu 3 400m medley).

Na longuíssima prova, Ana Marcela se manteve por mais de 15km levemente afastada das líderes e o gap aumentava e diminuía a cada volta. Na última, a holandesa campeã olímpica dos 10km Sharon van Rouwendaal e a italiana Arianna Bridi começaram a despontar e disputar a liderança braçada a braçada. Na última volta, a brasileira começou a forçar e encostou nas 2. Na última boia, faltando 240m, Ana aumentou o ritmo, deixando Bridi pra trás. A holandesa bem que tentou, mas não alcançava a brasileira que bateu após 5:21:58.4, apenas 2.4 a frente de van Rouwendaal e 9.8 a frente da italiana.

Ana Marcela chega a incríveis 10 medalhas em Mundiais, sendo 3 ouros (todos nos 25km), 2 pratas e 5 bronzes. Nenhum brasileiro homem ou mulher tem tantas medalhas mundiais como ela.

25km masculino

A francês Axel Reymond liderou por boa parte da prova, ao lado do italiano Simone Ruffini. Na última volta a disputa persistiu e entraram na briga outra italiano, Matteo Furlan, e o russo Evgenii Drattcev. No sprint final, Reymond venceu em 5:02:46.4 com Furlan logo atrás a 0.6 e Drattcev deixou Ruffini pra trás para levar o bronze a 3.4 do campeão. Com o ouro, a França venceu 4 das 7 provas e só não esteve no pódio nos 25km feminino. Sem nenhum ouro, a Itália levou o troféu por equipes. Allan do Carmo foi o melhor brasileiro na prova em 13º com 5:06:55.7.

Equipe rotina livre

Mais uma vez, a Rússia levou um ouro no nado sincronizado. Com a excelente nota de 97,3000, as russas faturaram o 6º ouro neste Mundial, fechando em 100% a participação no feminino. No sábado, na rotina livre combinada, a Rússia não participa. Assim como na prova técnica, China foi prata com 95,2333. Já na disputa do bronze, a Ucrânia levou o com 93,9333, vencendo a disputa contra o Japão, 4º com 93,1000, mas que foi bronze nos Jogos do Rio e na rotina técnica. Na disputa continental, o Canadá ficou a frente do México, mas por pouco. As canadenses ficaram em 7º e o México já é a 8ª equipe do mundo.

Trampolim 3m feminino

Em uma prova absolutamente regular, Shi Tingmao faturou o 7º ouro chinês neste Mundial. Em uma série com praticamente apenas 8,5, a chinesa tirou 76,50, 76,50, 76,50, 77,50 e 76,50 para somar 383,50 e faturar o bicampeonato mundial da prova e manter a hegemonia do seu país na prova, que venceu nos últimos 9 mundiais. Sua compatriota Wang Han ficou por toda a prova em 2º lugar e levou a prata com 359,40 e a canadense Jennifer Abel pegou o bronze com 351,55, repetindo a medalha que conquistou em 2011. Nos últimos 7 mundias, chinesas fizeram dobradinha em 6.

Pólo aquático masculino

No encerramento da 1ª fase, o Brasil fez um bom jogo e empatou com o Canadá em 6-6, mesmo sem praticamente todos os que disputaram os Jogos do Rio. Com a vitória de 13-5 de Montenegro sobre o Cazaquistão, o Brasil surpreendeu e ficou em 2º lugar no grupo A, vencido por Montenegro. No B, Hungria venceu a 3ª com 13-7 na França e a Itália fez 13-5 na Austrália, que vai enfrentar o Brasil no playoff por vaga nas quartas de final.

No C, a quase imbatível Sérvia levou mais uma, fazendo 11-6 na Grécia, e a Espanha goleou a África do Sul por 16-4. Pelo Grupo D, mesmo com uma vitória de 14-1 sobre a Rússia, a equipe americana ficou em último no grupo e foi eliminada. A Croácia venceu o grupo com 16-6 no Japão.

Pelo playoffs teremos: Grécia x Japão (quem vencer pega Montenegro), Espanha x Rússia (pega Hungria), Brasil x Austrália (pega a temida Sérvia) e Cazaquistão x Itália (pega Croácia).

Mundial de Esportes Aquáticos – Dia 7

Prova nova nas maratonas aquáticas, ouro chinês no saltos e russo no nado sincronizado.

Revezamento 5km misto

No novo formato da prova, a estratégia conta demais, já que cada equipe coloca os 2 homens e as 2 mulheres na ordem que bem desejar. Assim, várias trocas na liderança. Quase todas as equipes abriram com um homem e os Estados Unidos entregou na frente com o Brasil passando em 3º com Allan do Carmo. A maioria colocaria as duas mulheres no meio do revezamento, mas a Grã-Bretanha optou abrir com mulher, trazer os dois homens para abrir e fechar com uma mulher. Assim, liderou por quase meia hora, abrindo 37s sobre a França na última troca. Mas enquanto entrava a outra mulher, a França fechou com o campeão dos 5km Marc-Antoine Olivier, que passou e bateu sozinho pro ouro com 54:05.9. A ótima equipe americana ficou com a prata a 12s2 e a Itália pegou o bronze a 25s1.

O Brasil começou bem, mas as mulheres não conseguiram manter o bom ritmo, com Viviane Jungblut e Ana Marcela Cunha. Fernando Ponte fechou bem. Pegou em 10º e bateu na 6ª posição com 55:19.6. Após 5 provas da modalidade, a França venceu 3 e esteve em todos os pódios!

Dueto Livre

Sem surpresa, a dupla da Rússia de Svetlana Kolesnichenko e Alexandra Patskevich faturou o ouro com 97,0000, 13º título mundial de Kolesnichenko. O pódio repetiu a prova técnica, com China na prata com 95,3000 e a Ucrânia no bronze com 93,2667, ficando bem pouco a frente do Japão, que tirou 93,1333. 5ª prova feminina do nado, 5º ouro russo.

Trampolim 3m masculino

xie-siyi

Xie Siyi (CHN)

O chinês Xie Siyi ficou com o ouro na prova com a alta pontuação de 547,10, tirando mais de 90 pontos em 4 saltos! Mas ele contou com um erro no 4º salto do seu compatriota Cao Yuan, que liderava até o 3º salto e terminou na 10ª posição. Bronze no Rio-2016, o alemão Patrick Hausding ficou com a prata com 526,15 e o russo Ilia Zakharov pegou o bronze com 505,90. Vale mencionar o último salto do mexicano Rommel Pacheco. Ele acabou em 4º com 501,60, mas em seu último salto, um mortal grupado com 4 piruetas e meia, ele tirou a única nota cima de 100 pontos, com 100,70. Em 10 provas disputadas nos saltos, a China levou 6.

Pólo Aquático

A equipe feminina do Brasil perdeu de 16-6 para o Canadá, contabilizando 3 derrotas no Grupo A. No outro jogo do grupo, a Itália venceu a 3ª com 15-8 na China. O Brasil disputará do 13º ao 16º lugar contra a África do Sul. No B, as americanas fizeram 22-7 na Nova Zelândia e Espanha fez 17-3 nas sul-africanas. No C, França venceu o Japão por 9-8 e a Hungria chegou a 3 vitórias com 10-8 na Holanda. Pelo D, Grécia 11-8 na Austrália e Rússia 15-6 no Cazaquistão.

Itália, EUA, Hungria e Grécia venceram seus grupos e já estão nas 4as aguardando os vencedores dos play-offs.

Mundial de Esportes Aquáticos – Dia 6

Segunda medalha brasileira em Budapeste e mais uma pra coleção de Ana Marcela Cunha.

5km feminino

O CRÉDITO DA FOTO É OBRIGATÓRIO: Satiro Sodré/SSPress/CBDA

A campeã dos 10km, a francesa Aurelie Muller, foi com tudo para faturar seu 2º ouro em Budapeste. Mas não contava com a segunda metade da americana Ashley Twichell, bronze nesta prova em 2011. Twichell assumiu a liderança abrindo 2-3 corpos de vantagem para vencer o ouro com 59:07.0. Muller segurou o ataque das concorrentes e bateu pra prata com 59:10.5. A briga pelo bronze foi entre gigante. Ana Marcela Cunha, a holandesa Sharon van Rouwendaal e a americana Haley Anderson, que defendia o ouro, brigavam pela 3ª colocação. Anderson foi ficando pra trás e Ana Marcela apertou o nado para alcançar a campeã olímpica van Rouwendaal. Elas chegaram juntas no pórtico, mas a holandesa calculou mal e levantou a mão antes do necessário para bater, ficando no vácuo. Ana Marcela fez certo e bateu instantes antes, para faturar o bronze com 59:11.4, apenas 0.1 melhor que a holandesa.

O CRÉDITO DA FOTO É OBRIGATÓRIO: Satiro Sodré/SSPress/CBDA

Ana Marcela batendo instantes antes da holandesa

Foi a 9ª medalha em mundiais da brasileira, que chega a 2 ouros, 2 pratas e 5 bronzes na carreira brilhante. Recuperada do fracasso olímpico e da cirurgia de retirada do baço, ela ainda nada o revezamento e a longuíssima prova de 25km.

Solo Livre

Sem novidades, mais um ouro para a Rússia. Svetlana Kolesnichenko venceu seu 12º título mundial ao levar com 96,1333. Assim como na prova técnica, a espanhola Ona Carbonell foi prata com 95,0333 e a ucraniana Anna Voloshyna foi bronze com 93,3000. Rússia segue firme para fechar com 100% nas provas femininas (já que perdeu no dueto misto).

Plataforma 10m feminina

21at_the_aquatics_world_championships3_1500505631

Cheong Jun Hoong (MAS)

As chinesas Si Yajie e Ren Qian e a malaia Cheong Jun Hoong protagonizaram uma disputa apertadíssima pelo ouro. E a vitória inesperada ficou com a malaia. Ren Qian começou na frente, tirando dois 10s no 2º salto, mas no 3º chegou a tirar um 5,0 e viu Cheong passar a frente por apenas 1,35. No 4º salto, a malaia tirou quatro notas 10s num salto de dificuldade 2,8, se mantendo a frente por apenas 2,35 sobre Ren Qian e por 3,00 sobre Si Yajie. No salto decisivo, a diferença foi mínima. Cheong tirou 80,00, Si Yajie 81,60 e Ren Qian 76,80. No final, uma histórica vitória de Cheong Jun Hoong com 397,50, seguida de Si Yajie com 396,00 e Ren Qian com 391,95.

Pólo aquático masculino

Na 2ª rodada da 1ª fase, a seleção brasileira levou uma goleada de 14-5 de Montenegro. Também pelo Grupo A, o Cazaquistão surpreendeu o Canadá por 10-9 e embolou o grupo. No Grupo B, Austrália venceu a França por 11-10 e os donos da casa ficaram no empate com a Itália em 9-9. Pelo C, a supercampeã Sérvia venceu 11-5 a Espanha e Grécia fez 18-2 na África do Sul. No D, EUA foi surpreendido pelo Japão e perdeu feio de 15-7, enquanto Croácia venceu 10-8 a Rússia.

Mundial de Esportes Aquáticos – Dia 5

Ouro pro campeão olímpico e uma surpresa francesa.

10km masculino

15003801703340

Em uma prova muito disputada, a definição do primeiros colocados veio apenas no finalzinho, pois estava tudo bem embolado. O francês campeão dos 5km Marc-Antoine Olivier estava na disputa na última volta logo atrás do húngaro Kristof Rasocszky, para a alegria do público, que ainda não viu nenhuma medalha dos donos da casa. No último quilometro, apareceu o americano campeão desta prova há dois anos Jordan Wilimovsky, que despontava na frente. Mas aí surgiu a força do campeão olímpico do Rio, o holandês Ferry Weertman, que forçou até bater na frente com 1:51:58.5, apenas 0.1 na frente do americano! Marc-Antoine Olivier bateu em 3º a 0.7 para fechar o pódio, enquanto Rasovszky foi o 5º. Fernando Ponte bateu em 19º a 37s do campeão e Allan do Carmo foi o 29º a 42.2.

Equipe técnica

Mais uma vez, domínio russo na rotina técnica por equipes, que mantém a invencibilidade desde 1994, quando as americanas venceram. Mesmo sem nenhuma das duas que venceram no solo e no dueto, a Rússia somou 96,0109 para levar o 3º ouro no nado sincronizado em Budapeste. Assim como no dueto, a China ficou com a prata com 94,2165 e o Japão completou o pódio com 93,1590, deixando a Ucrânia em 4º, assim como no Rio-2016. Adversário histórico do Brasil, o México repetiu a ótima colocação das preliminares.

Prova de Saltos por Equipes

Nesta prova relativamente nova, um homem e uma mulher saltando 3 vezes cada ,sendo 3 saltos no total na plataforma e 3 no trampolim. Em nenhum momento a China, com Chen Yiwen e Qiu Bo, brigou por medalha. A melhor colocação foi o 6º lugar após o 1º, o 2º e o último salto. Quem brigou pelo ouro foram França e México. Do 3º salto em diante, os mexicanos Rommel Pacheco e Viviana Peniche lideraram. Após o 5º salto, a vantagem sobre os franceses Laura Marino e Matthieu Rosset era de 23,15 pontos e estavam com uma mão no ouro. Mas no derradeiro salto, Peniche fez um salto bem mediano na plataforma e viu os franceses irem para a liderança com 406,40 contra 402,35 dos mexicanos. A dupla americana Krysta Palmer e David Dinsmore foi bronze com 395,90.

Pólo Aquático feminino

Como esperado, a seleção brasileira apanhou da forte Itália por 18-4 e acumula duas derrotas no Grupo A. Pelo mesmo grupo, o Canadá venceu a China por 9-8. No B, as americanas venceram por 12-8 a Espanha e a Nova Zelândia passou pela África do Sul com 8-6. Duas goleadas no Grupo C. As donas da casa arrasaram a França por 24-5 e a Holanda venceu o Japão por 20-8. No D, a Austrália venceu a Rússia por 8-5 e a Grécia fez 19-5 no Cazaquistão.

Mundial de Esportes Aquáticos – Dia 4

Mais dois ouros chineses e uma derrota russa no nado sincronizado por centésimos.

Trampolim sincronizado feminino

Foi uma bela disputa entre as chinesas Chang Yani e Shi Tingmao e as canadenses Jennifer Abel e Melissa Beaulieu. Apesar de não perderem a liderança desde o 1º salto, as chinesas não tiveram moleza com uma belíssima prova da dupla canadense, que ficou em 2º desde o início por muito pouco. Em nenhum momento a diferença chegou a 10 pontos. China venceu com 333,30 com praticamente apenas 8,5 e 9,0 contra 323,43 das canadenses. O bronze ficou com a dupla russa de Nadezhda Bazhina e Kristina Ilinykh com 312,60. A dupla brasileira de Tammy Galera e Luana Lira foi 11ª nas preliminares entre 19 com 265,20 e passou pra final. Na decisão, terminaram em 12º com 247,05.

Plataforma sincronizada masculina

920x920

Chen Aisen e Yanh Hao (CHN)

Chen Aisen e Yang Hao deram um show absoluto. Foram 9 notas 10 durante toda a prova, sendo 3 válidas. Nos 4 saltos de dificuldade livre, o mais baixo somou ótimos 93,96! Nenhum salto deu mais de 100 pontos, mas nenhum abaixo desta nota que é excelente. A dupla já tinha dado um show no Rio-2016, mas desta vez obteve uma pontuação ainda maior que no ano passado. Os russos Aleksandr Bondar e Viktor Miniabev ficaram com a prata com 458,85 enquanto os alemães Patrick Hausding e Sascha Klein, campeões mundiais em 2013, foram bronze com 440,82.

Dueto misto técnico

Assim como ocorreu há dois anos, a Rússia não venceu a prova. Desta vez, a dupla da Itália formada por Manila Flamini e Giorgio Minisini ficou com o ouro com 90,2979. Mas a nota russa foi muito, mas muito próxima: 90,2639. Uma rara derrota russa no nado sincronizado. Os Estados Unidos foram bronze com 87,6682 e faturaram a 1ª medalha do país neste Mundial. Os brasileiros Renan Souza e Giovana Stephan repetiu o 7º lugar da preliminar com 79,0853.

Pólo Aquático

O Brasil abriu o torneio masculino de pólo com vitória de 6-2 sobre o Cazaquistão. Desde os jogos do Rio, a equipe perdeu o técnico croata e Felipe Perrone e passou por muitos problemas. Pelo mesmo grupo A, Canadá e Montenegro empataram em 8-8. No B, a Hungria venceu por 13-3 a Austrália e Itália fez 18-9 na França. No C, os campeões olímpicos e quase imbatíveis sérvios arrasaram a África do Sul por 21-5 e a Grécia venceu 8-7 a Espanha. Pelo D, Croácia fez 12-7 nos EUA e Rússia 15-8 no Japão.

Mundial de Esportes Aquáticos – Dia 3

Vem a primeira medalha brasileira numa disputa que deu até um raro empate e a China volta ao normal nos saltos.

10km feminino

596c8819828ed_ana-marcela-2

Campeã em Kazan-2015, a francesa Aurelie Muller queria apagar aquela desclassificação no Rio-2016, que lhe tirou a prata e rendeu o bronze para Poliana Okimoto. Em Budapeste a francesa liderou praticamente a prova toda e venceu o bicampeonato com 2:00:13.7. Atrás dela, vinham as italianas Rachele Bruni (que herdou a prata no Rio-2016) e Arianna Bridi. Enquanto isso, Ana Marcela Cunha fazia uma linda prova de recuperação, mordida após ficar sem medalha olímpica no Rio. No último quilometro, Ana se colocou entre as duas italianas, mas as três não viram o ataque da equatoriana Samantha Arevalo, que passou por fora para bater com a prata, 3s3 atrás da francesa e a 1ª medalha equatoriana na história do Mundial de Esportes Aquáticos. Braçada a braçada, Ana e Bridi abriram e bateram juntas no pórtico. A indefinição da medalha demorou muito tempo até que, uns bons 10 minutos depois veio a confirmação do empate pela medalha de bronze com 2:00:17.2.

Com o bronze, Ana Marcela Cunha chega a sua 8ª medalha em Mundiais. Ela é o atleta brasileiro (entre homens e mulheres) com mais medalhas em mundiais! Em sua estreia, Viviane Jungblut fez ótima prova e bateu em 12º com 2:01:06.1 entre 62 atletas.

Trampolim 1m masculino

Depois de amargar duas derrotas no sábado nos saltos ornamentais, a China fez dobradinha na prova com Peng Jianfeng e He Chao. Peng liderava com folga, mas fez um 5º salto ruim. Não perdeu a liderança, mas viu He Chao encostar. Peng venceu com 448,40 contra 447,20 do seu compatriota, que não teve nenhuma nota válida acima de 8,0. O bronze foi pro italiano Giovanni Tocci com 444,25.

Plataforma sincronizada feminina

Em mais uma performance impecável, as chinesas Ren Qian e Si Yajie ficaram com o ouro. Foi a 9ª vitória seguida da China nesta prova em Mundiais. Todas as notas válidas da dupla, tanto de execução como de sincronismo foram 8,5 ou 9,0 e chegaram a soma de 352,56. Pouco atrás, as norte-coreanas Kim Mi Rae e Kim Kuk Hyang foram prata com 336,48 enquanto as malaias Cheong Jun Hoong/Pandedela Rinong completaram o pódio asiático com 328,74.

Dueto técnico

Mais uma vez como esperado, a dupla russa levou. Svetlana Kolesnichenko e Alexandra Patskevich entraram no lugar das aposentadas Svetlana Romashina e Natalia Ishchenko, mas mantiveram o alto nível para vencer com 95,0515. Pelo 4º mundial seguido, a China ficou com a prata, com a nota de 94,0775 e a Ucrânia completou o pódio com 92,6482, com o Japão colado em 4º com 92,0572.

Pólo Aquático

Na abertura do torneio feminino, a seleção brasileira estreou com derrota de 11-4 para a China pelo Grupo A. No outro jogo do grupo, a Itália venceu por 10-4 o Canadá. No Grupo B, as americanas campeãs olímpicas massacraram a África do Sul por 24-2 e a Espanha venceu por 10-2 a Nova Zelândia.

Pelo C, as donas da casa húngaras derrotaram por 20-11 o Japão e a Holanda passou com 17-2 pela França. No D, Austrália 16-4 Cazaquistão e Rússia 9-7 na Grécia.