Título do ano para Ágatha e Duda

Captura de Tela 2018-08-19 às 22.26.40

Duda e Ágatha após o título em Hamburgo. Foto: FIVB

Em um ano meio apagado do vôlei de praia brasileiro, Ágatha Bednarczuk e Duda Lisboa se sagraram campeãs do principal torneio do ano, a etapa final do Circuito Mundial, em Hamburgo, que reuniu as 10 melhores duplas do ano.

Elas começaram com uma derrota para as australianas Artacho del Solar/Clancy por 2-0 na fase de grupos, mas venceram as canadenses Humana-Paredes/Pavan, as checas Hermannova/Slukova e as alemãs Schneider/Bieneck, terminando em 2º lugar no grupo B. Nas quartas, venceram as alemãs Sude/Labourer de virada 12-21, 21-14, 15-9.

Nas semifinais, confronto brasileiro contra Maria Elisa e Carol numa partida muito disputada, que Ágatha e Duda venceram por 31-29, 21-18. Na decisão, novo encontro com as checas Hermannova/Slukova e vitória brasileira por 21-15, 21-19.

Foi o 3º título da dupla no circuito mundial e o 1º fora do Brasil. Elas jogam juntas desde janeiro de 2017 na maior premiação da história no vôlei de praia, USD 150.000 para a dupla. O Mundial de 2017 deu USD 60.000 pra dupla campeã e a Final do circuito de 2017 premiou o título com USD 100.000. Ágatha e Duda terminam a temporada como a melhor dupla do mundo.

Já no masculino, o Brasil não colocou nenhuma dupla na etapa, já que foi um ano de grande transição e mudança de parcerias. O título ficou com o norueguês Anders Mol e Christian Sorum, o 3º da dupla no ano, após os Majors de Gstaad e Viena.

O circuito de 2019 já começa na próxima semana com etapas menores, mas esse ano ainda teremos 2 etapas de 4 estrelas, e Yangzhou, na China, e em Las Vegas, ambas em outubro.

Anúncios

Semana para esquecer o vôlei e o vôlei de praia…

Não seria exagero falar que esta foi uma das piores semanas para o vôlei e vôlei de praia brasileiro da história. Não foram apenas derrotas, mas muitas derrotas e algumas bem feias.

Começou com a fase da Liga das Nações ainda na outra semana, quando a seleção masculina levou um feio 3-0 (25-17, 25-18, 25-14) da Rússia na semifinal e depois mais um 3-0 (25-21, 28-26, 28-26) dos EUA na disputa do bronze.

298194149_yonkairapenaofdomminicanrepublicspikesagainstbrazil

Brasil na derrota pra República Dominicana na Copa PanAm. Foto: CSV

Na Colômbia, a seleção sub18 feminina fez um sul-americano bem fraco. Sofreu na 1ª fase contra as donas da casa, mas venceu por 3-2. Mas na semifinal apanhou muito feio do Peru por 3-0 (25-9, 25-15, 25-11). Sim, 25-9, não está errado. Na disputa do bronze, derrotou a Colômbia por 3-0 e medalhou, garantindo vaga pro Mundial do ano que vem, mas deixou demais a desejar.

Com uma equipe B, mas que tinha Dani Lins e Thaisa, o Brasil foi pra Copa Pan-Americana na República Dominicana e ficou sem medalha. Sofreu para vencer Colômbia e Argentina na 1ª fase por 3-2, mas passou em 1º no grupo. Na semifinal levou um 3-0 (25-16, 25-12, 25-23) das donas da casa e na disputa do bronze perdeu pro Canadá também por 3-0 (25-19, 25-20, 25-21), ficando sem medalha, mas pelo menos garantiu vaga pros Jogos Pan-Americanos.

No vôlei de praia, foi um show de horrores do lado masculino no Major de Gstaad, na Suíça. Das 4 duplas, apenas uma passou pro mata-mata. Pedro Solberg/Bruno Schmidt ficaram em 3º no seu grupo, venceram no playoff americanos, mas caíram nas 8as 2-1 para os noruegueses Mol/Sorum, que foram os campeões. No feminino, as 3 duplas pelo menos avançaram, mas apenas Agatha/Duda chegaram nas 4as. Na semi, perderam 2-1 para as canadenses Humana-Paredes/Pavan e na disputa do bronze também perderam, mas 2-0 para as também canadenses Bansley/Wilkerson. Sinal amarelo no vôlei de praia masculino no 1º torneio importante após a dança de cadeiras da troca de duplas.

Captura de Tela 2018-07-15 às 20.14.58

Agatha na derrota na disputa do bronze. Foto: FIVB

Pra fechar essa semana horrorosa (não, não acabou), pela 1ª vez desde 2012 o Brasil ficou sem medalha num Mundial Sub19 de vôlei de praia. O país vinha de 3 títulos seguidos no feminino e 2 no masculino. Duas duplas nem passaram do qualificatório. Na chave principal, Thamela/Anne Karolayne caíram nas 8as para holandesas e Gabriel/Pisco perderam também nas 8as para tailandeses (!!). Os dois ouros foram para duplas da Rússia.

Não está nada animador, ainda mais por estarmos no meio do ciclo olímpico. E daqui a pouco tem Mundial masculino e feminino de vôlei. Tomara que tenha sido apenas uma semana ruim…

Dança das cadeiras no vôlei de praia

Campeões olímpicos no Rio-2016 e mundiais em 2015, Alison Cerutti e Bruno Schmidt encerram uma parceria extremamente vitoriosa nas areis.

Jogando juntos desde 2014, Alison e Bruno disputaram 38 torneios no circuito mundial de vôlei de praia, 2 Mundiais e 1 Olimpíada. Foram 12 títulos: um Olímpico, um mundial, 2 da Final do Circuito e 8 torneios do circuito mundial, e mais 7 pódios. Além disso, conquistaram o título geral da temporada de 2015 e 2 circuitos brasileiros.

Este ano vinham de um 9º lugar em Fort Lauderdale (torneio 5*), um bronze em Xiamen (4*) e um 17º em Huntington Beach (4*). A ausência da dupla foi sentida no Aberto de Itapema na última semana e o anúncio veio nesta quarta-feira.

Bruno voltará a fazer parceria com Pedro Solberg, com quem jogou em 2013 e subiu 6 vezes ao pódio no circuito mundial. Mas a surpresa veio com o anúncio do Mamute, que jogará com André Stein, atual campeão mundial.

O único problema é que André vinha numa fase excepcional com Evandro, com quem foi campeão mundial em 2017. Nesta temporada, eles venceram o Aberto de Itapema no domingo e foram vice no Aberto de Huntington Beach, no início do mês.

A troca de parceiros é comum no vôlei de praia, assim como ocorre no tênis.

Trocas assim são esperadas nessa temporada, que é a última antes do início da corrida para a classificação olímpica, então não surpreendem tanto. Agora é ver como as novas parcerias se saem no circuito mundial, que começa forte no fim de junho com praticamente 9 semanas seguidas de torneio 4 ou 5 estrelas.

Resumo olímpico da semana

Vôlei de Praia

Captura de Tela 2018-01-10 às 00.54.37

Foto: FIVB

Mal começou o ano e já teve uma etapa 4 estrelas do circuito mundial em Haia, na Holanda. Com 6 duplas (4 femininas e 2 masculinas), o Brasil levou apenas uma medalha. Maria Elisa e Carol chegaram na decisão após 5 vitórias e sem perder um único set, mas na final foram superadas pelas americanas Alix Klineman e April Ross por 21-12 21-15. Klineman jogava até o ano passado no Praia Clube e este foi o seu 1º torneio do circuito mundial da carreira! Ela se torna a 3ª mulher na história a vencer uma etapa em sua estreia internacional. Também foi a 3ª vez na história no feminino que uma dupla venceu vindo do country-quota, um pré-qualifying. E pela 1ª vez na história a final foi disputada entre duas duplas vindas do qualificatório!

Bárbara /Fernanda perderam nas 4as para as campeãs, Ágatha e Duda caíram nas 8as para dupla suíça e Elize Maia/Taiana perderam nas 16as para russas. No masculino, Pedro Solberg/George e Guto/Vítor caíram nas 8as. A vitória da etapa ficou com letões Martins Plavins/Edgars Tocs.

Tênis

Bruno Soares e o britânico Jamie Murray ficaram com o vice do torneio ATP250 de Doha, perdendo na decisão para o austríaco Oliver Marach e pro croata Mate Pavic por 62 76(6). Esta foi a 52ª final no circuito do Bruno na carreira e a 12ª da dupla Soares/Murray. O brasileiro esta com 26 títulos e 26 vices e a dupla tem 6 títulos e 6 vices. Desde que formaram a parceria em 2016, ela sempre chegaram a uma final nos torneios preparatórios pro Australian Open.

No ATP250 de Brisbane, na Austrália, Marcelo Demoliner e o neozelandês Michael Venus perderam nas 4as para os argentinos Leonardo Mayer e Horacio Zabellos. No ATP250 de Puna, na Índia, Thiago Monteiro passou pelo qualificatório, venceu na estreia e abandonou nas 8as para o sul-africano Kevin Anderson quando perdia de 76(4) 32 com dores no tornozelo esquerdo. E no WTA de Auckland, Bia Haddad Maia caiu na estreia por 62 46 62 para a polonesa Agnieszka Radwanska.

Rugby

bra_x_uru_7_punta_2_large

Foto: CBR

A seleção masculina de sevens disputou a 1ª etapa do campeonato sul-americano em Punta del Este e terminou na 6ª posição. A competição contou com 6 equipes convidadas (EUA, Canadá, África do Sul, Irlanda, França e Alemanha). Na 1ª fase, o Brasil perdeu de 26-20 pra França, depois venceu 17-12 o Uruguai e 29-5 a equipe americana. Mas nas 4as enfrentou novamente a França e perdeu por 28-12. Depois venceu 17-12 a Irlanda e perdeu 24-12 pra Alemanha na disputa do 5º lugar. O título ficou com a equipe sul-africana ao vencer por 21-5 o Chile.

A 2ª etapa será nesta semana em Viña del Mar e serve como qualificatório pra Copa do Mundo de Sevens. São apenas 2 vagas pra América do Sul restantes e, no momento o Brasil está na 3ª posição entre os não classificados.

Outros Esportes

Mariana Pistoia ficou em 35º lugar na etapa de Udine (ITA) da Copa do Mundo juvenil de florete feminino, perdendo na estreia da chave final para húngara por 15-11. Na espada masculina também em Udine, Gabriel Bonamigo foi o melhor brasileiro terminando em 25º. Ele venceu bielorrusso na 1ª rodada por 15-11 e perdeu na 2ª rodada de 15-5 para francês. Fabrizio Lazaroto também chegou na chave final, perdeu na estreia para italiano e acabou em 58º.

Mundial de Vôlei de Praia – Finais

Após um início arrasador do Brasil, muitas eliminações precoces e azar no sorteio do mata-mata, mas, o que parecia um mundial pra esquecer, se tornou vencedor!

Masculino

Captura de Tela 2017-08-07 às 17.44.48

Evandro e André. Foto: FIVB

Talvez a dupla que tinha menos chance do Brasil no início, surpreendeu a todos e se sagrou campeã mundial! No sábado, Evandro Oliveira e André Loyola venceram nas 4as os canadenses Ben Saxton/Chaim Schalk por 17-21 22-20 15-10. Voltaram no domingo para as semifinais derrotando os fortes holandeses Christiaan Valkenhorst e Maarten van Garderen por 21-15 21-13. Na outra semi, os donos da casa Clemens Doppler e Alexander Horst surpreenderam e avançaram pra final com 22-20 21-19 sobre os russos Viacheslav Krasilnikov e Nikita Liamin.

Algumas horas depois, voltaram à quadra pra grande final. Com 10.000 torcedores apoiando em massa os austríacos, Evandro e André souberam controlar a pressão, mas tiveram um jogo duríssimo. Quem ajudava a salvar a dupla brasileira era Evandro no saque. Eleito o melhor sacador nas ultimas duas temporadas, Evandro fez 6 aces na partida e o Brasil fechou com 23-21 22-20 para faturar o ouro! André se torna o campeão mundial de vôlei de praia mais novo da história, aos 22 anos. Foi o 7º título mundial de uma dupla brasileira no masculino, a 7ª formação diferente. Os russos Krasilnikov/Liamin venceram os holandeses Varenhorst/Van Garderen por 21-17 21-17 para levar o bronze.

Feminino

Captura de Tela 2017-08-07 às 17.45.46

Pódio feminino. Foto: FIVB

Após a derrota na semifinal na sexta, Larissa e Talita foram pro bronze contra as ótimas canadenses Sarah Pavan/Melissa Humana-Paredes, que fazem uma excelente temporada. E as brasileiras saíram com a vitória com 21-12 16-21 18-16. Larissa conquista a sua 5ª medalha em mundiais (1O-2P-2B) e Talita a sua 2ª (2B).

Na decisão, as alemãs campeãs olímpicas Laura Ludwig e Kira Walkenhorst sofreram para vencer as americanas April Ross/Lauren Fendrick por 19-21 21-13 15-9. Depois de perderem o 1º set, as alemãs arrasaram no 2º. No tiebreak, uma discussão com a árbitra principal tirou a concentração de Fendrick, que levou um amarelo inclusive. As alemãs mantiveram o forte ritmo para vencer o ouro inédito e se tornar a primeira dupla europeia campeã no feminino.

Brasil sai com um ouro e um bronze e agora soma 31 medalhas em 11 Mundiais! O próximo Mundial será em 2019.

Mundial de Vôlei de Praia – Dias 7 e 8

Brasil fica muito abaixo do esperado e já faz pior campanha em anos.

Masculino

Na primeira rodada do mata-mata, a dupla cabeça 1 do mundial, Álvaro e Saymon caíram por 21-17 21-18 para is holandeses Christiaan Varenhorst/Maarten van Garderen. Já os campeões olímpicos e mundiais Alison e Bruno Schmidt venceram por 21-15 21-7 os letões Edgars Tocs/Rihards Finsters. Também venceram Evandro/André por 21-13 21-18 os letões Martins Plavins/Haralds Regza e Pedro Solberg/Guto por 21-23 21-16 17-15 os austríacos Martin Ermacora/Moritz Pristauz.

Já nas 8as nesta sexta-feira, duas duras derrotas. Alison/Bruno caíram para os surpreendentes canadenses Ben Saxton/Chaim Schalk por 21-19 19-21 15-13 e Pedro Solberg/Guto perderam 21-19 17-21 15-13 para os espanhóis Herrera/Gavira. Já Evandro/André venceram por 24-22 21-19 os letões Smedins/Samoilovs.

Feminino

Captura de Tela 2017-08-05 às 08.07.44

Ludwig e Walkenhorst (GER)

Nas 8as, Maria Elisa/Carol venceram Elize Maia/Taiana 21-9 21-19. Larissa/Talita derrotaram as suíças Joana Heidrich/Anouk Vergé-Dépré por 21-19 21-16. Nas 4as, mais um confronto brasileiro e Larissa/Talita vencera Maria Elisa/Carol por 21-17 21-17. Também na sexta já rolou a semifinal e as brasileiras enfrentaram as alemãs campeãs olímpicas Laura Ludwig/Kira Walkenhorst e perderam por 21-19 21-16.

As alemãs fazem final neste sábado contra as americanas April Ross/Lauren Fendrick, que derrotaram na semifinal de virada as canadenses Sarah Pavan/Melissa Humana-Paredes por 19-21 21-16 15-11. Ross já foi campeã mundial em 2009, jogando com Jennifer Kessy.

Mundial de Vôlei de Praia – Dia 5

Feminino define os confrontos de mata-mata e masculino encerra alguns grupos.

Feminino

Captura de Tela 2017-08-02 às 00.58.20

Meppelink e Van Iersel (NED)

No último jogo da primeira fase, Ágatha/Duda perderam de 21-19 21-15 para as holandesas Meppelink/Van Gestel. Com este resultado, o Grupo C ficou todo embolado, com 3 duplas com 2 vitórias e 1 derrota, mas pior para as brasileiras, que ficaram em 3º lugar nos critérios de desempate. Pelo Grupo A, Larissa/Talita venceram as alemãs Bieneck/Schneider por 21-16 21-18 para encerrar a 1ª fase com 3 vitórias.

Larissa/Talita no Grupo A, Elize Maia/Taiana no H e Maria Elisa/Carol no I obtiveram 3 vitórias para vencerem seus grupos. Bárbara/Fernanda Berti no H e Ágatha/Duda no C ficaram com 2V e 1D em 3º nos seus grupos, mas conseguiram avançar diretamente pra chave final entre as 4 melhores duplas terceiras colocadas, sem precisar disputar a repescagem. Larissa/Talita, Maria Elisa/Carol e Elize Maia/Taiana estão na mesma chave e só uma dessas duplas pode chegar a semifinal. Do outro lado da chave, Ágatha/Duda e Bárbara/Fernanda Berti só se enfrentariam nas semifinais. Lembrando que Ágatha e Bárbara são as atuais campeãs mundiais, mas estão jogando separadas.

Masculino

No Grupo D, Evandro/André perderam para os mexicanos Virgen/Ontiveros por 21-19 16-21 15-10, mas ainda assim venceram o seu grupo. Eles foram os únicos brasileiros a jogar nesta terça na chave masculina pelo Brasil. Jogando pelo Qatar, Jefferson Pereira e o qatari Cherif Younousse venceram mais um jogo sobre os fortes letões Smedins e Samoilovs e ficaram com o título do Grupo B com 3 vitórias.

Também venceram seus grupos: os russos Krasilnikov/Liaminno F, os poloneses Losiak/Kantor no G, os espanhóis Herrera/Gavira no I, os holandeses Brouwer/Meeuwsen no J, os italianos vice olímpicos Nicolai/Lupo no K e os canadenses Saxton/Schalk no L.