Ítalo Ferreira vence Jogos Mundiais após quase ficar de fora!

dsc00983_small-1024x683

Ítalo Ferreira vence Jogos Mundiais de Surfe. Foto: ISA

Com certeza essa será uma das principais histórias do esporte brasileiro de 2019. Exemplo perfeito da superação do esporte e de não desistir jamais.

Os Jogos Mundiais da ISA foram disputados em Miyazaki, no Japão, num modelo parecido com o que teremos em Tóquio-2020, numa praia com condições parecidas as com a disputa olímpica do ano que vem. Esta edição valia vaga olímpica direta apenas para os melhores de cada continente (tirando as Américas, cujas vagas foram definidas nos Jogos Pan-Americanos), mas já seria uma bela prévia da disputa olímpica.

Por isso, estavam todos os principais nomes do esportes tanto no masculino como no feminino. E o Brasil levou o que tinha de melhor, com Gabriel Medina, Filipe Toledo e Ítalo Ferreira no masculino e Silvana Lima, Tatiana Weston-Webb e Tainá Hinckel no feminino.

Antes de embarcar para o Japão, Ítalo teve seu passaporte roubado e precisou correndo tirar os documentos e correr atrás do visto japonês, enquanto o resto da equipe já havia embarcado para o Japão. Ítalo foi pra praia direto do aeroporto, chegou em cima da hora para competir na 1ª rodada, pegou uma prancha emprestada e competiu de bermuda jeans, faltando apenas 9min pra sua bateria terminar. Ainda assim ele a venceu pegando apenas 3 ondas! Ítalo, Medina e Filipinho seguiram avançando no longo torneio de 7 rodadas antes da decisão. Filipinho caiu na na 5ª rodada e parou na repescagem.

Na última rodada antes da final, Medina e Ítalo enfrentaram os americanos Kolohe Andino e o mito Kelly Slater. Andino venceu com 15,47, seguido de Medina com 14,40 e Ítalo acabou em 4º com 11,93, indo pra repescagem, onde ele venceu a bateria eliminando Slater.

bra_team_isa_ben_reed-1-1024x683

Brasil é ouro por equipes. Foto: ISA

Na grande final, o brasileiro fez uma grande final conseguindo uma nota 10 na decisão, somando 17,77 contra 17,06 de Andino e 14,53 de Medina, que acabou com a medalha de bronze!

Mais cedo na semana tivemos a vitória no feminino da peruana Sofia Mulanovich com a brasileira Silvana Lima na 2ª colocação com 12,77 na final contra 13,80 da peruana. Por equipes, o Brasil somou 4.060 pontos para levar o ouro a frente de Estados Unidos e Japão.

Primeiro título mundial do novo ciclo

Na semana passada o Brasil conquistou seu 1º título mundial do novo ciclo olímpico. E a vitória veio em um dos esportes que fará sua estreia em Tóquio-2020.

dsc06514-2

Weslley Dantas

No Mundial Juvenil de Surfe, nos Açores, em Portugal, Weslley Dantas se sagrou campeão na categoria masculina Sub-18. Na final, tirou 13,34 e venceu o peruano Alonso Correa por muito pouco. Correa fez 13,00 pontos. Bronze para o francês Colin Doyez com 8,40 e 4º lugar pro australiano Harley Ross com 7,74.

O Brasil é o maior campeão nesta categoria. Em 14 mundiais juvenis, 7 brasileiros venceram o título, incluindo Gabriel Medina em 2010. Depois do Medina ainda tivemos Matheus Navarro em 2012 e Luan Wood em 2014.

Nas outras categorias, os melhores brasileiros caíram na rodada anterior à semifinal: Victor Ferreira no Sub-16 masculino, Carol Boneli no Sub-16 feminino, Karol Ribeiro no Sub-18 feminino. Por equipes, o Brasil ficou na 6ª posição, enquanto o ouro foi pra França. 39 países disputaram o Mundial, um recorde.

Ainda não se sabe como será a disputa em Tóquio, nem onde será, mas o Brasil chegará como um dos favoritos no masculino, com certeza. Acho que o nível olímpico não será muito alto, já que poucos países estão em um nível competitivo de surfe. Na Liga Mundial, apenas Brasil, EUA (incluindo aí o Havaí), Austrália, Japão, África do Sul, França, Itália e Taiti (que não disputa Jogos Olímpicos) tem surfistas entre os 40 primeiros.