Jogos Pan-Americanos Lima-2019 – Dia 8

Foi um sábado atípico nos Jogos Pan-Americanos com poucas finais e pouquíssimas medalhas pro Brasil.

Ginástica Rítmica

Captura de Tela 2019-08-05 às 22.55.04

Natalia Gaudio. Foto: COB

No complemento do individual geral, Natália Gaudio fez 17,800 nas maças e 16,550 na fita para acabar com o bronze no individual geral com 67,150, mesma somatória de Bárbara Domingos, que tirou 16,450 nas maças e 17,300 na fita. Mas Gaudio teve uam somatória de execução melhor que a Bárbara e por isso foi bronze. Dobradinha americana com Evita Griskenas 75,825 e Camilla Feeley 70,725. Foi apenas a 2ª medalha de uma brasileira no individual geral em Pans.

Já na prova de grupos, o Brasil errou feio na prova de 3 arcos e 4 maças, perdendo o aparelho e tomando 1,100 de penalidade, acabando em 6º no aparelho com apenas 19,700 e 43,350 no geral, ficando com o bronze atrás de México com 48.375 e Estados Unidos com 45,975. E assim o Brasil quebra uma sequência de 5 ouros seguidos em Pans no grupo geral.

Tênis

Captura de Tela 2019-08-05 às 22.54.46

Luisa Stefani e Carol Alves. Foto: COB

O dia começou com Carolina Alves perdendo na semifinal para a americana Caroline Dolehide por 76(5) 62, mas mais tarde ela voltou à quadra ao lado de Luisa Stefani para vencer as chilenas Alexa Guarachi e Daniela Seguel por 26 75 [11-9] e conquistarem o bronze nas duplas femininas.

João Menezes seguiu sua brilhante campanha ao vencer o argentino Facundo Bagnis, que defendia o ouro,  por 46 62 64 e chegar à decisão de simples, garantindo vaga olímpica!

Tiro

E no último dia do Tiro, seguiu o desastre brasileiro. Ana Luiza Ferrão teve um ótimo segundo dia na quali da pistola de 25m e se classificou pra final. Ela vinha muito bem pra pegar medalha e a vaga olímpica. Precisando de 2 pontos pro bronze, ela errou os 5 tiros e foi eliminada, terminando em 4º.

Brasil termina o tiro com apenas 2 bronzes e nenhuma vaga olímpica, muito inferior aos 3 ouros e 1 prata de Toronto-2015.

Outros Esportes

Com um jogo pífio, o Brasil foi totalmente dominado por Cuba na semifinal do vôlei masculino e perdeu de 3-0, parciais de 25-16, 25-22, 25-21 e foi pra disputa de bronze. Cuba se garantiu na final para enfrentar a Argentina, que venceu o Chile por 3-1 (25-21, 23-25, 28-26, 25-17).

Apesar da eliminação de Ruy Fonseca no cross-country do CCE, os outros 3 conjuntos brasileiros foram bem e contaram com uma péssima participação do Canadá para assumir o 2º lugar da disputa por equipes.

Os Estados Unidos venceram a perseguição por equipes masculina no ciclismo de pista com 4:00.772 contra 4:05.098 da Colômbia. No sprint individual masculino, disputa entre trinitinos na decisão, com vitória de Nicholas Paul por 2-0 sobre Njisane Phillip. Na Omnium feminina, a americana Jennifer Valente sobrou pra levar o ouro com 198 pontos contra 162 da mexicana Lizbeth Salazar. Valente venceu a corrida tempo, a corrida de eliminação e sobrou na corrida por pontos, dando 2 voltas no pelotão. Wellyda dos Santos terminou em 10º com 74 pontos.

A canadense Meaghan Benfeito confirmou o favoritismo para vencer a final da plataforma nos saltos ornamentais com 375,05 pontos, seguida da sua compatriota Caeli McKay com 365,70. Ingrid de Oliveira foi 8ª com 257,90 e Andressa de Lima foi 9ª com 233,20. No trampolim sincronizado masculino, vitória mexicana com 429,81 pontos. A dupla brasileira de Luis Bonfim e Kawan Pereira acabou em 8º com 335,49.

Medalhas do Brasil:

Dia Ouro Prata Bronze Total
Dia 1 2 3 3 8
Dia 2 2 1 2 5
Dia 3 4 2 8 14
Dia 4 3 2 4 9
Dia 5 1 2 1 4
Dia 6 0 2 5 7
Dia 7 3 2 1 6
Dia 8 0 0 3 3
TOTAL 15 14 27 56

Por esporte:

Esporte Ouro Prata Bronze Total
Ginástica Artística 4 4 3 11
Taekwondo 2 2 3 7
Triatlo 2 2 0 4
Boxe 1 3 2 5
Surfe 1 1 0 2
Badminton 1 0 4 4
Canoagem Velocidade 1 0 2 3
Patinação Artística 1 0 1 2
Handebol 1 0 0 1
Levantamento de Peso 1 0 0 1
Ciclismo 0 1 2 3
Boliche 0 1 0 1
Ginástica Rítmica 0 0 2 2
Tiro 0 0 2 2
Esqui Aquático 0 0 1 1
Hipismo 0 0 1 1
Pentatlo Moderno 0 0 1 1
Tênis 0 0 1 1
Vôlei de Praia 0 0 2 2
Saltos Ornamentais 0 0 1 1
TOTAL 15 14 27 56

Jogos Pan-Americanos Lima-2019 – Dia 7

Um dia histórico no surfe, badminton e no boxe! E mais algumas medalhas inéditas numa ótima sexta-feira em Lima.

Surfe

Captura de Tela 2019-08-03 às 01.00.42

Lena Guimarães. Foto: COB

O 1º ouro brasileiro do dia veio na 1ª final do dia em Lima, na nova prova da corrida de Stand Up Paddle. Ygor sobrou na prova feminina e levou o ouro com 33:25.7, colocando quase 40s sobre a americana Candice Appleby, medalha de prata, no 1º ouro da história do surfe em Pans. Na prova masculina, medalha de prata para Vinnicius Martins, que cruzou a linha de chegada 1min33s atrás do campeão, o americano Connor Baxter.

Nicola Pacelli venceu por 13,90 a 10,90 colombiana, avançando para a 4ª rodada do stand up paddle surfing e já garantindo uma medalha.

Badminton

Captura de Tela 2019-08-03 às 01.00.17

Ygor Coelho. Foto: COB

Ygor Coelho já era bicampeão do campeonato pan-americano, mas nesta sexta entrou pra história ao derrotar na final do individual masculino o canadense Brian Yang por 21-19, 21-10! Após um 1º set disputado, Ygor deslanchou no 2º para faturar a medalha de ouro!

O Canadá levou os 4 ouros restantes do badminton, com Michelle Li no feminino se sagrando tricampeã pan-americana, Jason Ho-Shue e Nyl Yakura nas duplas masculinas, Rachel Honderich e Kristen Tsai nas femininas e Joshua Hurlburt-Yu e Josephine Wu nas mistas. O Brasil encerra sua melhor campanha da história com 1 ouro e 4 bronzes.

Boxe

Hebert Conceição lutou na decisão dos 75kg contra o cubano Arlen López, campeã olímpico no Rio e que defendia o ouro no Pan. O brasileiro fez uma boa luta contra o cubano, e chegou até a equilibrar em alguns momentos, mas López foi melhor e Cuba fechou o boxe com 8 ouros em 10 categorias masculinas!

Captura de Tela 2019-08-03 às 00.58.06

Beatriz Ferreira. Foto: COB

Mas o brilho veio na final dos 60kg feminino! Beatriz Ferreira tem sido o grande destaque do boxe brasileiro neste ciclo olímpico e nesta sexta confirmou que é o principal nome do país para os Jogos de Tóquio! Ela dominou completamente a argentina Dayana Sanchez na decisão para faturar o 1º ouro da história do boxe feminino braisileiro em Pans! Até então só tínhamos vencido um bronze no feminino, em 2011. Agora foi uma medalha de cada cor em 5 categorias.

Tênis

Vitória espetacular de Carol Meligeni no torneio feminino, arrasando a mexicana Renata Zarazua por 62 60 em apenas 50min de jogo e se classificando para a semifinal! Na chave masculina, mais uma excelente vitória brasileira, com CCE derrotando o cabeça de chave 1 e 55º do ranking mundial, o chileno Nicolas Jarry, por 75 64 e também está na semifinal!

Já nas duplas femininas, Carol e Luisa Stefani perderam na semifinal 75 67(10) [10-4] para as paraguaias Veronica Cepede Royg e Montserrat Gonzalez e irão disputar o bronze. Foi a 1ª medalha em Lima do Paraguai, que nunca levou um ouro. A Bolívia também garantiu sua 1ª medalha neste Pan ao vencer na semifinal das mistas, com Noelia Federico Zeballos.

Outros Esportes

Belíssima participação de Isaac Souza e Kawan Pereira na prova da plataforma sincronizada masculina! Numa prova bem consistente, a dupla brasileira somou 375,81 pontos para levar uma inédita medalha de bronze! Foi a 1ª medalha da história dos saltos ornamentais masculino em uma prova sincronizada. A dupla chegou a ficar na frente do Canadá após o 4º salto. O ouro foi pra dupla mexicana com 431,10 e a prata pro Canadá com 396,12. No trampolim 1m feminino, Luana Lira ficou em 7º e Juliana Veloso em 9º em prova com dobradinha americana, vencida por Sarah Bacon, prata nesta prova no Mundial de Gwangju há duas semanas.

Bom início da equipe de CCE no hipismo com a prova do adestramento. Marcelo Tosi foi o destaque, ficando em 3º no geral com 26,00 pontos perdidos, muito próximos dos americanos que lideram. Por equipes, o Brasil está em 3º atrás de EUA e Canadá. São apenas 2 vagas olímpicas em jogo e EUA ainda não tem vaga.

Também um ótimo início na ginástica rítmica! No individual geral, após apresentações no arco e na bola, Bárbara Domingo está em 4º lugar e Natália Gaudio em 5º. No arco, Natalia tirou a 2ª melhor nota e Bárbara a 3ª. Já na bola, as duas foram bem mal. Bárbara foi 7ª e a única a se classificar pra final do aparelho. Já Natália tirou a 11ª nota. Na 1ª apresentação de grupos, com 5 bolas, o Brasil, após pedir recurso, saiu com a melhor nota 23,650, pouco a frente do México, com 23.525.

Após um início complicado e com muitos erros, o Brasil deslanchou e derrotou Porto Rico no último jogo da 1ª fase por 35-26 e chegou a 3 vitórias. Agora, pega o Chile na semifinal no domingo enquanto o outro jogo terá Argentina e México.

No vôlei masculino, o Brasil também sofreu para vencer uma equipe universitária americana. Os Estados Unidos abriram 2-0 e, caso vencessem por 3-0, eliminariam o Brasil. Mas vencemos o 3º set e com isso estávamos nos classificando. Quando o Brasil empatou, a classificação estava dada, mas os americanos precisavam vencer. Mas aí começaram a entrar os pontos de Lucas Lóh e Abouba, 19 e 18 pontos na partida respectivamente, e o Brasil fechou por 3-2 (23-25, 21-25, 25-17, 25-19, 15-9), fechando a 1ª fase com 3 vitórias. Na semifinal, Brasil pega Cuba e a Argentina enfrenta o Chile.

Nas primeiras baterias do K1 Extreme da canoagem slalom, Pedro Gonçalves e Ana Sátila venceram as suas baterias e estão na semifinal do domingo.

Kácio Fonseca teve uma boa participação na prova de sprint individual no ciclismo de pista. Ele foi 7º na qualificação com 10.226, acabou perdendo na 1ª rodada para venezuelano, mas venceu sua repescagem. Nas 4as, foi derrotado pelo trinitino Nicholas Paul (melhor na quali e único a baixar dos 10s) e venceu a disputa do 5º ao 8º. A equipe americana sobrou para levar o ouro na perseguição por equipes feminina e a colombiana Martha Bayona venceu o ouro na prova de Keirin.

Kim Rhode deu mais um show no tiro ao prato e foi ouro na prova de skeet vencendo com 55 pratos na decisão. Rhode levou seu 5º ouro em seu 6º Pan disputado, 1 medalha por edição. A americana já medalhou em 6 Olimpíadas seguidas e deve chegar em Tóquio como favorita no skeet.

A Argentina destruiu Cuba no hóquei na grama feminino por 13-1 pelo Grupo A, que teve também Canadá 5-0 Uruguai. No Grupo B, EUA fez 8-0 nas peruanas e Chile 2-0 no México.

Captura de Tela 2019-08-03 às 01.06.08

Medalhas do Brasil:

Dia Ouro Prata Bronze Total
Dia 1 2 3 3 8
Dia 2 2 1 2 5
Dia 3 4 2 8 14
Dia 4 3 2 4 9
Dia 5 1 2 1 4
Dia 6 0 2 5 7
Dia 7 3 2 1 6
TOTAL 15 14 24 53

Por esporte:

Esporte Ouro Prata Bronze Total
Ginástica Artística 4 4 3 11
Taekwondo 2 2 3 7
Triatlo 2 2 0 4
Boxe 1 3 2 5
Surfe 1 1 0 2
Badminton 1 0 4 4
Canoagem Velocidade 1 0 2 3
Patinação Artística 1 0 1 2
Handebol 1 0 0 1
Levantamento de Peso 1 0 0 1
Ciclismo 0 1 2 3
Boliche 0 1 0 1
Tiro 0 0 2 2
Esqui Aquático 0 0 1 1
Hipismo 0 0 1 1
Pentatlo Moderno 0 0 1 1
Vôlei de Praia 0 0 2 2
Saltos Ornamentais 0 0 1 1
TOTAL 15 14 24 53

Medalhas no Pan de Rítmica e vagas para Lima-2019

As competições de ginástica rítmica encerraram o Pan de Ginástica, em Lima. O evento começou no início de setembro com a ginástica de trampolim, depois teve a artística na semana seguinte e agora encerrou com a rítmica. O torneio valeu como evento-teste e como único classificatório para os Jogos Pan-Americanos de Lima-2019.

ori_1182_30c7cdeb9e2691a866616a8bdae443f7_5bb0296816cc7

Natalia Gaudio. Foto: CBG

Natália Gaudio ficou com o bronze no individual geral, somando 65,150 e ficando atrás da favoritíssima americana Laura Zeng, com 71,800 e da mexicana Marica Malpica, com 66,100. Na prova de equipe, que soma os resultados do individual geral, o Brasil foi bronze, atrás de EUA e México. Com isso, o Brasil classificou duas ginastas para Lima-2019. Nas finais por aparelho, a única medalha veio com Bárbara Domingos, bronze na fita. Laura Zeng levou os 4 ouros.

Na prova de grupos, o Brasil ficou com o bronze no geral com 36,300, atrás do México (38,200) e EUA (37,400). Nos 5 arcos, o Brasil obteve a mesma nota do México, 19,800. Na final por aparelhos, o Brasil brilhou nos 5 arcos e levou o ouro com espetaculares 20,950! Essa é a melhor nota da história recebida por uma equipe das Américas! Com essa nota, o Brasil seria 4º no aparelho no Mundial. Na final das 3 bolas+2 arcos, o Brasil ficou com o bronze.

Assim, o Brasil classificou 20 atletas para a ginástica nos Jogos Pan-Americanos, 1 a menos que o máximo. Levaremos equipes masculina e feminina na artística, 2 no individual e o grupo na rítmica, 1 homem e 2 mulheres no trampolim.

Mundial de Ginástica Rítmica – Parte I

Os 2 primeiros dias do Mundial, na capital búlgara Sófia, foram das provas do arco e da bola. E domínio da Rússia, claro.

rg_wch_2018_hoop

Pódio do arco. Foto: FIG

No arco, as irmãs gêmeas Arina e Dina Averina foram as melhores na qualificação, com 20,200 e 20,150 respectivamente. A 3ª russa, Aleksandra Soldatova, ficou em 3º no geral com 20,125, mas não pôde avançar para a final. Em seguida veio a israelense Linoy Ashram com 19,950. Na decisão, Dina brilhou com 20,850 para ficar com o ouro, mas Arina piorou sua nota da quali com 19,700 e viu Ashram ficar com a prata com 20,000. Em 4º veio a búlgara Boryana Kaleyn com 19,550. Bárbara Domingos foi a melhor brasileira com 15,250 em 56º lugar. A atleta olímpica Natália Gaudio foi 73ª com 14,550 e Heloísa Bornal 75ª com 14,450.

Na bola, novamente as 3 russas na frente, mas foi Soldatova que levou a melhor na quali, com 20,250, seguida de Dina com 20,150 e foi a vez de Arina ficar de fora da final com 20,050. Novamente, apenas as 3 tiraram notas superiores a 20. A búlgara Katrin Taseva foi a 4ª com 19,400, enquanto Ashram ficou em 24º, bem longe da final. Na decisão, Dina novamente brilhou com 20,300 deixando Soldatova com a prata com 20,200 e o bronze para a italiana Alexandra Agiurgiuculese com 19,900. Decepção da búlgara Taseva, que errou e terminou em 8º com apenas 17,600. Natália Gaudio foi a melhor brasileira em 57º com 15,400, seguida de Bárbara Domingos, 82ª com 14,200, e Heloísa Bornal, 85ª com 13,950.

O Mundial segue nesta quarta e quinta com as provas de maças e fita.

Resumo olímpico da semana

Tênis

gettyimages-852814420

Bia Haddad Maia segue em seu melhor ano da carreira com uma excelente campanha no WTA de Seul. A paulista chegou a sua 1ª final de um torneio WTA, perdendo para a campeã de Roland Garros e 10ª do mundo, a letã Jelena Ostapenko.

Bia passou pela ucraniana Katarina Zavatska por 46 63 61, depois venceu a romena Irina-Camelia Begu por 63 46 62, a espanhola Sara Sorribes Tormo por 64 64 e na semifinal eliminou a holandesa Richel Hogenkamp por 61 76(7). Na decisão, perdeu por 67(5) 61 64 para Ostapenko para ficar com o vice. Com a excelente campanha, Bia chegou ao 58º lugar do ranking mundial!

Tênis de Mesa

hugo_calderano_aberto_da_c3a1ustria_09_2017

Hugo Calderano. Foto: CBTM

Em mais uma ótima campanha, Hugo Calderano chegou nas 4as de final do Aberto da Áustria de tênis de mesa, em Linz. 26º do mundo, Calderano entrou direto na forte chave principal.

Ele venceu na estreia por 4-2 o japonês Masataka Morizono, venceu por 4-2 o forte alemãs Bastian Steger, dono de duas medalhas olímpicas por equipe, mas perdeu nas 4as para o francês Simon Gauzy por 4-0. Nas duplas, Calderano e Gustavo Tsuboi perderam na estreia por 3-0 para os chineses Fang Bo e Zhou Yu.

Outros Esportes

– Às vésperas dos Mundiais Juvenil e Adulto, Marcus Vinícius de Almeida bateu o recorde brasileiro no duplo 70m com 682 pontos em 720 possíveis em prova estadual em Maricá. Ele melhorou em 11 pontos a marca anterior dele mesmo.

Patrícia Freitas terminou o Mundial de RSX em 22º lugar na raia olímpica de Enoshima, onde serão disputados os Jogos de 2020. O domínio foi total chinês, com pódio completo no feminino e ouro e bronze no masculino.

Beatriz Ferreira foi o destaque do campeonato brasileiro de boxe feminino, ficando com o título dos 60kg e eleita a melhor atleta do torneio. Ela é o principal nome do boxe neste ciclo olímpico.

Ygor Coelho não conseguiu passar pelo quali do forte Aberto do Japão. Ele perdeu na 1ª rodada por 21-10 21-14 para o sul-coreano Lee Dong Keun.

Adilson da Silva terminou em 50º na Diamond Cup de golfe, válida pelo circuito asiático, com 287 tacadas, 15 acima do campeão.

Natália Gaudio venceu as provas de arco e maças no Brasileiro de ginástica rítmica, enquanto Bárbara Domingos levou as provas de bola e fita.

Mundial de Ginástica Rítmica – Dia 2

Assim como na quarta-feira, as irmãs gêmeas russas Arina e Dina Averina brilharam.

Nas maças, Dina venceu o ouro com 19,000 (com um espetacular 10,000 de dificuldade), mas abaixo dos 19,200 da qualificação (também 10,000 de dificuldade). Já Arina errou e ficou com 17,800 (muito abaixo dos 18,875 na quali) e viu a bielorrussa Katsiryna Halkina ficar com a prata com 18,050. Natália Gaudio fez uma ótima apresentação na qualificação, onde tirou 14,550 e terminou na ótima 28ª posição entre 90 ginastas. Karine Walter foi a 51ª com 13,250.

ori_937_928f49ad784be5088a5e8fb00ab684e2_59a87ba0359af

Natália Gaudio (BRA)

Na fita, foi a vez de Arina vencer com 18,300, melhorando bastante a nota da quali, quando tirou 17,750. Dina fez a dobradinha e levou a prata com 17,200 enquanto a israelense Linoy Ashram foi bronze com 16,650. Natália terminou em 37º com 13,250 e Karine em 57º com 11,725.

Na qualificação do individual geral, Dina largou na frente com 74,775 enquanto sua irmã ficou em 2º com 73,550, segudas de Ashram com 69,550. Natália terminou em 35º com 55,050 e Karine em 65º com 47,925.

Mundial de Ginástica Rítmica – Dia 1

Como esperado, o domínio foi russo desde o início e já temos duas dobradinhas de gêmeas na cidade de Pesaro, na Itália. No 1º dia dos aparelhos individuais, tivemos a disputa do arco e da bola.

hoop20podium1

Pódio do arco. Foto: FIG

E as irmãs gêmeas Dina e Arina Averina dominaram as apresentações. No arco, Dina ficou com o ouro com 19,100, melhorando os 18.950 da qualificação. A prata foi para Arina com 19,000 (18,350 na quali) e o bronze ficou com a japonesa Kaho Minagawa, bem longe com 17,700. Natália Gaudio, que disputou os Jogos do Rio, terminou em 41º na quali do arco com 13,550 e Karine Walter em sua estreia em Mundiais foi apenas a 78ª com a baixíssima nota de 10,100 entre 90 competidoras.

Já na bola, a dobradinha foi a mesma, mas na ordem inversa. Arina venceu com 18,950 e Dina foi prata com 18,700. Na qualificação, Dina ficou na frente com 18,850 contra 18,575 da irmã. Na quali, a nota de dificuldade da Dina foi 10,000. O bronze ficou com a bielorrussa Neviana Vladinova com 17,950. Natália Gaudio foi a 38ª com 13,700 e Karine Walter ficou em 55º lugar com 12,850. Vale ressaltar a grande evolução das americanas, que pegaram finais por aparelho. Laura Zeng foi 6ª na final da bola e Evita Griskenas 8ª na final do arco.