Troféu Brasil – Final

O Troféu Brasil de 2017 acabou neste domingo com ótimas marcas em São Bernardo e a certeza de que o atletismo está indo no caminho certo.

Pista

9304

Márcio Teles e Hederson Estefani

Duas marcas chamaram muita atenção: o excelente tempo de 20.15 (+1,3m/s) de Aldemir Gomes da Silva Jr. nos 200m e 48.94 de Márcio Teles nos 400m com barreiras, recorde do Troféu. Este tempo colocaria Aldemir em 6º na final olímpica do Rio. Os dois conseguiram o índice pro mundial e nos 400m com barreiras Hederson Estefani também baixou do índice, com 49.13 e a prata. Vitória Cristina Rosa venceu os 200m feminino com 22.93 (+1,5m/s), ratificando o índice pro Mundial, assim como Rosângela Santos com 22.95.

Também venceram com índice Éder Souza nos 110m com barreiras com 13.47 (+0,8m/s) e Thiago André nos 800m com 1:44.81. Os outros campeões do dia foram: Altobeli da Silva nos 5.000m com 13:46.72, Maria Aparecida Ferraz nos 5.000m com 16:31.98, Kleidiane Jardim nos 1.500m com 4:23.58, Jailma Sales de Lima nos 400m com barreiras com 56.76, B3 Atletismo no 4x400m feminino com 3:35.45 e o EC Pinheiros no 4x400m masculino com 3:07.43.

Campo

9302

Laila Ferrer

O grande destaque no campo foi Núbia Soares no salto triplo. Ela saltou duas vezes para ótimos 14,56m ficando a apenas 2cm do recorde brasileiro! Tânia Ferreira da Silva ficou em 2º também com índice, de 14,13m. Geisa Arcanjo fez sua melhor marca do ano com 18,08m na primeira tentativa na final do arremesso de peso, mais uma vez melhor que o índice. Está chegando na marca que fez na final olímpica no Rio, com 18,16m, mas ainda longe do seu PB de 19,02m. No dardo, Laila Ferrer venceu com 62,52m, superando o índice pro Mundial de 61,20m.

Thiago Braz ainda não está no seu melhor, mas ficou com o ouro no salto com vara, empatando em 1º  com Augusto Dutra, ambos com 5,52m na 2ª tentativa e 3 erros no total. Ambos tentaram 5,62m, mas Augusto falhou 3 vezes e Thiago desistiu após sentir a panturrilha, preferindo se poupar. No heptatlo, Tamara Alexandrino venceu com bons 6.040, superando pela 1ª vez a barreira dos 6.000 pontos, mas ainda sem índice pro Mundial, que é 6.200. Vanessa Spindola fez 5.812, longe do seu PB de 6.188.

Os outros campeões foram Felipe Lorenzon no disco com fracos 57,97m, Paulo Enrique da Silva no dardo com 74,86m, Alexsandro de Melo no salto triplo com 16,42m, Fernando Ferreira no salto em altura com 2,25m e Julia Cristina dos Santos no salto em altura com 1,80m.

Por equipes, vitória do Pinheiros no masculino, no feminino e no geral, enquanto a B3 Atletismo ficou em 2º lugar nas 3 classificações.

A equipe pro Mundial já conta com 24 atletas, sem contar os maratonistas e revezamentos. Não é tão grande, mas tem ótima qualidade. A CBAt está no rumo certo.

Troféu Brasil – Dia 2

15 finais no sábado e dois recordes de competição em São Bernardo.

Pista

Thiago André liderou do início ao fim para vencer os 1.500m com 3:45.42, muito acima do índice e muito melhor que o tempo do ouro olímpico no Rio (lembrando que esta foi a final mais fraca dos Jogos). Nos 400m, Geisa Coutinho levou no feminino com 51.97 (abaixo do índice de 52.10) e Lucas Carvalho no masculino com 45.84 (índice é 45.50). Nos 100m com barreiras feminino, Fabiana Moraes venceu com 13.26 (+0,2m/s).

9298

Altobeli da Silva

O finalista olímpico Altobeli da Silva venceu os 3.000m com obstáculos com 8:26.06, baixando do índice de 8:32 e batendo o recorde do campeonato. Na versão feminina, Tatiane da Silva venceu com altos 10:22.00. O B3 Atletismo venceu o revezamento 4x100m masculino com 39.92 e o Pinheiro o feminino com 43.55.

Nas marchas de 20km, o 4º colocado no Rio-2016 Caio Bonfim venceu pela 5ª vez seguida a prova no Troféu Brasil com 1:21:25, recorde do troféu. Érica de Sena vence pela 7ª vez seguida com altos 1:37:34.

Campo

O destaque no campo foi Darlan Romani no arremesso de peso. Ele não chegou perto da espetacular marca da semana passada, mas venceu com 20,56m, quase 1m melhor que o 2º colocado. No disco feminino, Andressa de Morais ficou com o ouro com 58,57m.

Jefferson Santos venceu o decatlo com 7.776 pontos. Final bem fraca do salto em distância masculino: Paulo Sérgio Oliveira fez 7,77m para ficar com o ouro, mesma marca de Tiago da Silva. Mas nos critérios de desempate, Paulo Sérgio obteve um 2º melhor salto (7,64m contra 7,60m). Na prova feminina, Eliane Martins venceu com 6,69m, ficando a 6cm do índice pro Mundial.

Resumo olímpico da semana

Vôlei de Praia

Captura de Tela 2017-06-07 às 00.11.27

Talita e Larissa

No Aberto de Moscou, as mulheres foram o destaque. Larissa e Talita ficaram com o título ao vencer na decisão as americanas Brooke Sweat/Summer Ross por 21-16, 21-14. As brasileiras perderam apenas um set na competição, na semifinal contra Ágatha/Duda, quando venceram por 23-21, 18-21, 15-10. Agatha/Duda acabaram com a medalha de bronze ao passarem pelas alemãs Schneider/Bieneck por 21-14, 21-8. Foi o 3º título seguido de uma dupla brasileira no circuito feminino e o 4º na temporada em 7 torneios. Foi o 61º título de Larissa no circuito, o 33º de Talita e o 15º da dupla.

Já no masculino, nenhum brasileiro chegou às semifinais. Apenas os campeões olímpicos Alison/Bruno Schmidt atingiram as 4as, onde perderam para os letões Smedins/Samoilovs de virada por 18-21, 22-20, 15-12. O título ficou com os americanos Lucena/Dalhausser. Foi o 35º título do circuito mundial de Dalhausser.

Vôlei

Na estreia de Renan Dal Zotto no comando da seleção brasileira masculina, 2 vitórias e uma derrota na 1ª rodada da Liga Mundial, em Pesaro, Itália.

Logo na 1ª partida, um grande duelo contra a campeã mundial Polônia, que venceu por 3-2 (25-20, 20-25, 19-25, 25-22, 15-8). Depois, o Brasil venceu o Irã por 3-1 (21-25, 25-19, 25-22, 25-22) e derrotou a Itália também por 3-1 (25-15, 17-25, 25-23, 25-22). O Brasil aparece em 3º na classificação geral da 1ª Divisão da Liga Mundial e a França lidera como a única a vencer os 3 jogos do fim de semana. A seleção agora parte para a Bulgária onde enfrentará além dos donos da casa, o Canadá e novamente a Polônia.

Atletismo

5390f429-b3b3-491b-82ed-0617c5c08b16

Lorraine Martins

O Brasil dominou o Sul-Americano Sub20m, disputado na Guiana. A equipe brasileira venceu 18 ouros, 11 pratas e 3 bronzes e venceu as classificações gerias por gênero e total, com 287 pontos. Lorraine Martins foi um dos destaques brasileiros ao vencer os 100m e os 200m, com bons tempos e fortes ventos contra. Nos 100m, ela fez sua melhor marca pessoal com 11.56 (-3,1m/s) e nos 200m 23.89 (-2,6m/s). Vale ressaltar que ela ainda é Sub18. Daniel do Nascimento, que disputou o Mundial de cross-country, venceu os 5.000m (14:53.71) e os 10.000m (31:01.64) com corridas táticas. Outra dobradinha foi de Saymon Hoffmann, que levou o arremesso de peso (16,57m) e o lançamento de disco (54,59m).

Na Holanda, Thiago André marcou 3:35.28, sua melhor marca pessoal nos 1.500m e conseguiu o índice para o Mundial de Londres.

Em La Coruña, na Espanha, Érica de Sena venceu a Marcha 20km com 1:29:16 e lidera com folga a classificação geral no circuito de marcha. Nos 20km masculino, Caio Bonfim ainda não chegou ao seu melhor e foi 6º com 1:21:04, sua melhor marca no ano.

Outros Esportes:

– Paola Reis foi campeã na categoria juvenil no Pan-Americano de Ciclismo BMX na Argentina. Na categoria elite, Priscilla Carnaval foi prata e Julia Alves foi bronze. Elas perderam para a argentina Gabriela Diaz. No masculino, Anderson Ezequiel ficou em 4º na elite. No domingo, pela Copa Latino-Americana, Priscilla ficou com o ouro.

– Adilson da Silva foi 15º no Aberto da Zâmbia de golfe, válido pelo Sunshine Tour e somou 1,2667 ponto no ranking mundial. Alexandre Rocha foi 39º Rex Hospital Open, válido pelo Web.com Tour.

– O Brasil ficou em 8º na Copa das Nações de hipismo saltos em St. Gallen, Suíça. Com Yuri Mansur, João Victor Castro, Karina Johannpeter e Eduardo Menezes, somando 41 pontos perdidos. A vitória ficou com a equipe da Itália, com apenas 9 pontos.

– O pivô brasileiro Rogério Moraes foi campeão da Champions League de handebol. O seu time Vardar, da Macedônia, venceu por 24-23 o Paris Saint-Germain e conquistar pela 1ª vez o título europeu.

– A IJF definiu as 16 equipes classificadas para o Mundial por equipes de judô e confirmou a presença do Brasil no masculino. A equipe feminina tinha sido campeã do Pan e já estava garantida.

– Danilo Pimentel foi 19º na Copa do Mundo de triatlo em Cagliari, na Itália. No formato sprint, ele completou em 56:22. Beatriz Neres foi a melhor no feminino com 1:05:29, em 24º lugar.

GP Brasil tem marca histórica e dois campeões olímpicos

No último sábado, São Bernardo recebeu o GP Brasil de atletismo, que contou com a presença de 2 campeões olímpicos no Rio-2016: Thiago Braz e a polonesa bicampeã olímpica do lançamento de martelo Anita Wlodarczyk. Mas a presença dos dois foi abafada pela excelente prova do finalista olímpico Darlan Romani.

df26df6b-75da-4f0d-b09a-ba42f48a495e

Darlan Romani e sua marca histórica

Já falei do Darlan algumas vezes aqui e o incluí na lista de “5 nomes não tão novos para ficar de olho”. Treinado agora pelo cubano Justo Navarro, Darlan teve uma evolução sensacional e já é um dos melhores arremessadores do mundo. Na sua 1ª tentativa, Darlan abriu com bons 20,43m, mas na 2ª deu show com espetacular 21,82m! A marca é 80cm melhor que o recorde brasileiro dele obtido na final olímpica do Rio e 56cm melhor que o recorde sul-americano do argentino Germán Lauro, de 2013.

Com a marca, Darlan assume o 5º lugar do ranking de 2017 e é o 34º da história. A marca daria a ele a medalha de prata olímpica. Darlan está cada vez mais perto do Clube dos 22m.

Eis a evolução dele:

2010      17,19

2012      20,48

2013      20,08

2014      20,84

2015      20,90

2016      21,02

2017      21,82

Wlodarczyk foi o destaque feminino ao sobrar na prova do martelo com 78,00m. Ela é dona das 10 melhores marca da história e esta foi a 23ª vez que arremesso os 4kg para 78m ou mais. Já Thiago Braz decepcionou ficando em 2º com apenas 5,40m. Ele queimou as 3 em 5,60m e viu Augusto Dutra vencer a prova com esta marca. Mas Thiago está num treinamento de longo prazo já visando aos Jogos de Tóquio e ao recorde mundial do Lavillenie de 6,16m. Foram dois índices para o Mundial de Londres: Mateus Sá, bronze no Mundial Sub20 em 2014, venceu o triplo com 16,87m e Vitória Rosa faturou os 200m com 23.09.

Além dessas, poucas marcas de destaque para os brasileiros. Jéssica dos Reis venceu o salto em distância com 6,61m e Fernando Ferreira levou o salto em altura com 2,28m.

O foco agora é o Troféu Brasil, também em São Bernardo, que começa nesta sexta-feira.

Mundial de Revezamentos – Final

ff4fa2cb-fad7-439a-a418-a33b4520b79e

Disputa de Karabo Sibanda (BOT) com LaShawn Merritt (USA)

Como esperado, as equipes americanas deram show nos revezamentos 4x400m. Com 2 remanescentes da final olímpica (LaShawn Merritt e Tony McQuay) e 2 que foram reservas correndo as eliminatórias no Rio-2016 (David Verburg e Kyle Clemons), a equipe americana venceu a prova masculina com 3:02.13. A forte equipe de Botsuana liderada pelo veterano Isaac Makwala e pelo jovem talentoso Karabo Sibanda, 5º nos 800m no Rio,  quase roubou o ouro americano. Sibanda fechou e alcançou Merritt, que se manteve por centímetros a frente. A equipe africana ficou com uma inédita prata com 3:02.28 enquanto a Jamaica levou o bronze com 3:02.86. O Brasil ficou em 7º na final com 3:05.96, se classificando para o Mundial de Londres.

No feminino, a equipe americana contou com 2 nomes do ouro olímpiuco no Rio: Natasha Hastings e Phyllis Francis. Como esperado, a equipe voou e Hastings fechou de maneira espetacular para levar o ouro com 3:24.36, melhor tempo de 2017. Na chegada, a Polônia ultrapassou a Jamaica para ficar com a prata com 3:28.28 contra 3:28.49 das jamaicanas. O Brasil disputou a Final B, vencendo-a com 3:34.68.

6dd04234-73e1-4064-b49d-576d400e7fc7

Rebekka Haase (GER) na chegada do 4x100m

No 4x100m feminino, uma queda feia da americana Jenna Pradini e um erro na 1ª passagem da equipe brasileira eliminou as duas equipes. Aproveitando uma equipe jamaicana longe de ser titular, a Alemanha, com 3 atletas do 4º lugar da final olímpica do Rio, levou o ouro com 42.84, tempo bem fraco, aliás. A Jamaica ficou com a prata com 42.95 e a China, aproveitando as bobeadas americana e brasileira, surpreendeu com o bronze com 43.11. O Brasil não se garantiu no Mundial e precisará classificar por tempo.

No 4x800m masculino, Quênia e EUA brigaram volta a volta. Na última perna, o bronze olímpico Clayton Murphy acelerou para deixar Ferguson Rotich pra trás e dar o ouro pra euqipe americana com 7:13.16 contra 7:13.70 da equipe africana. A Polônia foi bronze com 7:18.74. Tentando apagar o erro do 4x100m no dia anterior, a ótima equipe canadense venceu o 4x200m masculino com show de André De Grasse. Os canadenses venceram com 1:19.42 contra 1:19.88 dos americanos e a Jamaica completou o pódio com 1:21.09.

Para fechar o Mundial, a estreia do 4x400m misto. Assim como na natação, a ordem dos atletas não importa e temos homens correndo com mulheres. Contando com a campeã olímpica Shaunae Miller (aquela que deu o peixinho na chegada dos 400m no Engenhão) na equipe, Bahamas levou a torcida ao delírio. Miller, 2ª a correr, abriu muito, mas os EUA recuperaram com Paul Dedewo contra Anthonique Strachan. Para fechar, os americanos vieram com uma mulher enquanto Bahamas colocou Michael Mathieu, campeão olímpico em Londres no 4x400m, para fechar. Ele recuperou na última curva e abriu para felicidade do estádio fechando em 3:14.42 contra 3:17.29 dos americanos e 3:20.26 da Jamaica.

O próximo Mundial de revezamentos será em 2019 novamente em Nassau.

Mundial de Revezamentos – Dia 1

Os Estados Unidos venceram 2 das 3 finais do 1º dia, incluindo o 4x100m masculino.

Nas eliminatórias, o Canadá fez o melhor tempo com 38.21, seguido dos americanos com 38.22 e dos britânicos com 38.32. O Brasil vinha muito bem na 3ª bateria, mas Vitor Hugo dos Santos, que fechou a prova, sentiu e o Brasil fechou em último e acabou sendo desclassificado. Com uma equipe B, a Jamaica não terminou sua bateria.

Na decisão, sobrou pra equipe americana que venceu com 38.43, contando com 2 fortes nomes, Mike Rodgers e Justin Gatlin. Canadá, Grã-Bretanha e Holanda tiveram problemas e não terminaram. Com isso, Barbados surpreendeu com a medalha de prata com altos 39.18, seguido da mais surpreendente China, com 39.22.

45939c0c-361d-4cd2-8e37-a0068795839f

Elaine Thompson (JAM)

No 4x200m feminino, a Jamaica desbancou a equipe americana ao vencer com 1:29.04, recorde do campeonato, contando com a bicampeã olímpica no Rio Elaine Thompson. A Alemanha pegou a prata com 1:30.68 e os Estados Unidos completaram o pódio com 1:30.87. No 4x800m feminino, a equipe americana sobrou com 8:16.36, seguida da Bielorrússia com 8:20.07 e da Austrália com 8:21.08.

Nas baterias dos 4x400m, o Brasil pecou na composição da equipe feminina e ficou fora da final, fazendo o 11º tempo com 3:34.72, enquanto EUA fez o melhor tempo com 3:29.27. No masculino, o Brasil fez o 7º tempo e se garantiu na final com 3:05.05. Trinidad & Tobago fez a melhor marca com 3:02.51.

Resumo do fim de semana

Ginástica

Pódio do individual geral masculino

Caio Souza foi campeão brasileiro no individual geral em São Paulo. Ele somou 87,200 pontos após os 6 aparelhos para ficar com o título. Francisco Barretto foi prata com 86,350 e Bernardo Miranda ficou com o bronze com 85,700. No feminino, Rebeca Andrade sobrou para vencer com 58,300, bem a frente de Carolyne Pedro com 54,750 e Milena Theodoro com 53,700, que completaram o pódio.

Nas finais por aparelhos, Caio Souza venceu no solo (14,550) e nas barras paralelas (15,625). Os outros campeões masculinos foram: Lucas Bitencourt no cavalo com alças (14,550), Henrique Flores nas argolas (15,225). Luis Porto no salto (14,450) e Francisco Barretto na barra fixa (15,225). No feminino, Rebeca Andrade venceu nas barras assimétricas (14,450) e na trave (14,525), enquanto Raquel Silva levou o salto (13,725) e Thaís Fidelis faturou o solo (14,775).

Atletismo

O Brasil dominou o sul-americano Sub-18 de Atletismo, disputado em Concórdia, na Argentina, conquistando 19 ouros, 9 pratas e 8 bronzes.

Entre os destaques brasileiros, tivemos Vinicius Rocha Moraes, que venceu os 100m (10.36, 6º tempo do ano na categoria) e os 200m (21.41), Gabriel Menezes Oliveira, que levou o salto em distância (7,45m) e o salto triplo (15,45m) e Saymon Hoffmann, ganhador do arremesso de peso (19,67m) e do lançamento de disco (60,92m). No feminino, boas vitórias de Lorraine Martins nos 100m (11.78), Tiffani Marinho nos 400m (54.90) e Naiuri Krein no heptatlo (4.811 pontos).

Canoagem

A equipe brasileira completa ficou em 2º lugar no sul-americano de canoagem, disputado em Tigres, na Argentina, conquistando 20 ouros, 21 pratas e 12 bronzes, mesmo com a equipe completa.

O destaque veio na canoa, que levou quase tudo. O multimedalhista olímpico Isaquias Queiroz venceu o C1 200m, 500m e 1.000m enquanto Erlon Silva e Ronilson de Oliveira faturaram o C2 nas 3 distâncias também. A nova geração dominou a canoa juvenil e sub-23 com nomes como Jacky Godmann e Maicon dos Santos, que também fizeram a trifeta nas distâncias. O caiaque foi a grande decepção, com apenas 2 ouros: Bruna Rodrigues no K-1 200m júnior e com a equipe do K-4 200m masculino sênior.

Outros Esportes

– Ariel João da Silva e Priscilla Steveux venceram o brasileiro de BMX em Londrina. No contrarrelógio, vitórias de Renato Rezende e de Priscilla Steveux. Ela conquistou o tricampeonato brasileiro da prova.

– Em Tóquio, Ghislain Perrier e Guilherme Toldo pararam na chave preliminar da Copa do Mundo de florete masculino. Toldo perdeu para o polonês Leszek Rajski por 15-11 e Ghislain de 15-13 para o espanhol Carlos Llavador.

Adilson da Silva foi 22º em torneio de golfe nas Filipinas, válido pelo Tour Asiático. Somou 275 tacadas, 6 atrás do campeão, mas não pontuou para o ranking. No Tour Latino-Americano, Rodrigo Lee foi o melhor brasileiro em torneio na Argentina, terminando em 16º também sem pontuar.

– Jovens brasileiros dominaram os pan-americanos de judô na República Dominicana. No sub-15, todos os que competiram medalharam, trazendo 7 ouros, 3 pratas e 3 bronzes. No Sub-13, foram 9 ouros, 1 prata e 1 bronze. Apenas um jovem judoca não medalhou.

– No brasileiro de carabina e pistola em Brasília, o medalhista olímpica Felipe Wu venceu a pistola de ar 10m com 574 pontos. Na pistola 50m, Vladimir da Silveira ficou com o ouro com 546. Nos rifles, Cássio Rippel faturou o deitado 50m com 594 e o de 3 posições 50m com 1143. No feminino, destaque na pistola de ar 10m com Cibele Martins com 375.

– A seleção juvenil de taekwondo embarcou para o Mundial da categoria no Canadá nesta semana, com equipe de 16 atletas, 8 no masculino e 8 no feminino.

Torben Grael foi eleito vice-presidente da World Sailing, a federação internacional de vela, durante a Assembleia Geral da entidade. No mesmo evento, foi definido na manutenção das classes disputadas no Rio-2016 para Tóquio-2020.