Mundial de Atletismo Indoor – Dia 2

Quatro finais no 2º dia em Birmingham e muitas eliminatórias.

Pista

1abd84c1-447a-49ea-addd-f8c5b4ce3b3d

Murielle Ahoure cruzando em 1º na final dos 60m. Foto: Getty Images

Resultado histórico na final dos 60m feminino com uma dobradinha ouro-prata inesperada, apesar da força das duas atletas. Murielle Ahouré e Marie-Josée Ta Lou colocaram a Costas do Marfim no topo com 6.97 e 7.05, respectivamente. O tempo de Ahouré foi o melhor do ano na prova. Ta Lou e a suíça Mujinga Kambundji empataram com 7.05, mas nos milésimos, a marfinense fez 7.043 contra 7.048 da suíça e ficou com a prata. Elas deixaram dois grandes nomes fora do pódio, a jamaicana bicampeã no Rio-2016 Elaine Thompson 4ª com 7.08 e a holandesa Dafne Schippers 5ª com 7.10. Rosangela Santos correu mal nas eliminatórias com 7.32 e ficou de fora das semifinais da prova po r uma posição entre as que classificaram por tempo.

Nos 400m, o espanhol Oscar Husillos fez o melhor tempo nas semifinais com 45.69, recorde nacional indoor. No feminino, duas americanas lideraram as semifinais com Shakima Wimbley 51.34 e Courtney Okolo 51.79. A americana Kendra Harrison fez o melhor tempo nas eliminatórias dos 60m com barreiras com 7.77.

Nos 3.000m masculino, os etíopes Yomif Kejelcha e Hagos Gebrhiwet lideraram as eliminatórias com 7:42.83 e 7:43.55 respectivamente. Na esvaziada prova dos 800m masculino com apenas 10 atletas, o espanhol Alvaro de Arriba passou pra final com o melhor tempo de 1:45.44. Campeã dos 3.000m feminino, a etíope Genzebe Dibaba venceu a sua bateria dos 1.500m com 4:06.25 e passou tranquila pra final. Melhor tempo foi da holandesa Sifan Hassan com 4:05.46.

Em uma das baterias dos 400m masculino, um fato inédito na história do atletismo mundial, onde todos os 5 atletas foram desclassificados!! O qatari Abdalleleh Haroun queimou a largada e os outros 4, incluindo o jamaicano Steven Gayle correram fora das raias. Segundo a IAAF isso nunca aconteceu.

Campo

Foi uma bela final do salto em distância masculino. O sul-africano campeão mundial Luvo Manyonga queimou as duas primeiras, mas assumiu a liderança com 8,33m no 3º salto, passando o cubano Juan Miguel Echevarria, que tinha 8,28m. No 4º, Manyonga melhorou para 8,44m, enquanto o cubano subiu para 8,36m. Na 5ª série, o americano Marquis Dendy entrou pro pódio em 3º com 8,42m enquanto o cubano melhorou para 8,46m! Na última série, ninguém melhorou e o sul-africano acabou queimando, dando o ouro pro cubano.

a5569e18-fae0-4281-b0a7-ce7d26473588

Anita Marton (HUN). Foto: Getty Images

Bronze no Rio-2016, a húngara Anita Márton venceu seu 1º título global no arremesso de peso com 19,62m, melhor marca do mundo este ano. Na 3ª tentativa, Márton marcou 19,48m, enquanto a jamaicana Danniel Thomas-Dodd vinha em 2º com 19,22m, recorde jamaicano. As duas junto com as chinesas Lijia Gong e Yang Gao seguiam arremessando entre 18,70m e 19m. Na última tentativa, já com o ouro na mão, Márton melhorou para 19,62m para ficar com o ouro. A jamaicana manteve a prata e Lijiao Gong, campeã mundial em 2017, ficou com o bronze com 19,08.

O primeiro ouro britânico no Mundial veio no pentatlo feminino, com Katarina Johnson-Thompson. A prova começou com os 60m com barreiras, onde a americana Erica Bougard largou na frente com 8.07 (1113 pontos) enquanto a britânica aparecia em 6º com 8.36 (1048). No salto em altura, Johnson-Thompson já assumiu a liderança após marcar 1,91m (1119 pontos) somando 2167, com Bougard em 2ª com 2154. No arremesso de peso, as duas líderes foram muito mal. Johnson-Thompson fez 12,68m (706) e Bougard 12,31m (682). Com ótimos 14,15m, a cubana Yorgelis Rodríguez foi pra liderança com 2886, 13 a mais que Johnson-Thompson, 14 a mais que a austríaca Ivona Dadic e 50 a mais que Bougard. No salto em distância, a britânica fez a melhor marca de 6,50m (1007) e voltou à liderança com 3880 contra 3847 de Dadic e 3782 de Rodríguez. Nos 800m, Johnson-Thompson venceu a bateria com 2:16.63 (870) confirmando o ouro com 4750, com Dadic na prata com 4700 e Rodriguez bronze com 4637.

O heptatlo masculino teve 4 provas disputadas na sexta-feira. Nos 60m, o canadense Damian Warner fez 6.74 (977) contra 6.85 (936) do francês Kevin Mayer, atual campeão mundial no decatlo. No salto em distância, a melhor marca foi do alemão Kai Kazmirek com 7,68m (980) com Mayer em 2º com 7,55m (947), mas Warner fez apenas 7,39m (908). No arremesso de peso, Mayer foi o melhor com 15,67m (831) enquanto o canadense fez 14,90m (784). Mayer liderava com 2714 contra 2669 do canadense. No salto em altura, um show do estoniano Maicel Uibo com 2,17m (963), muito a frente do resto. Mayer e Warner fizeram 2,02m (822). Mayer fechou o 1º dia com 3536 contra 3491 do canadense e 3436 do estoniano, que subiu de 8º para 3º.

Anúncios

Mundial Juvenil de Atletismo

Última grande competição antes de Londres-2012, o Mundial Juvenil reuniu 1.742 atletas de 180 países em Barcelona, na pista que recebeu os Jogos de 1992, de 10 a 15 de julho. Maior Mundial Juvenil da História, o Brasil teve uma excelente participação, melhor do que o esperado, com 31 atletas na disputa.

Brasileiros

Foram 4 medalhas: 1 de ouro e 3 de bronze! A nova sensação Tamiris de Liz levou o bronze nos 100m, com 11s45. Com resultados muito consistentes, fez o melhor tempo na 1ª rodada (11s56) e na semifinal (11s42). Na final, acabou perdendo para Anthonique Strachan, de Bahamas (11s20) e para a turca Nimet Karakus (11s36). Strachan, aliás, foi a única bicampeã individual, vencendo também os 200m.

Na quinta-feira, dia 12, foi a vez do medalhista de prata nos Jogos Olímpicos da Juventude, Thiago Braz da Silva (acima) fazer uma grande prova e levar o ouro no salto com vara nos critérios de desempate! Tanto ele quanto o croata Ivan Horvat e o canadense Shawnacy Barber passaram no 5,55m, mas no desempate o brasileiro levou a melhor. Ambos queimaram no 5,60m e Thiago foi ouro, mesmo tomando a arriscada opção de não saltar no 5,60m. Tentou ainda o 5,65m, mas queimou as 3 chances. Thiago foi tão bem que melhorou a sua marca pessoal em 20cm!

No heptatlo, Tamara de Sousa (acima) também fez uma ótima conpetição e liderava após 6 provas por 124 pontos sobre a cubana Yorgelis Rodríguez. Fechando o heptatlo, a sua prova mais fraca, os 800m. E relamente era a mais fraca. A cubana fez 868 pontos, a húngara Xénia Krizsán fez 878 e Tamara fez apenas 678, o que a fez perder o ouro e a prata. Por pouco ela não perde o bronze! Completando as medalhas brasileiras, a equipe do 4x100m feminina levou o bronze com 44s29.

O Brasil ainda teve o 5º lugar no salto triplo masculino com Henrique da Silva, o 5º lugar no lançamento de disco com Felipe Lorenzon, o 6º no salto em distância com Jéssica dos Reis e o 7º no revezamento 4x100m masculino.

Outros resultados

Com 9 ouros, 4 pratas e 7 bronzes, os EUA dominaram o Mundial, seguidos pelo Quênia (4-4-5) e Etiópia (3-3-1). Interessante que quase todas as medalhas americanas foram na pista, apenas 2 bronzes no campo e um ouro no decatlo. O neozelandês Jacko Gill (fotoa acima) no arremesso de peso e a sueca Angelica Bengtsson no salto com vara defenderam seus títulos mundiais de 2010 com muita tranquilidade.

No lançamento de martelo, Ashraf Amgad Elseify, do Qatar, venceu com quase 10m sobre o 2º e com novo recorde mundial, de 85,57m! Um lançamento absolutamente espetacular! Foram quebrados outros 10 recordes do campeonato! Também tivemos medalhas inéditas, como o ouro nos 200m com 20s48 de Delano Williams, da minúscula Turks & Caicos, e a prata no salto em altura feminino com 1,88m de Lissa Labiche, de Seychelles.

No total, impressionantes 43 países medalharam e, mais impressionantes 74 países tiveram um Top 8! O próximo mundial juvenil será em 2014 em Eugene (USA).