Troféu Brasil – Final

O Troféu Brasil de 2017 acabou neste domingo com ótimas marcas em São Bernardo e a certeza de que o atletismo está indo no caminho certo.

Pista

9304

Márcio Teles e Hederson Estefani

Duas marcas chamaram muita atenção: o excelente tempo de 20.15 (+1,3m/s) de Aldemir Gomes da Silva Jr. nos 200m e 48.94 de Márcio Teles nos 400m com barreiras, recorde do Troféu. Este tempo colocaria Aldemir em 6º na final olímpica do Rio. Os dois conseguiram o índice pro mundial e nos 400m com barreiras Hederson Estefani também baixou do índice, com 49.13 e a prata. Vitória Cristina Rosa venceu os 200m feminino com 22.93 (+1,5m/s), ratificando o índice pro Mundial, assim como Rosângela Santos com 22.95.

Também venceram com índice Éder Souza nos 110m com barreiras com 13.47 (+0,8m/s) e Thiago André nos 800m com 1:44.81. Os outros campeões do dia foram: Altobeli da Silva nos 5.000m com 13:46.72, Maria Aparecida Ferraz nos 5.000m com 16:31.98, Kleidiane Jardim nos 1.500m com 4:23.58, Jailma Sales de Lima nos 400m com barreiras com 56.76, B3 Atletismo no 4x400m feminino com 3:35.45 e o EC Pinheiros no 4x400m masculino com 3:07.43.

Campo

9302

Laila Ferrer

O grande destaque no campo foi Núbia Soares no salto triplo. Ela saltou duas vezes para ótimos 14,56m ficando a apenas 2cm do recorde brasileiro! Tânia Ferreira da Silva ficou em 2º também com índice, de 14,13m. Geisa Arcanjo fez sua melhor marca do ano com 18,08m na primeira tentativa na final do arremesso de peso, mais uma vez melhor que o índice. Está chegando na marca que fez na final olímpica no Rio, com 18,16m, mas ainda longe do seu PB de 19,02m. No dardo, Laila Ferrer venceu com 62,52m, superando o índice pro Mundial de 61,20m.

Thiago Braz ainda não está no seu melhor, mas ficou com o ouro no salto com vara, empatando em 1º  com Augusto Dutra, ambos com 5,52m na 2ª tentativa e 3 erros no total. Ambos tentaram 5,62m, mas Augusto falhou 3 vezes e Thiago desistiu após sentir a panturrilha, preferindo se poupar. No heptatlo, Tamara Alexandrino venceu com bons 6.040, superando pela 1ª vez a barreira dos 6.000 pontos, mas ainda sem índice pro Mundial, que é 6.200. Vanessa Spindola fez 5.812, longe do seu PB de 6.188.

Os outros campeões foram Felipe Lorenzon no disco com fracos 57,97m, Paulo Enrique da Silva no dardo com 74,86m, Alexsandro de Melo no salto triplo com 16,42m, Fernando Ferreira no salto em altura com 2,25m e Julia Cristina dos Santos no salto em altura com 1,80m.

Por equipes, vitória do Pinheiros no masculino, no feminino e no geral, enquanto a B3 Atletismo ficou em 2º lugar nas 3 classificações.

A equipe pro Mundial já conta com 24 atletas, sem contar os maratonistas e revezamentos. Não é tão grande, mas tem ótima qualidade. A CBAt está no rumo certo.

Troféu Brasil de Atletismo – Último Dia

Que dia! Fechando com chave de ouro com mais 6 índices olímpicos! E tem muita gente boa que ainda não conseguiu.

Pista

Aldemir Junior. Foto: Carol Coelho/CBAt

As provas de 200m foram o destaque deste 4º e último dia. No masculino, Aldemir Gomes conseguiu o bi na prova e venceu com 20.44, seguido colado do Bruno Lins, com 20.46. Ambos fizeram abaixo do índice pro Rio-2016. No feminino, a situação foi semelhante. Ana Claúdia Lemos conseguiu seu segundo índice olímpico, com 23.08 na final dos 200m. A surpresa foi Vitória Cristina Rosa, segunda colocada com 23.11 e também índice! Espero mais de 3 atletas com índices nessas duas provas. Muito bom.

Uma super surpresa foi nos 400m com barreiras. Hederson Estefani, 2º nos 400m, venceu os 400m com barreiras com 49.40, fazendo exatamente o índice para o Rio-2016! Detalhe que essa não é a prova dele. aproveitou a ausência do Mahau no Troféu e ficou com a vitória com quase 1s de vantagem sobre o 2º colocado. Na prova feminina, vitória de Jailma Sales de Lima com 58.14, quase 2s do índice.

Thiago André após vencer os 1.500m. Foto: Carol Coelho/CBAt

Depois de conseguir o índice ontem de forma inesperada nos 110 com barreiras, Éder Souza ficou apenas em 2º na final da prova, com 13.82. Quem venceu foi João Vitor de Oliveira com 13.70. Nos 800m, mais um ouro pro jovem Thiago André, com 1:47.74.

Nos 5.000m masculino, título para Altobeli da Silva com 14:05.19 numa prova com apenas 6 inscritos. Flávia Maria de Lima também conquista seu segundo ouro, vencendo os 1.500m com 4:13.29. Nos revezamentos 4x400m, a BM&F venceu no masculino com 3:04.47 e no feminino com 3:37.29.

Campo

Fabiana Murer. Foto: Wagner Carmo/CBAt

Fabiana Murer é outra que já colocou seu nome na lista olímpica. Ela venceu com 4,65m, superando o índice de 4,50m em sua primeira competição ao ar livre na temporada. Keila Costa também faturou seu segundo ouro, vencendo o salto triplo com 14,03m.

Mauro Vinícius da Silva, o Duda, venceu o salto em distância com 8,03m, o único a passar dos 8m na prova. O índice olímpico é 8,15m. Geisa Arcanjo levou o arremesso de peso com 17,35m, ainda longe da sua boa forma. Encerrando as provas do Troféu, o dardo masculino, vencido mais uma vez pelo Julio Cesar de Oliveira, com 75,67, a mais de 7m do índice.

O título geral ficou mais uma vez com a equipe da BM&F Bovespa, com 567,5 pontos, muito a frente do Pinheiros, com 376,5. A equipe levou 20 ouros no total.

Foi um Troféu muito bom, com 12 índices olímpicos, 16 pro Mundial, um recorde sul-americano juvenil e apenas um recorde do campeonato. Resultados bem interessantes e até inesperados, como o índice dos 110m com barreiras, a excelente marca nos 800m feminino, a ótima prova da Andressa no disco e um torneio excelente da Rosangela. Bom ver novos nomes brilhando, como o Thiago André e o alto nível da equipe masculina de 400m. O próximo torneio da seleção será o Sul-Americano em Lima em junho.

Troféu Brasil de Atletismo – Dia 3

Num dia onde poucos resultados expressivos eram esperados, com várias provas em que o Brasil não tem grandes nomes, acabou vindo o primeiro índice olímpico masculino de provas de pista/campo.

Pista

Éder Souza. Foto: Wagner Carmo/CBAt

E o índice foi na semifinal dos 110m com barreiras, cuja final será no domingo. Éder Souza venceu a segunda bateria com 13.46 (vento de +1,4) e baixo dos 13.50 necessários para conseguir vaga para o Rio-2016! O Brasil já chegou a ter 4 atletas com índice olímpico, mas vem enfrentando uma fase ruim na prova.

Caio Bonfim no pelotão durante prova da marcha de 20km. Foto: Wagner Carmo/CBAt

Pela manhã, as marchas de 20km, onde venceram os favoritos. Caio Bonfim confirmou o favoritismo com 1:24:53, mais de 3min acima do seu melhor tempo no ano. Érica Sena levou no feminino com 1:37:10.

Tatiele de Carvalho venceu sua segunda prova no Troféu, levando os 5.000m com 16:02.41. Nos 3.000m com obstáculos masculino, vitória do Jean Carlos Machado com 8:54.17.

Nas eliminatórias dos 200m, Ana Cláudia Lemos fez ótimos 22.84, mas com vento bem acima do permitido, de 3,1m/s (o máximo para validar resultados é 2,0). Bruno Lins fez 20.50, que também seria índice olímpico, mas o vento também foi acima, com 3,7m/s.

Campo

No decatlo (que não é exatamente uma prova de campo apenas), boa performance do Luiz Alberto de Araújo. Ele venceu com 8.034 pontos, perto do índice olímpico de 8.100. Ele não bateu nenhum recorde pessoal na competição e ficou longe do seu PB de 8.276. Quem sabe o índice pro mundial vem no SulAm ou no Pan.

Fernando Ferreira conquistou o bi no salto em altura com 2,25m. Ele tentou o índice pro mundial de 2.28m mas não conseguiu. Talles Silva, que vai pro mundial, decepcionou com 2,15m. No salto em altura feminino, uma das provas mais fracas do Brasil, Ana Paula de Oliveira, de 19 anos, venceu com 1,82m, marca bem fraca.

Ronald Julião completou uma sequencia impressionante de 11 títulos seguidos no Troféu Brasil no disco. Ele venceu com 61,55m, bem longe do índice de 66m. Felipe Lorenzon vem chegando e ficou em 2º com 59,76m.

No dardo feminino, Jucilene de Lima venceu pela 4ª vez o título nacional com 60,54m. O índice é 62m, marca que ela já superou ano passado. Precisa superar novamente.

O Troféu Brasil promete ótimas performances neste domingo, com o encerramento com as 15 finais restantes.