Mundial de Atletismo – Dia 1

Cinco anos após os Jogos de Londres, o Estádio Olímpico recebe novamente os melhores do mundo no atletismo para um mundial que marca a despedida de Usain Bolt. Nesta sexta-feira, apenas uma final e a estreia do jamaicano.

10.000m masculino

38402781-19d2-429f-a9fa-24510cbf7aff

Mo Farah (GBR)

Em sua despedida das pistas, Mo Farah fez mais uma vez história em casa. O somali que cresceu em terras britânicas fez aquilo que sabe melhor. Passou praticamente toda a corrida no fundo do pelotão, não deixando os africanos abrirem. Faltando duas voltas, assumiu a liderança e forçou o sprint para vencer pela 3ª vez seguida a prova em Mundiais com 26:49.51, melhor marca do mundo em 2017! Foi o 6º título mundial de Farah. Joshua Kiprui Cheptegei, de Uganda, ficou com a prata após acelerar na última reta e passar os quenianos completando com 26:49.94. O queniano Paul Tanui foi bronze com 26:50.60.

Pista

e6d404fc-7e9f-4719-b30e-7f6bd8a05d97

Usain Bolt (JAM)

Usain Bolt estreou na sua última prova individual da carreira. Ele venceu a 6ª bateria da primeira rodada dos 100m com 10.07, soltando bastante nos 20m finais, suficiente para vencer, deixando o britânico James Dasaolu em 2º com 10.13. O melhor tempo da rodada foi do jamaicano Julian Forte, na 3ª bateria com 9.99. Dono do melhor tempo do ano, o americano Christian Coleman venceu a 1ª com 10.01 e Justin Gatlin levou a 5ª com 10.05 após vaias quando foi anunciado.

Nos 1.500m feminino, o melhor tempo veio na 1ª bateria, com a etíope Genzebe Dibaba, prata olímpica. Com 4:02.67, ela deixou a sul-africana Caster Semenya em 2º lugar com 4:02.84. A holandesa Sifan Hassan levou a 2ª eliminatória com 4:08.89 e a queniana Faith Kipyegon a 3ª com 4:03.09.

Campo

e95fe153-bfb7-4220-8a4b-a46cdd9dd474

Radek Juska (CZE)

Duas grandes surpresas vieram nas qualificações deste primeiro dia, ambas com americanos envolvidos. Atual campeão olímpico, Jeff Henderson ficou apenas em 17º no salto em distância com 7,84m, muito longe do seu PB de 8,52m, e ficou fora da final. A melhor maca foi do checo Radek Juska, com 8,24m. Oito saltadores conseguiram marca acima de 8,05m, que classificaria diretamente pra final. Único brasileiro a competir nesta sexta, Paulo Sérgio Oliveira fez 7,53m, foi apenas 27º, piorando em 52cm a marca que fez em junho. E ainda não quis falar com a imprensa.

A outra surpresa foi no salto com vara. Campeã olímpica neste mesmo estádio em 2012, a americana Jenn Suhr foi entrar na prova apenas em 4,55m, mas queimou as 3 e foi eliminada. Todas outras favoritas avançaram, como o pódio do Rio-2016 (grega Ekaterini Stefanidi, a americana Sandi Morris e a neozelandesa Eliza McCartney), a cubana Yarisley Silva e a sueca Angelica Bengtsson.

7dd75e8a-ed59-4b6f-8b22-cc36bd13b19a

Robert Harting (GER)

No lançamento de disco masculino, 6 lançaram acima dos 64,50m necessários. Melhor marca do sueco Daniel Stahl com 67,64m, seguido do lituano Andrius Gudzius com 67,01m e do alemão Robert Harting, campeão olímpico neste mesmo estádio, com 65,32m. Também avançaram os poloneses Piotr Malachowski (65,13m) e Robert Urbanek (63,67m) e o estoniano Gerd Kanter (63,61m). Prata no último mundial, o belga Philip Milanov foi 14º com 63,16m, fora da final.

Anúncios

Mundial Indoor de Atletismo – Dia 1

Começou nesta quinta o mundial indoor de atletismo em Portland, EUA. Por conta de espaço, as dias finais do salto com vara foram realizadas ao mesmo tempo e antes do resto das provas. Com o Centro de Convenções Oregon lotado, 6.000 espectadores viram uma prova de altíssimo nível, mas com poucas emoções.

Salto com Vara Feminino

Embed from Getty Images

Apenas 9 atletas, mas com nível muito alto. Pela primeira vez na história dos mundiais indoor, 5 mulheres passaram de 4,70m.

Fabiana Murer não foi uma delas. Já era esperada uma prova difícil pra ela, que não faz um bom inicio de temporada olímpica. Ela passou fácil em 4,50m, também de primeiro em 4,60m, mas errou feio no 4,70m, caindo para o lado e queimando 3 vezes. Campeã mundial indoor em 2010, Murer termina em 6º lugar, empatada com a grega Nikoleta Kiriakopoulou. Bela prova da neozelandesa Eliza McCartney, que quebrou recorde indoor nacional duas vezes, ficando em 5º com 4,70m. A suíça Nicola Büchler também surpreendeu. Fez na prova 13 saltos (!!) e foi avançando sempre no limite, na 3ª tentativa para terminara em 4º, também com recorde nacional.

A disputa ficou entre as duas americanas favoritas. Sensação desse ano, a jovem Sandi Morris venceu o campeonato americano na semana passada, desbancando a Jenn Suhr, mas no Mundial não teve chances. Passou de 1ª em 4,85m, enquanto Suhr, que praticamente não saltou, passou de 1ª. Nos 4,90m, Suhr superou novamente de 1ª e Morris, a grega Ekaterini Stefanidi e Büchler queimaram suas te ntativas. Com uma chance ainda, Morris foi pro tudo ou nada com 4,95m, sua melhor marca pessoal, obtida no mesmo local na semana anterior, mas não deu.

Suhr desistiu não saltar mais e ficou com a vitória com 4,90m. Ela fez 4 saltos e não errou nenhum. Por incrível que pareça, é o primeiro título mundial da campeã olímpica!

Embed from Getty Images

Salto com Vara Masculino

Renaud Lavillenie. Foto: Getty Images

Foi mais fácil pro Renaud Lavillenie do que ele poderia imaginar. Enquanto a maioria sofreu na altura de apenas 5,65m, o francês campeão olímpico descansava. Augusto Dutra ficou ainda no 5,55m e Thiago Braz, que decidiu não saltar em 5,65m, foi para os 5,75m e queimou tudo. Os brasileiros terminaram nas 2 últimas posições da competição, com Thiago em 12º (empatado com francês) e Augusto em 14º. Muito abaixo do esperado, já que o Thiago tinha 5,93 este ano.

Com o sarrafo a 5,75m, Lavillenie entrou na prova e pasou de 1ª, assim como o polonês Piotr Lisek, que ficou com o bronze. O checo Já Kudlicka e o canadense campeão mundial Shawn Barber, que fez uma prova muito ruim, passaram só na última chance. Em 5,80m, o americano Sam Kendricks, que tinha descansado em 5,75m, passou de 1ª para assumir a liderança e viu todos queimarem. Em 5,85m, Kendricks queimou a primeira. Lavillenie só voltaria em 5,90m e com isso o americano também foi para a próxima altura. Nos 5,90m, o francês passou fácil de 1ª, mas o americano não conseguiu. Com apenas dois saltos, Lavillenie garantiu o ouro. Ele passou de 1ª em 6,02m, garantindo o recorde do campeonato e tentou o recorde mundial de 6,17m, mas falhou nas 3 tentativas.

Segundo título mundial indoor do Lavillenie, que apesar de ser campeão olímpico, nunca venceu um título mundial outdoor, assim como a Jenn Suhr.

Nesta sexta-feira, com prova de campo, pista e combinadas, mais 5 finais.

Jogos Pan-Americanos Toronto-2015 – Dia 13

O jejum de ouros foi quebrado graças ao caratê! Grande final do salto com vara e ótimos resultados no atletismo. Não do Brasil.

Atletismo

Fabiana Murer. Foto: Danilo Verpa/Folhapress

Três nomes fortíssimo numa grande final do salto com vara feminino: a campeã olímpica Jenn Suhr, a vice olímpica Yarisley Silva e a campeã mundial Fabiana Murer. Elas só entraram na disputa com 4,50m, com quase todas as outras já eliminadas. Fabiana e a cubana passaram em primeira em 4,50m, mas Suhr só passou na segunda. Em 4,60m, todas de primeira. Nos 4,65m, Suhr queimou as 3 vezes e foi eliminada. Em 4,70m, novamente Fabiana e Yarisley passaram de 1ª e estavam empatadas. No 4,75m, a cubana passa de segunda e com dois erros, Fabiana arrisca e decide saltar direto em 4,80m, com apenas uma chance. Ela passa de primeira e joga a pressão pra cubana que vai lá e também passa de primeira, assumindo novamente a liderança da prova. Pressionada, Fabiana não consegue encaixar e falha nas 3 chances nos 4,85m, terminando com a prata. Yarisley ainda conseguiu os 4,85m para faturar o bicampeonato do Pan.

Prova de altíssimo nível também no decatlo. 5º em Londres, o canadense Damian Warner dominou a prova para vencer com excelentes 8.659 pontos, melhorando o recorde do Pan em quase 300 pontos. Os brasileiros estavam em 2º e 3º quando na penúltima prova, no dardo, Kurt Felix, de Grenada conseguiu 800 pontos, abrindo boa vantagem em cima dos brasileiros, em 3º e 4º. Nos 1.500m, nada se alterou e Luiz Alberto de Araujo terminou com um bronze e a ótima pontuação de 8.179, conseguindo o índice olímpico. Felipe dos Santos também foi bem com 8.019, mas sem índice.

Embed from Getty Images

Ronald Julião conquistou a prata no lançamento de disco com 64,65m na sua última tentativa, a apenas 15cm do campeão, o jamaicano Fedrick Dacres. Na pista, Jeffery Gibson, de Bahamas, venceu os 400m com barreiras com 48.51, recorde do Pan. O americano Clayton Murphy levou os 800m com 1:47.19, apenas 4 centésimos na frente de colombiano. Kendall Baisden liderou a dobradinha americana nos 400 feminino com 51.27. A primeira medalha de São Vicente e Granadinas veio com o bronze na prova.

Vice-campeão olímpico, o dominicana Luguelin Santos levou os 400m com o belo tempo de 44.56 e a mexicana Brenda Flores venceu os 10.000m feminino com 32:41.33, mais um recorde pan-americano no dia.

Douglas Brose. Foto: Sérgio Duti/Exemplus/COB

Karatê – Não é olímpico, mas foi o destaque do dia! Bicampeão mundial Douglas Brose ficou com o ouro nos 60kg masculino, com 4-0 sobre venezuelano na final. Valéria Kumizaki venceu canadense na bandeirada e ficou com o outro ouro do dia, na categoria 55kg. Já Aline Souza perdeu na semifinal para dominicana  ficou com a medalha de bronze nos 50kg. Karatê salvou o dia.

BoxeRafael Lima perdeu na semifinal do super pesado (+91kg) para venezuelano e terminou com a medalha de bronze. Sem nenhum brasileiro nas finais, o país fica com apenas 2 bronzes, muito abaixo do esperado. Já Cuba fez a lição de casa e está em todas as 10 finais masculinas!

Hipismo Saltos – Na primeira rodada por equipe, a Colômbia surpreendeu com apenas 1 pontos perdido, seguida da Argentina com 2 e Brasil e Canadá com 6. Todos os conjuntos americanos cometeram uma falta e eles acabaram com 12, em 6º. Na segunda passagem, todos os americanos zeraram e só precisavam torcer contra. Entre os brasileiros, apenas Eduardo Menezes zerou e o Brasil terminou na 4ª posição. O ouro ficou com o Canadá e a Argentina surpreendeu com a prata, seguida dos americanos. É a primeira vez desde o Pan de 1987 que o Brasil não faz pódio nos saltos por equipe. Após 3 rodadas, quem lidera no individual é Eduardo Menezes, com apenas 1 ponto perdido!

Esgrima – Como esperado, EUA levou os dois ouros no sabre por equipes. No feminino, com sua super equipe bronze no Mundial na semana passada, venceu na final 45-31 o México. No masculino, vitória de 45-37 no Canadá. O Brasil ficou em 5º no masculino e em 6º no feminino.

Vôlei – Numa virada sensacional, o Brasil venceu Porto Rico no vôlei feminino e se classificou para a final. O Brasil perdia por 2-0 jogando mal, mas numa bela reação liderada por Fernanda Garay com 28 pontos, virou a partida, com parciais de 18-25 24-26 25-22 25-19 15-11. Na final, enfrentará os EUA, que venceram por 3-1 a República Dominicana.

Hóquei na Grama – O Brasil conseguiu novamente segurar o placar. esta vez, na semifinal contra o Canadá, de quem havia perdido na primeira fase de 9-1. Com 0-0, o jogo foi novamente para os shootouts, onde o Canadá venceu por 5-3. O Brasil disputará o bronze contra o Chile, enquanto Canadá e Argentina duelam pelo ouro. Resultado espetacular do Brasil. Simplesmente espetacular.

Embed from Getty Images

Futebol – Já no futebol, a derrota na semifinal teve outro sabor. O Brasil abriu 1-0 com um jogador a mais e parecia que iria pra final. Aos 35min do 2º tempo, Raphael foi expulso e o Uruguai virou o jogo em 2min. Resta o jogo pelo bronze contra o Panamá, que perdeu de 2-1 para o México.

Tênis de Mesa – Ainda pela fase de grupos, somente vitórias. Em 7 jogos, 7 vitórias dos brasileiros.

Handebol – Também pela semifinal, o Brasil passeou com 34-24 no Chile e chega pela 7ª vez seguida à final do Pan, onde enfrentará pela 4ª vez seguida a Argentina, que passou com o baixo placar de 20-12 pelo Uruguai. Além da vaga na final, os argentinos garantiram a vaga no Rio-2016.

Embed from Getty Images

Basquete – Com uma grande atuação de Vitor Benite com 34 pontos e 8 rebotes, o Brasil venceu os EUA pelo placar de 93-83 e se sagrou campeão do Grupo A. Na semifinal enfrenta a República Dominicana enquanto os americanos vão pegar o Canadá.

Embed from Getty Images

Esqui Aquático – Nas 6 finais do dia, 3 ouros americanos: Nate Smith no slalom, Adam Pickos nos truques e Regina Jaquess no salto feminino. No slalom feminino, ouro para a canadense Whitney McClintock, no salto masculino para o canadense Ryan Dodd e nos truques feminino para a peruana Natalia Cuglievan.

Baseball e Softball – Numa bela virada na 6ª entrada, o Brasil venceu as cubanas por 5-3 e passaram pra semifinal do softball feminino. Elas perdiam por 3-0! O Brasil enfrenta na semifinal Porto Rico.

Boliche – A Colômbia ficou com o ouro nas duplas femininas, com 5.074 pontos, seguidos de EUA e Venezuela. Brasil em 11º. No masculino, Canadá venceu com 5.607, seguido de Colômbia e EUA. Brasil em 9º.

Jogos Pan-Americanos Toronto-2015 – Prévia IV

Última prévia dos Jogos. Vamos aos que faltam!

Atletismo (47 provas)

Fabiana Murer

Com praticamente todos os maiores nomes da modalidade do país em Toronto, a equipe brasileira chega bem no Pan. Em 2011, foram 23 medalhas sendo 10 de ouro, uma medalha a menos que a natação.

Entre os homens, Thiago Braz é muito cotado ao ouro, já que saltou 5,92m este ano, mas o canadense Shawnacy Barber conseguiu 5,91m e deve ser a pedra no sapato do brasileiro. Caio Bonfim vem fazendo ótima temporada na Marcha 20km e também deve medalhar. Outras boas chances no masculino são de Darlan Romani no peso, Franck Caldeira na maratona, Luiz Alberto de Araújo no decatlo, Giovani dos Santos nos 10.000m, Thiago André nos 1.500m, Hederson Estefani nos 400m com barreiras, Bruno Lins e Aldemir da Silva nos 200m e Vitor Hugo dos Santos nos 100m, além dos revezamentos, principalmente o 4x400m.

Boas chances também no feminino. Fabiana Murer tem 4,80m este ano, mas terá como grande adversária a americana Jenn Suhr, campeã olímpica e com 4,82m este ano, além da forte cubana Yarisley Silva. Ana Cláudia Lemos (100m e 200m) e Rosangela Santos (100m) estão em ótima fase e devem medalhar, também fazendo parte do ótimo revezamento 4x100m. Geisa Coutinho nos 400m e Flávia Maria de Lima nos 800m e 1.500m podem surpreender. Prata em 2007 na distância e no triplo, Keila Costa está em boa fase também. A equipe brasileira dos lançamento está muito bem, com Andressa de Morais e Fernanda Borges no disco e Jucilene Lima no dardo. Curioso também para ver Vanessa Spinola e Tamara Alexandrino no heptatlo, Érica Sena na marcha 20km e Adriana da Silva e Marily dos Santos na maratona.

A equipe americana é um B/C com alguns atletas A, como a Suhr. Já o Caribe com Jamaica, Trinidad & Tobago e Bahamas também costumam fazer bonito nas corridas mais curtas, assim como México nas mais longas. Outro nome é forte é a canadense Brianne Theisen-Eaton, líder do ranking mundial do heptatlo, mas ela não vai disputar a sua prova, apenas o revezamento 4x400m e o salto em distância. Difícil prever muita coisa no atletismo.

Minha previsão: 27 medalhas (7O-11P-9B)

Ciclismo Estrada (4)

As provas de estrada costumam ser decididas no sprint final, então são relativamente difíceis de prever, mas o favoritismo cai sobre a forte equipe colombiana, liderada por Carlos Betancur, 5º no Giro d’Italia em 2013 e campeão da Paris-Nice ano passado. O Canadá tem nomes competitivos, como Rémi Pelletier, medalhista nos Jogos da Comunidade Britânica e os EUA só contam com um atleta, o que os deixa quase sem chances. Os brasileiros vem por fora, com pouca chance na estrada ou na contra-relógio.

Entre as mulheres, os EUA tem Lauren Tamayo, prata em Londres na perseguição por equipes, enquanto a Colômbia tem a veterana Maria Luisa Calle Williams. Canadá e Cuba são boas apostas e o Brasil conta com 3 boas atletas, Janildes e Clemilda Fernandes e Ana Paula Polegatch.

Minha previsão: 1 medalha (1B)

Ginástica de Trampolim (2)

Rosie MacLennan

Camilla Gomes e Carlos Pala representam o Brasil na modalidade sem muitas chances. O destaque é canadense, com a veterana e multi medalhista olímpica e mundial Karen Cockburn e a campeã olímpica em Londres e mundial em 2013 Rosie MacLennan.

Minha previsão: 0

Handebol (2)

Vale vaga olímpica para o campeão de cada naipe. Já classificado pro Rio-2016, o Brasil mandou praticamente sua equipe completa e deve levar os dois ouros. As mulheres foram campeãs pan-americanas em maio sem nenhum problema e ficarão com o pentacampeonato, mesmo sem a capitã Dara. No masculino, o Brasil deve fazer pela 4ª vez seguida final com a Argentina. Os recentes resultados da seleção em amistosos mostrou uma grande evolução e devem levar o ouro.

Minha previsão: 2 medalhas (2O)

Pentatlo Moderno (2)

Yane Marques

Valendo 5 vagas olímpicas no masculino e mais 5 no feminino, é a chance do Brasil garantir a segunda vaga entre as mulheres, já que a Yane já se garantiu com o bronze no Mundial. Yane Marques é o principal nome do Brasil e novamente fará duelo com a americana Margaux Isaksen. A brasileira venceu em 2007 e a americana em 2011. Isaksen foi mal no mundial, mas no âmbito das Américas isso não vai se repetir. Torcida também pra Priscilla Oliveira e Larissa Lellys garantirem a vaga. No masculino, Felipe Nascimento e Danilo Fagundes dificilmente irão ao pódio, mas o objeto é a vaga olímpica (embora o Brasil já tenha vaga garantida por ser sede).

Minha previsão: 1 medalha (1O)

Tiro (15)

Kim Rhode

Vaga olímpica para os 15 campeões além dos vices em 5 provas. É a grande chance do Brasil pegar a vaga na pistola 50m e nos rifle de ar 10m e 3 posições no masculino. Como os EUA já garantiram várias vagas, eles não mandaram sua equipe principal, mas muitos nomes fortíssimos, como a dona de 5 medalhas olímpica Kim Rhode. Atual campeã olímpica e pan-americana no skeet, ela ainda vai levar a bandeira americana na cerimônia de abertura. Cuba tem uma forte equipe também, com destaque pro campeão olímpico em Londres Leuris Pupo.

O Brasil tem uma ótima equipe no masculino, com o finalista mundial na fossa Rodrigo Bastos, a turma da pistola Stenio Yamamoto, Felipe Wu, Emerson Duarte e Julio Almeida e a do rifle Cássio Rippel, Leonardo Moreira e Bruno Heck. No feminino, se alguém pegar final, já é lucro. Medalhas no masculino são muito prováveis. Em 2011 foram 5 bronzes.

Minha previsão: 6 medalhas (1O-2P-3B)

Taekwondo (8)

Boa equipe do Brasil, com destaque pros medalhistas no Mundial esse ano Iris Tang Sing e Venilton Teixeira, além de Julia Vasconcelos e Guilherme Felix. Grandes nomes estão na disputa, como o bicampeão olímpica Steven Lopez, além de outras 4 medalhistas no mundial esse ano: as americanas Paige McPherson e Jackie Galloway, o mexicano Saul Gutierrez e a colombiana Katherine Dumar.

Minha previsão: 3 medalhas (1O-2B)

Lutas (18)

Aline Ferreira

Os brasileiros foram muito mal no último Pan, o que já da para esperar quase nada no masculino. A unica medalha em categoria olímpica foi de Davi Albino na greco-romana. O cubano que o venceu na final do Pan não estará em Toronto. As medalhas virão no feminino. No Pan em abril foram 3, com Joice Silva, Giulia Penalber e Aline Ferreira, atual vice mundial. As únicas medalhas no último Pan em 2011 fora justamente da Joice e da Aline.

Minha previsão: 4 medalhas (1O-1P-2B)

Vôlei (2)

Por conta da Liga Mundial e do Grand Prix, o Brasil está com equipes B, assim como Estados Unidos, Canadá, Argentina, Peru, Cuba, República Dominicana e Porto Rico. Ainda assim, o Brasil é sempre favorito e conta com grandes nomes como Adenizia e Fernanda Garay.

Minha previsão: 2 medalhas (2O)

Outros Esportes

O Pan também tem alguns esportes não-olímpicos: baseball, boliche, karatê, raquetebol, patinação de velocidade, patinação artística, softball, squash e esqui aquático. Seguindo a média dos últimos Pans, podemos esperar umas 5 medalhas no karatê, 2 na patinação artística e 1 no wakeboard. Não posso dizer muito, pois não acompanho estes esportes.

Minha previsão: 8 medalhas (2O-2P-4B)

Total

Somando todas as previsões, chegamos em 57 ouros, 55 pratas e 71 bronzes, 183 medalhas no geral. Em 2011 foram 41-41-50, 141 no total e em 2007 foram 52-40-65, 157 no total.

E a partir de sábado, vamos saber o quanto eu acertei ou errei!

Resumo do fim de semana

Pan de Triatlo

Disputado em Vila Velha, contou com a vitória de Pamela Oliveira (foto) na categoria principal, com 2:08:16. Flávia Fernandes foi bronze com 2:11:39. Na elite masculina, Reinaldo Colucci foi prata com 1:52:03 e Bruno Matheus com 1:52:37. Os dois ficaram atrás apenas do mexicano Rodrigo Gonzalez.

Nas categorias de base, foram ainda 1 ouro (Carolina Furriela) e 1 prata (Paula Maciel) no sub-23.

Pan de Levantamento de Peso

O Brasil enviou 8 homens e 7 mulheres para Caracas para o Pan da modalidade que trouxeram 3 medalhas no total do arranque mais arremesso. O campeão dos Jogos Pan Americanos no +105kg, Fernando Reis foi novamente o destaque, levando a medalha de ouro no total (407kg), no arranque (180kg) e no arremesso (227kg), melhorando em 7kg o total que ele fez nos Jogos Olímpicos.

Nossa outra representante em Londres, Jaqueline Ferreira foi prata no 75kg com 229kg no total, 1kg pior que na capital inglesa. Ela ainda foi prata no arranque e bronze no arremesso. A outra medalha em totais foi de Rosane Santos, bronze com 173kg na categoria 53kg e no arranque (80kg). As outras medalhas foram de Marco Machado (bronze no arranque 94kg) e de Liliane Lacerda, prata no arremesso 75kg com 126kg.

Atletismo

Na Diamond League de Birmingham, Fabiana Murer ficou com a 2ª colocação com 4,63m, atrás da cubana Yarisley Silva com 4,73m e na frente da american Jenn Suhr, campeã olímpica, com 4,53m.

Em São Paulo, João Gabriel Sousa conseguiu 5,61m e atingiu o índice para o Mundial de Moscou, o 4º a atingir a marca! Foram atingidos vários índices para o Pan Juvenil, mas o destaque foi para Higor Silva Alves, que bateu o recorde sul-americano juvenil no salto em distância com 8,02m.

Canoagem

Na 2ª etapa da Copa do Mundo de Canoagem slalom, o destaque foi novamente Ana Sátila, que avançou às semifinais tanto no K1 (27ª na semi) como no C1 (12ª na semi). Os outros atletas não atingiram as semifinais.

Fim de semana do salto com vara

Três acontecimentos importante no salto com vara neste fim de semana!

Recorde Sul Americano

Na 3ª etapa do Concurso Indoor de Salto com Vara em São Caetano, Augusto Dutra fez 5,71m e estabeleceu o novo recorde sul americano indoor da prova. Há duas semanas, na 1ª etapa, ele fez 5,66m e bateu o recorde sul americano. Na semana passada, na 2ª etapa, Fábio Gomes fez 5,70m, pegou o recorde de volta e conseguiu índice para o Mundial de Moscou. Agora, Augusto retoma o recorde e confirma seu índice para o Mundial.

Europeu Indoor

O final da prova masculina no Europeu Indoor foi inacreditável. Em Gotemburgo, Suécia, o francês Renaud Lavillenie (foto) chegou como grande favorito e não decepcionou. Campeão olímpico em Londres, campeão mundial indoor em 2012, bicampeão europeu outdoor e indoor, Lavillenie passou todas as suas alturas na primeira tentativa.

Aos 5,86m, o alemão Bjorn Otto errou a 1ª e passou para a próxima altura. Aos 5,91m, o francês passou e o alemão não saltou. Nos 5,96m, novo sucesso na 1ª para Lavillenie, enquanto Otto errou e foi para o 6,01 no desespero. O francês nem quis saber e passou de 1ª e, com o erro de Otto, conquistou o tricampeonato europeu indoor. Aí que veio o grande momento.

Sozinho na prova, pediu 6,07. O recorde mundial de Sergey Bubka é 6,15m. O 6,07 o faria ser o 2º melhor da história, passando o 6,06m do australiano Steven Hooker de 2009. Ele errou nas 2 primeiras tentativas e foi para a derradeira 3ª. Saltou, bateu no sarrafo, que chacoalhou, mas não caiu! Festa, novo recorde pessoal, recorde do campeonato. Até que o árbitro levanta a bandeira vermelha para o desespero do francês!

O sarrafo se deslocou e se apoiou na barra que segura o seu suporte. Segundo a regra 183.2.(a), um competidor falhará se após o salto, a barra não permanecer nos tarugos devido à ação do competidor durante o salto. E por esse pequeno detalhe técnico, Lavillenie teve que aceitar o 6,01m. Na foto, está difícil, mas dá para perceber que a barra está no apoio. Foto tirada do twitter do campeão olímpico no salto em altura em Atenas-2004, o sueco Stefan Holm.

sarrafo Europeu indoor 2013

Recorde mundial feminino

No campeonato indoor americano, a campeã olímpica em Londres Jenn Suhr (foto) roubou a cena. Ela simplesmente saltou 5,02m e bateu o recorde mundial indoor. Ela havia quebrado o recorde nacional indoor no início de fevereiro com 4,88m e simplesmente melhorou 14cm! Ela é a 2ª mulher a quebrar a marca de 5m e faz algo que há um tempo parecia impossível: tirar o recorde mundial de Yelena Isinbayeva, que era de 5,01m de fevereiro do ano passado.

O último recorde mundial indoor no salto com vara que não foi quebrado por Isinbayeva foi em 16 de março de 2003, por outra russa, Svetlana Feofanova, que fez 4,80m em Birmingham. No outdoor, também foi Feofanova, com 4,88m, em 4 de julho de 2004.

Troféu José Finkel de Natação

Terminou neste sábado o XLI Campeonato Brasileiro Absoluto de Natação, o Troféu José Finkel, que neste ano foi disputado em piscina de 25m, por causa do Mundial de Piscina Curta em dezembro, em Istambul, Turquia.

Valendo como o segundo torneio seletivo para buscar índices para o Mundial (o 1º foi o Campeonato Interfederativo Junior I/Junior II, em julho, em Goiás, onde nenhum índice foi alcançado), o Finkel recebeu a nata da natação nacional, incluindo a equipe que disputou os Jogos Olimpícos de Londres. E mesmo após o cansaço olímpico, show na piscina do SESI em São Paulo, principalmente com Thiago Pereira.

O mais completo

Thiago Pereira é sem dúvida o nadador mais completo que o Brasil já teve. Após finalmente levar sua medalha olímpica, com a prata nos 400m medley logo no primeiro dia de disputas em Londres, a sua auto-estima cresceu tanto que ele nadou muito cada vez que caiu na piscina no Finkel.

Nadou 4 provas individuais e 2 revezamentos, levou 4 ouros, 1 prata e 1 bronze, conseguiu 4 índices para Istambul e bateu 2 recordes sul-americanos, caindo na piscina 11 vezes. Venceu os 100m medley (com recorde sul-americano 52s25), os 200m medley (recorde sul-americano 1min52s30), os 400m medley (recorde do campeonato 4min01s91) e o revezamento 4x200m livre. A prata e o 4º índice para o Mundial foram nos 200m borboleta.

Outros resultados

O Minas Tênis Clube levou o título após uma disputa intensa com o Flamengo, e só garantiu o título após a última prova, o revezamento 4x100m medley masculino, vencendo por apenas 19 pontos (2333,50 contra 2314,50)!. O Flamengo precisava vencer com recorde sul-americano para faturar o título, mas não conseguiu. O título do Minas só veio com a ajuda de duas nadadores holandesas: Femke Heemskerk e Inge Dekker. Ambas estavam no revezamento 4x100m livre holandês ouro em Pequim-2008 e prata em Londres-2012. Femke venceu 4 provas (200m costas, 200m e 400m livre e 200m medley) e Inge 2 (50m livre e 50m borboleta).

César Cielo fez sua parte paraa o Flamengo e levou o título dos 50m livre e dos 100m livre e a prata nos 50m borboleta. Fora de Londres, Guilherme Guido (foto) quis mostrar serviço e venceu os 50m e 100m costas, batendo o recorde sul-americano na prova curta com 23s31e garantindo seu nome em Istambul nas 2 provas.

Os outros 3 recordes sul-americanos quebrados vieram nos revezamentos 4x50m livre masculino (1:25.28 com o Flamengo) e feminino (1:40.12 com o Pinheiros) e nos 200m costas feminino, com Joanna Maranhão (2:08.34), conforme mencionado em post anterior.

Mundial de Piscina Curta

O troféu terminou com 10 nomes garantidos no Mundial de Istambul, que será disputado entre 12 e 16 de dezembro. Os nadadores terão uma terceira e última chance no Brasileiro Sênior e Torneio Open, em novembro, em Guaratinguetá. Até o momento, 5 dos 6 revezamentos estariam garantidos em Istambul, mas a CBDA não confirma esta informação. O único sem índice é o 4x200m livre feminino. Segue a equipe até o moento apenas nas provas individuais:

  • César Cielo: 50m e 100m livre e 50m borboleta
  • Thiago Pereira: 100m, 200m e 400m medley e 200m borboleta
  • Kaio Márcio Almeida: 100m e 200m borboleta
  • Guilherme Guido: 50m e 100m costas
  • Daniel Orzechowski: 50m costas
  • Felipe França: 50m e 100m peito
  • Felipe Lima: 100m peito
  • Etiene Medeiros: 50m costas
  • Henrique Rodrigues: 200m medley
  • Nicholas Santos: 50m borboleta

Esperam-se novos índices em novembro, principalmente do lado feminino. Daynara de Paula, Graciele Hermann, Joanna Maranhão, Fabíola Molina ficaram próximas de conseguir. No masculino, as boas apostas são Luiz Rogério Arapiraca, Tales Cerdeira e Leonardo de Deus.

Meninas vão mal nos Mundiais

No Mundial de Basquete Feminino Sub-17, o Brasil seguiu mal na competição, perdendo para a Holanda 62-42 e vencendo apenas a Turquia 62-50 na 1ª fase. Em 5º no grupo, não avançou para as quartas de final e foi disputar do 9º ao 12º lugar. Na semifinal de consolação, novo fracasso, perdendo para 58-51 para o Mali. Restou ao Brasil reeditar o confronto com a Turquia pelo 11º lugar, onde venceu 66-61.

No Mundial Infanto-Juvenil Feminino de Handball, como esperado, o Brasil perdeu na 1ª fase para a Noruega 34-14 e ficou em 3º no Grupo, não passando para as quartas de final. No torneio de consolação, 2 derrotas: 29-26 para a Coreia do Sul e 29-28 para Montenegro, terminando, então, na 12ª colocação.

Na Copa do Mundo Sub-20 Feminino de Futebol, no Japão, a seleção empatou em 1-1 com a Nigéria (assim como ocorreu com a Itália, o empate veio no final do 2º tempo) e perdeu 2-0 para a Coreia do Sul. Com isso, o Brasil terminou em 3º no seu grupo, sem vitórias e com apenas 2 gols, numa campanha ruim, repetindo o fracasso do último mundial da categoria, em 2010 na Alemanha.

Atletismo e Canoagem

Fabiana Murer segue com resultados médios e, neste domingo, ficou com o bronze na penúltima etapa da Diamond League, em Birmingham. Ela ficou com fracos 4,42m e, apesar do 3º lugar, segue liderando o ranking da Liga Diamante, título que conquistou em 2010. A vitória ficou com a americana campeã olímpica Jenn Suhr, com 4,65m. Keila Costa disputou o salto triplo, ficando em 6º, com 13,84m. Ela aparece em 5º lugar na classificaçãao geral da Liga.

Em Praga, Ana Sátila, representante mais jovem da delegação brasileira em Londres, disputou a 4ª etapa da Copa do Mundo de Canoagem Slalom. No C1, ela avançou a semifinal, onde ficou no 12º lugar, não passando a final por menos de 4 segundos. Na prova que disputou em Londres, o K1, também avançou à semifinal, mas foi muito prejudicada, por não passar por uma das portas, levando forte penalidade e terminando apenas em 27º. O outro representante brasileiro no campeonato foi Pedro da Silva, que ficou em 32º na semifinal do K1.