Mundial Masculino de Handebol – Dia 4

Sem surpresas nos jogos de domingo no Mundial.

Grupo B

A Macedônia passou pelo Bahrain com 28-23 e teve Kiril Lazarov novamente como grande destaque, marcando 8 gols. Lazarov tem mais de 1.600 gols pela equipe nacional, onde joga desde 1999. No 1º tempo, a Macedônia foi melhor abrindo logo 6-2, deixou o Bahrain empatar em 6-6, mas fechou com uma boa sequência o 1º tempo com 12-8. No 2º, os europeus conseguiam virar melhor e chegaram a abrir 26-18. O Bahrain ensaiou uma reação com 4 gols seguidos, mas já era tarde.

130119_FOS_mwol_0144_1440x600_0

Croácia x Japão

No segundo duelo Europa x Ásia do dia, a Croácia passou pelo Japão. Em 10min de jogo, os croatas já tinham 7-1, mas os gols vinham em grupo para os dois lados e a partida acabou 18-13 no 1º tempo pra Croácia. No 2º, os croatas marcaram 6 seguidos no início e abriram uma vantagem muito confortável até vencerem com 35-27, com 8 gols de Zlatko Horvat e um aproveitamento de 80% da equipe em tiros ao gol.

A Espanha fechou o dia com um vitória sobre a Islândia na frente de 12.000 espectadores em Munique. O jogo foi equilibrado até o 5-5. Depois disso, a Espanha conseguia sempre 2 ou 3 gols seguidos contra apenas 1 do lado islandês e os espanhóis foram pro vestiário com uma boa vantagem de 19-14. No 2º, a diferença não mudava até o 27-20, quando a Islândia ensaiou uma reação marcando 4 seguidos faltando 10min pro fim. Só que a Espanha fechou melhor com 5 gols e venceu com 32-25. Foi um jogo bem equilibrado, apesar da diferença de placar. 64% de aproveitamento no ataque espanhol e 60% no islandês. Na defesa, 29% pros goleiros espanhóis e o mesmo número pro lado islandês.

Classificação:

  1. Espanha – Pontos: 4 – 2V-0E-0D – Gols: 65-48 (+17)
  2. Macedônia – Pontos: 4 – 2V-0E-0D – Gols: 66-52 (+14)
  3. Croácia – Pontos: 4 – 2V-0E-0D – Gols: 66-54 (+12)
  4. Islândia – Pontos: 0 – 0V-0E-2D – Gols: 52-63 (-11)
  5. Bahrain – Pontos: 0 – 0V-0E-2D – Gols: 46-61 (-15)
  6. Japão – Pontos: 0 – 0V-0E-2D – Gols: 56-73 (-17)

Grupo D

Depois de ter sido surpreendido por Angola, o Qatar se recuperou e venceu o Egito em Copenhagen na frente de apenas 3.077 espectadores, o pior público do fim de semana. O jogo foi bem equilibrado no início, com ninguém abrindo mais que 3 gols. O Egito chegou a ter 10-8, mas logo o Qatar virou e tece a vitória parcial de 15-12 no 1º tempo. O jogo seguiu equilibrado até o 17-17, mas 6 gols seguidos do lado qatari os colocaram com uma boa vantagem até fecharem em 28-23. Youssef Benali, um dos poucos que joga fora do Qatar, foi o artilheiro da partida com 9 gols.

hun_ang-9_1440x600_0

Laszlo Nagy (HUN)

A Hungria foi arrasadora no 1º tempo contra Angola. Fez 4-1, depois 9-2, 17-5 e fechou o 1º tempo com 18-8. O 2º tempo foi bem mais equilibrado. Angola diminuiu para 21-13, mas aí foi uma sequência de gols alternados que nada adiantavam para o time africano e a Hungria levou com 34-24 e 72% de aproveitamento no ataque. Destaque para os 56% de defesa do goleiro húngaro Roland Mikler.

A Argentina até que segurou um pouco a Suécia no 1º tempo, vencido pelos suecos por 15-10, mas no 2º abriu a porteira. Os argentinos fizeram apenas 3 gols em 20min e viram a diferença ir de 5 para 13 gols no 2º tempo faltando 10min e fechar com 15 no final e o jogo terminou 31-16 pros suecos

Classificação:

  1. Suécia – Pontos: 4 – 2V-0E-0D – Gols: 58-40 (+18)
  2. Hungria – Pontos: 3 – 1V-1E-0D – Gols: 59-49 (+10)
  3. Qatar – Pontos: 2 – 1V-0E-1D – Gols: 51-47 (+4)
  4. Angola – Pontos: 2 – 1V-0E-1D – Gols: 48-57 (-9)
  5. Argentina – Pontos: 1 – 0V-1E-1D – Gols: 41-56 (-15)
  6. Egito – Pontos: 0 – 0V-0E-2D – Gols: 47-55 (-8)
Anúncios

Mundial Masculino de Handebol – Dia 3

Surpresa sul-americano no 3º dia e muitas goleadas europeias.

Grupo A

A65I3362_1440x600

Kentin Mahé (FRA)

Na abertura da rodada em Berlim, a Rússia fez 20-13 no 1º tempo contra a equipe unificada das Coreias e manteve essa vantagem para vencer com 34-27. Os russos não deram nenhuma chance no 1º tempo e os gols vinham sempre em grupo, enquanto a Coreia sofria para marcar. Maior goleador da 1ª rodada, Timur Dibirov fez apenas 3 na partida enquanto o artilheiro russo do jogo foi Daniil Shishkarev, com 7.

Com uma atuação sofrível, o Brasil levou sua 2ª derrota no Mundial, agora para os donos da casa. A Alemanha passou o carro no Brasil e, com 15min de jogo, tinha 9-2. Liderados por Uwe Gensheimer, que fez 10 na partida, os alemães fecharam o 1º tempo com 15-8. No 2º tempo, o Brasil conseguiu equilibrar e os gols se alternavam. Com 29-20 de vantagem, os alemães emplacaram mais 5 gols seguidos no final do jogo até vencerem por 34-21. Nada funcionou. No ataque, a Alemanha teve uma eficiência de 64% nos tiros, contra apenas 40% do Brasil. Na defesa, conseguimos apenas 1 roubo de bola. Do lado alemão, foram 7 roubos e 5 bloqueios.

Para fechar o dia, a França também sobrou em cima da Sérvia. O jogo começou equilibrado até o 9-9, mas 5 tentos seguidos franceses colocaram os atuais campeões mundiais na frente no 1º tempo com 15-12. No 2º, o ataque francês vinha matador e conseguiu 2 sequências de 5 gols. Nedim Remili foi o artilheiro francês com 5 gols enquanto Bogdan Radivojevic fez 6 do lado sérvio.

Classificação:

  1. Alemanha – Pontos: 4 – 2V-0E-0D – Gols: 64-40 (+24)
  2. França – Pontos: 4 – 2V-0E-0D – Gols: 56-43 (+13)
  3. Rússia – Pontos: 3 – 1V-1E-0D – Gols: 64-57 (+7)
  4. Sérvia – Pontos: 1 – 0V-1E-1D – Gols: 51-62 (-11)
  5. Brasil – Pontos: 0 – 0V-0E-2D – Gols: 43-58 (-15)
  6. Coreia – Pontos: 0 – 0V-0E-2D – Gols: 46-64 (-18)

Grupo C

A maior zebra até então veio no jogo de abertura em Herning, onde o Chile venceu a equipe da Áustria. Apesar dos austríacos não serem uma grande potência do handebol continental, um europeu em um Mundial é sempre uma força. O 1º tempo foi bem equilibrado e terminou com 15-14 para os austríacos. Mas no 2º tempo, os chilenos voltaram com tudo e brilharam. Logo no início colocaram uma sequência de 5 gols, tomaram dois e fizeram mais 4 seguidos. Logo depois mais 4 seguidos e fecharam o jogo com um acachapante 32-24. Os irmãos Feuchtmann foram o destaque da partida. Erwin marcou 9 e Emil 6 pro Chile. Emil é o maior jogador da história do Chile. Foi a 2ª vitória chilena sobre um europeu em Mundiais.

No jogo seguinte, a Noruega, finalista no último Mundial, arrasou a Arábia Saudita com 40-21. Foi 20-10 no 1º tempo e 20-11 no 2º. Muito mais time, a Noruega teve como artilheiros Magnus Rod com 9 e Espen Lie Hansen com 8. Os noruegueses tiveram um excepcional aproveitamento de 77% nos ataques contra apenas 42% dos sauditas. Na defesa, os goleiros noruegueses defenderam 50% dos ataques, enquanto os goleiros sauditas apenas 13%. Um abismo de diferença.

Para fechar a sexta-feira em Herning, a Dinamarca venceu a 2ª em casa com tranquilos 36-22 sobre a Tunísia. Começaram destruindo com 7-0, chegaram a 14-2e fecharam o 1º tempo com algumas bobeadas em 19-10. No 2º tempo, mais domínio até os 36-22, com 7 gols de Mikkel Hansen e 7% de aproveitamento da equipe.

Classificação:

  1. Dinamarca – Pontos: 4 – 2V-0E-0D – Gols: 75-38 (+37)
  2. Noruega – Pontos: 4 – 2V-0E-0D – Gols: 45-29 (-16)
  3. Áustria – Pontos: 2 – 1V-0E-1D – Gols: 53-54 (-1)
  4. Chile – Pontos: 1 – 1V-0E-1D – Gols: 48-63 (-15)
  5. Tunísia – Pontos: 0 – 0V-0E-2D – Gols: 46-70 (-24)
  6. Arábia Saudita – Pontos: 0 – 0V-0E-2D – Gols: 43-69 (-26)

 

Mundial Masculino de Handebol – Dia 2

No 2º dia do Mundial, a estreia do Brasil com derrota e dois belos confrontos entre europeus.

Grupo A

O grupo foi iniciado no dia anterior com a vitória da Alemanha. No 1º jogo do dia um grande duelo entre Rússia e Sérvia, num jogo muito apertado, onde nenhuma equipe conseguiu abrir muita vantagem e as equipe foram pro intervalo empatadas em 16-16. No início do 2º tempo, a Sérvia voltou melhor e conseguiu 4 tentos seguidos, chegando a abrir 4 de vantagem em 23-19, mas logo em seguida a Rússia, liderada por Timur Dibirov com 12 gols, chegou ao empate em 24-24. Faltando 2min, a Sérvia tinha 30-28, mas Dibirov marcou duas vezes seguidas e o jogo terminou 30-30.

HANDBALL-WC-2019-BRA-FRA

Brasil x França

Pra fechar o grupo, a estreia do Brasil contra a sempre favorita França. O Brasil começou muito bem, se impondo, e segurou o placar por 20min, até o 10-10. Em nenhum momento até então a França ficou a frente do placar. Só que algumas expulsões de 2min do lado brasileiro fizeram a França deslanchar e marcar 5 seguidos, com direito a um golaço do craque Luka Karabatic caindo. Aliás, foi seu único gol da partida. O 1º tempo acabou 16-13 pra França. No início do 2º tempo, dois franceses levaram suspensão de 2min, mas o Brasil não conseguiu marcar nenhum gol e até levou um. A França abriu 19-13, mas numa excelente sequencia brasileira com 4 defesas seguidas do goleiro Bombom e 5 gols, encostamos até empatar em 20-20, mas no final dois gols de Timothey N’Guessan deram a vitória a França por 24-22.

Grupo B

Em Munique, a Macedônia abriu o grupo com uma boa vitória de 38-29 sobre o Japão. Sem grandes dificuldades, a equipe europeia só ficou atrás do placar no 1-0 e fechou o 1º tempo com 18-13, liderada pelo seu principal jogador, Kiril Lazarov, que marcou 8 vezes. Na carreira, Lazarov tem mais de 1.600 gols pela equipe nacional!

No outro duelo europeu do dia, a Croácia venceu a Islândia por 31-27, com 8 gols de Luka Stepancic, que joga no PSG. A Croácia ficou na frente no 1º tempo com 16-14, mas a Islândia voltou determinada no 2º tempo e tirou uma desvantagem de 4 gols em 17-21 e virou para 24-22, destaque para os 7 gols de Aron Palmarsson. A Islândia tinha 26-25, mas conseguiu levar 6 gols seguidos nos 10min finais e foi derrotada por 31-27.

Encerrando o dia, a Espanha botou quase todos os jogadores para enfrentar a limitada equipe do Bahrain e venceu com tranquilos 33-23, com 7 gols de Ferran Solé. Bronze em 2011 e campeã mundial em casa em 2013, a Espanha ficou bem perto do pódio nos dois últimos mundiais.

Grupo C

A Áustria venceu a Arábia Saudita na estreia por 29-22 com 7 gols de Mykola Bilyk, mesma quantidade de Mahdi Alsalem do lado saudita. Mas a equipe europeia não ficou atrás do placar em nenhum momento e levou a vitória com tranquilidade.

Pra fechar o grupo, que teve a Dinamarca e Chile se enfrenta no dia anterior, a Noruega passou com fáceis 34-24 sobre a Tunísia com 9 gols de Magnus Jondal e uma ótima atuação do goleiro Torbjorn Bergerud, que salvou 44% das bolas.

Grupo D

ang_qat-40_1440x600_0

Edvaldo Ferreira (ANG)

Em Copenhagen, Angola conseguiu uma ótima vitória sobre o Qatar por 24-23. A equipe africana fez 12-8 no 1º tempo e chegou a abrir 17-13, mas logo o Qatar empatou com 4 gols seguidos. Angola conseguiu abrir novamente e segurou a liderança, com 7 gols de Rome Hebo Prata no Mundial de 2015 em casa e tricampeã asiática, a equipe do Qatar era a favorita para a partida.

Excelente resultado da equipe da Argentina contra a forte equipe da Hungria, que começou arrasando com 5-0, sendo 3 gols de Zsolt Balogh e 2 de Mate Lekai. A Argentina foi entrando aos poucos no jogo e conseguiu diminuir a vantagem até ir pro intervalo com 13-10. No 2º tempo, Federico Fernandez marcou 4 vezes no início e a Argentina passou na frente com 16-15. Os gols foram alternando e ninguém abria muita vantagem e o jogo terminou num empate em 25-25.

Para encerrar o dia, o Egito pegou a Suécia, que ficou na frente no 1º tempo com 13-11, chegando a ter 5 de vantagem em 10-5. Os europeus seguiram melhor no 2º tempo com 16-12, mas o Egito foi buscar e aos poucos encostava até empatar em 22-22. Kim Ekdahl du Rietz, também jogador do PSG, marcou 2 pra Suécia, mas Mohamed Shebib empatou 24-24, faltando 3min pro fim. Só que 3 gols seguidos de Jim Gottfridsson deram a vitória para a Suécia.

Mundial Masculino de Handebol – Dia 1

Começou nesta quinta-feira o Mundial Masculino de Handebol, sediado em conjunto entre a Alemanha e a Dinamarca. As duas seleções fizeram seus jogos de estreia neste 1º dia com ginásios lotados.

Grupo A

Um jogo histórico abriu o Mundial na Arena Mercedes-Benz, em Berlim. Na frente de 13.500 torcedores, a Alemanha recebeu a equipe unificada das Coreias e venceu sem grandes dificuldades. Uwe Gensheimer, jogador mais experiente e maior goleador da seleção atual com 753 gols, foi o artilheiro da partida com 7 gols em 8 tentativas e chega a 760 gols na seleção.       Com 10 minutos de jogo, a Alemanha já tinha 6-2 na partida. Foi ampliando aos poucos a vantagem no 1º tempo e os gols vinham em grupos de 3. Foi pro intervalo com a ótima vantagem de 17-10. No 2º tempo, abriu com mais 4 gols e na metade do tempo abriu para 26-13. Os donos da casa tiraram o pé do acelerador e a Coreia conseguiu 3 gols seguidos e conseguiu equilibrar o jogo, alternando gols, mas a vantagem alemã era enorme e fechou com uma tranquila vitória por 30-19. O time coreano tem 4 jogadores norte-coreanos e Ri Kyong Song entrou para a história como o 1º (e até agora único) norte-coreano a marcar um gol em um Mundial masculino de Handebol de qualquer idade. A única vez que a Coreia do Norte participou de um Mundial foi no júnior feminino de 1993, quando terminou em 14º lugar entre 16 equipes.

Grupo C

Foi um massacre em Copenhagen. Na frente de 12.500 espectadores, a Dinamarca passou o rolo compressor no Chile no 1º tempo. A equipe sul-americana abriu 1-0, mas logo os dinamarqueses viraram e foram para 7-1 com 8min. O Chile teve uma boa sequência até 8-4 com 11min e depois simplesmente apagou. Foram 14 gols seguidos da Dinamarca liderada por Casper Mortensen, que marcou apenas no 1º tempo 8 gols em 8 tentativas e foi pro intervalo com incríveis 22-4. Com tanta vantagem, o técnico Nikolaj Jacobsen trocou boa parte do time da Dinamarca e o Chile conseguiu jogar mais de igual pra igual. A Dinamarca venceu por 39-16 e deve ter mais tranquilidade novamente no sábado, quando enfrenta a Arábia Saudita. Vale lembrar que no Mundial de 2017 o Chile surpreendeu ao vencer na estreia a Bielorrússia.

Mundial de Natação em Piscina Curta – Final

Foi um dia histórico pro Brasil no encerramento do Mundial. Em 4 finais, foram 3 bronzes e um 4º lugar. E duas dessas medalhas foram femininas!

c29e2473bffed20967f38fdaedb026fe

Daiene Dias. Foto: CBDA

Na primeira final com Brasil, Daiene Dias brilhou pra levar o bronze com 56.31, melhorando o recorde sul-americano. Esta foi a 1ª medalha da história de uma brasileira em uma prova na distância olímpica, seja em mundiais de longa ou de curta! Daiene ficou atrás de duas americanas? Kelsi Dahlia 55,01 e Kendyl Stewart 65,22. Na prova seguinte foi a vez do bronze de Felipe Lima nos 50m peito, com 25.80. A vitória foi do sul-africano Cameron van der Burgh em sua última prova da carreira, com 25.41. Em seguida foi a vez de Etiene Medeiros voar nos 50m livre com 23.76 para levar mais um bronze e bater o recorde das Américas! Foi a 1ª medalha individual da Etiene em Mundiais fora dos 50m costas. Dobradinha holandesa com Ranomi Kromowidjodjo 23.196 e Femke Heemskerk 23.67.

Embed from Getty Images

A participação brasileira terminou no 4x100m medley masculino. Com Guilherme Guido, Felipe Lima, Nicholas Santos e Breno Correia, o Brasil terminou em 4º com 3:22.00, tras´de EUA com 3:19.98, Rússia 3:20.61 e Japão 3:21.07.

Nas outras finais do último dia, o ucraniano Mykhailo Romanchuk venceu os 1.500m livre com 14:09.14 com o italiano Grigorio Paltrinieri colado com 14:09.87. O russo Evgeny Rylov venceu os 200m costas com 1:47.02 seguido do campeão olímpico Ryan Murphy 1:47.34. Os americanos levaram mais 4 ouros no dia. Caeleb Dressel finalmente venceu uma prova individual ao levar os 100m livre com 45.62 com o russo Vladimir Morozov logo atrás com 45.64. Dobradinha americana nos 200m peito feminino com Annie Lazor 2:18.32 e Bethany Galat 2:18.62. As americanas ainda levar os 2 revezamentos femininos do dia: o 4x50m livre com 1:34.03 e o 4x100m medley com 3:45.58.

Embed from Getty Images

A equipe americana fechou o Mundial com 36 medalhas, sendo 17 ouros, 15 pratas e 4 bronzes em 46 provas. Rússia fez 6-5-3, Hungria (leia-se Katinka Hosszu) 4-1-0, Holanda 3-6-2 e China 3-5-5. O Brasil acabou em 9º no quadro com 2-0-6. Ao todo 23 países medalharam e 12 venceram pelo menos um ouro. O grande destaque foi a americana Olivia Smoliga, que sai de Hangzhou com 8 ouros, sendo 6 em revezamentos. Caeleb Dressel levou 9 medalhas: 6 ouros e 3 pratas.

Foi um Mundial bem positivo pro Brasil. Foram 8 medalha e um show de uma equipe muito jovem vencendo um belíssima prova de revezamento com recorde mundial! Mais que os resultados, foi muito interessante ver o comprometimento e as atitudes da seleção. Muitos baixaram seus tempos, foram vários recordes sul-americanos e até americanos. Na história de Mundiais de curta, Brasil chegou a 52 medalhas (22-9-21) e é o 6º no quadro geral.

O próximo Mundial de piscina curta será em 2020, após os Jogos de Tóquio, em Abu Dhabi.

Mundial de Natação em Piscina Curta – Dia 5

Mais 3 medalhas no sábado pro Brasil, misturando a velha e a nova geração.

A sessão noturna começou com o revezamento 4x50m medley masculino e o Brasil competiu com sua equipe veterana formada por Guilherme Guido, Felipe Lima, Nicholas Santos e César Cielo. Com 1:31.49, o Brasil acabou com a medalha de bronze, ficando atrás de Rússia com 1:30.45 e dos Estados Unidos com 1:30.90. Após um ouro no 4x200m livre com um quarteto de idade média 21, a equipe bronze no sábado teve média 33 anos. Cielo chegou a sua 19ª medalha na carreira em Mundiais! São 11 ouros, 2 pratas e 6 bronzes.

1-18_1

Nicholas Santos. Foto: FINA

Meia hora depois, Nicholas voltou pra piscina para disputar a sua prova, os 50m borboleta. Ele bateu o recorde mundial este ano, em outubro em Budapeste, e passou em 1º na semifinal. Na decisão, mesmo vindo de um revezamento (onde sua parcial foi 22.02, apenas a 3ª melhor no borboleta), Nicholas teve uma ótima saída e uma virada ainda melhor para vencer com 21.81, novo recorde do campeonato e a apenas 0.06 do seu WR! Chad le Clos foi prata com 21.97 e Dylan Carter, de Trinidad & Tobago, bronze com 22.38. Nicholas chega a 12 medalhas em Mundiais!

f491270213357d34ae1413a9f057e297

Brandonn Almeida. Foto: CBDA

Ainda tivemos mais um bronze, com Brandonn Almeida. Campeão mundial júnior nos 1.500m livre em 2015, Brandonn fez 4:03.71 para ficar com o bronze nos 400m medley, atrpas do japonês Daiya Seto, com 3:56.43, e do australiano Thomas Fraser-Holmes, com 4:02.74.

Katinka Hosszu fechou sua participação em Hangzhou com mais um vitória, agora nos 200m medley, com 2:03.25 e terminou o Mundial com 4 ouros e 1 prata. Ela chega a 17-8-2 em Mundiais de curta. Em grandes competições, a Dama de Ferro tem agora 57-19-11! Nos 50m costas, vitória da americana Olivia Smoliga, com 25,88, a 0.21 do WR da Etiene Medeiros. A jamaicana Alia Atkinson venceu seu 2º ouro em Hangzhou ao levar os 100m peito com 1:03.51 e a China venceu o 4x200m livre feminino com 7:34.08, 1.22 a frente da equipe americana.

Mundial de Natação em Piscina Curta – Dia 4

Que prova! Que dia! O 1º ouro brasileiro em Hangzhou veio de uma maneira espetacular numa prova que o Brasil era cotado como zebra pro pódio. E veio um ouro na última prova do dia.

 

1-37_0

Luiz Altamir, Fernando Scheffer, Breno Correia e Leonardo Santos. Foto: Istvan Derencsenyi/FINA

Foi a final mais emocionante até aqui. O Brasil vinha com o 6º tempo das eliminatórias de 6:58.26, onde ninguém nadou de maneira brilhante e a melhor parcial havia sido na abertura com Fernando Scheffer 1:43.40. Na final a história foi bem diferente com a ordem mudando e a saída de Leonardo de Deus da equipe pra entrada de Leonardo Coelho Santos.

Embed from Getty Images

Luiz Altamir Melo abriu com 1:42.03, tempo que o colocaria no pódio da final da prova de 200m e ele estava atrás apenas do campeão dos 200m livre, o americano Blake Pieroni com 1:41.85. Aí veio Scheffer que voou para 1:40.99 e o Brasil era líder com 0.89 de vantagem na 2º troca. Leonardo, longe da sua especialidade, fez uma parcial ok com 1:42.81 e entregou em 3º, 0.23 atrás da China, que teve Sun Yang nessa perna, e 0.07 atrás da Rússia. Para fechar, o nome da prova, Breno Correia. Com 50m da sua perna o Brasil já era líder novamente, marcou ótimos 48.21 nos 100m iniciais e fechou para a melhor parcial da prova, 1:40.98 e 6:46.81, novo recorde mundial! A Rússia quase pegou o Brasil. Aleksandr Kranykh fechou para 1:41.08 e bateu a apenas 0.03 da equipe brasileira! Ouro inédito para o Brasil com uma equipe extremamente jovem, média de 21 anos! A China fechou o pódio e, pela 1ª vez nesse Mundial, os EUA sequer subiram ao pódio.

César Cielo disputou ainda sua última final dos 50m livre da carreira, mas não fez uma boa prova e terminou em 7º e último com 21.20 (o britânico Benjamin Proud foi desclassificado). Vitória do russo Vladimir Morozov com 20.33, desbancando o americano favorito Caeleb Dressel, prata com 20.54. Nos 50m costas, Guilherme Guido também ficou fora do pódio, terminando em 5º com 22.79. A vitória foi do russo Evgeny Rylov com 22.58. E fechando a participação brasileira em finais, Caio Pumputis acabou em 8º nos 100m medley com 52.28 e o ouro foi para mais um russo, Kliment Kolesnikov com 50.63, recorde mundial júnior.

Embed from Getty Images

A australiana Ariarne Titmus venceu seu 2º ouro com 3:53.92 nos 400m livre, novo recorde mundial. Mais um WR veio na abertura, o 4x50m livre masculino, com 1:21.80 da equipe americana. O Brasil, que seria um dos favoritos, não disputou as eliminatórias. Tivemos ainda mais um ouro de Katinka Hosszu, agora nos 100m medley com 57.26, e da holandesa Ranomi Kromowidjojo, com 24.47 nos 50m borboleta.