Judô segue vencendo

junior-european-judo-cup-coimbra-2017-03-18-231247_153837190317

Seleção Sub-28 em Coimbra (POR)

A seleção sub-21 de judô segue em seu brilhando tour europeu. Na 3ª competição, agora em Coimbra, Portugal, a equipe conquistou 19 medalhas com 31 atletas! Foram 10 ouros, 3 pratas e 6 bronze, sendo 3 finais entre brasileiros.

Nos 60kg, Kainan Pires derrotou Renan Torres, nos 73kg Jeferson Santos Jr venceu David Lima e nos 52kg feminino, Jessica Lima passou por Maria Taba. Os outros 7 ouros vieram com: Bruno Watanabe (55kg), Tiago Pinho (81g), Arthur Barbosa (+100kg), Laura Ferreira (44kg, 2º ouro dela na Europa), Larissa Pimenta (48kg), Yanka Pascoalino (63kg) e Ellen Furtado (+78kg). Desde 2006 que o Brasil não ia tão bem uma etapa do circuito de base. Na ocasião, num torneio sub-20 em Boras, na Suécia, a equipe contava com nomes como Sarah Menezes, Ketleyn Quadros, Mayra Aguiar e Rafael Silva e levou 12 ouros.

Que essa nova geração tem muito a oferecer pro país, tem. Dificilmente neste ciclo de Tóquio, pois a maioria teria 20-21 anos, mas para os Jogos de 2024 com certeza. A equipe segue em Portugal para treinamento de campo e embarca para a Alemanha, onde disputará Copas Europeias Sub-21. Até o momento, em 3 competições das categorias de base (sub21 e Sub18), foram conquistadas 42 medalhas (16O-8P-18B).

Onze brasileiros estavam em Santiago para o Aberto Pan-Americano do Chile. Numa competição muito esvaziada, mas muito esvaziada mesmo (apenas 2 atletas no +78kg feminino, por exemplo), todos conquistaram medalha. Nada mais que o esperado. Foram 8 ouros, 1 prata e 2 bronzes.

Os títulos ficaram com Phelipe Pelim (60kg), Marcelo Contini (73kg). Eduardo Bettoni (90kg), Luciano Correa (100kg), Ruan Isquierdo (+100kg), Gabriela Chibana (48kg), Eleudis Valentim (52kg) e Ketleyn Quadros (63kg). Charles Chibana (66kg) perdeu na decisão para canadense. Equipe segue agora para Lima onde se juntará a outros 13 judocas brasileiros.

Resumo do fim de semana

Vela

© Sailing Energy / World Sailing - Sailing World Cup Miami 2016

A equipe olímpica brasileira volta da Copa do Mundo de Miami com 3 medalhas, sendo dois ouros e um bronze. Robert Scheidt começou mal a competição com um 12º, um 14º e um 15º, mas foi se recuperando, apenas com top5 nas 8 regatas seguintes para ficar com o ouro com 53 pontos perdidos, contra 54 do francês Jean Baptiste Bernaz.

Quem voltou com tudo foi Jorge Zarif. Nada como ter o seu técnico espanhol Rafael Trujillo de volta. O ex-campeão mundial fez uma grande competição para vencer na Finn com 38 pontos contra 45 de dinamarquês. Vale ressaltar que os principais nomes da classe não estiveram em Miami. Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan lideraram a classe 470 por boa parte, com uma grande disputa contra a dupla austríaca, campeã mundial este ano. Mas o último lugar na regata da medalha deixaram a dupla brasileira com o bronze.

Patrícia Freitas frequentou o top3 por boa parte da competição, mas caiu nas últimas regatas e terminou a RSX em 4º lugar. O mesmo aconteceu com Martine Grael e Kahena Kunze, que ficara em 5º na 49erFX. Ricardo Santos foi bem irregular e ficou em 8º na RSX masculina. A próxima etapa será em Hyeres, em abril.

Outros Esportes

– Nas Copas do Mundo de sabre, Renzo Agresta em Pádova e Marta Centurion em Atenas ficaram na mesma 64ª posição. Eles passaram à chave principal, mas perderam na estreia. Ambos pegaram os cabeças de chave 1 na estreia. Marta perdeu 15-7 pra Olha Kharlan e Renzo por 15-8 pro sul-coreano Gu Bongil.

– 3 brasileiros fora à Sófia, Bulgária, disputar o Aberto Europeu de judô. David Moura venceu suas 4 lutas e terminou com o ouro na categoria acima de 100kg. Luciano Correa chegou à final dos 100kg, perdendo por waza-ari para egípcio e ficando com a prata

– Em provas em São Bernardo, Darlan Romani começou bem a temporada com 20,21m no arremesso de peso. No mesmo meeting, Geisa Arcanjo fez 17,36m. Em prova indoor em São Caetano, Fabiana Murer fez 4,50m antes de viajar à Suécia para um camping internacional.

Hugo Calderano foi o único brasileiro no forte aberto de Berlim de tênis de mesa. Na quali, ele venceu na estreia 4-3 atleta de Singapura para perder na 2ª para russo por 4-1.

Jogos Pan-Americanos Toronto-2015 – Dia 4

Num dia com 6 ouros e 17 medalhas, o melhor do Brasil até então,

Natação

No 1º dia, 5 medalhas em 6 provas e 3 recordes sul-americanos!

Apesar de levarem 2 bronzes contra 2 ouros e 1 bronze dos homens, as mulheres foram o destaque! Na final dos 100m livre, Larissa Oliveira ficou em 5º com 54.61, igualando o seu recorde sul-americano. Quem venceu foi a canadense Chantal van Landeghem com 53.83, recorde do Pan, superando a grande Natalie Coughlin com 54.06. Joanna Maranhão levou um bronze nos 200m borboleta com 2:09.38, baixando seu recorde sul-americano em 0.03, ficando atrás apenas da canadense Audrey Lacroix com 2:07.68 e muito perto da americana Katherine Mills com 2:09.31. Mas o destaque foi o revezamento! Numa prova muito muito parelha, o Brasil ficou com o bronze com 3:37.39, pulverizando o recorde anterior que era de 3:41.05! Larrisa abriu com 54.67, nadando muito novamente. Este tempo colocaraia o Brasil em 6º no último mundial! Tempaço!! O Canadá venceu com 3:36.80 seguido de EUA com 3:37.01.

Leonardo de Deus. Foto: Satiro Sodré

Os homens foram melhor, mas tudo dentro do esperado. Leonardo de Deus quase perdeu o ouro dos 200m borboleta na batida, mas venceu com 1:55.01 contra 1:55.15 do peruano Mauricio Fiol. No revezamento 4x100m livre, o Brasil venceu com 3:13.66, 0.66 mais rápido que os canadenses. Nos 100m livre, Marcelo Chierighini foi bronze com 48.80, em prova vencida pelo argentino Federico Grabich com fortíssimos 48.26. Matheus Santana, que não faz um bom ano, decepcionou e ficou em 7º.

Judô

No último dia do esporte, o Brasil foi muito bem, com 2 ouros em 3 finais.

Embed from Getty Images

David Moura foi o destaque no acima de 100kg. Ele chegou na final com dois ippons e vence o equatoriano Freddy Figueroa de maneira espetacular dando o ippon em apenas 13 segundos! Deve ser o ouro mais rápido da história. Luciano Correa conquistou o bicampeonato nos 100kg após derrotar na final canadense, punido com 4 shidos.

No feminino, Mayra Aguiar enfrentou na final sua maior rival, a americana Kayla Harrison. No duelo da campeã olímpica com a mundial, a americana se deu melhor. A luta ficou zerada até o último segundo, mas a brasileira tomou uma chave de braço e desistiu e acabou perdendo na final, ficando com a prata. Maria Suelen Althemann, voltando de lesão, conquistou o bronze no acima de 78kg feminino. Quem venceu foi a cubana campeã olímpica Idalys Ortiz.

O Brasil encerra o Pan com 13 medalhas para 14 judocas, sendo 5 ouros. Fomos até bem, ams os 6 bronzes foram acima do esperado. O judô sai do Pan bem, mas poderia estar melhor.

Canoagem

Isaquias com o oro do C1 200m. Foto: CBCa

Confirmando as expectativas, Isaquias Queiroz venceu seu 2º ouro no Pan, levando o C1 200m, prova que não é sua especialidade. Ele venceu com 39.991 contra 41.333 do canadense Jason McCoombs. No C1 200m feminino, Valdenice do Nascimento, bronze no último mundial, repetiu o bronze em Toronto. Vitória da canadense tetracampeã mundial Laurence Vincent-Lapointe.

Hans Mallmann e Édson Isaias. Foto: CBCa

O caiaque também levou duas medalhas. No K1 200m masculino, Édson Isaias da Silva foi prata a 0.506 do canadense Mark de Jonge, bronze em Londres nessa prova. No K2 200m masculino, Hans Mallmann e Édson novamente foram bronze empatados com dupla do Canadá. Ouro pra Argentina.

Brasil se firma como 3ª potência do continente no esporte e em viés de alta. Da canoa já se esperavam medalhas em todas as provas, mas o caiaque surpreendeu e só não medalhou em uma prova masculina e ainda levou uma inédita no feminino. Muito bom.

Badminton

É bom ver a evolução de um esporte. Em 2011, Daniel Paiola ficou com um bronze no individual, ganhando a primeira medalha da história do esporte. Em 2015, já garantiram 3 medalhas, mas nesta terça, foram os brasileiros alcançaram duas finais!

Luana e Lohaynny Vicente. Foto: Badmintonphoto

O dia começou com a derrota de Alex Tjong e Lohaynny Vicente para dupla canadense por 21-17 21-16 na semi e ficando com o bronze. Mas meia hora depois, Hugo Arthuso e Daniel Paiola venceram 21-13 23-21 dupla dominicana e estão na final de duplas masculinas, onde enfrentarão os americanos Phillip Chew/Sattawat Pongnairat, melhor dupla das Américas no ranking. Depois foi a vez da incrível vitória das irmãs Luana e Lohaynny Vicente sobre canadenses por 22-20 21-14. Na final, pegarão as americanas Eva Lee/Paula Lynn Obanana, 19ª do ranking mundial. Vitórias históricas pro Brasil num esporte que mostrou uma grande evolução.

Embed from Getty Images

Ginástica Artística – Arthur Zanetti confirmou seu favoritismo nas argolas e venceu com 15,725, abaixo dos 16 que tem conseguido na temporada. Era a única medalha que faltava pra ele em sua carreira. No solo masculino, surpresa cm a vitoria do guatemalteca Jorge Vega Lopez com 15,150. No cavalo com alças, empate no ouro para o colombiano Jossimar Moreno e para o americano Marvin Kimble, ambos com 15,025. A cubana Marcia Jimenez venceu o salto com 14,737 e nas barras assimétrica, vitória da americana Rachel Gowey com 14,725.

Levantamento de PesoJaqueline Ferreira garantiu o bronze na categoria 75kg ao levantar 230kg no total, apenas 1kg a menos que chilena. Vitória da colombiana Ubaldina Cuesta com 247kg. O oitavo ouro colombiano na modalidade veio de Leidy Arboleda nos 69kg, onde levantou 256kg no total, mais de 30kg a mais que a medalhista de prata. Nos 94kg masculino, ouro pro americano Kendrick Farris com 366kg. Marco Túlio Machado terminou em 6º com 347kg.

Hipismo Adestramento – O americano Steffen Peters venceu no individual com 80,075, seguido de Laura Graves com 79,825. O canadense Christopher con Martels foi bronze com 79,500. Ótimas notas dos brasileiros, que surpreenderam e subiram de nível. Leandro Aparecido da Silva foi 6º com 73,300, João Victor Oliva 7º com 73,275 e João Paulo dos Santos 9º com 72,950, superando as péssimas notas dos Jogos Equestres ano passado, quando o Brasil foi último por equipe.

Pólo Aquático – O Brasil fez a lição de casa e ficou com o bronze, vencendo Cuba por 9-6, levando pela 4ª vez o bronze no Pan. Na final, EUA dominou o Canadá com 13-4 e levou o ouro pela 4ª vez seguida.

Hóquei na Grama – Na abertura da rodada masculina, o Brasil estreou com os donos da casa. Encerrou o 1º quarto empatados em 1-1 e foi pro intervalo perdendo de 3-1, segurando bem. Mas na 2ª metade, não conseguiu e acabou perdendo de 9-1. Derrota previsível. Pelo mesmo grupo, Chile 3-2 México. O Brasil luta pelo 6º lugar e a inédita vaga olímpica.

Embed from Getty Images

Tiro com Arco – Na rodada de ranqueamento, Marcus Vinicius D’Almeida ficou em 4º com 664, atrás dos 3 americanos. Daniel Xavier foi 20º com 633 e Bernardo Oliveira 22º com 631. Por equipe, o Brasil ficou apenas em 5º com 1.928. No feminino, Ane Marcelle dos Santos foi 8ª com 630, Larissa Feitosa 12ª com 619 e Sarah Nikitin 13ª com 618. Por equipe, as meninas ficaram em 4º.

Remo – No Dois Sem masculino, um raro empate pelo ouro entre as guarnições de Argentina e Chile. o Brasil ficou num bom 4º lugar a 6s do bronze, o melhor resultado no remo até agora. O Canadá levou 3 ouros, no single skiff feminino com Carling Zeeman, no double skiff leve masculino e no skiff quádruplo masculino. O México faturou o double skiff leve masculino.

Tiro – Finalista no último mundial, Rodrigo Bastos decepcionou na quali da fossa e terminou em 13º com apenas 105 pratos, mesma pontuação de Eduardo Correa em 14º. O ouro foi pro peruano Francisco Dibos com 11-10 na final sobre o argentino Fernando Borello, que levaram as vagas olímpicas. Emerson Duarte em 3º no 1º dia da quali da pistola de fogo rápido 25m.

Vela – Robert Scheidt segue sem embalar e está em 7º após 4 regatas na Laser. Bimba e Patrícia Freitas seguem líderes na RSX. Kahena e MArtine subiram para 3º na 49erFX após 6 regatas. Tem amis 10 para se recuperar. Na Hobie 16 o Brasil também lidera.

Vôlei de Praia – Carol/Lili venceram a segunda partida com 21-16 21-7 em dupla do Chile. No masculino, Vítor/Álvaro Filho venceram 21-15 18-21 15-10 dupla da Venezuela.

Tênis – A final individual masculina será entre Nicolas Barrientos (COL) e Facundo Bagnis (ARG). Nas duplas masculinas, Bagnis e Guido Andreozzi sofreram para vencer dupla de Barbados, e pegarão na final os chilenos Nicolas Jarry/Hans Podlipnik Castillo.

Baseball e Softball – No baseball masculino, Nicarágua 7-4 Colômbia, Porto Rico 12-6 República Dominicana e Canadá 3-1 Cuba. Canadá invicto com 4 vitórias. No softball masculino, Venezuela 3-1 EUA, México 4-2 República Dominicana e Canadá 9-3 Argentina. Canadá também invicto com 3 jogos.

Squash – EUA ouro nas duplas femininas com 2-1 sobre Canadá na final. 2º ouro da Amanda Sobhy. Nas duplas masculinas, vitória da dupla da Colômbia, com 2-0 sobre Canadá.

Quadro de Medalhas após 4 dias:

Captura de Tela 2015-07-15 às 00.49.05

Jogos Pan-Americanos Toronto-2015 – Prévia II

Seguindo com as previsões por esporte:

Ginástica Artística (14 provas em disputa)

Arthur Zanetti

O principal nome no masculino é o campeão olímpico e bi mundial Arthur Zanetti. Deve levar as argolas sem problemas, prova que ficou com a prata em 2011. Por equipe, o Brasil quer o bi no masculino, e conta com o regular Arthur Nory e com uma boa equipe com Francisco Barretto, Caio Souza e Lucas Bitencourt. Nory tem boas chances no individual geral. A equipe americana vem como favorita com tem ótimos nomes como Steven Legendre (bronze no salto no Mundial de 2013), Sam Mikulak, Paul Ruggeri e Donnell Whittenburg. Esses 3 últimos estiveram na equipe american bronz eno Mundial ano passado. Porto Rico sempre surpreende em Pans e conta com Luis Rivera. Finalista olímpico, o argentino Federico Molinari é outro onme forte nas argolas.

No feminino, o Brasil quer esquecer o vexame de 2011, com o fraco 5º lugar por equipes. Daniele Hypolito lidera a equipe com nomes fortes da nova geração Lorrane Oliveira, Leticia Costa, Julie Kim Sinmon e a baixinha Flávia Saraiva. A ausência de Rebeca Andrade, contundida, vai atrapalhar, mas elas tem uma boa equipe para voltar ao pódio. As americanas vem sempre forte, com apenas um nome ouro no mundial de 2014, Madison Desch. Todas tem 16 ou 17 anos. Surpresa em 2011, a guatemalteca Ana Gomez Porras vem em boa fase, assim como a mexicana Elsa Garcia.

Minha previsão: 10 medalhas (2O-3P-5B)

Judô (14)

Mayra Aguiar

Carro chefe do Brasil, que conta com sua equipe principal, cheia de medalhistas olímpicos e mundiais. Felipe Kitadai, Charles Chibana, Tiago Camilo, Alex Pombo, Luciano Correa, David Moura e Victor Penalber formam a forte equipe masculina. No feminino, a maior ausência é a Sarah Menezes, em má fase. Mas com Mayra Aguiar, Maria Suelen Altheman, Nathalia Brígida, Erika Miranda, Mariana Silva, Rafaela Silva e Maria Portela, o Brasil tem tudo para levar 13-14 medalhas em 14 categorias. 12 já seria uma decepção.

Outros grandes nomes estão em Toronto, como a argentina medalhista olímpica e mundial Paula Pareto, a colombiana tricampeã mundial Yuri Alvear, a americana campeã olímpica Kayla Harrison além da fortíssima equipe cubana, com Idalys Ortiz liderando no feminino.

Pra quem não lembra, o Brasil levou 6 dos 7 ouros masculinos no último Pan, mas não venceu nenhuma no feminino. Pelo retrospecto recente, tá mais com cara que isso vai inverter.

Minha previsão: 13 medalhas (5O-4P-4B)

Hóquei na Grama (2)

Esse será o torneio histórico pro Brasil. Para garantir a inédita vaga olímpica num esporte que mal temos praticantes, precisamos chegar no mínimo em 6º no masculino. Para isso, os homens tem como jogo mais importante a disputa do 5º ao 8º no dia 23, já que passar para a semifinal é algo quase impossível. No Grupo B com Canadá, Chile e México, seria muito bom pelo menos uma vitória, o que poderia ajudar lá na frente. Além da vida ou morte pra equipé brasileira, o torneio dará uma vaga olímpica para os campeões. A Argentina entra relaxada, pois já se garantiu no Rio-2016 tanto no masculino como no feminino. Canadá no masculino e EUA no feminino devem fazer a final contra a Argentina.

Minha previsão: 0

Remo (14)

Fabiana Beltrame

Já há algum tempo que falo que o remo é o esporte que menos evoluiu no Brasil desde que o Rio foi escolhido sede dos Jogos. Continua praticamente no mesmo nível e por isso, não deve muidar muito dos últimos Pans. Fabiana Beltrame é a favorita no single skiff peso leve e deve levar o ouro, o que não ocorreu em 2011 quando era campeã mundial. EUA não veio com sua equipe top, mas é sempre uma força na modalidade. A Argentina, que dominou com 5 ouros em 2011, vem com boa parte desse time e junto com Cuba deve dominar o quadro.

Minha previsão: 2 medalhas (1O-1B)

Rugby Sevens (2)

O feminino estreia em Toronto com apenas 6 equipes e o Brasil vai brigar com o Canadá pela vaga na final. São todos contra todos e as duas melhores equipes fazem a final. No masculino, Brasil está bem atrás de EUA, Argentina, Uruguai e tambem vai brigar com o Canadá, mas por uma vaga na disputa de bronze.

Minha previsão: 1 medalha (1B)

Vela (10)

Robert Scheidt

A cada edição o programa muda, mas dessa vez teremos 5 classes olímpicas e 5 não e o Brasil está em todas. Robert Scheidt disputa a Classe Laser e chega como favorito, junto ao americano Charlie Buckingham. Todos estão no Mundial, que está sendo disputado também no Canadá e vão direto pra Toronto. Martine Grael e Kahena Kunze são as favoritas absolutas pra 49erFX. Campeãs mundiais, terão apenas outros 5 barcos como adversários. Patrícia Freitas e Ricardo “Bimba” Santos disputam na RSX, buscam o bicampeonato e vem em boa fase.

Minha previsão: 9 medalhas (5O-3P-1B)

Maratona Aquática (2)

Richard Weinberger

Devido à proximidade com o Mundial, Ana Marcela e Poliana não estarão na disputa. No feminino, Carolina Bilich (que também nadará nas piscinas) é a única representante, mas terá grandes adversárias, como a argentina Cecilia Biagioli, a chilena Kristel Kobrich, a equatoriana Samantha Arevalo e as americanas Emily Brunemann e Eva Fabian. Medalha é difícil. No masculino, Samuel de Bona e Luiz Rogério Arapiraca já vem com mais chance e mais gabarito, mas terão pela frente o canadense bronze em Londres Richard Weinberger e o americano Chip Peterson, campeão mundial em 2005.

Minha previsão: 1 medalha (1P)

Ciclismo Mountain Bike (2)

No masculino, dois bons nomes do Brasil, o veterano prata no Rio-2007 e presente em duas Olimpíadas Rubens Valeriano e o ainda Sub-23 e maior nome da nova geração Luiz Cocuzzi. No feminino, Raiza Goulão e Isabella Lacerda tem poucas chances de medalha. Medalhas devem ficar com Colômbia, EUA e Canadá.

Minha previsão: 0

Triatlo (2)

Barbara Riveros

Brasil com o que tem de melhor no triatlo, com destaque para Pamella Oliveira, uma das princiapis atletas do mundo na atualidade e com boas chances de pegar pódio, melhorando o seu bronze de 2011. No masculino, Reinaldo Colucci busca o bi, mas com poucas chances. Diogo Sclebin está num melhor moemnto e pode surpreender. EUA sempre com uma equipe forte, mas sem seus principais nomes. A americana Sarah Haskins busca o bi e vem de vários títulos em provas continentais em 2014, assim como o veterano Hunter Kemper, ouro em San Domingo-2003 e com bons resultados já esse ano. 10º do ranking mundial, o mexicano Crisanto Grajales e seu compatriota Irving Perez também vem bem no masculino. No feminino, de olho na chilena Barbara Riveros, prata em 2011 e 9ª do ranking mundial e 5ª na Série Mundial de Triatlo este ano!

Minha previsão: 1 medalhas (1B)

Tênis de Mesa (4)

O Brasil chega como favorito nas 4 provas e tenta quebrar o jejum no feminino, que nunca chegou a uma final em Pan. Gustavo Tsuboi, Thiago Monteiro e Hugo Calderano formam a fortíssima equipe masculina, favorita para levar o tricampeonato seguido e 7º ouro em 9 edições. No feminino, Lin Gui, Caroline Kumahara e Lígia Silva terão um trabalho um pouco maior, contra as fortes equipes do Chile, Porto Rico e Estados Unidos. No individual, de olho no paraguaio Marcelo Aguirre, no argentino Gaston Alto e no mexicano Marcos Madrid.

Minha previsão: 5 medalhas (2O-2P-1B)

Resumo do fim de semana

Os Jogos de Inverno acabaram, mas os esportes de verão continuam com tudo. E finalmente volto a falar deles após um longo e tenebroso inverno.

Rugby

Barueri recebeu a terceira etapa do World Series feminino de Rugby 7s, com a presença das grandes equipes do mundo. O Brasil esteve no Grupo C, mas não conquistou nenhuma vitória. Começou perdendo 21-5 para a Espanha, depois apanhou 40-7 do Canadá e por último fez um jogo bem apertado, mas levou mais uma derrota, agora por 20-14 da Holanda. No torneio de consolação, o Brasil venceu bem a Irlanda por 30-0 e, na disputa do 9° lugar, perdeu 21-0 para os Estados Unidos.

Na final, um clássico da Oceania, e a Austrália venceu 24-12 a Nova Zelândia. Na disputa do 3° lugar, Canadá venceu 26-0 o Canadá. Após 3 etapas, a Austrália venceu 2 e a Nova Zelândia uma. O Brasil soma no total 11 pontos e aparece na 9ª posição na classificação geral, liderada pela Austrália e pela Nova Zelândia, empatadas com 56 pontos. A próxima etapa será em abril, na China.

Lutas

O destaque do fim de semana nas lutas foi Luciano Correa. Campeão mundial em 2007, ele foi ouro no GP de Dusseldorf sem nem precisar lutar. Na final dos 100kg, W.O. de Maxim Rakov (KAZ). Foram ainda 4 medalhas de bronze: Rafael Buzacarini (100kg), Rafael Silva (+100kg), Érika Miranda (52kg) e Ketleyn Quadros (57kg).

No tradicional torneio Dan Kolov-Nikola Petrov de luta, em Sófia, Bulgária, as lutadoras brasileiras conquistaram dois bronzes: Joice Silva (58kg) e Aline Ferreira (75kg). Outras 5 disputaram o torneio, mas não ganharam medalhas.

Atletismo

Na segunda etapa do Desafio Caixa Indoor, em São Paulo, ninguém fez índice para o Mundial Indoor na Polônia em março. Um dos destaques foi o retorno de Jadel Gregório, que venceu o salto triplo com 16,74m. Thiago André fez 3:41.17 nos 1.500m, estabelecendo o novo recorde brasileiro juvenil da distância e conquistando índice para o Mundial Juvenil. Quem também fez o índice juvenil foi Mateus Daniel de Sá no salto triplo, com 15,95m.

Mauro Vinícius da Silva venceu o salto em distância em torneio indoor em Portugal com a marca de 7,98m. Ele já está garantido no Mundial Indoor.

No Sul-Americano de cross country, no Paraguai, a equipe brasileira conquistou 3 ouros, 1 prata e 2 bronzes. As vitórias ficaram com  Wellington Bezerra da Silva nos 12km masculino adulto, Sueli Pereira da Silva nos 8km feminino adulto e com Daniel Ferreira do Nascimento nos 6km masculino menor. Lembrando que este não tem mundial de cross-country, só em 2015.

Raquetes

No Rio Open, torneio ATP500 disputado pelo primeira vez no Rio de Janeiro em conjunto com torneio da WTA, foi bom ver que Thomaz Bellucci está voltando aos seus melhores dias. Ele venceu os dois primeiros jogos de virada e chegou às 4as de final, onde enfrentou o 5° do mundo, o espanhol David Ferrer. E Bellucci levou o 1° set 64, mas Ferrer acordou e virou a partida. Já no torneio de duplas, Marcelo Melo, ao lado do espanhol David Marrero, perdeu na final 64 62 para os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah.

Quem foi muito bem mesmo foi Teliana Pereira. A número 1 do Brasil chegou às semifinais, vencendo três partidas por 2-0. Na semi, não resistiu à cabeça de chave número 1, a checa Klara Zakopalova, 34ª do ranking, e perdeu 62 61. Os homens agora estão em São Paulo para o Brasil Open e as mulheres disputam o WTA de Florianópolis.

Em torneio juvenil no Peru de badminton, Ygor Coelho de Oliveira foi campeão, vencendo Ruben Castellanos (GUA) na final 16-21 21-12 21-10. Já no feminino, Lohaynny Vicente perdeu a final 21-17 21-18 para a peruana Daniela Brandes. Ygor é atualmente o 18° do ranking mundial juvenil, e deve subir um pouco mais. Já Lohaynny aparece em 27°.

No forte aberto do Qatar de tênis de mesa, o grande destaque foi Hugo Calderano, que ficou com o bronze no torneio sub21, após perder na semifinal 4-0 para indiano. No adulto, Calderano, Gustavo Tsuboi e Thiago Monteiro perderam na estreia da chave principal.

Outras notícias

– Na rodada de esgrima da semana, Marta Centurion foi 64ª no sabre feminino em Ghent (BEL), levando pontos para o ranking. Em torneio de florete masculino em La Coruña, Ghislain Perrier, francês naturalizado brasileiro, foi o melhor, terminando em 50°. Outros 8 disputaram, mas ficaram todos abaixo do 100° lugar. Na Estônia, na espada masculina, Athos Schwantes foi o melhor em 106°.

– O Ministério do Esporte interveio e reconciliou a medalha de bronze em Londres Adriana Araújo e a Confederação Brasileira de Boxe. Ela se recusava a ir treinar em São Paulo e o CBBoxe não a indicou para receber o Bolsa Pódio. Agora, ela diz que vai treinar em SP e com isso recebe o que tem direito.

– Ana Marcela Cunha e Allan do Carmo venceram a primeira etapa do Circuito Brasileiro de maratona aquática em Porto Belo (SC).

Mundial de Judô – Prévia – Parte II

Seguindo as previsões do Mundial de Judô no Rio de Janeiro.

Dia 4

Na categoria até 81kg, o brasileiro Victor Penalber (foto) é o homem a ser batido! Líder do ranking mundial, ele venceu o Pan-Americano esse ano, foi bronze no Masters e no Grand Slam de Paris. Ele tem uma estreia bem tranquila contra Josateki Naulu, das Ilhas Fiji. Campeão do Masters, bronze em Londres e 4° do ranking, o russo Ivan Nifontov também chega bem cotado. Segundo do ranking, o georgiano Avtandili Tchrikishvili foi campeão europeu e do GS de Paris. Vale ressaltar que nem o coreano campeão olímpico nem o alemão vice estão na disputa.

No até 63kg feminino, a líder do ranking é a israelense Yarden Gerbi, que vem do vice no Masters, dos títulos dos GS de Moscou e de Baku e do bronze no europeu. A jovem francesa Clarisse Agbegnenou (foto), de 20 anos, chega como vice líder do ranking, após o título europeu, do GS de Paris e de mais 2 GPs este ano. Outra francesa, Gevrise Emane, é a única medalhista olímpica de Londres na disputa. Duas japonesas estão na disputa, mas elas estão na mesma chave e apenas uma chega a semifinal. A brasileira Katherine Campos, vice pan-americana e 20ª do ranking, tem poucas chances, mas tem uma estreia tranquila contra a guatemalteca Yennifer Dominguez. Quem vencer pega a 3ª do mundo, a holandesa Anicka van Emden.

Dia 5

Na categoria 90kg masculino, Tiago Camilo vinha como um dos favoritos, mas teve que desistir da competição por lesão e foi substituído por Eduardo Santos, que esteve nos Jogos de Pequim-2008, e tem poucas chances de medalhas. Na estreia, ele enfrenta o sueco Joakim Dvarby. Os dois principais atletas desta categoria são o georgiano Varlam Liparteliani (foto) e o cubano Asley Gonzalez. Gonzalez é o líder do ranking, prata em Londres, campeão pan-americano esse ano e bronze no Masters. Já Liparteliani é vice-líder do ranking, foi ouro no GS de Paris e vice-campeão europeu. A grande ausência é o coreano campeão olímpico Song Dae-Nam, agora aposentado. De olho também no perigoso grego Ilias Iliadis. Ouro em Atenas e campeão do Masters esse ano, ele derrotou Tiago Camilo em Londres na disputa do bronze.

A holandesa Kim Polling (foto) é a favorita na categoria até 70kg feminino. Polling venceu o europeu e o Masters esse ano. Outro grande nome da categoria é a francesa Lucie Decosse, campeã olimpica e tricampeã mundial. Grande currículo, mas Decosse quase não disputou provas esse ano. Vice do Masters, a canadense Kelita Zupancic chega bem preparada com o título pan-americano e o ouro no GS de Baku. Maria Portela é a representante brasileira na prova, mas não vem de bons resultados no ano, apesar da oitava posição no ranking. Na estreia, ele pega a dinamarquesa Emilie Sook.

Bronze em Londres e dona de duas medalhas em Mundiais, Mayra Aguiar (foto) é o grande nome desta prova e tem tudo para levar o ouro. Sem a presença da campeão olímpica e sua grande rival, a americana Kayla Harrison, que mudou de categoria (disputa os 70kg agora, mas não veio ao Rio), a grande adversária da brasileira é a húngara Abigel Joo. Mayra a venceu na final do Masters, mas Joo deu o troco na final do GS de Moscou. As francesas Lucie Louette e Audrey Tcheumeo, bronze em Londres, também vem muito bem cotadas. Prata em Londres, a britânica Gemma Gibbons precisará da sorte que teve em casa para vencer no Rio.

Dia 6

Na categoria pesado, o holandês Henk Grol (foto), bronze em Londres, foi vice no europeu e no Masters esse ano e no Mundial de 2010 e busca a redenção com o título mundial na capital carioca. Campeão do Masters, Elkhan Mammadov do Azerbaijão também aparece como um dos favoritos, mas perdeu muito precocemente no europeu deste ano. O iraniano Javad Mahjoub foi campeão asiático e do GS de Moscou e tem boas chances. Dois brasileiros na categoria: o campeão pan-americano Renan Nunes e o campeão mundial de 2007, no mesmo Rio de Janeiro, Luciano Correa. Renan tem uma estreia dura contra o alemão Dimitri Peters, bronze em Londres, e Luciano enfrenta o checo Michal Horak.

Teddy Riner já fez história em 2011, quando venceu seu 5° título mundial (4 na categoria +100kg e 1 na aberto), o único homem a conseguir o feito. Campeão olímpico em Londres, Riner está praticamente invicto desde a semifinal olímpica de Pequim-2008! Aos 24 anos, Riner tem tudo para levar mais um Mundial. Quem vai tentar quebrar a hegemonia francesa é o brasileiro Rafael Silva. Bronze em Londres, Rafael foi campeão pan-americano este ano e vice do Masters. Na final, ele perdeu para o georgiano Adam Okruashvili, vice europeu esse ano. De olho também no alemão Andreas Toelzer, bronze em Londres e vice nos últimos 2 mundiais.

Encerrando as provas individuais, a categoria acima de 78kg feminino tem a brasileira Maria Suelen Altheman como a favorita. Líder do ranking mundial, Maria Suelen vem tendo um excelente ano, com títulos nos GS de Baku e Moscou e o vice no Masters. A cubana campeã olímpica Idalys Ortiz vem de bons resultados no ano, como o título pan-americano e da Universiade (na categoria aberto), e deve brigar também. A japonesa Megumi Tachimoto levou o GS de Paris e o GP dos EUA este ano e quer manter a tradição japonesa nessa categoria.

Dia 7

No domingo, o Mundial será encerrado com as provas por equipes. Ainda não saíram as chaves, mas é fácil prever os países favoritos. No masculino, a equipe do Brasil deve brigar por medalhas, encontrando em outras grandes equipes como Japão, Geórgia, França, Coreia do Sul e Mongólia fortes adversários. No feminino, a equipe brasileira chega muito bem, e deve brigar pelas medalhas contra Japão, França e Cuba.

Resumo do fim de semana

Muitas medalhas em diversas competições. Vamos lá!

Tênis de Mesa

No Latino Americano em San Salvador, El Salvador, o Brasil mandou 8 atletas (4M+4H), metade bem experientes e metade de novos talentos, para a disputa do torneio sub21. Foram 5 ouros, 2 pratas e 2 bronzes em 9 categorias. Começando pelo torneio por equipes, no masculino foram 5 vitórias por 3-0 ou 3-1. Na final, um 3-1 sobre a Argentina com a derrota vindo no jogo de duplas. No 4º confronto, Thiago Monteiro venceu Rodrigo Gilabert por 3-1. No feminino, já foi um pouco mais difícil com uma vitória apenas no 5º jogo contra o México. 3-1 na República Dominicana na semifinal e 3-1 no Chile na final, de virada, deram mais um título ao país. O ouro veio com a vitória de Caroline Kumahara (foto) sobre a veterana Berta Rodriguez em 3-0. Foi o 15º título masculino (7º seguido) e o 10º no feminino.

No torneio individual, Cazuo Matsumoto perdeu a final para o paraguaio Marcelo Aguirre por 4-3! Aguirre abriu 3-0, mas Cazu empatou. No 7º set, vitória do paraguaio por 11-7. No torneio feminino, final brasileira e quem se deu bem foi a mais jovem. Caroline Kumahara venceu a veterana Lígia Silva por 4-1 e se sagrou campeã. Nas duplas, apenas uma medalha de ouro, nas duplas mistas. Caroline e Eric Jouti venceram dupla colombiana por 3-1. Nos torneios sub21, Vitor Ishiy venceu o paraguaio Marcelo Aguirre na final e Eric Jouti ficou com o bronze. No feminino, Caroline Kumahara faturou mais uma medalha, com o bronze.

Um ótimo primeiro trimestre pro tênis de mesa brasileiro.

Judô

No Aberto Pan-Americano de Buenos Aires, na sexta e no sábado, foram 5 ouros, 4 pratas e 6 bronzes da (quase toda) jovem equipe. O grande destaque foi o ouro do campeão mundial em 2007 Luciano Correa (foto). Na final dos 100kg, ele venceu ninguém menos que o russo Tagir Khaibulaev, o campeão olímpico! Os outros ouros foram com Felipe Costa (81kg), Walter Santos (+100kg), Nathalia Brigida (48kg) e Katherine Campos (63kg). Esse torneio marcou o primeiro título da campeã olímpica dos 78kg Kayla Harrison, a primeira americana a ser campeã olímpica no judô. Ela, que agora desceu de categoria (foi para a 70kg), venceu a colombiana Yuri Alvear, campeã mundial em 2009 e bronze em Londres, na final. Será o fim da rivalidade entre Harrison e Mayra Aguiar?

No domingo, foi a vez de disputar o Campeonato Sul Americano em Buenos Aires. Dos 19 inscritos, nada menos que 17 pódios!! Os homens foram campeões em todas as 7 categorias: Eric Takabatake (60kg), Charles Chibana (66kg), Alex Pombo (73kg), Felipe Costa (81kg), Eduardo Santos (90kg), Luciano Correa (100kg) e Walter Santos (+100kg). No feminino, apenas um ouro: Rochele Nunes (+78kg).

Interessante que as equipes de base Sub-21 e Sub-18 foram para a Alemanha disputar torneios e voltaram com os mesmos 17 pódios.

Pentatlo Moderno

O Rio de Janeiro recebeu a 2ª etapa da Copa do Mundo, com grandes nomes do esporte, incluindo os 2 campeões olímpicos, o checo David Svoboda e a lituana Laura Asadauskaite. Esperava-se muito de Yane Marques, que não correspondeu. Na qualificação ela só avançou no 10º lugar do seu grupo. Na final, não foi tão bem quanto poderia nem na esgrima nem na prova de hipismo e terminou a prova em 13º lugar. O destaque veio de Priscila Oliveira. Com uma boa prova de natação e um percurso zerado no hipismo, largou em 2º lugar na combinada, mas não aguentou o ritmo das melhores do mundo, mas terminou na ótima 11ª colocação. Quem venceu foi a americana Margaux Isaksen (foto), 4ª em Londres.

No masculino, nenhum brasileiro chegou a final, que foi vencida pelo húngaro Adam Marosi. Nas duplas mistas, Priscila e Danilo Fagundes ficaram em 9º lugar, em prova vencida pela dupla russa. A próxima etapa será em Chengdu, China, de 17 a 21 de abril.

Esportes Aquáticos

Após a ótima campanha na natação no Sul Americano Juvenil no Chile, foi a vez do pólo aquático, maratonas aquáticas e nado sincronziado.

No pólo aquático, campanha dominante das equipes brasileras. No masculino, na 1ª fase, 33-2 no Chile, 26-1 no Uruguai e 17-4 na Colômbia. Na semifinal, 14-9 na Argentina e na grande final, 17-8 na Venezuela. Foram 107 gols a favor e apenas 24 contra!

No feminino, foi parecido. Na 1ª fase, 17-1 na Argentina, 31-0 no Chile, 23-7 na Venezuela. Na semi, 29-1 no Chile e na final 17-5 na Venezeula! 117 gols a favor e apenas 14 contra! Na foto, Izabella Chiapini, eleita melhor jogadora do torneio.

Nas maratonas aquáticas foram 2 ouros e 1 prata. Os 2 ouros vieram na prova por equipe Juvenil B e nas mãos de Carolina Bilich, no 7,5km Juvenil B. A prata foi nesta mesma prova com Vivian Jungblut. No nado sincronziado, domínio absoluto com 6 ouros e 1 prata em 7 provas. Lembrando que os saltos ornamentais serão disputado apenas em maio.

Diário de Londres – 2 e 3 de agosto

Como disse no facebook (e como pode vir a acontecer novamente), fiquei um dia sem postar porque na quinta cheguei muito tarde e no dia seguinte precisava acordar bem cedo, mas aqui vai a recaptulação do que aconteceu.

Judô

Na quinta, fui ao meu último dia de judô, para ver a número 1 do mundo, Mayra Aguiar, e tinha ingresso para a sessão da manhã e a da tarde. Pela manhã, Mayra venceu suas 2 lutas pela manhã de forma tranquila e a tarde enfretou sua grande pedra no sapato, a americano Kayla Harrison. E Mayra perdeu mais uma vez, tomando um ippon da americana. Aliás, por pouco a americana não fica de fora da semi. Nas quartas, ela tomou um waza-ari da húngara Abigel Joo, mas logo depois ela sentiu o pé e mal podia ficar de pé no tatame. Kayla se aproveitou da situação e venceu por ippon.

Na disputa do bronze, ippon de Maayra na holandesa Marhinde Verkerk, e a 3ª medalha do judô brasileiro em Londres! Na final, a americana venceu a surpresa britânica por 2 yukos e se conquistou o 1º ouro americano no judô na história olímpica!

No masculino, Luciano Correa ganhou uma luta, mas perdeu nas oitavas para o holandês Henk Grol, que viria a levar o bronze.

Basquete

Com metade da tarde livre após o judô, aproveitei para conhecer o shopping Westfield Stratford, que fica ao lado da estação de trem do Parque Olímpico. E que shopping cheio! Muitos turistas, lógico, mas o interessante é encontrar muitos atletas, já que a Vila Olímpica é vizinha ao shopping. Pude ver alguns atletas do atletismo americano, a russa do vôlei Gamova, a carrsaca brasileira, entre outros.

Encerrei o dia no basquete, para ver 2 jogos. O primeiro, Espanha x Grã-Bretanha. O que começou com tranquilidade para os espanhois, se tornou uma partida bem emocionante, onde os donos da casa quase venceram no final, mas acabaram perdendo por 1 ponto: 79-78.

No jogo seguinte, a cereja do bolo! Estados Unidos x Nigéria para finalmente ver o Dream Team americano. E que jogo! Começaram de forma arrasadora e terminaram o 1º quarto vencendo por 49 a 25! Encerraram o jogo com inacreditáveis 156 a 73! Com 156 pontos, os americanos batem o recorde e mais pontos em uma partida olímpica, que era da seleção brasileira.

Com um aproveitamento incrível de 29 bolas de três, o domínio foi absoluto, apesar da Nigéria não ter jogado tão mal. Com 37 pontos, Carmelo Anthony foi o cestinha americano.

Vôlei

Nesta sexta, comecei o dia com a partida entre Brasil e China, no vôlei feminino. Precisando de uma boa vitória após se complicar perdendo para a Coreia do Sul por 3-0 na quarta, a seleção alternou altos e baixos, como vem fazendo ultimamente. Com o jogo na mão no 4º set, a seleção teve 3 match points, mas viu uma virada chinesa. No 5º set, a seleção prevaleceu e venceu por 15-10, faturando apenas 2 pontos. Na classificação, a posião brasileira é extremamente delicada. Aparece em 5º lugar e depende de uma vitória por 3-0 ou 3-1 sobre a Sérvia no domingo e tem que torcer contra a Turquia. O Brasil jogará na última sessão e já saberá o que precisa fazer para avançar ou se fará apenas um amistoso com as sérvias.

Ginástica de Trampolim

Voltando ao O2 Arena, sede da ginástica artística, fui assistir ao Trampolim Acrobático masculino. A casa cheia pode ver um show do chinês de nome engraçadíssimo Dong Dong. Ele dominou ocmpletamente e com uma apresentação quase perfeita, levou o ouro com 62,990 pontos.

O russo Dmitry Ushakov fez uma ótima apresentação e tirou a prata do outro chinês, Lu Chunlong, ouro em Pequim.

Natação

Encerrando o dia, voltei ao Parque Olímpico para ver meu único dia de natação, e que prometia ser inesquecível, afinal, a final dos 50m livre masculino contava com 2 brasileiros!

Na primeira prova, os 200m costas feminino, Missy Franklin vence com muita tranquilidade e novo recorde mundial, levando seu 3º ouro em Londres. Nos 100m borboleta, Michael Phelps se tornou tricampeão olímpico da prova e faturou sua 17ª medalha dourada!

Nos 800m livre feminino, as esperanças dos donos da casa eram com a boa participação de Rebecca Adlington, que ficou com o bronze. O show veio de Katie Ledecky, americano de apenas 15 anos, que não bateu o recorde mundial por apenas 0s53! Na final dos 50m livre, César Cielo ficou para trás e viu o irmão de Laure Manadou, Florent Manadou (foto acima) levar o ouro com 21s34. Cielo, com 21s59 ficou atrás ainda do americano Cullen Jones (21s54). Bruno Fratus, por pouco, não empata com Cesão, e fica em 4º com 21s61. No pódio, era visível a frustração do brasileiro.

Por aí

No último dia do judô, o único o qual eu não tinha ingresso, Rafael Silva repetiu seu bronze no Mundial e faturou a 4ª medalha do judô brasileiro em Londres! No feminino, Maria Suelen Altheman também chegou na disputa do bronze, mas levou ippon da chinesa Wen Tong.

Nesta sexta, começaram as disputas no atletismo! O polonês Tomasz Majewski defendeu deu título de Pequim e faturou o 1º ouro do esporte. Depois, domínio da favorita etíope Tirunesh Dibaba nos 10.000m feminino.

No basquete feminino, novo vexame da seleção brasileira, com a 4ª derrota seguida e a eliminação dos Jogos, repetindo o “feito” de Pequim. No futebol feminino, derrota de 2-0 para o Japão nas quartas e ficaremos sem medalha desta vez. No vôlei de praia, Brasil segue 100%! Já são 14 vitórias! Na sexta tivemos metade das oitavas de final, e Larissa/Juliana e Ricardo/Pedro Cunha venceram seus jogos por 2-0. Vale ressaltar a surpreendente derrota e eliminação dos atuais campeões olímpicos americanos Rogers/Dalhausser para uma dupla italiana.

Na quinta, se iniciaram as disputas de ciclismo de pista e, com 4 finais já disputadas, a Grã-Bretanha mostra que tem um time espetacular e já conta com 3 ouros! Com bons resultados nas 10 primeiras regatas, Robert Scheidt/Bruno Prada já asseguraram medalha na Classe Star, só falta definir a cor. Difícil um ouro, pois a dupla britçanica vem dominando de forma absoluta as regatas e deve ficar com a vitória.

No tênis, grande vitória de Andy Murray sobre Novak Djokovic por 75 75, e o escocês fará final com Roger Federer, repetindo a final de Wimbledon de 3 semanas atrás. No feminino, Maria Sharapova encara Serena Williams, campeã de Wimbledon este ano.

Programação de amanhã:

14:00 – Ginástica de Trampolim Feminino – Qualificação

15:26 – Ginástica de Trampolim Feminino – Final

Números

Medalhas Brasileiras: 1-1-4

Medalhas Distribuídas: 113-115-125 = 353

Países com Ouro: 27

Maior número de ouros: Estados Unidos (21)

Países com Medalhas: 54

Maior número de medalhas: Estados Unidos (43)

Maior medalhista: Michael Phelps (USA – natação) 3-2-0 e Ryan Lochte (USA – natação) 2-2-1

Finais restantes: 189

Recordes Mundiais: 23 + 5 igualados

Recordes Olímpicos: 61 + 5 igualados

Já são 24 esportes!

Segue resumo da última semana, com vagas no Judô, Luta Olímpica, medalhas no Triatlo e Vôlei de Praia, surpresas no Vôlei, entre outros

Novas vagas

No dia 1º de maio, a IJF confirmou a classificação olímpica do Judô. E que notícia boa! Pela primeira vez na história, o Brasil enviará lutadores nas 14 categorias (seleção completa na foto)! Em Pequim-2008, por exemplo, ficamos fora da categoria superpesada feminina e em Atenas-2004, foram apenas 5 mulheres em 7 categorias.

Mas o mais importante, que mostra a enorme evolução do esporte no país e como nós somos uma das grandes potências mundiais, é que as 14 vagas foram diretas pelo Ranking Mundial, sem precisar das vagas continentais. Apenas o Japão conseguiu o mesmo (e nem precisa dizer da potência que é o Japão no Judô). Com equipe completa, além dos dois países, apenas a Grã-Bretanha (que tem vaga garantida por ser sede) e a Coreia do Sul. 115 países conquistaram vagas no judô, o que faz deste esporte um dos mais globalizados do mundo. Também foi anunciada a equipe que irá a Londres. No masculino: Felipe Kitadai (60kg), Leandro Cunha (66kg), Bruno Mendonça (73kg), Leandro Guilheiro (81kg), Tiago Camilo (90kg), Luciano Correa (100kg) e Rafael Silva (Acima de 100kg). No feminino: Sarah Menezes (48kg), Erika Miranda (52kg), Rafaela Silva (57kg), Mariana Silva (63kg), Maria Portela (70kg), Mayra Aguiar (78kg) e Maria Suelen Altheman (Acima de 78kg). Destaque para Leandro Guilheiro e Mayra Aguiar, que estão na liderança do ranking mundial. Sete dos 14 estão entre os 5 do mundo em suas categorias.

O 24º esporte a conquistar vaga foi a Luta Olímpica. Na última chance de classificação, no 2º Torneio Pré-Olímpico Mundial, Joice Silva (à esquerda, na foto) chegou a final da categoria até 55kg e conquistou uma das duas vagas restantes. Assim como em Pequim-2008, levaremos apenas uma mulher neste esporte. Na China, a nossa representante foi Rosangela Conceição, na categoria até 72kg, que terminou na 8ª colocação.

Medalhas brasileiras

Na Copa do Mundo de Triatlo em Huatulco, México, Pamela Oliveira (à esquerda, na foto) fez a prova em 2:13:47 e conquistou sua primeira medalha em Copas do Mundo, com uma ótima medalha de prata. Ficou atrás apenas de Flora Duffy, das Bermudas, com o tempo de 2:13:17. Com isso, Pamela dá uma boa subida de 12 posições no ranking olímpico e aparece em 56ª, só precisando de uma confirmação oficial da ITU para comemorar a classificação olímpica.

Já no Grand Slam de Vôlei de Praia, em Xangai, as duplas brasileiras ganharam 1 prata e 2 bronzes. No feminino, Talita e Maria Elisa chegaram a final, mas acabaram sendo derrotadas novamente na final este ano para a dupla chinesa Xue e Zhang Xi, como ocorreu em Brasília. Agora por 2-0 (21-17 21-18). Na disputa pelo bronze, Larissa e Juliana venceram a dupla holandesa Keizer e Van Iersel por 2-0 (29-27 21-13). No masculino, tivemos as semifinais entre Brasil e EUA, com 2 derrotas brasileiras. Na disputa pelo bronze, Márcio Araujo e Pedro Solberg venceram de forma bem apertada Bruno e Benjamin, 2-1 (16-21 21-15 15-13).

Talita e Maria Elisa aparecem agora na 2ª posição do World Tour 2012, apenas 20 pontos atrás da dupla chinesa. No masculino, Márcio Araújo e Pedro Solberg lideram, 20 pontos na frente de Ricardo e Pedro Cunha e dos americanos Rogers e Dalhausser.

Vagas pelo mundo

O grande destaque do fim de semana foi, sem dúvida, as vagas no Vôlei Feminino. Com uma incrível vitória, República Dominicana se garantiu em Londres-2012 com um 3-1 sobre a tricampeã olímpica Cuba. Com a derrota, Cuba disputaria o Pré-Olímpico Mundial, a partir de 19 de maio no Japão, onde 8 seleções disputarão 4 vagas. Entretanto, a seleção declarou falta de verba para a viagem e deve desistir do torneio, ficando fora dos Jogos Olímpicos pela 1ª vez desde 1988.

Na Europa, jogando em casa, a Turquia (foto) venceu a Polônia de forma bem tranquila e garantiu sua classificação no Vôlei Feminino pela 1ª vez na história. A Turquia vem crescendo muito no esporte, tendo uma das melhores campeonatos europeus da atualidade e conquistando o bronze no Europeu de 2011 e pode causar uma surpresa em Londres. A campeã mundial e olímpica Rússia, que parou na semifinal justamente para a Turquia, disputará o Pré-Olímpico Mundial junto com a Sérvia e deve se classificar com tranquilidade.

Também tivemos neste fim de semana a classificação da África do Sul no Hóquei na Grama Masculino, no último torneio pré-olímpico. No feminino, o Japão conquistou a última vaga olímpica. O Brasil disputou a cometição masculina, mas perdeu seus 5 jogos e ficou na 6ª colocação. Conseguiu alguns resultados interessantes como forma de preparo para os Jogos do Rio-2016.

Nesta semana, temos o Pré-Olímpicos das Américas de Boxe no Rio de Janeiro, os Mundiais da Classe Laser, Star e 49er, o Mundial de Pentatlo Moderno em Roma, o Pré-Olímpico Sul-Americano de Vôlei Feminino em São Carlos, os de Vôlei Masculino Europeu e da Norceca, o Pré-Olímpico das Américas de Levantamento de Peso, entre outros. Fiquem ligados no meu twitter para atualizações em todos estes torneios e muitos outros!