Mais medalhas para Ana Satila. E quem segura Jessica Fox?

Na 3ª etapa da Copa do Mundo de canoagem slalom, Ana Sátila faturou mais duas medalhas e chega a 5 medalhas até agora na Copa do Mundo.

3232-gr-1-7-2018-16-23-43

Ana Sátila na 2ª etapa. Foto: CBCa

Na cidade alemã de Augsburg, Ana ficou com o bronze no C1 com 115,79, atrás da australiana Jessica Fox com 111,15 e da britânica Mallory Franklin com 115,65. Na prova de Extreme K1, uma espécie de corrida em formato de baterias, mas que não é olímpica, Ana venceu e levou o ouro. No sábado, ela parou na semifinal do K1, perdendo duas portas e terminando em 28º.

Na 1ª etapa, há duas semanas na Eslováquia, Ana já havia ficado com a prata no Extreme K1 e pego as duas finais nas provas olímpicas, terminando em 9ª no K1 e em 10ª no C1. E na semana passada, na Polônia, ela ficou com o bronze no C1 e mais uma prata no Extreme K1, mas no K1 parou na semifinal, em 16º.

Mas quem está imbatível é a australiana Jessica Fox. Prata em Londres-2012 e bronze no Rio-2016, Fox venceu o K1 e o C1 nas três etapas! 100% de aproveitamento nas duas provas, algo simplesmente espetacular. Na classificação geral, Ana está em 2º lugar no C1 e em 15º no K1. No masculino, o britânico Joseph Clarke lidera no K1 e o eslovaco Alexander Slafkovsky, prata nas 3 etapas, no C1.

A Copa do Mundo só retorna no fim de agosto para uma etapa na Eslovênia e em setembro pra etapa final na Espanha.

 

Anúncios

Mundial de Canoagem Slalom – Parte II

3133-20171001-3400-1-10-2017-16-18-02

Ana Sátila e sua 2ª medalha neste Mundial! Foto: CBCa

Depois de fracassar no C1 apesar de todo o favoritismo, a australiana Jessica Fox deu show na final do K1. Na semifinal, passou com o 10º tempo, ficando a apenas 0.07 da 11ª. Na decisão, ela foi a 1ª a descer e fez uma prova limpa com 97.14. Aí foi só torcer contra. Nenhuma atleta chegava perto do tempo da australiana. A última a descer foi a britânica Fiona Pennie, a melhor nas eliminatórias e na semifinal, mas, quando ela perdeu a 10ª porta, o ouro caiu nas mãos da jovem australiana de apenas 23 anos e 7 títulos mundiais! A eslovaca Jana Dukatova foi prata com 101.76 e a alemã Ricarda Funk bronze com 102.62. Ana Sátila, bronze no C1 na sexta, ficou em 15º lugar na semi e não pegou final.

20170930-03625_pau

Benjamin Savsek (SLO). Foto: ICF

Na final do C1 masculino, o esloveno Benjamin Savsek foi espetacular. Mesmo com uma falta e a punição de 2s, conseguiu fazer o melhor tempo, com 94.81. Em 2º lugar o eslovaco Alexander Slafkovsky com 96.29 e o bronze foi pro veteraníssimo e multicampeão eslovaco Michal Martikan. Após 3 pódios seguidos em mundiais, Savsek finalmente levou o ouro enquanto Martikan, aos 38 anos, chega a sua 21ª medalha em Mundiais! Ele ainda tem 5 medalhas olímpicas. Felipe Borges ficou em 25º na semifinal.

No domingo, foi a vez da estreia do Extreme Kayak em mundiais. É uma prova de baterias com 4 por vez onde os 2 primeiros avançam. Há portas que devem ser cruzadas pela direita ou pela esquerda, portas de remonta e área onde deve ser feito um rolamento. Ana Sátila foi avançando, venceu sua bateria de 4as de final, contou com duas desclassificações na semi e, na decisão, conseguiu uma medalha de prata, sua 2ª medalha neste Mundial! A vitória foi da alemã Caroline Trompeter e no masculino o ouro foi pro checo Vavrinec Hradilek.

Mundial de Canoagem Slalom – Parte I

Ana Sátila novamente entra para a história da canoagem brasileira conquistando a 1ª medalha de um brasileiro em Mundiais de canoagem slalom, em Pau, na França.

3131-20170929-300-29-9-2017-16-08-46

Ana Sátila. Foto: CBCa

Na prova do C1 feminino, que fará sua estreia olímpica em Tóquio-2020, Ana brilhou e contou bastante com a sorte. Nas eliminatórias na quarta-feira, fez o 13º tempo na 1ª descida para avançar pra semifinal. Hoje na semi, deu 3 toques nas portas, mas fez uma descida excelente (a 3ª mais rápida) e terminou em 7º lugar com 119.21 se garantindo na decisão. A australiana Jessica Fox vinha com o melhor tempo de 114.44. Na final, a britânica Mallory Franklin, a 1ª a descer, brilhou zerando com 109.09. As duas russas fizeram descidas ruins. Uma inclusive virou o caiaque e perdeu 6 portas. Ana foi a 4ª a descer e vinha muito bem, mas acabou tocando na penúltima porta. Ainda assim, assumiu o 2º lugar com 114.29. Aí foi hora de secar as 6 restantes. A britânica Eilidh Gibson vinha muito bem, mas tocou uma no final e piorou seu tempo, ficando atrás da brasileira. A checa Tereza Fiserova, penúltima a descer, zerou sua passagem e assumiu o 2º lugar, jogando a brasileira para 3º. Restava apenas Fox. A australiana comeõu muito bem, mas deu dois toques seguidos e se embananou numa porta invertida e, com 119.72, terminou em 6º. Medalha inédita de bronze para Ana Sátila em um Mundial adulto!

No K1 masculino, dobradinha checa num quase empate. Ondrej Tunka e Vit Prindis fizeram o 1-2 com 91.84 e 91.86 respectivamente, ambos zerando. Prata no Rio-2016, o esloveno Peter Kauzer completou o pódio com 92.13. No C2 masculino, que não é mais olímpica, vitória dos donos da casa Gauthier Klauss/Matthieu Péché com 105.30, deixando os primos eslovacos campeões olímpicos Ladislav e Peter Skantar em 2º com 105.37. Tricampeões olímpicos, os gêmeos eslovacos Pavol e Peter Hochschorner seguem em má fase, perdendo 2 portas e terminando em 10º.

No retorno do C2 misto a mundiais após um hiato de 36 anos, mais um ouro francês com Margaux Henry/Yves Prigent. Nas provas por equipes na terça-feira, a Eslováquia venceu no C1 masculino, República Checa no K1 masculino, Grã-Bretanha no C1 feminino e Alemanha no K1 feminino.

Foi a 19ª medalha do Brasil em provas olímpicas em Mundiais em 2017.

Resumo olímpico da semana

Vôlei

Captura de Tela 2017-09-13 às 00.48.37

Foto: FIVB

O Brasil ficou com a prata na Copa dos Campeões de Vôlei feminino no Japão, após 3 vitórias em 5 jogos. Começou vencendo por 3-1 a Rússia, depois perdeu de 3-2 para a China e para o Japão, antes de vencer 3-0 a coreia do Sul e fechar a campanha com 3-0 sobre as americanas. A China ficou com o ouro de maneira invicta e os Estados Unidos foram bronze também com 3 vitórias.

A seleção feminina encerra, assim, o ano com um excelente retrospecto, de 3 ouros (Grand Prix, torneio de Montreux e Sul-Americano) e uma prata em 4 competições, mas mostrou muita inconstância, embora esteja em renovação.

Canoagem Slalom

Ana Sátila não medalhou por pouco na etapa final da Copa do Mundo em La Seu D’Urgell, na Espanha. Na última competição antes do Mundial no fim do mês na França, Ana chegou às finais das duas provas que disputou. No K1, depois de fazer o melhor tempo na semifinal, acabou ficando em 4º lugar na decisão com 99.93, a 1.78 do bronze. A vitória foi da alemã Ricarda Funk com 96.82. No C1, que agora é olímpica, Ana Sátila terminou em 7º com 115.69, ficando a 2.68 do pódio. O ouro ficou com a espanhola Nuria Vilarrubla com 108.37.

Pedro da Silva, finalista olímpico, parou na semifinal do K1 em 25º.

Hipismo

A equipe brasileira formada por Pedro Muylaert/Prince Royal Z MFS, Yuri Mansur/Babylotte, Pedro Veniss/Quabri de Isle e Eduardo Menezes/Quintol foi prata na Copa das Nações no CSIO5* de Spruce Meadows, no Canadá. Somando 8 pontos, o Brasil empatou com os Estados Unidos, que contou com a bicampeã olímpica Beezie Madden. No desempate, Madden e Muylaert zeraram, mas a americana fez o percurso em 39.21 contra 39.75 do brasileiro.

Este torneio não valeu pro circuito da Copa das Nações. Apesar disso, o Brasil já está classificado pra etapa final, que será no fim do mês em Barcelona e contará com os mesmos 4 cavaleiros acima e também com Marlon Zanotelli.

Outros Esportes

img-20170910-wa0011

Equipe de karatê na Alemanha. Foto: CBK

– Os atletas brasileiros conquistaram 2 pratas na etapa final da Karate1 Premier League na Alemanha. Campeão no ano passado, Douglas Brose perdeu na final dos 60kg por 6-2 para o russo Evgeny Plakhutin. Nos 67kg, Vinicius Filgueira também perdeu na decisão 5-3 para o japonês Hiroto Gomyo.

Adilson da Silva fica em 37º no Omega European Masters de golfe, válido pelos fortes Tours Europeu e Asiático, na Suíça. Ele somou 276 tacadas, 10 acima do campeão, o inglês Matthew Fitzpatrick e ganhou 1,2029 potnos no ranking mundial. No Tour Latinoamericano, no México, nenhum brasileiro passou pelo corte.

Shayanne da Silva foi a única brasileira no Mundial Cadete de lutas, em Atenas. Nos 49kg, ela perdeu na estreia de 10-0 por superioridade para a ucraniana Tetiana Profatitilova, que foi bronze na categoria.

Resumo olímpica da semana

Natação

Atletas brasileiros venceram 7 medalhas no Torneio Sette Colli, em Roma. Último torneio de preparação pro Mundial de Budapeste, que começa em 14 de julho. Bruno Fratus ficou com o único ouro, com 21.86 nos 50m livre. César Cielo foi 5º com 22.20. Nos 100m livre, Fratus foi prata com 48.75 enquanto Marcel Chierighini ficou em 6º com 49.00. Nos 50m peito, João Gomes Jr ficou em 2º com 26.95, atrás apenas da lancha Adam Peaty, com 26.61.

Também medalharam Etiene Medeiros com a prata nos 50m costas com 27.82, Nicholas Santos prata nos 50m borboleta com 23.08, Thiago Simon bronze nos 200m medley com 1:59.99 e Brandonn Almeida bronze nos 400m medley com 4:15.30

p1bjdm6akdj20ec299j8o6s2l7_crop

Viviane Jungblut no pódio, à esquerda

Um dos principais destaques no Maria Lenk em maio, Viviane Jungblut conquistou a medalha de prata na Copa do Mundo de Águas Abertas 10km, em Setúbal, Portugal.Foi apenas a sua 2ª prova deste nível. Ela completou a prova em 1:37:37.23, apenas 0.95 atrás da italiana Rachele Bruni, vice-campeã olímpica.

Tênis de Mesa

35439925805_66ec667ce2_o

Bruna Takahashi

Bruna Takahashi deu show no Pan Jr de tênis de mesa em Buenos Aires, faturando 3 ouros e 1 prata. No individual, venceu na decisão a porto-riquenha Adriana Diaz por 4-3 (7-11, 6-11, 11-3, 11-5, 13-11, 6-11, 12-10). Nas duplas femininas, ao lado de Alexia Nakashima, venceu 3-1 as americanas Amy Wang/Crystal Wang e nas mistas com Siddharta Almeida venceu por 3-0 na final brasileira Alexia e Carlos Ishida.

Por equipes, veio a única prata, ao perderem na decisão para a equipe americana por 3-2, sendo que Bruna venceu suas duas partidas na decisão. Bruna venceu todas as 13 partidas individuais e 9 de duplas que disputou! Carlos Ishida foi prata no tornei masculino ao perder na decisão de 4-0 pro americano Kanak Jha e ajudou a equipe brasileira a ficar com a prata, também perdendo na decisão pros americanos.

Outros Esportes:

– O Campeonato Brasileiro Sub-18 de atletismo definiu a equipe que irá ao Mundial Sub18 no Quênia em julho. Serão 16 atletas, sendo 7 no masculino e 9 no feminino. Principal destaque da equipe é Lorraine Martins, classificado nos 100m e nos 200m, com tempos entre as 8 melhores da categoria.

– Na 2ª etapa da Copa do Mundo de Canoagem Slalom, em Augsburg, Alemanha, Ana Sátila conquistou a melhor colocação do Brasil, com o 8º lugar na final do C1, mesmo perdendo uma porta. No K1, ela perdeu duas portas na semifinal, ficando em 30º lugar. Felipe Borges também chegou na semifinal, no C1, ficando em 26º.

– Após seletiva, CBG convocou os atletas para o Pan de Ginástica Artística de Especialistas, em agosto, e para os Jogos Sul-Americanos da Juventude, em outubro. Para o Pan irão: Caroyne Pedro e Flávia Saraiva no feminino e Péricles Silva, JAred Azarini, Caio Souza e Arthur Zanetti no masculino.

Robert Scheidt e Gabriel Borges começaram muito bem na Semana de Kiel de vela, na Classe 49er, mas caíram muito de rendimento e terminaram em 17º entre 69 barcos. Carlos Lorente e Marco Grael ficaram em 15º.

Henrique Avancini foi 30º no Mundial de Mountain Bike Maratona, na Alemanha. Ele completou o percurso em 3:26:03. O vencedor foi o austríaco Alban Lakata, com 3:17:24. Na Espanha, Raiza Goulão venceu prova em Moralzarzal, faturando mais 30 pontos pro ranking mundial. Em Goiânia, na 2ª etapa da Taça Brasil, vitórias de Erika Gramiscelli e Luiz Cocuzzi. 30 pontos no ranking para cada, também.

– Juliana e Carol Horta perderam nas 4as do Aberto de Nantong de vôlei de praia. Única dupla brasileira na China, foram derrotadas pela dupla russa Abalakina/Dabizha por 21-16, 17-21, 15-12.

Alexandre Rocha foi 59º no Licoln Land Charity Championship, válido pelo circuito web.com Tour de golfe com 279 tacadas no total, 9 acima do campeão.

Yuri Mansur é 5º no Global Champions Tour de Monaco montando Unita Ask. Mesmo zerando no desempate, ele ficou em 5º.

Rugby 7s, handebol, tiro com arco e atletismo em posts individuais.

Resumo do fim de semana

Judô

A equipe brasileira faturou 13 medalhas no Grand Slam de Abu Dhabi. Na primeira competição importante após os Jogos, a equipe misturou atletas que estiveram no Rio e nomes conhecidos e alguns novos, somando 19 judocas.

Maria Suelen Altheman na final

Maria Suelen Altheman aproveitou uma chave sem nomes fortes e levou o ouro na categoria acima dos 78kg após vencer a alemã Carolin Weiss. Foram outras 4 derrotas em finais: Eric Takabatake (60kg), Victor Penalber (81kg), Luciano Correa (100kg) e Maria Portela (70kg). Foram ainda 8 medalhas de bronze: Charles Chibana (66kg), David Moura (+100kg), Nathalia Brígida (48kg), Jéssica Pereira (52kg), Ketleyn Quadros (63kg), Mariana Silva (63kg), Bárbara Timo (70kg) e Samanta Soares (78kg).

Ciclismo Estrada

Rafael Andriato teve uma ótima participação no Tour de Hainan na China. Ele venceu a 1ª etapa da competição e liderou o Tour por 2 etapas, até perder a liderança para o alemão Max Walscheid. Rafael seguiu bem até a 5ª etapa, brigando pela liderança, mas na 6ª chegou apenas em 60º, a quase 6min do vencedor da prova. O cazaque Alexey Lutsenko assumiu a liderança para não perder mais.

Após as 9 etapas, Rafael Andriato terminou apenas em 32º. Já Alex Diniz foi o melhor brasileiro, terminando na ótima 7ª posição geral, a 1min17s do cazaque campeão. Rafael ainda terminou na 2ª colocação da classificação por pontos.

Tênis

Lukaz Kubot (POL) e Marcelo Melo com os troféus do ATP500 de Viena

Ao lado do polonês Lukasz Kubot, Marcelo Melo venceu o título do ATP500 de Viena. Eles já haviam vencido este torneio no ano passado e defenderam o título com 4-6 6-3 [13-11] na final sobre o austríaco Oliver Marach e o francês Fabrice Martin. Foi o 22º título de duplas da carreira do brasileiro, que joga esta semana em Paris ao lado do canadense Vasek Pospisil antes de voltar com a parceira de Ivan Dodig para o ATP Finals em Londres.

Também em Viena, Bruno Soares e Jamie Murray perderam na semifinal para Marach/Martin, mas foi o suficiente para que a dupla aparecesse na 1ª colocação do ranking mundial de parcerias. As chances do Bruno virar número 1 do mundo nas duplas ficou um pouco mais distante, mas há ainda essa possibilidade neste ano. Se ele vencer Paris e a dupla francesa Mahut/Herbert perder nas quartas, o brasileiro se tornaria o 50º da história a liderar o ranking.

Outros Esportes

Equipe Sub20 de vôlei campeã sul-americana

Equipe Sub20 de vôlei campeã sul-americana

– Com 5 vitórias e apenas um set perdido, o Brasil conquistou o título do Sul-Americano Sub20 de vôlei feminino em Uberaba. Nos jogos decisivos, venceu por 3-1 (25-22 25-14 -23-25 25-20) e por 3-0 (25-19 25-22 25-14) o Peru para confirmar o 19º título da competição, sendo o 14º seguido. Lorrayna da Silva foi eleita a melhor da competição.

– Na 3ª etapa do circuito brasileiro de vôlei de praia em Uberlândia, Larissa/Talita conquistaram o 3º título com 21-14 21-18 sobre Elize Maia/Rebecca na final. No masculino, ouro para os campeões olímpicos Alison/Bruno Schmidt com 17-21 21-8 15-12 sobre Álvaro Filho/Saymon.

Ygor Coelho disputou o qualificatório do Aberto da França de badminton. Venceu americano na estrei por 16-21 21-17 22-20, mas abandonou a partida no meio do 3º set contra o indonésio Anthony Ginting, com parcial de 21-14 17-21 14-11 e não avançou para a chave final.

– Em Foz de Iguaçu, Ana Sátila confirmou o favoritismo e foi campeã brasileira de canoagem slalom no C1 e no K1. No masculino, Pedro Gonçalves venceu no K1, Felipe Borges levou no C1 e Charles Correa/Anderson Oliveira venceram no C2.

– No PGA Tour Latino-Americano de golfe, Rodrigo Lee foi o melhor brasileiro em competição na Colômbia, em 14º, ficando a 6 tacadas do campeão, o colombiano Andres Echavarria. Rafael Becker foi o 20º, uma tacada pior.

– Em torneio juvenil de florete feminino em Bochum, na Alemanha, válido pela Copa do Mundo do esporte, Gabriela Cecchini chegou à chave final, perdendo para grego por 15-10 na 1ª rodada, terminando em 35º no geral.

– César Almeida vence o Torneio Best Jump, Concurso Internacional de Saltos de Porto Alegre (CSI2*), sendo o único a zerar as duas passagens, faturando seu 4º título do torneio mais antigo do Brasil de hipismo.

– Seleção brasileira masculina de handebol foi convocada para a disputa do Torneio Quatro Nações, contra Canadá, Cuba e Chile, no próximo fim de semana. É o primeiro compromisso da seleção masculina após a histórica participação nos Jogos Olímpicos.

– Botafogo venceu o título geral do Campeonato Brasileiro de Remo, disputado na Lagoa Rodrigo de Freitas, vencendo 13 das 20 provas. A competição marcou a despedida de Fabiana Beltrame, campeã mundial do single skiff leve em 2011 e com 3 Olimpíadas na bagagem. Ela venceu o Skiff Quádruplo, o Double Skiff, o Double Skiff Leve e o Oito Com.

Resumo Rio-2016 – Canoagem Slalom

C1 masculino

Esta prova teve basicamente 2 nomes em sua história olímpica: o francês Tony Estanguet e o eslovaco Michal Martikan. Eles venceram as últimas 5 Olimpíadas, mas ambos estão aposentados. Restou ao medalhista de prata em Londres, o alemão Sideris Tasiadis chegar como favorito.

2016-08-09t174349z_42904982_rioec891d8z9o_rtrmadp_3_olympics-rio-canoeslalom-m-c1

Denis Gargaud Chanut (FRA)

E não decepcionou na eliminatória. Tasiadis não fez uma 1ª descida tão boa, com 100,47, mas voou na 2ª com 92,23, sem cometer falta, e fechou com o melhor tempo. O francês Denis Gargaud Chanut foi o 2º melhor com 93,48, seguido do britânico David Florence, prata em Pequim, com 94,11. Felipe Borges não foi bem e ficou em 6º com 105,14, mesmo zerando sua 2ª descida. Na semifinal, Tasiadis novamente sobrou, zerando com o melhor tempo de 95,63, seguido do espanhol Ander Elosegi com 97,93 e do francês Chanut cm 98,06.

Já na final, em ordem inversa à semi, o eslovaco Matej Benus foi o 3º a descer e fez excelentes 95,02. Florence foi o seguinte, mas cometeu duas faltas e teve problema, fazendo altos 109,00 para terminar na última posição. O japonês Takuya Haneda também zerou, mas com 97,44 e aparecia na 2ª posição, faltando os 5 favoritos ainda. O checo Vitezslav Gebas fez 97,57 e aparecia em 3º. O esloveno Benjamin Savsek cometeu duas faltas e com 99,36 fica longe do pódio. Depois foi a vez do francês Chanut, que fez uma descida brilhante. Zerando novamente, sobrou com 94,17 e assumiu a liderança, já garantindo lugar no pódio. O espanhol tocou a 1ª barreira e perdeu suas chances logo no início. Ele ainda tocou mais uma porta para terminar em 8º. Fechando a final, o alemão Tasiadis. Ele não conseguia fazer a mesma linha do francês e, quando bateu na porta 9, o ouro caiu nas mãos de Denis Gargaud Chanut. Tasiadis completou com 97,90, ficando em 5º. Prata pro eslovaco Matej Benus e bronze pro japonês Takuya Haneda, a 1ª medalha da história do Japão na canoagem slalom.

K1 masculino

thumb_clarke_rio_kayak

Joe Clarke (GBR)

O único medalhista olímpico presente na prova era o alemão Hannes Aigner, bronze em Londres. Na qualificação, foi o italiano Giovanni de Gennaro que fez o melhor tempo, com 86,85 obtidos na 1ª descida. O britânico Joe Clarke fez o 2º tempo com 86,95 e Aigner o 3º com 87,31. Pedro da Silva foi muito bem, fazendo 88,48 e conquistando o ótimo 5º lugar.

Na semifinal, prova perfeita do eslovaco Jakub Grigar, melhor tempo com 88,84, bem a frente do checo Jiri Prskavec com 90,62. Mesmo com uma falta, Pedro fez 95,68 obtendo o 10º tempo e a última vaga pra final. Bronze no último Mundial, o americano Michal Smolen também fez uma falta, mas ficou fora da final, em 12º.

Na final, Pedro foi logo o 1º a descer. Numa bela descida, ele zerou com o tempo de 91,54.Os 3 seguintes fizeram tempos piores, incluindo o italiano e o brasileiro mantinha a liderança, até o alemão Aigner completar em 89,02 e assumir o 1º lugar. A situação ficou mais tensa quando os 4 últimos desceram. O esloveno Peter Kauzer, bicampeão mundial, fez 88,70 para ir pra frente, mas logo depois, Joe Clarke brilhou para 88,53, assumindo a liderança por muito pouco. Atual campeão mundial, o checo Jiri Prskavec vinha muito bem, mas bateu na porta 13. Ainda assim, ele voou em Deodoro e ficou com o 3º tempo com 88,99, deixando o alemão em 4º por apenas 0,03! Restava apenas o eslovaco Jakub Grigar. E ele ia muito bem. Na 2ª parcial, liderava com quase 1s sobre o britânico, mas um errinho no final o tirou do pódio, terminando em 5º com 89,43.

Ouro pro britânico Joe Clarke, o 1º do país na história do K1, prata pro esloveno Peter Kauzer e bronze pro campeão mundial, o checo Jiri Prskavec.

C2 masculino

icf-planet-canoe-skantar-rio-balint-vekassy

Ladislav e Peter Skantar (SVK)

Os grandes nomes dessa prova na história olímpica foram os irmãos gêmeos eslovacos Pavol e Peter Hochschorner. Tricampeões olímpicos e bronze em Londres, eles estão em fim de carreira e não foram selecionados para os Jogos. Em seus lugares, os irmãos (não gêmeos) Ladislav e Peter Skantar.

Nas eliminatórias, que só eliminaram a dupla japonesa, os Skantar fizeram o melhor tempo com 100,89 na 1ª descida, seguidos pelos franceses Gauthier Klauss e Matthieu Péché com 102,43 e pelos britânicos David Florence e Richard Hounslow, bronze em Londres, com 103,27. A dupla brasileira Charles Correa e Anderson Oliveira ficou na ótima 7ª posição com 106,14. Já na semifinal, foi a vez dos alemães Franz Anton/Jan Benzien fazerem o melhor tempo com 107,93. A dupla brasileira cometeu 3 faltas, ficando em 11º e fora da final por apenas 0,23, sendo a única eliminada na rodada. Os franceses ficaram em 5º e os eslovacos em 6º.

Os irmãos Skantar desceram em 5º na final, zerando sua passagem e completando em 101,58. Os franceses foram os seguintes, mas não conseguiam melhor o tempo da ótima descida eslovaca e completaram em 103,24, 2º tempo até então. A dupla da Polônia também não melhorou com 104,97. Logo depois, foi a vez dos britânicos, que vinham mais rápido que os eslovacos: na 2ª parcial tinham quase 1 segundo e meio de vantagem, mas atrasaram e terminaram com 102,01, assumindo o 2º lugar. Aí vieram os checos Jonas Kaspar e Marek Sindler, que voavam e vinham mais rápidos que os Skantar, mas bateram na 22ª e na 23ª portas, perdendo 4s. Terminaram com 108,35 em 8º. Para fechar a final, os alemães que também vinham melhor, mas não superaram o excelente final de prova eslovaco. Completaram em 103,58 fora do pódio em 4º.

Com a vitórias dos irmãos Ladislav e Peter Skantar, a Eslováquia conquistaou seu 4º ouro em 8 edições olímpicas do C2. Os britânicos David Florence e Richard Hounslow repetiram a prata de Londres e Gauthier Klauss e Matthieu Péché ficam com o bronze, a primeira medalha francesa na prova desde o ouro em Atlanta-1996.

A prova foi retirada do programa olímpico e será substituída pelo C1 feminino em Tóquio.

K1 feminino

35834_g24_w01

Maialen Chourraut (ESP)

A campeã de Londres, a francesa Emilie Fer, não foi selecionada para levar a vaga francesa e se juntou à alemã Ricarda Funk entre as principais ausências da prova. Na primeira descida da qualificação, o melhor tempo ficou com a britânica Fiona Pennie com 100,52. Já na 2ª, boa parte melhorou o tempo e a melhor marca foi da italiana Stefanie Horn com 99,07. Apenas ela e a australiana Jessica Fox (2ª com 99,51) fizeram o tempo abaixo dos 100s. Ana Sátila vinha extremamente bem embalada das etapas da Copa do Mundo este ano. Na 1ª descida fez o 12º tempo (15 passariam para a semifinal) com 110,80. Na 2ª, vinha muito bem, mas cometeu um erro grave no final e não passou pela porta 20. Ela vinha para um excelente tempo, mas não melhorou a sua marca e terminou em 17º lugar, não passando para as semifinais.

Na semi, a melhor marca foi da austríaca Corinna Kuhnle com 101,54, seguida de Pennie com 101,81 e da espanhola Maialen Chourraut, bronze em Londres, com 101,83. Na grande final, a alemã Melanie Pfeifer começou já com um toque na porta 16. A final, aliás, teve um nível abaixo do esperado, já que apenas 2 das 10 tiveram uma descida limpa. 4ª a descer, a neozelandesa Luuka Jones foi a 1ª a zerar com 101,82 e assumiu a liderança. As duas seguintes tiveram uma punição: a eslovaca Jana Dukatova fez 103,86 e a australiana Jessica Fox marcou 102,49. A checa Katerina Kudejova vinha bem, mas cometeu uma falta também e ainda piorou bem seu tempo. Ela terminaria em 10º com 108,76.

Aí veio o show da espanhola. Maialen Chourraut tinha 0.31 de vantagem sobre a neozelandesa na 1ª parcial e melhorou para 1.72 na 2ª! Seguiu sem faltas e fechou com o excelente tempo de 98,65. O ouro foi confirmado para Chourraut quando a britânica Fiona Pennie e a austríaca Corinna Kuhnle cometeram duas faltas cada, sendo a 1ª logo no começo do percurso. Primeiro ouro para a Espanha na canoagem slalom, enquanto Luuka Jones faturou a 1ª medalha da história da Nova Zelândia na modalidade. Aos 22 anos, Jessica Fox garantiu sua 2ª medalha olímpica da carreira.