Ana Marcella vence em Doha e equipe masculina é definida pro Mundial

Numa etapa com todas as suas maiores concorrentes ao título do circuito, ao título mundial e ao ouro olímpico, Ana Marcella Cunha brilhou na abertura do circuito de maratonas aquáticas em Doha, no Qatar.

52602082_2089670097791009_3976718658977136640_n

A brasileira completou os 10km da prova em 2:03:51.5, vencendo o ouro na batida de mão, com apenas 0.4 de vantagem sobre a australiana Kareena Lee e 1.5 sobre a italiana Rachele Bruni. A prova ainda contou com a americana Haley Anderson, 4ª, a italiana Arianna Bridi, 8ª, a holandesa campeã olímpica Sharon van Rouwendaal, 12ª, a chinesa Xin Xin, 18ª, e a equatoriana Samantha Arevalo, 25ª. Viviane Jungblut não foi bem a terminou em 33º, 1:01.0 atrás da Ana Marcella.

Na prova masculina, os brasileiros não tiveram grande destaque. Allan do Carmo foi o melhor do país em 17º a 19.6 do campeão, o alemão Florian Wellbrock, que completou em 1:52:21.6. Victor Colonese foi 26º a 28.0 e, junto com Allan, garantiu vaga para o Mundial de Gwangju, em julho, na Coreia do Sul. Diogo Villarinho em 29º e Fernando Ponte em 46º estão fora da corrida olímpica.

Com a vitória, Ana Marcella chega a incríveis 21 vitórias no circuito, igualando o alemão Thomas Lurz, já aposentado. A sua primira

A próxima etapa será apenas em maio, nas Ilhas Seychelles.

Anúncios

Sonho olímpico nas águas abertas começa neste sábado em Doha

A fortíssima etapa deste sábado do circuito mundial de águas abertas, em Doha, é muito mais importante para os nadadores brasileiros do que uma simples etapa da Copa do Mundo de 10km.

Allan do Carmo, Diogo Villarinho, Victor Colonese e Fernando Ponte competem em Doha pelo sonho olímpico de Tóquio-2020. Será o primeiro passo para os Jogos.

A prova vale como seletiva brasileira para o Mundial de Esportes Aquáticos, que será disputado em julho, em Gwangju, na Coreia do Sul, classificando os dois melhores brasileiros para o Mundial. Quem for pra Coreia do Sul também disputará o Pan de Lima.

Só que o Mundial será a 1ª seletiva olímpica na maratona aquática. Os 10 primeiros da prova de 10km se classificam automaticamente pra Tóquio. Se os dois brasileiros conseguirem o top-10, ambos irão pra Tóquio. Se apenas um for top-10, este estará nos Jogos e o outro já estará fora. Isso porque só podem disputar a 2ª seletiva olímpica de águas abertas em 2020 (ainda sem data e local) países que não se classificarem em Gwangju.

Allan é o único com experiência olímpica, tendo disputado os Jogos do Rio-2016, quando terminou na péssima 18ª colocação.

No feminino, a CBDA já havia selecionado Ana Marcella Cunha e Viviane Jungblut como as representantes do Brasil pro Mundial de Gwangju nos 10km.

Vale ressaltar que a etapa de Doha, que abre o calendário da Copa do Mundo está com praticamente todos os maiores nomes da modalidade inscritos, como o italiano Gregorio Paltrinieri, as italianas Arianna Bridi e Rachelle Bruni, a holandesa campeã olímpica Sharon van Rouwendaal, os americanos Haley Anderson e Jordan Wilimovsky, a alemã Angela Maurer e a equatoriana Samantha Arevalo.

Mundial de Natação em Piscina Curta – Final

Foi um dia histórico pro Brasil no encerramento do Mundial. Em 4 finais, foram 3 bronzes e um 4º lugar. E duas dessas medalhas foram femininas!

c29e2473bffed20967f38fdaedb026fe

Daiene Dias. Foto: CBDA

Na primeira final com Brasil, Daiene Dias brilhou pra levar o bronze com 56.31, melhorando o recorde sul-americano. Esta foi a 1ª medalha da história de uma brasileira em uma prova na distância olímpica, seja em mundiais de longa ou de curta! Daiene ficou atrás de duas americanas? Kelsi Dahlia 55,01 e Kendyl Stewart 65,22. Na prova seguinte foi a vez do bronze de Felipe Lima nos 50m peito, com 25.80. A vitória foi do sul-africano Cameron van der Burgh em sua última prova da carreira, com 25.41. Em seguida foi a vez de Etiene Medeiros voar nos 50m livre com 23.76 para levar mais um bronze e bater o recorde das Américas! Foi a 1ª medalha individual da Etiene em Mundiais fora dos 50m costas. Dobradinha holandesa com Ranomi Kromowidjodjo 23.196 e Femke Heemskerk 23.67.

Embed from Getty Images

A participação brasileira terminou no 4x100m medley masculino. Com Guilherme Guido, Felipe Lima, Nicholas Santos e Breno Correia, o Brasil terminou em 4º com 3:22.00, tras´de EUA com 3:19.98, Rússia 3:20.61 e Japão 3:21.07.

Nas outras finais do último dia, o ucraniano Mykhailo Romanchuk venceu os 1.500m livre com 14:09.14 com o italiano Grigorio Paltrinieri colado com 14:09.87. O russo Evgeny Rylov venceu os 200m costas com 1:47.02 seguido do campeão olímpico Ryan Murphy 1:47.34. Os americanos levaram mais 4 ouros no dia. Caeleb Dressel finalmente venceu uma prova individual ao levar os 100m livre com 45.62 com o russo Vladimir Morozov logo atrás com 45.64. Dobradinha americana nos 200m peito feminino com Annie Lazor 2:18.32 e Bethany Galat 2:18.62. As americanas ainda levar os 2 revezamentos femininos do dia: o 4x50m livre com 1:34.03 e o 4x100m medley com 3:45.58.

Embed from Getty Images

A equipe americana fechou o Mundial com 36 medalhas, sendo 17 ouros, 15 pratas e 4 bronzes em 46 provas. Rússia fez 6-5-3, Hungria (leia-se Katinka Hosszu) 4-1-0, Holanda 3-6-2 e China 3-5-5. O Brasil acabou em 9º no quadro com 2-0-6. Ao todo 23 países medalharam e 12 venceram pelo menos um ouro. O grande destaque foi a americana Olivia Smoliga, que sai de Hangzhou com 8 ouros, sendo 6 em revezamentos. Caeleb Dressel levou 9 medalhas: 6 ouros e 3 pratas.

Foi um Mundial bem positivo pro Brasil. Foram 8 medalha e um show de uma equipe muito jovem vencendo um belíssima prova de revezamento com recorde mundial! Mais que os resultados, foi muito interessante ver o comprometimento e as atitudes da seleção. Muitos baixaram seus tempos, foram vários recordes sul-americanos e até americanos. Na história de Mundiais de curta, Brasil chegou a 52 medalhas (22-9-21) e é o 6º no quadro geral.

O próximo Mundial de piscina curta será em 2020, após os Jogos de Tóquio, em Abu Dhabi.

Mundial de Natação em Piscina Curta – Dia 5

Mais 3 medalhas no sábado pro Brasil, misturando a velha e a nova geração.

A sessão noturna começou com o revezamento 4x50m medley masculino e o Brasil competiu com sua equipe veterana formada por Guilherme Guido, Felipe Lima, Nicholas Santos e César Cielo. Com 1:31.49, o Brasil acabou com a medalha de bronze, ficando atrás de Rússia com 1:30.45 e dos Estados Unidos com 1:30.90. Após um ouro no 4x200m livre com um quarteto de idade média 21, a equipe bronze no sábado teve média 33 anos. Cielo chegou a sua 19ª medalha na carreira em Mundiais! São 11 ouros, 2 pratas e 6 bronzes.

1-18_1

Nicholas Santos. Foto: FINA

Meia hora depois, Nicholas voltou pra piscina para disputar a sua prova, os 50m borboleta. Ele bateu o recorde mundial este ano, em outubro em Budapeste, e passou em 1º na semifinal. Na decisão, mesmo vindo de um revezamento (onde sua parcial foi 22.02, apenas a 3ª melhor no borboleta), Nicholas teve uma ótima saída e uma virada ainda melhor para vencer com 21.81, novo recorde do campeonato e a apenas 0.06 do seu WR! Chad le Clos foi prata com 21.97 e Dylan Carter, de Trinidad & Tobago, bronze com 22.38. Nicholas chega a 12 medalhas em Mundiais!

f491270213357d34ae1413a9f057e297

Brandonn Almeida. Foto: CBDA

Ainda tivemos mais um bronze, com Brandonn Almeida. Campeão mundial júnior nos 1.500m livre em 2015, Brandonn fez 4:03.71 para ficar com o bronze nos 400m medley, atrpas do japonês Daiya Seto, com 3:56.43, e do australiano Thomas Fraser-Holmes, com 4:02.74.

Katinka Hosszu fechou sua participação em Hangzhou com mais um vitória, agora nos 200m medley, com 2:03.25 e terminou o Mundial com 4 ouros e 1 prata. Ela chega a 17-8-2 em Mundiais de curta. Em grandes competições, a Dama de Ferro tem agora 57-19-11! Nos 50m costas, vitória da americana Olivia Smoliga, com 25,88, a 0.21 do WR da Etiene Medeiros. A jamaicana Alia Atkinson venceu seu 2º ouro em Hangzhou ao levar os 100m peito com 1:03.51 e a China venceu o 4x200m livre feminino com 7:34.08, 1.22 a frente da equipe americana.

Mundial de Natação em Piscina Curta – Dia 4

Que prova! Que dia! O 1º ouro brasileiro em Hangzhou veio de uma maneira espetacular numa prova que o Brasil era cotado como zebra pro pódio. E veio um ouro na última prova do dia.

 

1-37_0

Luiz Altamir, Fernando Scheffer, Breno Correia e Leonardo Santos. Foto: Istvan Derencsenyi/FINA

Foi a final mais emocionante até aqui. O Brasil vinha com o 6º tempo das eliminatórias de 6:58.26, onde ninguém nadou de maneira brilhante e a melhor parcial havia sido na abertura com Fernando Scheffer 1:43.40. Na final a história foi bem diferente com a ordem mudando e a saída de Leonardo de Deus da equipe pra entrada de Leonardo Coelho Santos.

Embed from Getty Images

Luiz Altamir Melo abriu com 1:42.03, tempo que o colocaria no pódio da final da prova de 200m e ele estava atrás apenas do campeão dos 200m livre, o americano Blake Pieroni com 1:41.85. Aí veio Scheffer que voou para 1:40.99 e o Brasil era líder com 0.89 de vantagem na 2º troca. Leonardo, longe da sua especialidade, fez uma parcial ok com 1:42.81 e entregou em 3º, 0.23 atrás da China, que teve Sun Yang nessa perna, e 0.07 atrás da Rússia. Para fechar, o nome da prova, Breno Correia. Com 50m da sua perna o Brasil já era líder novamente, marcou ótimos 48.21 nos 100m iniciais e fechou para a melhor parcial da prova, 1:40.98 e 6:46.81, novo recorde mundial! A Rússia quase pegou o Brasil. Aleksandr Kranykh fechou para 1:41.08 e bateu a apenas 0.03 da equipe brasileira! Ouro inédito para o Brasil com uma equipe extremamente jovem, média de 21 anos! A China fechou o pódio e, pela 1ª vez nesse Mundial, os EUA sequer subiram ao pódio.

César Cielo disputou ainda sua última final dos 50m livre da carreira, mas não fez uma boa prova e terminou em 7º e último com 21.20 (o britânico Benjamin Proud foi desclassificado). Vitória do russo Vladimir Morozov com 20.33, desbancando o americano favorito Caeleb Dressel, prata com 20.54. Nos 50m costas, Guilherme Guido também ficou fora do pódio, terminando em 5º com 22.79. A vitória foi do russo Evgeny Rylov com 22.58. E fechando a participação brasileira em finais, Caio Pumputis acabou em 8º nos 100m medley com 52.28 e o ouro foi para mais um russo, Kliment Kolesnikov com 50.63, recorde mundial júnior.

Embed from Getty Images

A australiana Ariarne Titmus venceu seu 2º ouro com 3:53.92 nos 400m livre, novo recorde mundial. Mais um WR veio na abertura, o 4x50m livre masculino, com 1:21.80 da equipe americana. O Brasil, que seria um dos favoritos, não disputou as eliminatórias. Tivemos ainda mais um ouro de Katinka Hosszu, agora nos 100m medley com 57.26, e da holandesa Ranomi Kromowidjojo, com 24.47 nos 50m borboleta.

Mundial de Natação em Piscina Curta – Dia 3

Nenhum brasileiro competiu nas finais na quinta-feira, no dia com apenas 6 finais.

Logo na abertura da sessão noturna, o russo Kirill Prigoda venceu os 200m peito com excepcionais 2:00.16, novo recorde mundial em piscina curta, bem a frente do chinês Qin Haiyang, prata com 2:01.15, recorde asiático, e do alemão Marco Koch, o antigo recordista mundial, com 2:01.42.

kromowidjojo_ranomi-1

Ranomi Kromowidjojo (NED). Foto: Istvan Derencsenyi/FINA

Campeã olímpica em Londres, a holandesa Ranomi Kromowidjojo venceu os 100m livre com 51.14, novo recorde do campeonato, seguida da sua compatriota Femke Heemskerk 51.60 e da americana Mallory Comerford 51.63. Mas nos 200m costas a dobradinha foi americana com Lisa Bratton 2:00.71 e Kathleen Baker 2:00.79. A australiana Emily Seebohm foi bronze com 2:01.37 e a superhúngara Katinka Hosszu ficou sem medalha, em 4º com 2:01.99.

Num super duelo, o sul-africano Chad le Clos faturou o tetracampeonato dos 100m borboleta com 48.50, deixando o americano Caeleb Dressel em 2º com 48.71. A chinesa Wang Jianjiahe dominou os 800m livre feminino com 8:04.35 para dar o 2º ouro pra China e a italiana Simone Quadarella acabou com a prata com 8:08.03.

Embed from Getty Images

Os Estados Unidos venceram o 4x50m medley misto com mais um recorde mundial, 1:36.40. Entre as principais equipes, eles foram os únicos a fechar com um homem no livre, e Caeleb Dressel não decepcionou marcando uma parcial de 20.09! Ele pegou em 7º quase 3s atrás e entregar em 1º com 0.65 de vantagem sobre a Holanda. Até então, todos os revezamentos haviam sido vencidos pelos EUA.

Mundial de Natação em Piscina Curta – Dia 2

Foram 3 quintos lugares pro Brasil no 2º dia em Hangzhou.

Brasil contou com 4 finalistas em 3 provas no 2º dia. Depois de uma excelente eliminatórias com o melhor tempo (49.57, recorde sul-americano) e na semi com o 2º tempo (49.45, recorde sul-americano), Guilherme Guido piorou sua marca e terminou a final dos 100m costas com 49.75 em 5º, enquanto o ouro foi pro americano campeão olímpico Ryan Murphy com 49.23.

Embed from Getty Images

Nos 200m livre, Luiz Altamir Melo e Breno Correia fizeram uma ótima eliminatória. Luiz foi o 2º com 1:42.13 e Breno 4º com 1:42.64. Na final, os dois brasileiros começaram muito bem e ficaram em todas as parciais em 2º ou 3º. Mas nos últimos 50m caíram demais fazendo suas piores parciais e Breno acabou em 5º com 1:42.36 e Luiz Altamir em 8º 1:42.72. Já o americano Blake Pieroni liderou a prova do início ao fim e venceu com 1:41.49.

A última final brasileira no dia foi no revezamento 4x50m livre misto. Nas eliminatórias, com Marcelo Chierighini, Matheus Santana, Larissa Oliveira e Etiene Medeiros, o Brasil fez o 6º tempo no geral com 1:30.78. Na decisão, saiu Marcelo e entrou César Cielo. Mas o Brasil terminou novamente em 5º com 1:29.91 e viu mais um ouro americano em revezamento, com novo recorde mundial 1:27.89. Na prova que abriu o dia, o revezamento 4x50m medley feminino, mais um ouro americano com mais um recorde mundial 1:42.38.

van_der_burgh_cameron-8

Cameron van der Burgh (RSA). Foto: Istvan Derencsenyi/FINA

Katinka Hosszu levou seu 2º ouro neste Mundial ao faturar os 200m borboleta com 2:01.60 com a americana Kelsi Dahlia colada na prata com 2:01.73. Nos 100m peito masculino, o sul-africano Cameron van der Burgh levou com 56.01, recorde do campeonato com o bielorrusso Ilya Shymanovich na prata com 56.10. Após a vitória, van der Burgh anunciou na coletiva de imprensa sua aposentadoria. O 5º ouro americano no dia veio com Olivia Smoliga nos 100m costas feminino, com 56.19, deixando a Hosszu com a prata 56.26. Nos 50m peito feminino, a jamaicana Alia Atkinson conquistou o ouro, seu 3º na carreira em Mundiais de curta, com 29.05 enquanto a lituana Ruta Meilutyte foi prata com 29.38.