Saltos Ornamentais define equipe pro Mundial

O Parque Aquático Maria Lenk recebeu o Troféu Brasil de Saltos (sem piscina verde) que definiu a equipe da modalidade pro Mundial de Budapeste em julho. Os 6 nomes da equipe estiveram no Mundial de Kazan em 2015 e 4 disputaram os Jogos do Rio.

2d1c20ebcd6be9335ec5ad5a54a5f022

Ian Matos

As definições vieram apenas no último dia de disputas, no sábado. Maior polêmica da equipe brasileira nos Jogos do Rio, Ingrid Oliveira venceu a plataforma com 329,55. Em 2º lugar, Giovana Pedroso também fez o índice pro Mundial com 308,10. No trampolim masculino, Ian Matos venceu com 418,30, acima do índice.

À tarde, Tammy Galera venceu o trampolim feminino com 297,65, também superando o índice.  Luana Lira ficou em 2º com 262,65, sem índice. Mas em fevereiro ela fez 287,30 e, assim, também conseguiu a vaga pro Mundial.

Para encerrar o Troféu, a plataforma masculina com show de Isaac Souza, considerada a maior revelação da modalidade no país. Isaac somou excelentes 454,55, marca de final olímpica, e tirou duas notas 10 durante sua apresentação! Mesmo sendo descartadas (já que as 2 maiores o são), não deixa de ser um fato de destaque e raro nos saltos brasileiros.

Há alguns anos, parecia que os saltos brasileiros não mostravam renovação e eram quase sempre os mesmo nomes nas competições internacionais. Essa será a 1ª grande competição sem os veteranos César Castro, Hugo Parisi e Juliana Veloso. César e Juliana se aposentaram e Hugo só disputou a plataforma sincronizada. Agora é esperar que acertem os saltos no Mundial e fica a expectativa até por uma final de Isaac na plataforma.

Resumo do fim de semana

Saltos Ornamentais

Isaac Souza Filho

Melhor nome da nova geração, Isaac Souza Filho foi o destaque brasileiro no Mundial Junior de Saltos Ornamentais, em Kazan, Rússia. No domingo, último dia da competição, ele ficou na ótima 7ª posição na plataforma Grupo A (16 a 18 anos) com 482,00 pontos. A prova foi vencida pelo chinês Lian Jun jie com 593,55.

Na prova por equipes, o 2º melhor resultado do Brasil, com o 8º lugar entre 15 equipes. O Brasil também competiu, mas no Grupo B (14 e 15 anos), com Luis Felipe Moura e Anna Lúcia dos Santos. Luis foi 14º no trampolim de 1m, 24º no de 3m e 20º na plataforma. Anna Lúcia foi 15ª no trampolim de 1m e 21ª no de 3m. A China venceu 7 das 15 provas.

Outros Esportes:

Rafael Andrade foi campeão pan-americano de ginástica de trampolim, em Bogotá. Ele fez 54,750 na final do trampolim para ficar com o ouro contra 54,295 do mexicano Luis Armando Cetina. Daiene Luma foi 4ª colocada no feminino com 50,000, a 0,225 do pódio.

– Com equipe cheia de novos nomes, o Brasil volta do Grand Slam de Tóquio de judô sem medalhas. Felipe Kitadai (60kg) e Rochele Nunes (+78kg) foram os melhores brasileiros, perdendo a disputa de bronze e terminando em 5º lugar nas suas categorias. 18 brasileiros disputaram o torneio.

– A seleção brasileira de para-badminton, esporte que estreará nos Jogos Paralímpicos de Tóquio-2020, venceu 5 ouros, 7 pratas e 12 bronzes no Pan-Americano da modalidade na Colômbia. Os brasileiros estivera presentes em todas os pódios.

– No GP de Turim de florete, Guilherme Toldo chegou à chave principal perdendo na estreia de 15-10 para Ka Long Cheung, de Hong Kong e terminando em 55º no geral. Ghislain Perrier foi o 93º e Pedro Marostega o 134º. O italiano Alessio Foconi foi ouro com 15-7 sobre o americano Alexander Massialas na final.

Adilson da Silva não passou pelo corte no Alfred Dunhill Champiosnhip, na África do Sul. Ele fez 144 tacadas após duas rodadas, uma acima do necessário para avançar. O campeonato já vale pela temporada de 2017 do Sunshine Tour e do Tour Europeu.

– Quatro brasileiros disputarão o Grand Prix Final de taekwondo no Azerbaijão esta semana: o medalhista olímpico Maicon Siqueira (+80kg), Iris Sing (49kg), Raphaella Galacho (+67kg) e Henrique Precioso (68kg). Medalhista mundial Venilton Teixeira (58kg) foi convocado, mas pediu dispensa.

 

Prévias Rio-2016: Saltos Ornamentais

Trampolim 3m masculino

Pódio em Londres-2012: Ouro – Ilya Zakharov (RUS); Prata – Qin kai (CHN); Bronze – He Chong (CHN)

Último Mundial (2015): Ouro – He Chao (CHN); Prata – Ilya Zakharov (RUS); Bronze – Jack Laugher (GBR)

Cao Yuan (CHN)

Apesar do fracasso na Copa do Mundo do Rio em fevereiro, o mais esperado é uma dobradinha chinesa na prova. He Chao é o atual campeão mundial, mas quem venceu (quase) tudo esse ano foi Cao Yuan (1O). Ele venceu as 4 etapas da Série Mundial de saltos na prova, mas fracassou na Copa do Mundo, ficando em 6º com 3 saltos ruins na final. Mesmo assim, a dupla segue como favorita.

Quem venceu a Copa do Mundo foi o mexicano Rommel Pacheco, que volta aos Jogos Olímpicos após ficar fora de Londres. O russo Ilya Zakharov (1O-1P) é o atual campeão olímpico e foi prata no último mundial, prometendo dar muito trabalho aos chineses. O britânica Jack Laugher teve um grande ano de 2015, com o bronze no mundial e 3 vitórias na Série Mundial. De olho também no canadense Philippe Gagné, no francês Matthieu Rosset e no russo Evgeny Kuznetsov (1P).

E o Brasil? César Castro vai para sua 4ª Olimpíada e está em boa forma. Foi semifinalista no Mundial e conquistou um excelente 5º lugar na Copa do Mundo. Tem boas chances de repetir a final que chegou em Atenas-2004.

Meu Pódio: Ouro – Cao Yuan (CHN); Prata – Ilya Zakharov (RUS); Bronze – He Chao (CHN)

Plataforma masculina

Pódio em Londres-2012: Ouro – David Boudia (USA); Prata – Qiu Bo (CHN); Bronze – Tom Daley (GBR)

Último Mundial (2015): Ouro – Qiu Bo (CHN); Prata – David Boudia (USA); Bronze – Tom Daley (GBR)

Devemos ter novamente uma disputa entre o chinês Qiu Bo (1P) e o americano David Boudia (1O-1B). Boudia levou a melhor em Londres, mas o chinês é tricampeão mundial e venceu a Copa do Mundo. O outro chinês na prova é Chen Aisen, prata na Copa do Mundo e 3 ouros no circuito mundial este ano, o que pode ocasionar outra dobradinha chinesa no Rio.

O queridinho britânico Tom Daley (1B) foi campeão mundial em 2009, com apenas 15 anos, e o bronze nos Jogos e no último mundial e o ouro europeu este ano o deixam como um dos nomes mais fortes para medalha. Outros bons nomes da prova são os mexicanos German Sanchez (1P) e Ivan Garcia (1P), o alemão Sascha Klein (1P) e o russo Viktor Minibaev.

E o Brasil? Hugo Parisi vai para sua 3ª Olimpíada. Pegou semifinal na Copa do Mundo e uma semi olímpica seria um ótimo resultado já.

Meu Pódio: Ouro – Qiu Bo (CHN); Prata – Chen Aisen (CHN); Bronze – David Boudia (USA)

Trampolim 3m feminino

Pódio em Londres-2012: Ouro – Wu Minxia (CHN); Prata – He Zi (CHN); Bronze – Laura Sánchez (MEX)

Último Mundial (2015): Ouro – Shi Tingmao (CHN); Prata – He Zi (CHN); Bronze – Tania Cagnotto (ITA)

Shi Tingmao (CHN)

Outra prova onde o mais provável é uma dobradinha chinesa. Shi Tingmao venceu o último mundial, a Copa do Mundo e se contarmos as 10 últimas etapas da Série Mundial, ela venceu 6! Sua principal concorrente é sua compatriota He Zi (1O-1P), prata em Londres, na Copa do Mundo e no mundial de 2015. Ela venceu as outras 4 etapas que Shi não venceu.

As canadenses Jennifer Abel (1B) e Pamela Ware são presença constante em pódios das principais provas e, junto com a italiana Tania Cagnotto, bicampeã europeia e bronze em Londres e a britânica Rebecca Gallantree tem chances de pódio.

E o Brasil? Juliana Veloso vai para sua 5ª Olimpíada com a semifinal da Copa do Mundo este ano na bagagem, mas com poucas chances de repetir o feito. Semifinal é algo provável, mas nada além disso.

Meu Pódio: Ouro – Shi Tingmao (CHN); Prata – He Zi (CHN); Bronze –  Jennifer Abel (CAN)

Plataforma feminina

Pódio em Londres-2012: Ouro – Chen Ruolin (CHN); Prata – Brittany Broben (AUS); Bronze – Pandelela Rinong (MAS)

Último Mundial (2015): Ouro – Kim Kuk-hyang (PRK); Prata – Ren Qian (CHN); Bronze – Pandelela Rinong (MAS)

As chinesas da prova são Ren Qian e Si Yajie. Ren venceu a Copa do Mundo e foi prata no mundial de Kazan, mas quem pode estragar a festa chinesa, assim como aconteceu no último mundial, é a norte-coreana Kim Kuk-hyang. Grande desconhecida até o ano passado, Kim surpreendeu ao levar o ouro em Kazan.

A malaia Pandelela Rinong (1B) foi bronze em Londres e em Kazan e segue na briga, assim como a britânica Tonia Couch, a canadense Meaghan Benfeito (1P), a italiana Noemi Batki e a ucraniana Yulia Prokopchuk.

E o Brasil? Ingrid Oliveira estreia em Olimpíadas, mas uma semifinal já seria ótimo. Na Copa do Mundo não passou para a semi.

Meu Pódio: Ouro – Ren Qian (CHN); Prata – Kim Kuk-hyang (PRK); Bronze – Meaghan Benfeito (CAN)

Trampolim 3m sincronizado masculino

Pódio em Londres-2012: Ouro – Luo Yutong/Qin Kai (CHN); Prata – Ilya Zakharov/Evgeny Kuznetsov (RUS); Bronze – Troy Dumais/Kristian Ipsen (USA)

Último Mundial (2015): Ouro – Cao Yuan/Qin Kai (CHN); Prata -Ilya Zakharov/Evgeny Kuznetsov (RUS); Bronze – Jack Laugher/Chris Mears (GBR)

Ilya Zakharov e Evgeny Kuznetsov (RUS)

Os favorito, claro, são os chineses Cao Yuan (1O) e Qin Kai (2O-1P-1B). Qin, aliás, é bicampeão olímpico da prova, cada vez com um parceiro diferente. Mas na Copa do Mundo, a dupla alemã formada por Stephan Feck e Patrick Hausding (1P) venceu por 10 pontos de vantagem.

O pódio parece ser bem imprevisível, pois na Copa do Mundo, os mexicanos foram bronze enquanto no Mundial, a forte dupla da Rússia foi prata e a Grã-Bretanha bronze. Os britânicos venceram o europeu, deixando a dupla russa com a prata. Completam a prova Itália, EUA e Brasil.

E o Brasil? Ian Matos e Luiz Outerelo disputarão a prova. Eles foram 13º no Mundial e 18º na Copa do Mundo e provavelmente ficarão em último.

Meu Pódio: Ouro – Ilya Zakharov/Evgeny Kuznetsov (RUS); Prata – Cao Yuan/Qin Kai (CHN); Bronze – Jack Laugher/Chris Mears (GBR)

Plataforma sincronizada masculina

Pódio em Londres-2012: Ouro – Cao Yuan/Zhang Yanquan (CHN); Prata – Iván García/Germán Sánchez (MEX); Bronze – David Boudia/Nicholas McCrory (USA)

Último Mundial (2015): Ouro – Chen Aisen/Lin Yue (CHN); Prata – Iván Garcia/Germán Sánchez (MEX); Bronze – Roman Izmailov/Viktor Minibaev (RUS)

Sem dúvida, Chen Aisen e Lin Yue (1O) são favoritíssimos ao ouro. Venceram a Copa do Mundo este ano, o Mundial de 2015 e as 4 etapas do circuito mundial este ano! A dupla britânica de Tom Daley (1B) e Daniel Goddfellow foi bronze na Copa do Mundo e subiu aos 4 pódios do circuito mundial.

Outras forças são os alemães Patrick Hausding (1P) e Sascha Klein (1P), prata este ano no Rio, os mexicanos Ivan Garcia (1P) e German Sanchez (1P) e os russos Viktor Minibaiev e Nikita Shleikher. Completam a prova EUA, Ucrânia e Brasil.

E o Brasil? Hugo Parisi e Jackson Rondinelli saltaram bem mal na Copa do Mundo e terminaram em 13º e último. O último lugar é o mais provável também.

Meu Pódio: Ouro – Chen Aisen/Lin Yue (CHN); Prata – Tom Daley/Daniel Goodfellow (GBR); Bronze – Ivan Garcia/German Sanchez (MEX)

Trampolim 3m sincronizado feminino

Pódio em Londres-2012: Ouro – He Zi/Wu Minxia (CHN); Prata – Kelci Bryant/Abigail Johnston (USA); Bronze – Jennifer Abel/Émilie Heymans (CAN)

Último Mundial (2015): Ouro – Shi Tingmao/Wu Minxia (CHN); Prata – Jennifer Abel/Pamela Ware (CAN); Bronze – Samantha Mills/Esther Qin (AUS)

A dupla chinesa será formada pelas campeãs mundiais Shi Tingmao e o mito Wu Minxia (4O-1P-1B). Wu é nada menos que tricampeã olímpica na prova e heptacampeã mundial! Mais um ouro não é nada mais que o esperado para ela. Logo atrás das chinesas estão as canadenses Jennifer Abel (1B) e Pamela Ware, vice-campeãs mundiais e da Copa do Mundo.

Bronze nas duas competições, a australianas Samantha Mills e Esther Qin não foram convocadas e Maddison Keeney e Anabelle Smith que representarão a Austrália. A dupla italiana de Tania Cagnotto e Francesca Dallapé esteve nos 4 pódios do circuito mundial. Completam a prova Malásia, Grã-Bretanha, Alemanha e Brasil.

E o Brasil? Tammy Galera e Juliana Veloso ficaram em 10º na Copa do Mundo entre 15 duplas, mas dificilmente irão surpreender. Não ficar em 8º já seria bom.

Meu Pódio: Ouro – Shi Tingmao/Wu Minxia (CHN); Prata – Jennifer Abel/Pamela Ware (CAN); Bronze – Tania Cagnotto/Francesca Dallapé (ITA)

Plataforma sincronizada feminina

Pódio em Londres-2012: Ouro – Chen Ruolin/Wang Hao (CHN); Prata – Paola Espinosa/Alejandro Orozco (MEX); Bronze – Meaghan Benfeito/Roseline Filion (CAN)

Último Mundial (2015): Ouro – Chen Ruolin/Liu Huixia (CHN); Prata – Meaghan Benfeito/Roseline Filion (CAN); Bronze – Kim Un-hyang/Song Nam-hyang (PRK)

Outro mito dos saltos ornamentais, a chinesa Chen Ruolin (4O) competirá ao lado de Liu Huixia. A dupla é bicampeã mundial da plataforma sincronizada, mas Chen é tetracampeã mundial e bicampeã olímpica da prova. A dupla canadense de Meaghan Benfeito (1B) e Roseline Filion (1B) foi bronze em Londres e esteve em 8 pódios das 10 últimas etapas da Série Mundial.

Prata na Copa do Mundo, a dupla malaia de Cheong Jun Hoong e Pandedela Rinong tem boas chances de pódio, assim como as britânicas Sarah Barrow e Tonia Couch. De olho também na dupla da Coreia do Norte, que não terá nenhuma atleta bronze no último mundial. Completam a prova EUA, México e Brasil.

E o Brasil? Ingrid Oliveira e Giovanna Pedroso fazem a melhor dupla sincronizada e tem tudo para obter a melhor colocação entre as 4 provas. Bronze no Pan de Toronto, elas não disputaram a Copa do Mundo para se dedicar à prova individual. Mas longe de pensar em medalha. Um 6º lugar seria excelente.

Meu Pódio: Ouro – Chen Roulin/Liu Huixia (CHN); Prata – Meaghan Benfeito/Roselino Filion (CAN); Bronze – Sarah Barrow/Tonia Couch (GBR)

Perfil 2016 – Qiu Bo (CHN)

screen-shot-2012-08-11-at-11-04-59-pm

10/75

Qiu Bo

Saltos Ornamentais

Plataforma individual

Jogos Olímpicos: 1 prata

Mundiais: 4 ouros e 1 prata

 

Apesar da pouca idade, o chinês Qiu Bo é um dos fenômenos dos saltos ornamentais. Aos 23 anos, seu currículo é invejável e repleto de medalhas, praticamente todas de ouro.

Ele começou a saltar aos 7 anos, após um técnico vê-lo num trampolim acrobático. Na equipe chinesa desde 2008, com 15 anos, ele não disputou os Jogos de Pequim, mas em 2009 já disputou várias etapas da World Series e sua primeira medalha mundial veio na plataforma, em Roma. Qiu liderava a final da plataforma com 12,85 pontos a mais que Tom Daley, mas no último salto viu o britânico tirar quatro 10s enquanto ele tirava uma média 7, perdendo o ouro por apenas 7,65.

Em 2010, disputou os Jogos Olímpicos da Juventude em Singapura, onde levou o ouro na plataforma e no trampolim. Também venceu 3 provas da World Series e foi bronze na Copa do Mundo. 2011 foi um ano perfeito, vencendo as 4 provas da Série Mundial, mas a cereja veio no Mundial de Xangai. Em casa, venceu a plataforma sincronizada ao lado de Huo Ling e, alguns dias depois, faturou a plataforma individual com mais de 40 pontos de vantagem!

diving15thfinaworldchampionshipsdayeightsja-3mu5r1hl

Em sua primeira Olimpíada, em Londres-2012, Qiu Bo foi o melhor na preliminar e na semifinal, mas na final, acabou com  prata com 566,85, apenas 1,80 a menos que o americano David Boudia! Sua maior derrota até agora. No Mundial de 2013, em Barcelona, arrasou com o americano, somando 581,00 contra 517,40 de Boudia na final para faturar seu 3º título mundial.

2014 não foi um ano tão bom, com 3 derrotas na World Series e na Copa do Mundo de Saltos, mas em 2015 as coisas voltaram ao eixo com vitórias no circuito e mais um título mundial. Com 587,00, ele novamente deixou Boudia com a prata, com 560,20.

Em 2016, competindo no Rio, Qiu Bo venceu a Copa do Mundo com 557,75 e chega cheio de pressão aos Jogos, com o tricampeonato mundial nas costas. Mas ele tem tudo para ajudar a China a faturar todos os 8 ouros no esporte.

Fortíssima Copa do Mundo de Saltos começa no Rio

Começou nesta sexta-feira mais um evento-teste pros Jogos do Rio-2016.

Maria Lenk. Foto: CBDA

E que evento-teste de luxo! É a Copa do Mundo de Saltos Ornamentais, competição que rola a cada dois anos. Terá quase o nível do Mundial e dará todas as vagas olímpicas restantes.

Com muita gente que vai brigar por medalha nos Jogos, é a melhor chance de ver grandes nomes do esporte.

Dos 33 medalhistas nas provas olímpicas no Mundial de Esportes Aquáticos, só não estarão no Rio nesta semana 3 saltadoras da Coreia do Norte (incluindo a campeã mundial na plataforma Kim Kuk-hyang) e a canadense Meaghan Benfeito. Dos 10 atletas campeões olímpicos em Londres-2012, 8 estão no Rio, incluindo as lendas chinesas Wu Minxia (4 ouros olímpicos) e Chen Ruolin (4 também). Também competem Jack Laugher, o queridinho das redes sociais Tom Daley, David Boudia, Paola Espinosa, Melissa Wu, Jennifer Abel, Tania Cagnotto, Ken Terauchi, Pandedela Rinong, Ilia Zakharov, Rommel Pacheco, Yulia Prokopchuk.

Para o Brasil, a chance é de classificar os atletas para as provas individuais, já que temos vaga garantida em todas as provas sincronizadas. Para isso, os saltadores devem ficar entre os 18 melhores na quali, excluindo os atletas já classificados pelo Mundial ou torneio continentais. Brasil terá boa chance de pegar umas 5-6 vagas das 8 possíveis. Competem pelo Brasil no trampolim: Luana Lira, Tammy Takagi, César Castro e Ian Matos. Na plataforma: Ingrid Oliveira, Giovanna Pedroso, Hugo Parisi e Isaac Souza Filho, boa revelação do esporte.

Teoricamente, como pensa a CBDA, a melhor chance de medalha do Brasil seria nos saltos sincronizados, já que são apenas 8 duplas. Mas exatamente por serem tão poucas que a dificuldade é muito maior. A melhor dupla brasileira é na plataforma feminina, única prova que o país medalhou no Pan, com a prata de Giovanna Pedroso e Ingrid Oliveira. Mas elas abriram mão de disputar a prova, focando na disputa pela vaga individual. Uma pena, pois seria uma bela oportunidade para elas terem uma noção de sua posição no mundo, para lapidarem pros Jogos.

Estão em jogo o seguinte número de vagas

Saltos sincronizados – 4 vagas por prova

Trampolim Masc – 19 vagas

Plataforma Masc – 18 vagas

Trampolim Fem – 22 vagas

Plataforma Fem – 18 vagas

A competição segue até quarta-feira, com a final da plataforma masculina.

Mundial de Esportes Aquáticos – Dia 10

E começou a natação! Já com recorde mundial, Brasil com vaga olímpica, recorde brasileiro, surpresas e decepções.

400m livre masculino

Sun Yang. Foto: AFP Photo/Martin Bureau

O britânico James Guy bem que tentou, mas o chinês Sun Yang controlou a prova para abrir nos 100m finais. O chinês teve alguns problemas nos últimos anos dos mais variados tipos, mas está de volta ao cenário mundial e conquistou o bi mundial da prova com 3:42.58. Campeão olímpico na prova, Yang busca levar os 3 ouros que obteve em 2013, com os 800m e os 1.500m. Guy ficou com a prata com 3:43.75 e o canadense Ryan Cochrane bronze com 3:44.59. Mesmo com tantos título, o chinês segue se emocionando no pódio.

400m livre feminino

Sem surpresas, a americana Katie Ledecky levou seu primeiro ouro em Kazan e quer repetir o feito de 2013, onde, assim como o Sun Yang, levou também os 800m e os 1.500m, além de ter vencido o revezamento 4x200m. Ledecky venceu sozinha com 3:59.13, 3º tempo da história. Duas pratas nas águas abertas, a holandesa Sharon van Rouwendaal levou mais uma, agora na piscina com 4:03.02. A australiana Jessica Ashwood foi bronze com o novo recorde da Oceania com 4:03.34. Nas eliminatórias, Manuella Lyrio bateu o recorde brasileiro com 4:10.57, 16º tempo pela manhã.

4x100m livre feminino

Fechando de maneira magnífica, as irmãs Campbell deram a vitória à Austrália com 3:31.48, recorde do campeonato. Bronte foi a 3ª na água com parcial de 51.77 e Cate fechou com 52.22 e deu o primeiro ouro na prova pra Austrália desde 2007. A bela equipe holandesa, com as excepcionais Ranomi Kromowidjojo, Femke Heemskerk e a novata Marrit Steenbergen ficaram com a prata com 3:33.67 e a equipe americana foi bronze com 3:34.61.

A equipe brasileira não repetiu o ótimo tempo da final do Pan (3:37.39) e ficou apenas em 11º lugar nas eliminatórias com 3:40.24. Se repetissem o tempo, pegariam final e terminariam em 7º lugar. Uma pena a piora, mas garantiram a vaga olímpica, por terem ficado entre as 12 equipes.

4x100m livre masculino

Já os homens fizeram bonito de manhã. Com 3:13.99 passaram para a final com o 2º tempo, somente atrás da Rússia. Com parciais ruins, a equipe americana surpreendeu apenas com o 11º tempo fora da final pela 1ª vez! A única vez que eles ficaram fora do pódio em um mundial foi em 2001, quando foram desclassificados.

Na final, sem Cielo, que foi poupado por conta de uma lesão, o Brasil terminou em 4º com 3:13.22, a 0.69 do bronze. A vitória foi novamente para a excelente equipe francesa que venceu com 3:10.74, seguida da Rússia com 3:11.19 (que parcial do Morozov com 46.95!!) e da Itália com 3:12.53.

Outras Provas

Laszlo Cseh e Nicholas Santos na semi dos 50m borboleta. Foto: Satiro Sodré

Depois de uma eliminatórias com problemas, a sensação na semi dos 50m borboleta masculino foi mista. Nicholas Santos fez ótima semi, passando para a final com o 2º tempo, com 23.05, atrás apenas do Florent Manaudou com 22.84. Já César Cielo não fez boa chegada, mas passou pra final com o 8º tempo e não pode errar se quiser o tricampeonato.

Enorme decepção nos 100m peito. Felipe França passou pras semifinais com o 5º tempo (59.56) e Felipe Lima, bronze em 2013, foi 14º com (1:00.26). Na semi, os dois abriram forte, mas cansaram e ficaram fora da final. França 11º com 59.89 e Lima 13º com 1:00.19. Favorito ao ouro, o britânico Adam Peaty mais rápido na semi com excepcionais 58.18, recorde do campeonato.

Joanna Maranhão nadou bem nos 200m medley, passando para a semifinal, onde completou em 13º com 2:12.64, fora da final. A húngara Katinka “Dama de Ferro” Hosszu bateu duas vezes o recorde europeu e ficou com o melhor tempo na semi com 2:06.84, quase 2s melhor que o 2º tempo.

Nos 100m borboleta, a sueca Sarah Sjoestrom busca o tri mundial da prova e já começou de um jeito espetacular, melhor tempo na semifinal com nada menos que o novo recorde mundial, de 55.74! Daynara de Paula não repetiu seus tempos na casa dos 57s e ficou fora da semi com o 18º tempo (58.59) e Daiene Dias apenas a 31ª com 59.75. O Pan pesou?

Trampolim sincronizado misto

No último dia dos saltos ornamentais, com uma apresentação impecável, a dupla chinesa de Han Wang e Hao Yang sobrou para levar o ouro com 339,90. Em 6º lugar após 4 saltos, a dupla canadense de Jennifer Abel e François Imbeau-Dulac fecharam com um salto sensacional de 80,58 pontos para levar a prata com 317,01. Com prova consistente, os italianos Tania Cagnotto e Maicol Verzotto ficaram com o bronze com 315,30.

Plataforma masculina

Fechando os saltos, a plataforma masculina com mais um show chinês, de Bo Qiu, que fatura o tricampeonato mundial! Fechando com um salto que tirou 3 notas 10 e 107,30 pontos, Bo venceu com 587,00 (!!!). O americano campeão olímpico David Boudia com alguns 10 e muitos 9s e 9,5s foi prata pelo 3º mundial seguido com 560,20 e o queridinho da Grã-Bretanha, Tom Daley, fechou o pódio com 537,95.

China fecha os saltos com 10 ouros, 3 pratas e 2 bronzes em 13 provas.

Pólo Aquático

Sem embalar, o Brasil perdeu mais uma vez dos EUA nas 8as do pólo masculino, por 7-3. Com isso, o Brasil decepciona e vai disputar do 9º ao 12º lugar, pegando o Canadá na terça-feira. Montenegro venceu 12-8 o Cazaquistão e pega a Croácia nas 4as, a Itália venceu o Canadá por 8-2 e enfrentará a Hungria. Já a Austrália passeou na África do Sul com 17-1 e pega a Grécia. Os americanos enfrentam nas 4as a Sérvia.

Saldo da natação brasileira após 2 sessões:
1 – 4º lugar
3 finais
5 semifinais
1 recorde brasileiro

Mundial de Esportes Aquáticos – Dias 8 e 9

Como atrasei um dia, vamos às finais da sexta do sábado, antes que comece a natação!

25km feminino

Ana Marcela Cunha. Foto: Roman Kruchinin

Ana Marcela Cunha fez um mundial espetacular e conquistou seu segundo título mundial, levando os 25km com o tempo de 5:13:47.3, 26s1 de vantagem sobre a húngara Anna Olasz. Ana Marcela vence pela 2ª vez a prova mais longa, depois do ouro em 2011, dias após a frustração de não conseguir a vaga pros Jogos de Londres. Agora, em Kazan, ela sai com 3 medalhas, sendo 1 ouro, 1 prata e 1 bronze e a vaga garantida pro Rio-2016. A veterana alemã Angela Maurer completou o pódio, a 1min20s3 da brasileira. Betina Lorscheitter estava no pelotão até anets da parcial dos 15km, mas abandonou a prova antes da marca dos 20km.

25km masculino

Chegada apertadíssima na final masculina! O italiano Simone Ruffini segurou a bela recuperação do americano Alex Meyer e venceu com 4:53:10.7, apenas 4s4 na frente de Meyer. Outro italiano, Matteo Furlan, completou o pódio com 4:54:38.0. No pódio, Ruffini pediu sua noiva em casamento.

Trampolim 3m masculino

O chinês He Chao fez uma apresentação impecável para levar o ouro com excepcionais 555,05. O russo Ilia Zakharov também foi espetacular, com pontuações altíssimas e a excelente marca de 547,60, com um salto final de 106,40! Mas não foi o suficiente para alcançar o chinês. Britânico Jack Laugher, novo nome forte dos saltos, completou o pódio com 528,90, deixando o chinês Cao Yuan em 4º.

Trampolim 3m feminino

Shi Tingmao e He Zi, que defendia o título, fizeram um forte duelo na final. No primeiros salto, elas empataram, mas aí Shi sempre foi levemente superior até ficar com o ouro com 383,55 contra 377,45 de He Zi. Com o ouro, a China completa 8 títulos mundiais seguidos na categoria e 13 em 16 edições. Campeã mundial do 1m, a italiana Tania Cagnotto fechou o pódio com 356,15.

Equipe Livre

Nada menos que o esperado com um ouro russo, com a nota quase perfeita de 98,4667, contra 96,1333 da China e 93,9000 do Japão. A equipe brasileira, assim como na preliminar, ficou em 11º com 85,2667, ficando a frente dos EUA na final.

Rotina Livre Combinada

Fechando o nado sincronizado no Mundial, a prova de rotina livre, que mistura solo, dueto e equipe, com até 10 atletas na piscina. E, claro, o ouro foi russo. Numa apresentação espetacular e quase perfeita, a Rússia venceu com 98,3000, seguida novamente por China com 96,2000 e pelo Japão com 93,8000. No seu melhor resultado do Mundial, o Brasil ficou em 10º com 84,8000.

A Rússia fecha o nado sincronizado com 8 ouros em 9 provas. Svetlana Romashina sai de Kazan com 4 ouros e nada menos que 19 títulos mundial na carreira.

Pólo Aquático

Sem repetir o feito do Pan, o Brasil perdeu pro Canadá no encerramento da primeira fase pólo masculino por 10-6. Sem engrenar e encerrando com 1 empate e 2 derrotas, o Brasil ficou em 3º no grupo e vau pegar nas 8as os EUA num jogo que promete ser duríssimo. Venceram seus grupos e já estão nas 4as de final: Hungria, Croácia, Sérvia e Grécia.

No feminino, o Brasil perdeu por muito pouco, por 10-8 para a China na disputa das 8as e vai disputar do 9º ao 12º lugar, enfrentando o Cazaquistão, enquanto a China pega a Austrália nas 4as. Grécia venceu 8-5 o Canadá e pegará a Itália, enquanto EUA passou com 12-7 pela Hungria e as campeãs olímpicas agora enfrentam a atual campeã mundial Espanha. A Holanda simplesmente amassou o Cazaquistão com 21-1 e na semifinal vai enfrentar a Rússia.