Campeonatos Europeus – Dia 9

Com o fim da natação, o atletismo dominou o europeu nesta sexta-feira.

E está difícil alguém tirar a Mariya Lasitskene do topo no salto em altura. A russa teve sua sequência de 45 vitórias quebrada no mês passado, na Diamond Legue de Rabat, mas já voltou ao topo. Ela empatou com a búlgara vice olímpica no Rio Mirela Demireva com 2,00m, mas a russa passou na 2ª tentativa e a búlgara apenas na 3ª. Só falta agora pra Lasitskene o título olímpico.

428c489e-46ce-42fe-8be6-4f7e2b4c40de

Chegada dos 110m com barreiras. Foto: Getty Images

A belga campeã olímpica Nafissatou Thiam e a britânica Katarina Johnson-Thompson disputaram prova a prova o heptatlo, até o dardo, a 6ª prova. A britânica tinha 113 pontos de vantagem, mas com um dardo horrível de 42,16m contra um 57,91m de Thiam, caiu para 192 de desvantagem! Thiam podia perder os 800m por até 13s que seria ouro. Na corrida final, Johnson-Thompson fez 2:09.84 e Thiam 2:19.35 para vencer com 6816 pontos, melhor marca do mundo no ano, contra 6759 da britânica. Em outro belo duelo do dia, o francês Pascal Martinot-Lagarde venceu os 110m com barreiras com o mesmo tempo do favorito russo Sergey Shubenkov, 13.17, mas levou na foto.

A grega Paraskevi Papahristou venceu o salto triplo com 14,60m, a alemã levou o dardo com 67,90m, recorde do campeonato, a suíça Lea Sprunger faturou os 400m com barreiras com 54.33, o britânico Matthew Hudson-Smith foi ouro nos 400m com 44.78, a ucraniana Nataliya Pryshchepa levou os 800m com 2:00.38 e o norueguês de 17 anos Jakob Ingebrigtsen venceu os 1.500m com 3:38.10.

Os russos Evegnii Kuznetsov e Ilia Zakharov venceram o trampolim sincronizado masculino com 431,16 contra 430,62 dos campeões olímpicos Jack Laugher e Christopher Mears, impedindo o 3º ouro do britânico Mears. No trampolim de 1m feminino, vitória da russa Mariia Poliakova com 285,55.

Triathlon - European Championships Glasgow 2018: Day Nine

Pierre le Corre (FRA). Foto: ITU

Sem as grandes estrelas do triatlo, o francês Pierre le Corre venceu a prova masculina com 1:47:17, 11s de vantagem sobre o espanhol Fernando Alarza e 23s sobre o belga Marten va Riel. O bicampeão olímpico Alistair Brownlee ficou em 4º, 55s atrás do campeão. Destaque pra baita corrida do Alarza. Na transição do ciclismo era 15º, 1min23s atrás do líder, que já era o el Corre, e foi pra apenas 11s.

Anúncios

Mundial de Atletismo – Dia 4

Dobradinha sul-americana no triplo, mais um domínio no martelo e uma final espetacular no meio-fundo.

Lançamento de martelo feminino

3004f890-ff6e-4879-a2c5-f6e06119314a

Anita Wlodarczyk (POL). Foto: IAAF/Getty Images

Bicampeã olímpica, bicampeã mundial, recordista mundial e dona das 7 melhores marcas do ano, a polonesa Anita Wlodarczyk era mais que favorita ao ouro. Mas ela começou bem mal, com 70,45m, x e 71,94m. Ao fim das 3 primeiras séries, ela estava apenas em 6º lugar e a liderança era da chinesa Zheng Wang com 75,00m. Mas na 4ª rodada, tudo voltou ao normal com a polonesa lançando para 77,39m e melhorando na 5ª para 77,90m. Wang melhorou com 75,98m na última tentativa e ficou com a prata. Malwina Kopron, melhor na quali, fez 74,76m e deu mais um bronze pra Polônia. 4ª com 74,53m, a chinesa Wenxiu Zhang se aposentou após a prova.

Salto triplo feminino

e062ccaa-3d64-4e56-be39-d1ff7c129b69

Yulimar Rojas (VEN). Foto: IAAF/Getty Images

Numa prova espetacular, o duelo sul-americano entre a venezuelana Yulimar Rojas e a colombiana Caterina Ibarguen foi disputado centímetro a centímetro. Ibarguen abriu com 14,67m contra 14,55m de Rojas. Na 2ª rodada, Rojas saltou 14,82m enquanto Ibarguen melhorou apenas 2cm para 14,69m. Na 3ª, foi a vez da colombiana assumir a liderança com 14,89m enquanto Rojas fazia 14,83m! Na 5ª tentativa, a venezuelana voou para 14,91m voltando ao topo. Na última rodada e no último salto da prova, Ibarguen fez 14,88m, melhorando, mas não o suficiente para ultrapassar a rival e amiga. Primeiro ouro da história para a Venezuela e primeira vitória de Rojas sobre Ibarguen. Coadjuvante na prova, a cazaque Olga Rypakova foi bronze com 14,77m.

110m com barreiras masculino

95e5a7b0-2360-4fd1-887a-54f5336775c5

Omar McLeod (JAM). Foto: IAAF/Getty Images

Ouro no Rio-2016, o jamaicano Omar McLeod venceu a prova com 13.04 graças a uma excelente saída deixando o campeão de 2015, o russo que compete com independente Sergey Shubenkov, em 2º com 13.14. Na disputa do bronze, o húngaro Balázs Baji passou 3 adversários na última barreira para levar a medalha com 13.28. Recordista mundial, o americano Aries Merritt ficou em 5º com 13.31.

1.500m feminino

7e9076f8-67db-45fa-940a-d6d49d7db0b4

Faith Kipyegon (KEN). Foto: IAAF/Getty Images

Numa prova espetacular, a queniana campeã olímpica Faith Kipyegon levou com 4:02.59. Na primeira metade, ela e a britânica Laura Muir foram pra frente do pelotão enquanto a holandesa Sifan Hassan e a recordista mundial Genzebe Dibaba ficavam no fundo. Faltando 600m, Hassan atacou e foi pra frente assim como a especialista nos 800m, a sul-africana Caster Semenya. Hassan e Muir iam na frente, mas na reta final começaram a perder ritmo. Kipyegon abriu e foi pro ouro. Semenya e a americana Jennifer Simpson, que vinha escondida e encaixotada, dispararam passando as líderes para completar o pódio. Simpson foi prata com 4:02.76 e Semenya bronze com 4:02.90. Muit foi 4ª, Hassan 5ª e Dibaba decepcionou demais fechando raia com 4:06.72.

Pista e Campo

Estranhos ver uma eliminatórias dos 200m sem Usain Bolt. O melhor tempo ficou com o trinitino Jereem Richards com 20,05, seguido do britânico Nethaneel Mitchell-Blake com 20.08. Favorito dos 400m, o sul-africano Wayde van Niekerk venceu sua bateria com 20.16. Aldemir da Silva Jr correu mal para 20.82 e ficou fora das semifinais. Um dos favoritos dono do melhor tempo do ano, Isaac Makwala de Botsuana não compareceu por conta de uma intoxicação alimentar.

A campeã olímpica Dalilah Muhammad fez o melhor tempo nas eliminatórias dos 400m com barreiras feminino. A americana marcou 54.59. Em 2º, a jamaicana Ristananna Tracey com 54.92. Na bateria 2, vitória da forte checa Zuzana Hejnova com 55.05 seguida da dinamarquesa vice olímpica Sara Petersen com 55.23.

Na mesma prova no masculino, mas pelas semifinais, o americano Kerron Clement fez o melhor tempo das 3 baterias com 48.35 com o norueguês Karsten Warholm logo atrás com 48.43. O brasileiro Márcio Teles tropeçou na 4ª barreira e levou um tombo feio, mas sem gravidade.

A barenita Salwa Eid Naser vai pra final dos 400m feminino com o melhor tempo, de 50.08, recorde nacional. Logo atrás ninguém menos que a americana Allyson Felix com 50.12 e a campeã olímpica de Bahamas Shaunae Miller-Uibo com 50.36.

Apenas 3 atletas superaram os 17,00m necessários para garantir vaga na final do salto triplo masculino: os americanos Chris Benard (17,20m) e o campeão olímpico e mundial Christian Taylor (17,15m) e o cubano Cristian Nápoles (17,06m). A final promete com 3 americanos e 3 cubanos.

Mundial de Atletismo – Dia 7

O único ouro chinês veio na sexta. E foi combinado.

Marcha 20km feminino

Embed from Getty Images

As chinesas Hong Liu e Xiuzhi Lu dominaram a prova. Já começaram a abrir na parcial de 5km e, com 10km de prova, já tinham quase 30s de vantagem. Na entrada do estádio olímpico, elas conversaram e esclareceram na coletiva de imprensa que combinaram que Hong Liu levaria o ouro. Ela medalhou nos 3 mundiais anteriores, mas nunca levou um ouro. Liu fechou com 1:27:45, mesmo tempo da sua compatriota. A ucraniana Lydumyla Olyanovska completou o pódio com 1:28:13. Ótima prova de Érica de Sena, que nunca saiu do top10 e fechou na 6ª posição com 1:30:06.

110m com barreiras masculino

Embed from Getty Images

O favorito era o atual campeão mundial e do Pan, o americano David Oliver, mas ele tropeçou na segunda barreira e ai já era. O russo Sergey Shubenkov, bronze em 2013, não tinha nada a ver com isso e levou o ouro com 12.98, recorde russo. O jamaicano Hansle Parchment foi prata com 13.03, a primeira medalha jamaicana na história da prova, e o americano campeão olímpico em Londres Aries Merritt foi bronze com 13.04, sua primeira medalha em Mundiais. Ele sai de Pequim direto para a mesa de cirurgia, pois precisa de um transplante de rim.

100m com barreiras feminino

Embed from Getty Images

Esperava-se um pódio americano completo. Mas nenhuma levou medalha. Os problemas começaram nas semifinais, com a campeã olímpica Dawn Harper caindo em um barreira e Kendra Harrison queimando a largada em outra semi. Longe dos seus melhores tempos, Brianna Rollins com 12.67 foi 4ª e Shericka Nelvis foi a 8ª com 13.06. A jamaicana Danielle Williams levou o ouro com 12.57, seguida da alemã Cindy Roelder com 12.59 e da bielorrussa Alina Talay com 12.66, recorde nacional.

200m feminino

Dafne Schippers. Foto: Reuters

Depois de surpreender nos 100m, a holandesa Dafne Schippers voou na final para levar o ouro com espetaculares 21.63, recorde do campeonato, recorde europeu e melhor marca do mundo em 2015! Tempaço dela! As jamaicanas Elaine Thompson com 21.66 e Veronica Campbell-Brown com 21.97 completaram o pódio. Muito raro 3 abaixo de 23s.

Salto em distância feminino

Embed from Getty Images

Depois de bater o recorde sérvio na qualificação, Ivana Spanovic abriu a prova com 7,01m, melhorando novamente seu recorde. Na 3ª rodada, a britânica Shara Proctor fez 7,07m para assumir a liderança. Spanovic fez boa prova com 6,98m e fechou com 7,01m novamente, mas não passou a britânica, que também bateu o recorde nacional. Mas, na última tentativa, apareceu na prova a americana Tianna Bartoletta, que era a favorita. Em seu último salto, Bartoletta fez 7,14m, melhor salto do ano! Aos 30 anos, ela leva seu 2º título mundial 10 anos após o 1º, em Helsinque-2005.