Troféu Brasil – Final

O Troféu Brasil de 2017 acabou neste domingo com ótimas marcas em São Bernardo e a certeza de que o atletismo está indo no caminho certo.

Pista

9304

Márcio Teles e Hederson Estefani

Duas marcas chamaram muita atenção: o excelente tempo de 20.15 (+1,3m/s) de Aldemir Gomes da Silva Jr. nos 200m e 48.94 de Márcio Teles nos 400m com barreiras, recorde do Troféu. Este tempo colocaria Aldemir em 6º na final olímpica do Rio. Os dois conseguiram o índice pro mundial e nos 400m com barreiras Hederson Estefani também baixou do índice, com 49.13 e a prata. Vitória Cristina Rosa venceu os 200m feminino com 22.93 (+1,5m/s), ratificando o índice pro Mundial, assim como Rosângela Santos com 22.95.

Também venceram com índice Éder Souza nos 110m com barreiras com 13.47 (+0,8m/s) e Thiago André nos 800m com 1:44.81. Os outros campeões do dia foram: Altobeli da Silva nos 5.000m com 13:46.72, Maria Aparecida Ferraz nos 5.000m com 16:31.98, Kleidiane Jardim nos 1.500m com 4:23.58, Jailma Sales de Lima nos 400m com barreiras com 56.76, B3 Atletismo no 4x400m feminino com 3:35.45 e o EC Pinheiros no 4x400m masculino com 3:07.43.

Campo

9302

Laila Ferrer

O grande destaque no campo foi Núbia Soares no salto triplo. Ela saltou duas vezes para ótimos 14,56m ficando a apenas 2cm do recorde brasileiro! Tânia Ferreira da Silva ficou em 2º também com índice, de 14,13m. Geisa Arcanjo fez sua melhor marca do ano com 18,08m na primeira tentativa na final do arremesso de peso, mais uma vez melhor que o índice. Está chegando na marca que fez na final olímpica no Rio, com 18,16m, mas ainda longe do seu PB de 19,02m. No dardo, Laila Ferrer venceu com 62,52m, superando o índice pro Mundial de 61,20m.

Thiago Braz ainda não está no seu melhor, mas ficou com o ouro no salto com vara, empatando em 1º  com Augusto Dutra, ambos com 5,52m na 2ª tentativa e 3 erros no total. Ambos tentaram 5,62m, mas Augusto falhou 3 vezes e Thiago desistiu após sentir a panturrilha, preferindo se poupar. No heptatlo, Tamara Alexandrino venceu com bons 6.040, superando pela 1ª vez a barreira dos 6.000 pontos, mas ainda sem índice pro Mundial, que é 6.200. Vanessa Spindola fez 5.812, longe do seu PB de 6.188.

Os outros campeões foram Felipe Lorenzon no disco com fracos 57,97m, Paulo Enrique da Silva no dardo com 74,86m, Alexsandro de Melo no salto triplo com 16,42m, Fernando Ferreira no salto em altura com 2,25m e Julia Cristina dos Santos no salto em altura com 1,80m.

Por equipes, vitória do Pinheiros no masculino, no feminino e no geral, enquanto a B3 Atletismo ficou em 2º lugar nas 3 classificações.

A equipe pro Mundial já conta com 24 atletas, sem contar os maratonistas e revezamentos. Não é tão grande, mas tem ótima qualidade. A CBAt está no rumo certo.

Resumo olímpico da semana

Vôlei de Praia

Captura de Tela 2017-06-07 às 00.11.27

Talita e Larissa

No Aberto de Moscou, as mulheres foram o destaque. Larissa e Talita ficaram com o título ao vencer na decisão as americanas Brooke Sweat/Summer Ross por 21-16, 21-14. As brasileiras perderam apenas um set na competição, na semifinal contra Ágatha/Duda, quando venceram por 23-21, 18-21, 15-10. Agatha/Duda acabaram com a medalha de bronze ao passarem pelas alemãs Schneider/Bieneck por 21-14, 21-8. Foi o 3º título seguido de uma dupla brasileira no circuito feminino e o 4º na temporada em 7 torneios. Foi o 61º título de Larissa no circuito, o 33º de Talita e o 15º da dupla.

Já no masculino, nenhum brasileiro chegou às semifinais. Apenas os campeões olímpicos Alison/Bruno Schmidt atingiram as 4as, onde perderam para os letões Smedins/Samoilovs de virada por 18-21, 22-20, 15-12. O título ficou com os americanos Lucena/Dalhausser. Foi o 35º título do circuito mundial de Dalhausser.

Vôlei

Na estreia de Renan Dal Zotto no comando da seleção brasileira masculina, 2 vitórias e uma derrota na 1ª rodada da Liga Mundial, em Pesaro, Itália.

Logo na 1ª partida, um grande duelo contra a campeã mundial Polônia, que venceu por 3-2 (25-20, 20-25, 19-25, 25-22, 15-8). Depois, o Brasil venceu o Irã por 3-1 (21-25, 25-19, 25-22, 25-22) e derrotou a Itália também por 3-1 (25-15, 17-25, 25-23, 25-22). O Brasil aparece em 3º na classificação geral da 1ª Divisão da Liga Mundial e a França lidera como a única a vencer os 3 jogos do fim de semana. A seleção agora parte para a Bulgária onde enfrentará além dos donos da casa, o Canadá e novamente a Polônia.

Atletismo

5390f429-b3b3-491b-82ed-0617c5c08b16

Lorraine Martins

O Brasil dominou o Sul-Americano Sub20m, disputado na Guiana. A equipe brasileira venceu 18 ouros, 11 pratas e 3 bronzes e venceu as classificações gerias por gênero e total, com 287 pontos. Lorraine Martins foi um dos destaques brasileiros ao vencer os 100m e os 200m, com bons tempos e fortes ventos contra. Nos 100m, ela fez sua melhor marca pessoal com 11.56 (-3,1m/s) e nos 200m 23.89 (-2,6m/s). Vale ressaltar que ela ainda é Sub18. Daniel do Nascimento, que disputou o Mundial de cross-country, venceu os 5.000m (14:53.71) e os 10.000m (31:01.64) com corridas táticas. Outra dobradinha foi de Saymon Hoffmann, que levou o arremesso de peso (16,57m) e o lançamento de disco (54,59m).

Na Holanda, Thiago André marcou 3:35.28, sua melhor marca pessoal nos 1.500m e conseguiu o índice para o Mundial de Londres.

Em La Coruña, na Espanha, Érica de Sena venceu a Marcha 20km com 1:29:16 e lidera com folga a classificação geral no circuito de marcha. Nos 20km masculino, Caio Bonfim ainda não chegou ao seu melhor e foi 6º com 1:21:04, sua melhor marca no ano.

Outros Esportes:

– Paola Reis foi campeã na categoria juvenil no Pan-Americano de Ciclismo BMX na Argentina. Na categoria elite, Priscilla Carnaval foi prata e Julia Alves foi bronze. Elas perderam para a argentina Gabriela Diaz. No masculino, Anderson Ezequiel ficou em 4º na elite. No domingo, pela Copa Latino-Americana, Priscilla ficou com o ouro.

– Adilson da Silva foi 15º no Aberto da Zâmbia de golfe, válido pelo Sunshine Tour e somou 1,2667 ponto no ranking mundial. Alexandre Rocha foi 39º Rex Hospital Open, válido pelo Web.com Tour.

– O Brasil ficou em 8º na Copa das Nações de hipismo saltos em St. Gallen, Suíça. Com Yuri Mansur, João Victor Castro, Karina Johannpeter e Eduardo Menezes, somando 41 pontos perdidos. A vitória ficou com a equipe da Itália, com apenas 9 pontos.

– O pivô brasileiro Rogério Moraes foi campeão da Champions League de handebol. O seu time Vardar, da Macedônia, venceu por 24-23 o Paris Saint-Germain e conquistar pela 1ª vez o título europeu.

– A IJF definiu as 16 equipes classificadas para o Mundial por equipes de judô e confirmou a presença do Brasil no masculino. A equipe feminina tinha sido campeã do Pan e já estava garantida.

– Danilo Pimentel foi 19º na Copa do Mundo de triatlo em Cagliari, na Itália. No formato sprint, ele completou em 56:22. Beatriz Neres foi a melhor no feminino com 1:05:29, em 24º lugar.

Atletismo segue em alta

Mais duas etapas da Diamond League nesta última semana e mais grandes resultados, inclusive de brasileiros em Birmingham.

Fabiana Murer em Birmingham. Foto: Jean-Pierre Durand

Fabiana Murer venceu a prova de salto com vara na cidade inglesa com 4,72m, seu melhor resultado outdoor no ano. Com isso, já assume a liderança da corrida pelo diamante da prova, empatada com grega. Também em prova válida pela Diamond League, Geisa Coutinho ficou em 2º nos 400m, numa prova sem grandes nomes. Ela completou a volta em 52.59, tempo bem pior que os 51.43 no Troféu Brasil.

Já em provas do meeting, mas não válidas pra corrida, Rosângela Santos completou a prova em ótimos 22.77, seu melhor tempo da carreira e consegue índice olímpico para a prova! Ela fez o melhor tempo do Brasil no ano e assume a liderança do ranking. Já são 3 mulheres com índice olímpico para essa prova! Nos 1.500m masculino, Thiago André segue em boa forma, ficando em 4º com 3:39.54, bem abaixo dos 3:35.90 que ele já fez no ano.

Julius Yego em Birmingham/ Foto: Jean-Pierre Durand

O maior destaque da etapa britânica veio do Quênia! E não foi em provas de longa distância! O lançador de dardo Julius Yego, em sua última tentativa fez um resultado absolutamente espetacular: 91,39m! De início, o lançamento não foi validado pelos árbitros. As fitas que delimitavam a área de lançamento só iam até 87m e houve um grande debate. Ele foi medido, mas foi dado como fora do setor. 20 minutos após o fim do meeting, com arquibancadas vazias, os árbitros reverteram a decisão e confirmaram a excepcional marca! Recorde queniano, africano, do metting e da Diamond League! Além de ser a melhor marca desde 2006!! Quem disse que o Quênia só se da bem na pista?

Outros resultados

Mais um recorde mundial na marcha no ano! Depois do ótimo início de temporada no masculino, foi a vez do feminino ser destaque. No GP de marcha em La Coruña, Espanha, a chinesa Liu Hong venceu com 1:24:38, abaixo de 1:25:02, recorde anterior estabelecido nos Jogos de Londres-2012. Na mesma prova, Érica de Sena foi bronze com 1:29:50 e Caio Bonfim ficou em 8º no masculino com 1:21:04. Érica segue em 3º lugar no circuito mundial de marcha.

Vanessa Spínola foi ouro em prova de heptatlo em Arona, Espanha. Ela somou 6.103 pontos e conseguiu o índice para o Mundial de Pequim! Recorde pessoal, foi a segunda melhor marca da história de uma sul-americana na prova, perdendo apenas para o recorde da Lucimara Silvestre de 6.160. O índice olímpico é 6.200.

Em prova em Praga, Thiago Braz venceu o salto com vara com 5,75m, abaixo dos 5,86m, novo recorde sul-americano estabelecida por ele semana passado.

Resumo do fim de semana

Vôlei de Praia

No Aberto Feminino de Praga, as duplas brasileiras dominaram a competição. Agatha e Bárbara Seixas foram perfeitas, perdendo apenas um set em todo o torneio. Na final, passaram com relativa tranquilidade pelas canadenses Bansley e Pavan com 21-12 21-18 e ficaram com o ouro. Na disputa do bronze, que seria entre duas duplas brasileiras, Maria Clara sentiu uma lesão e teve que dar WO, dando o bronze para Duda e Elize Maia.

Duda é a maior revelação do vôlei de praia nos últimos anos. Bicampeã mundial Sub19, ela leva a sua primeira medalha no circuito mundial ao 16 anos!

Mountain Bike

Na primeira etapa da Copa do Mundo de cross-country (já houve uma etapa de downhill), em Nove Mesto (CZE), a surpresa brasileira foi Isabella Lacerda. Campeã brasileira ano passado, ela obteve seu melhor resultado da carreira em uma etapa, com um bom 23º lugar com 1:41:54. Raiza Goulão terminou em 34º. A prova foi dominada pela suíça Jolanda Neff e pela norueguesa Gunn-Rita Fresjaa. Elas chegaram praticamente juntas, com ligeira vantagem de Neff, e com quase 2min de vantagem sobre a 3ª colocada.

Kulhavy a caminho da vitória. Foto: Michal Cerveny/UCI

 

No masculino, Henrique Avancini vem se recuperando de lesão e abandonou a prova na 4ª volta. O melhor brasileiro foi Ricardo Pscheidt, em 78º na prova vencida pelo campeão olímpico, o checo Jaroslav Kulhavy. No Sub23 masculino, Luiz Cocuzzi ficou em 27º a 5min42 do campeão. A equipe segue para a Alemanha, onde compete na 2ª etapa no próximo fim de semana.

Atletismo

Belíssimo tempo do Thiago André em meeting de Hengelo, na Holanda. 4º colocado nos 800m e nos 1.500m no Mundial Juvenil ano passado, Thiago venceu ambas as provas no último Troféu Brasil. Na Holanda, ele ficou em 5º nos 1.500m, mas obteve o índice olímpico e pro Mundial de Pequim com 3:35.90. No mesmo torneio, Fabiana Murer ficou com o bronze no salto com vara, com 4,55m.

Ainda em Ostrava, Mauro Vinicius no salto em distância com 7,78m, Eliane Martins na mesma prova com 6,19m e Izabela da Silva 57,47m no disco, todos em 7º lugar.

Em meeting em Dacar, no Senegal, Laila Domingos foi prata com 59,15m e Jucilene de Lima 4ª com 57,49m no dardo. Ronald Julião também disputou, com 61,19m e 5º lugar no disco e 16,88m e 8º no peso.

Outros Esportes

– A semana marcou a volta de Thomaz Bellucci aos títulos no circuito da ATP. Num torneio meio esvaziado às vésperas de Roland Garros, Bellucci aproveitou a boa fase, venceu 5 partidas e conquistou seu 4º título da carreira! Na final venceu o português João Sousa com 76(4) 64, para quebrar um jejum de quase 3 anos. O seu último título havia sido em julho de 2012 em Gstaad. Dos seus 4 títulos, 3 foram em terras suíças! Com o título, Bellucci subiu para o 40º lugar no ranking mundial.

– Os novos nomes da equipe brasileira de ginástica masculina conquistaram 2 medalhas na etapa portuguesa da Copa do Mundo por aparelhos, a Challenge Cup. Francisco Barreto Jr foi prata na barra fixa com 14,950 e Caio Souza ficou com o bronze no solo, com 14,750.

– No aberto da Croácia de tênis de mesa, nenhum brasileiro avançou além da 1º rodada. Cazuo Matsumoto perdeu na estreia 4-1 para francês, Thiago Monteiro foi derrotado por 4-2 para canadense e Gui Lin perdeu 4-0 para japonesa. Nas duplas, Cazuo e Thiago não repetiram a espetacular campanha do Mundial, caindo na estreia por 3-1 para checos.

Troféu Brasil de Atletismo – Dia 2

14 finais agitaram a sexta em São Bernardo com belos resultado, índices olímpicos e algumas boas surpresas.

Pista

Geisa Coutinho para vencer os 400m. Foto: Wagner Carmo/CBAt

Geisa Coutinho confirmou seu favoritismo e venceu os 400m com 51.43, melhorando a marca da quinta-feira, novamente abaixo do índice olímpico. Joelma Sousa com 52.60 e Jailma Lima com 52.61 completaram o pódio da boa equipe do 4x400m brasileira.

Na prova masculina, uma bela disputa entre Hugo de Sousa e Hederson Estefani. Hugo venceu com bons 45.44 apenas 0.02 mais rápido que o Hederson. Ambos abaixaram novamente o índice pro Mundial de Pequim, mas não fizeram índice olímpico, que é 45.40. Muito muito perto.

Depois da tempaço nos 800m na quinta, Flávia de Lima novamente correu bem na final dos 800m, mas piorou o tempo do dia anterior. Ela venceu com 2:02.03, pouco mais de 1s acima do índice olímpico e mundial, de 2:01. Tem tudo para conseguir a vaga. O tempo dela nas eliminatórias de 2:01.41 foi o melhor de uma brasileira desde 2007! Juliana dos Santos foi a segunda bem longe da Flávia, com 2:06.51.

Thiago André foi um dos destaque do Mundial Juvenil ano passado, quando ficou em 4º nos 800m e nos 1.500m. Com 19 anos, superou alguns veteranos para vencer os 1.500m com 3:42.07, a 6s do índice olímpico.

Adelly Santos venceu a prova dos 100m com barreiras com 13.06, um tempo legal e muito próximo do índice olímpico de 13.00. Boa evolução dela. Ano passado seu melhor tempo havia sido 13.52. Tatiane da Silva venceu os 3.000m com obstáculos feminino com 9:57.52. Tempo não muito bom, mas pelo menos abaixo dos 10min. O Pinheiros venceu o revezamento 4x100m feminino com 44.01 e o FCTE levou a prova masculina com 39.24, deixando em ambas as provas a BM&F em 2º.

Campo

Keila Costa no salto em distância. Foto: Carol Coelho/CBAt

Keila Costa levou o salto em distância com 6,70m e conseguiu índice para sua 3ª Olimpíada! Tania da Silva foi prata com 6,68m, a 2cm do índice!

Darlan Romani venceu o arremesso de peso com 20,10m, não repetindo o recorde brasileiro de um mês atrás de 20,90m e ainda não fazendo o índice olímpico. Legal ver mais um atleta colando nos 20m, com o Nelson Fernandes em 2º com 19,60m.

Campeão mundial juvenil, Thiago Braz venceu o salto com vara com bons 5.65m, a 5cm do índice pro Rio-2016. Augusto de Oliveira veio em 2º com 5,55m. Thiago pasosu os 5,70m e tentou os 5,75m, mas não conseguiu.

Belíssima marca da Andressa Morais no disco feminino! Ela venceu com ótimos 64,15m, a apenas 6cm do seu recorde sul-americano. Ela sobe agora para a 10ª posição no ranking mundial e confirmou o índice olímpico, que já tinha. Campeã mundial juvenil ano passado, Izabela da Silva foi 2ª com ótimos 58,81 e Fernanda Martins 3ª com 57,87. Acho que as 3 irão às Olimpíadas.

Jefferson Sabino venceu mais um título brasileiro no salto triplo, com 16,36m. A prova demorou para engrenar, mas 5 atletas passaram dos 16m. O índice é 16,90m.

Vanessa Spinola teve um ótimo segundo dia no heptatlo e ficou com o ouro com bons 5.915 pontos. Giovana Cavaleti chegou a liderar, mas o dardo a atrapalhou e terminou em 2ª com 5760. Medalhista mundial juvenil de 2012, Tamara de Sousa bronze com 5574.

Nove finais neste sábado, com destaque para as marchas de 20km e o decatlo.

Mundial Juvenil de Atletismo – Dia 6

Mais uma medalha brasileira e os Estados Unidos encerram o Mundial com chave de ouro.

Provas de Pista

Na final dos 800m masculino, Thiago André fez novamente uma boa prova, mas repetiu a 4ª colocação que obteve nos 1.500m. Com o tempo de 1:46.06, recorde pessoal, ele ficou atrás dos quenianos Alfred Kipketer com 1:43.95, melhor marca do ano, Joshua Masikonde com 1:45.14 e do sueco Andreas Almgren com 1:45.65, recorde juvenil nacional. Kipketer venceu ano passado os 800m no Mundial de Menores.

No único sprint do dia, os 100m com barreiras feminino, dobradinha americana com Kendell Williams com o ótimo tempo de 12.89, recorde da competição. Prata para Dior Hall com 12.92 e bronze para a holandesa Nadine Visser (que também foi bronze no heptatlo) com 12.99, recorde juvenil nacional.

Os 3.000m com obstáculos masculino tiveram uma dobradinha queniana, com o ouro para Barnabas Kipyego com 8:25.57 e a prata para Titus Kipruto Kibiego com 8:26.15. Com o bronze, o barenita Evans Rutto Chematot com 8:32.61. Bom mundial do Bahrain com 4 medalhas.

Os 1.500m feminino, viram a 4ª dobradinha na pista do dia! Dessa vez da Etiópia. Dawit Seyaum venceu com 4:09.86, seguida de Gudaf Tsegay com 4:10.83. A queniana Sheila Keter completou o pódio com 4:11.21.

Encerrando o Mundial, os revezamentos 4x400m, com dupla vitória americana. No feminino, elas venceram com 3:30.42, melhor marca do ano, seguidas da Grã-Bretanha com 3:32.00 e da Alemanha com 3:33.02. No masculino, os americanos fizeram 3:03.31, melhor tempo do ano, e foram seguido de perto pelos japoneses com 3:04.11. A Jamaica completou o pódio com 3:04.47.

Provas de Campo

O salto triplo masculino viu a 2ª medalha brasileira da competição. Mateus de Sá começou com o salto de 15,93m, para depois melhorar para 16,47m, novo recorde juvenil brasileiro. O cubano Lázaro Martinez confirmou o favoritismo com dois saltos excepcionais: 17,08m na 1º e 17,13m no 2º, novo recorde da competição. A prata ficou com o alemão Max Hess com 16,55m. Outro cubano, Andy Diaz, chegou perto do brasileiro e deu um susto no último salto, quando fez 16,43m.

No lançamento de dardo masculino, o letão Gatis Cakss confirmou a tradição do seu país na prova vencendo com 74,04m. Ele estava fora do pódio até o último lançamento (vinha de uma série muito constante com 70,65, 70,21, 70,06, 70,70 e 70,89, até surpreender e fazer o lançamento do ouro. O esloveno Matija Muhar liderava com 72,97m e perdeu o título no finalzinho. O bronze foi para Andrian Mardare, da Moldávia, com 72,81m, que obteve 74,46m nas eliminatórias.

Vitória histórica no salto em altura feminino, a última prova do Mundial. Campeã do heptatlo, a britânica Morgan Lake já havia feito um prova excepcional de salto em altura na prova combinada, com 1,94, melhor salto da história em um heptatlo juvenil. Na final, ela sobrou. Apenas quatro passaram em 1,88m, sendo que Lake e a checa Michaela Hruba passaram de primeira. Em 1,91m, Lake também passou de primeira e já botou a mão no ouro. Hruba teve dificuldade, mas passou na terceira. Em 1,93m, Lake passou na 2ª e garantiu o título depois que a checa errou as 3. A britânica ainda tentou 1,97m, mas não conseguiu. O bronze ficou para a russa Irina Ilieva com 1,88m. Lake se tornou a primeira mulher a vencer o heptatlo e o salto em altura em mundiais de qualquer categoria.

Resumo

Os Estados Unidos começaram mal, só conseguindo seu primeiro ouro no fim do segundo dia. Aí veio um show. Foram 11 ouros, 5 pratas e 5 bronzes. Detalhe que os 11 ouros foram em provas de pista, incluindo os quatro revezamentos. Quênia veio logo atrás com uma ótima performance de 4-5-7. Etiópia com 3-3-0 Grã-Bretanah com 3-2-1, Rússia com 3-1-2 e França com 3-0-0 foram os outros páises que levaram 3 ouros. No total, 21 países venceram um ouro e 40 ganharam pelo menos uma medalha, incluindo alguns com pouquíssima tradição no atletismo, como Peru, Índia, Nova Zelândia e Moldávia. Com 1 ouro e 1 bronze, o Brasil ficou e 13º no quadro.

Na classificação por pontos, os Estados Unidos com nada menos que 39 performances num top 8, somou 206 pontos, muito a frente do Quênia com 124, Alemanha com 87 e Japão com 83, a boa surpresa do torneio. O Brasil somou 25 pontos com 5 top 8 (o revezamento 4×100 feminino não entrou pois não terminou a prova). 64 países tiveram um Top 8.

O Japão receberá os Jogos em 2020 e já está se preparando muito melhor que o Brasil…

O próximo Mundial será 2016 na cidade russa de Kazan, que acaba de receber o Mundial de esgrima.

Mundial Juvenil de Atletismo – Dia 5

Mais show americano e belas performances mundiais.

Provas de pista

No primeiro dia sem provas pela manhã, 4 finais de pista, sendo 3 ouros americanos.

Começando com os 400m com barreiras feminino, Shamier Little sobrou e venceu com 55.66, seguida pela britânica Shona Richards com 56.16, recorde nacional, e por outra americana, Jade Miller com 56.22.

Nos 3.000m com obstáculos feminino, a única vitória não-americana. Ruth Jebet, de Bahrain, também dominou a prova e venceu com 9:36.74, bem a frente das quenianas. Rosefline Chepngetich foi prata com 9:40.28 e Daisy Jepkemei bronze com 9:47.65.

Já nos revezamentos 4x100m, domínio americano. No feminino, elas venceram com 43.46, melhor amrca juvenil no ano. A Jamaica ficou com a prata com 43.97 e a Alemanha com o bronze com 44.65. O Brasil, que vinha de medalha dois anos atrás, errou uma passagem do bastão (lembram de Moscou ano passado?) e não terminou a prova.

No masculino, eles venceram com 38.70, deixando para trás a ótima equipe do Japão, prata com 39.02, e sempre forte Jamaica com 39.12. Engraçado que tivemos na final países sem grande tradição como a China em 4º, Austrália em 7º e até a Tailândia (que não terminou).

Nas semifinais dos 800m, Thiago André ficou em 2º na sua bateria copm 1:48.16 e avançou a sua 2ª final do Mundial. O melhor tempo foi do americano Ter’tez Kinnaird com 1:48.04. Nas eliminatórias dos revezamentos 4x400m, os Estados Unidos fizeram o melhor tempo nas duas provas. No masculino, 3:32.73, melhor tempo do ano, mesma situação no feminino, com 3:03.97. Mais domínio americano, dessa vez na semi dos 100m com barreiras, com Kendell Williams com o melhor tempo, 12.98.

Provas de campo

No salto com vara masculino, o russo Daniil Kotov fazia uma prova perfeita, sem erros e liderava. Em 5,45m, ele e mais 3 passaram de primeira, enquanto o francês Axel Chapelle precisou de dois saltos. Em 5,50, foi a vez de Chapelle (assim como Kotov) passar de primeira, enquanto outros dois passaram na segunda chance. Kotov era o líder, mas viu Chapelle passar sozinho em 5,55m (e na primeira tentativa!). Com três falhas, o russo ficou com a medalha de prata, deixando o ouro para o francês, com a melhor marca juvenil do ano. Ele ainda tentou 5,64, mas não deu. O bronze foi para o alemão Oleg Zernikel com 5,50m. Aliás, a prova foi tão boa que os 8 primeiros fizeram melhores marcas pessoais!

E foi mais um ouro francês, dessa vez no salto triplo feminino. Rouguy Diallo assumiu a liderança desde o primeiro salto, com 14,24m. Ela ainda melhorou na 3ª tentativa com 14,44m, salto do ouro, e ainda teve um 14,20m na 4ª. Quem chegou mais perto foi a cubana Liadagmis Povea, com 14,07m e com mais três saltos acima de 14,00m. O bronze ficou com a chinesa Xiaohong Li com 14,03m. A brasileira Núbia Soares disputou a final, ficando em 8º lugar com 13,53m.

Por fim, no disco masculino, o croata Martin Markovic já era líder também na primeira tentativa, com 64,70. Na 3ª rodada, 66,94m e melhor marca do ano. Ele ainda queimou 4 vezes. O alemão Henning Prüfer com 64,18m ficou com a prata e o norueguês Sven Martin Skagestad com o bronze com 63,21m.