Troféu Brasil – Dia 2

15 finais no sábado e dois recordes de competição em São Bernardo.

Pista

Thiago André liderou do início ao fim para vencer os 1.500m com 3:45.42, muito acima do índice e muito melhor que o tempo do ouro olímpico no Rio (lembrando que esta foi a final mais fraca dos Jogos). Nos 400m, Geisa Coutinho levou no feminino com 51.97 (abaixo do índice de 52.10) e Lucas Carvalho no masculino com 45.84 (índice é 45.50). Nos 100m com barreiras feminino, Fabiana Moraes venceu com 13.26 (+0,2m/s).

9298

Altobeli da Silva

O finalista olímpico Altobeli da Silva venceu os 3.000m com obstáculos com 8:26.06, baixando do índice de 8:32 e batendo o recorde do campeonato. Na versão feminina, Tatiane da Silva venceu com altos 10:22.00. O B3 Atletismo venceu o revezamento 4x100m masculino com 39.92 e o Pinheiro o feminino com 43.55.

Nas marchas de 20km, o 4º colocado no Rio-2016 Caio Bonfim venceu pela 5ª vez seguida a prova no Troféu Brasil com 1:21:25, recorde do troféu. Érica de Sena vence pela 7ª vez seguida com altos 1:37:34.

Campo

O destaque no campo foi Darlan Romani no arremesso de peso. Ele não chegou perto da espetacular marca da semana passada, mas venceu com 20,56m, quase 1m melhor que o 2º colocado. No disco feminino, Andressa de Morais ficou com o ouro com 58,57m.

Jefferson Santos venceu o decatlo com 7.776 pontos. Final bem fraca do salto em distância masculino: Paulo Sérgio Oliveira fez 7,77m para ficar com o ouro, mesma marca de Tiago da Silva. Mas nos critérios de desempate, Paulo Sérgio obteve um 2º melhor salto (7,64m contra 7,60m). Na prova feminina, Eliane Martins venceu com 6,69m, ficando a 6cm do índice pro Mundial.

Anúncios

Troféu Brasil de Atletismo – Dia 2

Dia de algumas decepções com 2 atletas ficando a meio dedo dos índices. Tivemos algumas marcas boas e mais um nome na equipe olímpica.

8712

Higor Alves. Foto: Marcello Zambrana/CBAt

O destaque do dia foi Higor Alves. Nenhum brasileiro tinha índice pro salto em distância e ele fez 8,19m logo em seu primeiro salto da final, 4cm melhor que o índice. A decepção veio com o bicampeão mundial indoor, Mauro Vinícius da Silva, que ficou em 2º com apenas 8,03m, bem longe do índice de 8,15m. Duda não vinha em boa fase e estava com dificuldades de chegar aos 8m. Uma pena, mas ficará de fora dos Jogos.

No salto em distância feminino, Eliane Martins fez 6,72m para vencer e confirmar sua classificação olímpica. Ela já tinha o índice, que é 6,70m. Mas a tristeza ficou por conta de Jéssica dos Reis. Em seu 2º salto, fez 6,69m, ficando a 1cm do índice! Ela não melhorou e assim não entrou na equipe olímpica.

Vanessa Spínola fez ótima prova do heptatlo, batendo sua melhor marca pessoal por 85 pontos, mas terminou com 6.188, novo recorde brasileiro, 12 pontos a menos que o necessário para ir aos Jogos. Uma pena que as duas não conseguiram, mas elas ainda tem chance. Se após o período de classificação não se chegar a quota que a IAAF espera por prova, podemos ter convites, o que poderiam vir para as duas. Agora é aguardar o dia 12 de julho.

Boa vitória de Geisa Coutinho nos 400m com 51.54. Melhor que isso foi ver outras 5 correndo na final para 52s, o que ajuda e muito o nosso revezamento. Nos 400m masculino, vitória de Pedro de Oliveira, com 45.87. Anderson Henriques, que foi finalista do Mundial de 2013, foi apenas 8º com 46.57.

Thiago Braz só precisou de um salto para ser ouro no salto com vara. Passou de 1ª em 5,50m, enquanto Augusto Dutra precisou de 2 saltos para passar. Augusto errou as 3 em 5,60m e o título já era de Thiago. Sozinho na prova, ainda passou de 1ª em 5,70m. Tentou os 6,00m, mas errou as 3. Thiago é um dos melhores do mundo e briga por medalha sim, mas ele tem fracassado em todas os mundiais que disputou. Vamos ver se o jogo muda nos Jogos, em casa.

Darlan Romani venceu tranquilo arremesso de peso com 20,21m, marca que ele precisa para passar pra final dos Jogos Olímpicos. Mas na quali são apenas 3 tentativas e ele fez a marca na 4ª. De qualquer maneira, seus 5 arremessos válidos foram melhores que o melhor arremesso do segundo colocado.

Nas outras finais do dia, Maila Machado venceu os 100m com barreiras com 13.00, Lidiane Cansian surpreendeu para vencer o disco com 55,35m, Carlos de Oliveira Santos venceu os 1.500m com altos 3:45.94, July da Silva foi ouro nos 800m com 2:03.94, Tatiane da Silva levou os 3.000m com obstáculos com 9:49.22, o Pinheiros faturou o revezamento 4x100m feminino com 44.34 e Brasil Foods/ILF levou o masculino com 39.67.

Após 2 dias, o Pinheiros lidera o Troféu Brasil com 225 pontos contra 202 do BM&FBovespa e 119 do Orcampi.

Temporada indoor segue animada

Dois recordes mundiais agitaram o meeting indoor em Estocolmo nesta quarta-feira.

Genzebe Dibaba em Estocolmo. Foto: Hasse Sjogren

Campeão mundial indoor nos 1.500m em 2014, Ayanleh Souleiman, do Djibouti, sobrou na pouco usual prova de 1.000m e venceu com 2:14.20 para conquistar o recorde. Já na prova de milha feminina, a grande Genzebe Dibaba estabeleceu a nova marca com 4:13.31. Favorita em duas provas no Rio-2016 (1.500m e 5.000m), Dibaba venceu a mais curta no Mundial ano passado e foi bronze na mais longa. Os dois chegarão como grandes favoritos ao Mundial Indoor, em março nos EUA e podemos ver mais recordes mundiais.

Na mesma competição, Fabiana Murer foi prata no salto com vara com 4,71m, perdendo para a grega Nikoleta Kyriakopoulou, que fez 4,81m.

Recordes Sul-Americanos

No último fim de semana, dois recordes sul-americanos para brasileiros no meeting de Berlim. Thiago Braz fez um salto espetacular e atingiu 5,93m no salto com vara, melhorando o recorde continental indoor em 17cm! Em competições outdoor, Thiago tem 5,92m. O outro recorde veio com Rosângela Santos na prova de 60m. Com o tempo de 7.17, terminou em 4º lugar e abaixou a marca anterior de 7.19.

Em competições indoor no Brasil, alguns bons resultados. Em São Caetano no sábado, Fabiana Moraes obtendo o índice pro Mundial nos 60m com barreiras. Com o tempo de 8.08, ela abaixo o recorde brasileiro da prova. Em São Bernardo no domingo, Eliane Martins fez 6,61m no salto em distância e pôs seu nome na equipe olímpica! Interessante que ela não fez índice pro Mundial indoor, que é de 6,65m.

Até o momento, apenas 8 atletas brasileiros conseguiram índice para o Mundial de Portland. No masculino João Vitor de Oliveira (60m com barreiras), Thiago Braz (vara), Augusto de Oliveira (vara) e Darlan Romani (peso). No feminino temos Ana Cláudia Lemos (60m), Rosângela Santos (60m), Fabiana Moraes (60m com barreiras) e Fabiana Murer (vara).

Resumo do fim de semana

Medalhas nas Lutas

Após a confusão provocada pela indicação de excluir a Luta Livre e Greco-Romana dos Jogos de 2020, a equipe brasileira foi disputar 2 torneios internacionais.

No tradicional Torneio Dan Kolov & Nikola Petrov, em Plovdiv, Bulgária, as meninas conquistaram 3 bronzes: Joice da Silva no 59kg, Laís Oliveira no 63kg e Aline Ferreira no 72kg. Também conseguiram um 5º lugar com Susana Almeida (48kg), Dailane Gomes dos Reis (63kg), Gilda Oliveira (67kg). Bons resultados para uma competição que contou com países tradicionais na luta, como Rússia, Turquia, Azerbaijão e Bulgária. Os irmãos Jaoude também disputaram o torneio na luta livre. Adrian Jaoude foi 17º no 84kg e Antoine Jaoude perdeu a disputa do bronze e ficou em 5º nos 120kg.

No torneio Granma-Cerro Pelado em Cuba, mais medalhas. Ronisson Brandão foi bronze na greco-romana 84kg e na luta feminina, outras 4 medalhas de bronze. Atualizo quando conseguir os resultados.

A luta ficou nos holofotes essa semana, com a renúncia do presidente da Federação Internacional FILA, Raphael Martinetti e a indicação do presidente da feração brasileira (CBLA) Pedro Grama Filho para o Bureau da FILA, ao lado do super campeão russo Alexander Kareline, tricampeão olímpico e 9 vezes campeão mundial.

No judô, foram 2 medalhas do Aberto Europeu de Oberwart, Áustria. Eleudis Valentim (foto) foi prata no 52kg, perdendo para Mukhbat, da Mongólia. E a medalhista olímpica Ketleyn Quadros foi bronze no 57kg.

No Aberto de Budapeste, foram mais 3 bronzes: Bruno Mendonça no 73kg, Nacif Elias no 90kg e Renan Nunes nos 100kg.

Seguindo nas lutas, novas disputas nas Copas do Mundo de Esgrima. Em Pádova, Renzo Agresta foi o melhor brasileiro em 98º. Na prova por equipes, o Brasil terminou em 14º entre 21 equipes.

Raquetes

Foi disputado o Brasil Open de tênis no Ibirapuera essa semana, com a ilustre presença de Rafael Nadal, que faturou o título sobre David Nalbandian com 62 63. Nadal, que está muito longe de sua forma antiga, sofreu nas quartas e na semi, perdendo 1 set em cada jogo.

Mas o destaque brasileiro foi nas duplas! Bruno Sores (foto, a direita) não cansa de vencer títulos! Ao lado so austríaco Alexander Peya (foto, a esquerda), venceram o checo Frantisek Cermak e o eslovaco Michal Mertinak por 67(5) 62 [10-7]. Bruno é assim, tricampeão seguido do Brasil Open! Conquistou seu 2º título do ano e o 12º na carreira, se tornando o duplista brasileiros com maior número de títulos na história! Bruno não perde um jogo de ATP250 e ATP500 desde agosto do ano passado!

Num challenger feminino de alto nível em Cali, Colômbia, Teliana Pereira (foto) fez um ótimo torneio, chegando às quartas nas simples e ficou com o vice-campeonato nas duplas! Há 7 anos uma brasileira não vence uma partida de simples num torneio do WTA Tour… Tá na hora de quebrar esse tabu!

No forte Aberto de Kuwait de tênis de mesa, a equipe brasileira conseguiu passar pela fase de grupos e chegar a chave final, mas os 3 perderam na estreia. Gustavo Tsuboi foi o que mais deu trabalho, perdendo de 4-3 para sul-coreano Jeong Sangeun. Thiago Monteiro e Cazuo Matsumoto perderam de 4-0.

Atletismo e Natação

No GP de Orlando, 2 brasileiros ganharam medalhas: Felipe Lima, 13º em Londres, faturou o ouro nos 100m peito com o bom tempo de 1:00.86 e a prata nos 200m peito, com 2:14.16. Gabriel Fidélis foi bronze nos 200m peito com 2:17.40. Os destaques do GP ficaram por conta da super Missy Franklin, que venceu 4 provas (100, 200 livre e 100, 200 costas), Becca Mann com 4 ouros também (200 e 400 medley e 400 e 800 livre) e Tyler Clary com 3 vitórias (400 medley, 200 costas e 200 borboleta).

No atletismo, o destaque foi Augusto Dutra (foto). Na 1ª etapa do Circuito de Salto com Vara, realizado no CT da BM&FBovespa, em São Caetano do Sul, ele saltou 5,66m, batendo o recorde sul-americano indoor que era de 5,65m desde 2011. Raro ver uma prova indoor no Brasil! Em meeting indoor em Birmingham, Eliane Martins foi mal e ficou em 8ª nos salto em distância com fracos 6,11m.

Resumo do fim de semana de Carnaval

É Carnaval, mas o mundo não para!

Ciclismo

No Pan Americano de Ciclismo Pista, no México, o Brasil até levou uma boa equipe, principalmente no masculino. Mas deixou a desejar, não conquistando nenhuma medalha. No masculino, os melhores resultados foram os 5º lugares na perseguição por equipes e na corrida por pontos, com Armando Camargo. Nas provas rápidas, Flávio Cipriano foi 10º na Keirin e 7º no sprint. No último Pan, Gideoni Monteiro foi ouro na perseguição individual. Desta vez, ficou apenas em 14º. No feminino, com apenas 2 atletas de sprint participando, o melhor resultado foi o 5º lugar no sprint por equipes.

Cuba venceu 7 das 9 provas femininas. No masculino, com 10 provas, Argentina, Colômbia e Venezuela venceram 3 cada e os mexicanos donos da casa faturaram apenas a prova de Madison.

Em Paulínia, na Copa América de BMX, vitórias brasileiras na competição que contou com 64 atletas de 6 países. Renato Rezende, que esteve em Londres, venceu no masculino e Priscilla Carnaval venceu no feminino.

Tênis, golfe e esgrima

No tênis, a jovem equipe feminina conseguiu bons resultados no Zonal Americano da Fed Cup. Na 1ª fase, não perdeu nenhum jogo: 3-0 no Chile, 3-0 no México e 2-0 no Paraguai, passando para a final como campeão do grupo. Na final, pegou as favoritas canadenses. Paula Cristina Gonçalves começou mal e levou um pneu de Sharon Fichman, mas se recuperou e não só devolveu o pneu como virou o jogo: 06 60 64. A número 1 do país, Teliana Pereira não foi páreo para a jovem de 18 anos Eugenie Bouchard, campeã do torneion juvenil de Wimbledon ano passado e levou um 62 62. Na decisão nas duplas, Teliana e Laura Pigossi fizera um jogo apertado, mas perderam para Gabriela Dabrowski e Fichman 76(4) 75. Desta forma, o país fica novamente fora das repescagens no feminino.

No golfe, Alexandre Rocha foi bem no torneio Pro-Am Pebble Beach, na Califórnia. São 3 campos diferentes e cada golfista passa por cada um dos campos nas 3 primeiras rodadas. E por apenas um ponto ele não passou no corte para disputar a rodada final, finalizando com 214, exatamente a soma do par dos 3 campos.

No Pan Juvenil e Cadete de Esgrima, bons resultados. Entre os cadetes, Gabriela Cecchini (foto) foi ouro no florete e Eduardo Gastal no florete e Naira Ferreira na espada foram bronze. Entre os juvenis, apenas um bronze na espada masculina com Guilherme Melaragno. A promessa Amanda Simeão ficou em 7ª na espada. Nas provas por equipes, dois bronzes, no florete feminino e no masculino.

Judô e Atletismo

Nos torneios indoor na Europa, Eliane Martins e Rogério Bispo venceram o salto em distância em Ludwigshafen. Ela com 6,31m e ele com 7,69m. Fabiana Murer sentiu o tendão de Aquiles em Donetsk e vai voltar para o Brasil para tratamento. Ela saltou apenas 4,45m e ficou em 7ª, mesma posição de Thiago Braz com 5,50m.

Em Praga, Vanessa Spíndola conseguiu outra medalha no pentatlo indoor, a prata com 4.082 pontos.

No Grand Prix de Judô de Paris, prova muito esperada e que já contou com as novas regras do esporte, duas medalhas: Bruno Mendonça (foto) foi prata no 73kg e Victor Penalber bronze no 81kg. Os medalhistas olímpicos Sarah Menezes, Ketleyn Quadros, Felipe Kitadai e Rafael Silva perderam a disputa do bronze e ficaram em 5º.

Resumo do fim de semana

Copa do Mundo de Vela

A 2ª etapa da Copa do Mundo, em Miami, estava bem esvaziada com poucos nomes entre os melhores do mundo. O Brasil foi com uma grande equipe em quase todas as classes e conseguiu ótimos resultados, principalmente no feminino.

Na 49erFX, classe que estreará no Rio-2016, Martine Grael e Kahena Kunze (foto) venceram as 2 regatas da Meda Race e conquistaram o  título. O 2º em menos de 10 dias! Na 470 feminina, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan, que estiveram em Londres, lideraram quase toda a competição e também ficaram com o título da prova.

Entre os homens, o destaque foi o jovem Jorge Zarif, que ficou com a medalha de bronze na Classe Finn. Na mesma classe, Bruno Prada, que vem fazendo sua transição após a saída da Star dos Jogos Olímpicos, terminou em 7º. Na Laser, Bruno Fontes ficou coma  5ª colocação.

As classes Laser e Laser Radial experimentaram um novo sistema de pontuação, onde o vencedor da regata recebe zero e não mais 1 ponto. Após 6 regatas, dava-se um ponto de “carrego” de acordo com a posição e outras 5 eram disputadas (se você foi o 5º após 6 regatas, você começa com 5 pontos). Após essa fase, 3 Medal Races (que tem pontuação dobrada) foram disputadas. Meio confuso, mas que torna um pouco mais interessante e menos previsível.

Esportes Coletivos

Na disputa da 2ª etapa da Seven World Series de Rubgy de 7 feminino, em Houston, a seleção brasileira teve uma primeira fase com 3 derrotas (27-0 para a Rússia, 22-0 para a Austrália e 17-12 para o Japão). Na disputa do 9º ao 12º lugares, 2 vitórias! 27-0 sobre a Argentina e 12-7 na revanche sobre as japonesas e terminaram com o 9º lugar geral, levando o “bowl” (foto).

No Hóquei na Grama, a seleção masculina teve um desempenho histórico! Com vitória de 4-1 sobre o Peru no sábado, conquistou o bronze no Sul-Americano, a 1ª medalha na história da competição! No feminino, a medalha não veio por pouco. Novamente (4ª vez seguida no torneio…), o Brasil ficou em 4º atrás do Uruguai. Na disputa do bronze, 4-1 para as uruguaias.

No Pólo Aquático, as seleções disputaram o Pré-Mundial no Canadá e tiveram finais diferentes. Com 2 vagas em jogo em cada sexo e 4 equipes na disputa, bastava chegar a final. O problema é que no masculino, Canadá e EUA disputavam vagas. O Brasil perdeu na semifinal por apenas 1 gol para os canadenses (7-6) e, assim, ficará de fora do Mundial de Barcelona-2013. No feminino, vitória na semi de 13-6 sobre a Argentina e classificação garamtida para a disputa na Espanha.

Pratas no Atletismo e Maratona Aquática

Na 2ª etapa da Copa do Mundo de Maratona 10km, Ana Marcela Cunha se recuperou da péssima atuaçaõ em Santos na semana passada e ficou com a prata na Argentina, ficando atrás apenas da americana Emily Brunemann, campeã também em Santos. Poliana Okimoto passou muito mal antes da prova e nem nadou. No masculino, o francês Romain Beraud, que também venceu em Santos, levou o título na Argentina. Allan do Carmo foi o 6º e Samuel de Bona o 16º. A próxima etapa é só dia 1º de março em Israel.

No atletismo, o destaque foi o 2º lugar de Luiz Alberto de Araújo (foto) em torneio indoor em Tallin, Estônia. Ele fez 5.916 pontos no heptatlo e estabeleceu o novo recorde brasileiro para a prova, melhorando em 163 pontos o recorde de Renato Câmara, de 2012. No mesmo torneio, Vanessa Spíndola também foi prata, só que no pentatlo, com 4.261 pontos.

Na Rússia, Fabiana Murer ficou com a 2ª colocação no meeting indoor de Moscou, com 4,70m no Salto com Vara, atrás da britânica Holly Bleasdale, com 4,75m. No mesmo meeting, Eliane Martins foi bronze no salto em distância, com 6,49, sua melhor marca pessoal indoor.

Copa Davis

A derrota mais doída do fim de semana foi sem dúvida a da Copa Davis. O Brasil foi a Jacksonville, Flórida, pegar os americanos, franco favoritos. Na sexta, 2 x 0 sem dar chances a Thomaz Bellucci e a Thiago Alves. Aí no sábado… Um jogo espetacular e uma performance fantástica de Marcelo Melo e Bruno Soares (foto abaixo) sobre os quase imbatíveis irmãos Bryan. Um 3-2 incrível.

No domingo, Bellucci sofreu, jogou muito, e venceu um John Isner que se recupera de lesão e que depois reclamou muito do comportamento dos torcedores brasileiros. Mas ele não pode falar nada, pois a atitude de Bob Bryan no jogo de duplas foi muito pior e menos esportiva.

Restou a Thiago Alves (foto acima) e Sam Querrey batalhar pelo ponto final. Thiago jogou muito no 1º set e venceu, mas Querrey entrou no jogo e virou para 2-1. Sacando para o jogo no 4º set, Thiago quebrou o serviço, levou para o tie-break, mas acabou perdendo por 7-3. Vitória americana, mas o Brasil mostoru que tem um time com muita raça, dois duplistas excepcionais e um Bellucci que quando quer, joga muito. Agora resta a repescagem em setembro.