Troféu Brasil de Natação – Dia 3

Com certeza um dos dias mais históricos da natação brasileira. A quinta-feira no Parque Aquático Maria Lenk viu uma prova histórica pro Brasil, com dois entrando no clube dos 47!

p1cbg2vmva191d14ja1o7u1us3rd37_crop

Pedro Spajari e Gabriel Santos. Foto: CBDA

As coisas já começaram bem com as eliminatórias, quando Pedro Spajari (Pinheiros) foi o mais rápido ao marcar excelentes 47.95, 2º melhor tempo de 2018, atrás apenas do japonês Katsumi Nakamura, com 47.87. Marcelo Chierighini (Pinheiros) fez 48.60 e Gabriel Silva Santos (Pinheiros) 48.73. Na final, Bruno Fratus (Minas) bateu na frente nos 50m com 22.47 contra 22.64 de Spajari, 22.85 de Chierighini e 22.94 de Gabriel, mas este voltou melhor e fechou em 47.98! Com a vitórias, Gabriel chega a 6 títulos nacionais seguidos na prova: Finkel 2016, Open 2016, Maria Lenk 2017, Finkel 2017, Open 2017 e agora o Troféu Brasil 2018, nadando pela 1ª vez abaixo de 48s. Spajari vinha na frente, mas uma levantada de cabeça pouco antes da chegada tirou a vitória e ele fez 48.01. A surpresa veio com Marco Antonio Ferreira (Minas), que pegou o bronze com bons 48.46. Chierighini em 4º completa a equipe do revezamento 4x100m pro Pan-Pacífico com 48.48. Fratus terminou em 5º com 48.68.

Na prova feminina, vitória de Larissa Oliveira (Pinheiros), já recuperada do acidente que a tirou de boa parte da temporada de 2017. Ela venceu com 54.53 seguida de Manuella Lyrio (Pinheiros) 55.19 e Dayna de Paula (SESI) 55.44. Brigando por vaga nos Jogos Olímpicos da Juventude, Rafaela Raurich foi 4ª com 55.96.

Giovanna Diamante (Pinheiros) venceu os 200m borboleta com 2:12.07, sua melhor marca pessoal e 1ª vitória na carreira no Troféu Brasil. A argentina Virginia Bardach (Corinthians) ficou em 2º com 2:13.05 e Nathalia Almeida (Flamengo) completou o pódio com 2:15.33. No masculino, Leonardo de Deus venceu seu 19º título individual no Troféu Brasil, recorde dos nadadores em atividade. Ele marcou bons 1:55.05 seguido de Luiz Altamir Melo (Pinheiros) com 1:55.92 e Kaue Carvalho (Corinthians) 1:56.76.

Nos 50m peito, Jhennifer Conceição (Pinheiros), mesmo largando muito mal, venceu a campeã olímpico dos 100m, a lituana Ruta Meilutyte (Flamengo). A brasileira marcou 30.64 contra 30.75 da lituana. Renata Sander (Minas) foi 3ª com 31.10. No masculino, o pódio segue com os mesmo 3: João Gomes Jr venceu com 26.85, Felipe Lima 2º com 26.87 e Felipe Silva 3º com 27.04.

Dobradinha estrangeira nos 50m costas feminino com a holandesa Kira Toussaint (Minas) 28.11 e a argentina Andrea Berrino (Unisanta) 28.26. Fernanda Goeij (Curitibano) foi 3ª com 28.92. No masculino, Guilherme Guido (Pinheiros) venceu com 25.00, seguido de Gabriel Fantoni (Minas) 25.14 e Guilherme Massê (Pinheiros) 25.24.

Após o 3º dia, a seleção pro Pan-Pacífico está assim, com os 4 melhores nos 100m livre masculino e os 12 melhores nas outras provas:

  1. Gabriel Santos – 100m livre – 47.98
  2. Pedro Spajari – 100m livre – 48.01
  3. Marco Antonio Jr – 100m livre – 48.46
  4. Marcelo Chierighini – 100m livre – 48.48
  5. Leo de Deus – 200m borboleta – 1:55.05 – 9º
  6. Vinícius Lanza – 200m medley – 1:58.10 – 12º
  7. Guilherme Costa – 800m livre – 7:52.54 – 14º
  8. Luiz Altamir Melo – 200m borboleta – 1:55.92 – 17º
  9. Leonardo Santos – 200m medley – 1:59.66 – 22º
  10. João Gomes Jr – 100m peito – 59.98 – 22º
  11. Iago Moussalem – 100m borboleta – 52.09 – 23º
  12. Larissa Oliveira – 100m livre – 54.53 – 24ª
  13. Daynara de Paula – 100m borboleta – 58.67 – 26ª
  14. Felipe França – 100m peito – 1:00.26 – 27º
  15. Fernando Scheffer – 400m livre – 3:49.06 – 28º
  16. Viviane Jungblut – 400m livre – 4:12.47 – 34ª

Pro YOG temos no momento:

  1. Ana Carolina Vieira – 100m peito – 1:09.95 – 21ª ranking mundial junior de 2017
  2. Rafaela Raurich – 400m livre – 4:14.74 – 24ª
  3. Maria Luiza Pessanha – 200m medley – 2:16.92 – 29ª
  4. Fernanda Goeij – 200m costas – 2:14.69 – 29ª
  5. André Luis Souza – 100m livre – 49.47 – 6º
  6. Lucas Peixoto – 100m livre – 49.66 – 6º
  7. Vitor Pinheiro de Souza – 100m peito – 1:02.87 – 13º
  8. Izaac de Paula Jr – 800m livre – 8:14.26 – 20º
Anúncios

Troféu Maria Lenk – Dia 3

SaroUm grande dia na piscina do Maria Lenk, que colocou brasileiros entre os 6 melhores do mundo em 6 das 8 provas do dia! Foram ainda dois recordes sul-americanos numa ótima quinta-feira.

100m livre

Nada como começar com a prova mais nobre. Na final feminina, Manuella Lyrio (Pinheiros) aproveitou a ausência de Etiene Medeiros e de Larissa Oliveira para vencer com 54.80. Daynara de Paula fez 55.36 para levar a prata e Alessandra Marchioro e Graciele Herrmann empataram em 3º com 55.92.

1393de1a552534a90d7821abfb5240cf

Gabriel Santos

Já na final masculina, show de Gabriel Santos (Pinheiros). Em seu aniversário de 21 anos, o atleta do Pinheiros voou. Abriu com 22.99 e fechou com 25.12 para vencer com ótimos 48.11, 3º melhor tempo do mundo em 2017! Marcelo Chierighini ficou em 2º com 48.76 e César Cielo fechou o pódio todo do Pinheiros com 48.92. Nas eliminatórias, Bruno Fratus fez o melhor tempo da vida com 48.50 e Murilo Sartori fez 51.72, aos 14 anos!

50m peito

a71q5074

Jhennifer Conceição

Jhennifer Conceição (Pinheiros) faturou a prova com 30.63, melhorando o recorde sul-americano de Tatiane Sakemi de 2009 em 0.18. Foi o 5º tempo do ano no mundo, um feito se considerarmos os histórico do nado de peito feminino. As argentinas Macarena Ceballos com 30.99 e Julia Sebastian com 31.31 completaram o pódio.

Na final masculina, João Gomes Jr. (Pinheiros) venceu com 26.83, 2º melhor tempo do mundo e recorde do campeonato, atrás apenas do monstro britânico Adam Peaty, com 26.48. Felipe Lima veio logo atrás com 27.00, 3º tempo do mundo agora, e Felipe França e Pedro Cardona empataram com 27.32 em 3º.

50m costas

Etiene Medeiros (SESI) sobrou pra vencer a prova que lhe trouxe medalha em mundial de longa. Com 27.62, a nadadora fez o 5º tempo do mundo e ficou quase 1s na frente da 2ª colocada, a argentina Andrea Berrino, com 28.52. Ana Giulia Zortea ficou com o bronze com 29.54.

Na prova masculina, Guilherme Guido (Pinheiros) repetiu a vitória dos 100m. Com 24.72, Guido entra em 4º no ranking mundial. Gabriel Fantoni foi 2º com 25.26 e Guilherme Basseto foi 3º com 25.38.

200m borboleta

O 2º recorde sul-americano veio na prova mais dura, com Joanna Maranhão. Em sua 3ª vitória individual em 3 dias, Joanna fez 2:09.22 baixando em 0.16 o recorde que era dela mesma de 2015. Muito atrás, Giovanna Tomanik ficou em 2º com 2:14.13 e a argentina Virginia Bardach fechou o pódio com 2:14.34.

Na decisão masculina, mais uma vitória de Leonardo de Deus. Com 1:54.91, fez o melhor tempo da sua vida e 4º do ano no mundo e segue em busca do recorde continental que é do Kaio Márcio de 2009 de 1:53.92, da época dos trajes. Kaio ficou em 2º com 1:56.85 e Luiz Altamir Melo em 3º com 1:57.15.

Na briga pelas 8 vagas no Mundial, Gabriel e Léo sobem e Chierighini entra pro bolo. E temos um empate em 8º:

  1. Felipe Lima – 100m peito (Maria Lenk) – 59.32 – 930 pontos
  2. Gabriel Santos – 100m livre (ML) – 48.11 – 927
  3. João Gomes Jr – 100m peito (ML) – 59.41 – 926
  4. Thiago Simon – 200m peito (Open) – 2:10.78 – 915
  5. Leonardo de Deus – 200m borboleta (ML) – 1:54.91 – 913
  6. Marcelo Chierighini – 100m livre (ML) – 48.46 – 907
  7. Henrique Martins – 100m borboleta (ML) – 51.57 – 901
  8. Guilherme Guido – 100m costas (ML) – 53.78 – 900*
  9. Brandonn Almeida – 400m medley (Open) – 4:12.49 – 900*

Está cada vez mais certo que a lista pro Mundial será bem maior, com a ajuda do COB. Ainda mais após as excelentes marcas dos 100m livre. Ainda falta a seletiva americana, mas hoje o Brasil tem a 2ª melhor equipe no 4x100m livre masculino somando-se os tempos individuais. A melhor mulher da lista é Joanna Maranhão em 11º pelos 400m livre.

Brasileiro Sênior e Campeonato Open de Natação – Resumo

Foi talvez o campeonato brasileiro absoluto mais fraco do Brasil nos últimos anos. Desde o Finkel de 2011 não ocorria uma competição nacional sem um medalhista olímpico. Muita gente de fora e tempos fracos mostraram que está todo mundo de enorme ressaca olímpica. Até mesmo quem não foi pros Jogos.

São dois torneios em um. Pela manhã, nas eliminatórias, são premiados os vencedores do Brasileiro Sênior, apenas para atletas nascidos em 1996 ou antes. Os 8 melhores independentes da idade se classificam para nadar as finais do Open a tarde.

Brandonn Almeida

Foram poucos tempos bons. O grande destaque foi, sem dúvida, Brandonn Almeida. Campeão mundial juvenil nos 1.500m livre, Brandonn venceu os 400m medley no Open com excelentes 4:12.49, 10º melhor tempo do ano no mundo! Este tempo o colocaria na final olímpica do Rio e em 7º na final. Ele ainda venceu os 200m costas e 200m medley e coroou sua brilhante participação com a vitória nos 400m livre, última prova da competição, com 3:49.46, baixando a marca sul-americana em 0.16!

No feminino, um dos destaques foi Etiene Medeiros, que levou os 50m livre, 50m costas (27.79, melhor índice do campeonato) e 50m borboleta. Bom tempo de Manuella Lyrio nos 200m livre com 1:58.25 e marca interessante de Jhennifer Conceição nos 50m peito, com 31.08. No masculino, bom ver o retorno de Thiago Simon, que não nadava bem desde o Pan de Toronto. Ele venceu os 200m peito com 2:10.78, melhor índice técnico de uma prova olímpica. Boas provas de Pedro Cardona , vencendo os 100m peito com 1:00.46, e de Gabriel Santos nos 100m livre, com 48.60.

Após os torneios, os 8 melhores índices técnicos até o momento são:

  1. Thiago Simon – 200m peito – 2:10.78 (915)
  2. Pedro Cardona – 100m peito – 1:00.46 (904)
  3. Brandonn Almeida – 400m medley – 4:12.49 (901)
  4. Gabriel Silva Santos – 100m livre – 48.60 (899)
  5. Felipe França – 100m peito – 1:00.65 (896)
  6. Leonardo de Deus – 200m borboleta – 1:56.21 (884)
  7. Guilherme Guido – 100m costas – 54.30 (875)
  8. Manuella Lyrio – 200m livre – 1:58.25 (872)

Essa lista deve mudar bastante após o Maria Lenk em abril. Além disso, há algumas discrepâncias nessa tabela de pontos da FINA. Brandonn fez o 10º tempo do mundo e pegaria vaga na final olímpica, mas está atrás do Pedro Cardona, que sequer passaria para a semifinal no Rio-2016.

Além do que, podemos esperar alguma mudança nos critérios da CBDA pro Mundial, já que apenas 8 nadadores estão garantidos. Caso haja alguma mudança nos patrocínios, a equipe pode aumentar. Tudo dependerá de uma eventual nova diretoria em 2017, após as eleições na entidade.