Jogos Pan-Americanos Lima-2019 – Dia 9

Foi um domingo excepcional do Brasil em Lima, com 7 ouros e muitas medalhas!

Canoagem Slalom

Captura de Tela 2019-08-06 às 00.08.58

Pepê, Felipe Borges e Ana Sátila. Foto: COB

Foi um dia quase perfeito pro Brasil no slalom. Na 1ª final, no C1 masculino, Felipe Borges foi bronze completando zerado com 91,39, 0.73 pior que o americano Zachary Lokken. Em seguida, veio Ana Sátila para destruir a concorrência e vencer o C1 com 95,35, também zerando e colocando mais de 7s sobre a canadense Lois Betteridge, medalha de prata.

No K1 masculino, o Pedro Gonçalves, o Pepê, finalista olímpico, venceu mais um ouro ao completar o percurso em 85,81 contra 86,23 do argentino Lucas Rossi. Irmã de Ana Sátila, Omira Estácia vinha pra prata na final do K1, mas errou a penúltima porta, passando o queixo e não a cabeça e, com uma porta perdida, acabou em 6º. Ouro pra americana Evy Leibfarth, Na prova ed K1 Extrema, Pepê e Ana Sátila confirmaram o favoritismo e venceram a divertida prova somando mais 2 ouros pro Brasil neste ótimo domingo.

Águas Abertas

Captura de Tela 2019-08-06 às 00.09.07

Ana Marcela Cunha e Vivian Jungblut. Foto: COB

Após um Mundial excepcional, Ana Marcela Cunha sobrou nos 10km para levar seu 1º ouro pan-americano com 2:00:51.9. Na 2ª posição, uma disputa entre a argentina Cecilia Biagioli e a brasileira Viviane Jungblut, mas Biagioli se saiu melhor e bateu no pórtico com 2:01:23.2 contra 2:01:24.0 da brasileira.

Na prova masculina, Victor Colonese acabou na 4ª posição com 1:54:02.7, ficando a apenas 0.9 do pódio. O ouro foi pro equatoriano Esteban Enderica, com 1:53:46.7. Allan do Carmo teve problemas com seu traje, que rasgou e acabou apenas em 13º.

Tênis

O 7º ouro brasileiro veio na final masculina do tênis, com uma belíssima vitória de João Menezes sobre o chileno Tomás Barrios por 75 36 64. Foi uma partida dura com 11 quebras de saque e uma bela atuação do brasileiro, que se tornou o 6º brasileiro a ser campeão de simples em um Pan, se juntando a Ronald Barnes, Thomaz Koch, Fernando Roese, Fernando Meligeni e Flávio Saretta. João ainda conqsuitou a vaga olímpica ao chegar na final e precisa ser top-300 do ranking da ATP até 8 de junho de 2020. Ele já conquistou mais de 90 pontos desde junho e só precisaria de mais uns 30 para conseguir esse ranking.

Surfe

Captura de Tela 2019-08-06 às 00.09.13

Chloé Calmon. Foto: COB

Com uma ótima apresentação na final do longboard, Chloé Calmon foi ouro contra a peruana Maria Fernanda Reyes. Calmon somou 15,36 nas suas 2 melhores ondas contra 12,76 da peruana. Nicole Pacelli perdeu a final da repescagem do stand up paddle com 11,56 contra 14,10 da colombiana Isabella Gomez e terminou com o bronze. O Peru disputou as 6 finais do surfe e levou 3 ouros, no longboard masculino e no surfe masculino e feminino, garantindo vagas olímpicas para Daniella Rosas e Luca Mesinas.

Hipismo

Captura de Tela 2019-08-06 às 00.08.51

Foto: COB

Aproveitando a péssima campanha canadense no cross-country no dia anterior, o Brasil fez a lição de casa nos saltos e conquistou uma excelente medalha de prata por equipes e ainda conseguiu a vaga olímpica, colocando mais 3 atletas no nosso plantel.

No individual, Carlos Parro se manteve na 3ª posição zerando no salto e somando 34,90 pontos, ficando atrás dos americanos Boyd Martin com 25,60 e Lynn Symansky com 29,20. Rafael Losano foi 6º com 37,80 e Marcelo Tosi 7º com 49,40.

Atletismo

Foi polêmica a prova de marcha 20km feminina. Érica de Sena liderou até os 14km junto com a colombiana Sandra Arenas e a peruana Gabriela García e seguiu junta até os 16km, quando a brasileira levou a 3ª penalização e precisou parar por 2min para continuar a prova. Com isso, perdeu a liderança e acabou com a medalha de bronze com 1:30:34. Ouro pra colombiana com 1:28:03 e prata pra peruana com 1:29:00.

Na mesma prova masculina, Caio Bonfim também seguiu com os líderes e liderou até o final, quando o equatoriano Brian Pintado apertou o passo para vencer com 1:21:51, 6s melhor que o brasileiro, que acabou com a prata.

Outros Esportes

Apesar do belo dia com muitas medalhas, o pior resultado veio no handebol masculino, que jogou muito mal e perdeu a semifinal pro Chile por 32-29. No 1º tempo, os chilenos lideravam com 18-15. O Brasil apertou e chegou a virar no 2º, mas parava na belíssima atuação do goleiro chileno Felipe Barrientos, que fez 19 defesas na partida. O aproveitamento brasileiro nos chutes foi pífio, com apenas 52% de aproveitamento no total e 33% nos de 6m. Com isso, as chances de vaga olímpica agora são dificílimas e o Brasil depende de uma combinação de resultados no Europeu e no Africano de 2020 para conseguir uma vaga nos pré-olímpicos.

Com mais erros brasileiros, o grupo acabou com o bronze na prova de 5 bolas da ginástica rítmica com 22,500, atrás de México com 24,400 e Estados Unidos com 24,100. A americana Evita Griskenas foi ouro nas finais do arco e da bola.

Depois da feia derrota para Cuba no sábado, a seleção masculina de vôlei venceu o Chile por tranquilos 3-0 (25-12, 25-19, 25-21) para levar a medalha de bronze. A Argentina arrasou Cuba e levou o ouro com 3-0 (25-20, 25-17, 25-20).

Nas estreias do pólo aquático, o Brasil venceu no feminino 15-4 a Venezuela e 14-2 o Peru no masculino.

Favorita, com boa parte do seu time principal incluindo o grande Luis Scola, a Argentina venceu o ouro no basquete masculino ao derrotar Port Rico por 84-66. Com uma equipe de universitários, os Estados Unidos foi bronze com 92-83 sobre a República Dominicana.

Porto Rico venceu 6-1 o Canadá para levar o ouro no baseball. Na disputa do bronze, a Nicarágua levou seu 3º bronze em Lima com 6-0 sobre a Colômbia.

Bela prova da dupla chilena na final da Madison masculina, no ciclismo de pista. Ele pontuaram em todos os 20 sprints e ainda deram uma volta no pelotão, somando 88 pontos, contra 85 da dupla americana, que deu 2 voltas no pelotão, mas pontuou bem menos nos sprints. No feminino, ouro americano com 46 pontos contra 35 tanto do Canadá, prata, como do México, bronze. Na Keirin masculina, o colombiano Kevin Quintero levou o ouro e no sprint feminino vitória da canadense Kelsey Mitchell.

O colombiano Daniel Restrepo venceu o trampolim de 3m masculino nos saltos ornamentais com 468,10 pontos contra 454,30 do mexicano Juan Celaya. Ian Matos terminou em 7º com 418,90 e Luis Bonfim 12º com 353,55. Na plataforma sincronizada feminina, mais um ouro pro Canadá com Meaghan Benfeito e Caeli McKay.

Sem surpresas nas 4as do hóquei na grama feminino. As Leonas venceram o Peru por fáceis 21-0 e vai pegar o Canadá na semi, que venceu o México por 9-0. Do outro lado, EUA fez 9-0 em Cuba e o Chile marcou 5-0 no Uruguai.

Medalhas do Brasil:

Dia Ouro Prata Bronze Total
Dia 1 2 3 3 8
Dia 2 2 1 2 5
Dia 3 4 2 8 14
Dia 4 3 2 4 9
Dia 5 1 2 1 4
Dia 6 0 2 5 7
Dia 7 3 2 1 6
Dia 8 0 0 3 3
Dia 9 7 2 7 16
TOTAL 22 16 34 72

Por esporte:

Esporte Ouro Prata Bronze Total
Ginástica Artística 4 4 3 11
Canoagem Slalom 4 0 1 5
Taekwondo 2 2 3 7
Triatlo 2 2 0 4
Surfe 2 1 1 4
Boxe 1 3 2 5
Badminton 1 0 4 4
Canoagem Velocidade 1 0 2 3
Águas Abertas 1 0 1 2
Patinação Artística 1 0 1 2
Tênis 1 0 1 1
Handebol 1 0 1 2
Levantamento de Peso 1 0 0 1
Ciclismo 0 1 2 3
Hipismo 0 1 2 3
Atletismo 0 1 1 2
Boliche 0 1 0 1
Ginástica Rítmica 0 0 3 3
Tiro 0 0 2 2
Esqui Aquático 0 0 1 1
Pentatlo Moderno 0 0 1 1
Vôlei de Praia 0 0 2 2
Saltos Ornamentais 0 0 1 1
Vôlei 0 0 1 1
TOTAL 22 16 34 72

Jogos Pan-Americanos Lima-2019 – Dia 7

Um dia histórico no surfe, badminton e no boxe! E mais algumas medalhas inéditas numa ótima sexta-feira em Lima.

Surfe

Captura de Tela 2019-08-03 às 01.00.42

Lena Guimarães. Foto: COB

O 1º ouro brasileiro do dia veio na 1ª final do dia em Lima, na nova prova da corrida de Stand Up Paddle. Ygor sobrou na prova feminina e levou o ouro com 33:25.7, colocando quase 40s sobre a americana Candice Appleby, medalha de prata, no 1º ouro da história do surfe em Pans. Na prova masculina, medalha de prata para Vinnicius Martins, que cruzou a linha de chegada 1min33s atrás do campeão, o americano Connor Baxter.

Nicola Pacelli venceu por 13,90 a 10,90 colombiana, avançando para a 4ª rodada do stand up paddle surfing e já garantindo uma medalha.

Badminton

Captura de Tela 2019-08-03 às 01.00.17

Ygor Coelho. Foto: COB

Ygor Coelho já era bicampeão do campeonato pan-americano, mas nesta sexta entrou pra história ao derrotar na final do individual masculino o canadense Brian Yang por 21-19, 21-10! Após um 1º set disputado, Ygor deslanchou no 2º para faturar a medalha de ouro!

O Canadá levou os 4 ouros restantes do badminton, com Michelle Li no feminino se sagrando tricampeã pan-americana, Jason Ho-Shue e Nyl Yakura nas duplas masculinas, Rachel Honderich e Kristen Tsai nas femininas e Joshua Hurlburt-Yu e Josephine Wu nas mistas. O Brasil encerra sua melhor campanha da história com 1 ouro e 4 bronzes.

Boxe

Hebert Conceição lutou na decisão dos 75kg contra o cubano Arlen López, campeã olímpico no Rio e que defendia o ouro no Pan. O brasileiro fez uma boa luta contra o cubano, e chegou até a equilibrar em alguns momentos, mas López foi melhor e Cuba fechou o boxe com 8 ouros em 10 categorias masculinas!

Captura de Tela 2019-08-03 às 00.58.06

Beatriz Ferreira. Foto: COB

Mas o brilho veio na final dos 60kg feminino! Beatriz Ferreira tem sido o grande destaque do boxe brasileiro neste ciclo olímpico e nesta sexta confirmou que é o principal nome do país para os Jogos de Tóquio! Ela dominou completamente a argentina Dayana Sanchez na decisão para faturar o 1º ouro da história do boxe feminino braisileiro em Pans! Até então só tínhamos vencido um bronze no feminino, em 2011. Agora foi uma medalha de cada cor em 5 categorias.

Tênis

Vitória espetacular de Carol Meligeni no torneio feminino, arrasando a mexicana Renata Zarazua por 62 60 em apenas 50min de jogo e se classificando para a semifinal! Na chave masculina, mais uma excelente vitória brasileira, com CCE derrotando o cabeça de chave 1 e 55º do ranking mundial, o chileno Nicolas Jarry, por 75 64 e também está na semifinal!

Já nas duplas femininas, Carol e Luisa Stefani perderam na semifinal 75 67(10) [10-4] para as paraguaias Veronica Cepede Royg e Montserrat Gonzalez e irão disputar o bronze. Foi a 1ª medalha em Lima do Paraguai, que nunca levou um ouro. A Bolívia também garantiu sua 1ª medalha neste Pan ao vencer na semifinal das mistas, com Noelia Federico Zeballos.

Outros Esportes

Belíssima participação de Isaac Souza e Kawan Pereira na prova da plataforma sincronizada masculina! Numa prova bem consistente, a dupla brasileira somou 375,81 pontos para levar uma inédita medalha de bronze! Foi a 1ª medalha da história dos saltos ornamentais masculino em uma prova sincronizada. A dupla chegou a ficar na frente do Canadá após o 4º salto. O ouro foi pra dupla mexicana com 431,10 e a prata pro Canadá com 396,12. No trampolim 1m feminino, Luana Lira ficou em 7º e Juliana Veloso em 9º em prova com dobradinha americana, vencida por Sarah Bacon, prata nesta prova no Mundial de Gwangju há duas semanas.

Bom início da equipe de CCE no hipismo com a prova do adestramento. Marcelo Tosi foi o destaque, ficando em 3º no geral com 26,00 pontos perdidos, muito próximos dos americanos que lideram. Por equipes, o Brasil está em 3º atrás de EUA e Canadá. São apenas 2 vagas olímpicas em jogo e EUA ainda não tem vaga.

Também um ótimo início na ginástica rítmica! No individual geral, após apresentações no arco e na bola, Bárbara Domingo está em 4º lugar e Natália Gaudio em 5º. No arco, Natalia tirou a 2ª melhor nota e Bárbara a 3ª. Já na bola, as duas foram bem mal. Bárbara foi 7ª e a única a se classificar pra final do aparelho. Já Natália tirou a 11ª nota. Na 1ª apresentação de grupos, com 5 bolas, o Brasil, após pedir recurso, saiu com a melhor nota 23,650, pouco a frente do México, com 23.525.

Após um início complicado e com muitos erros, o Brasil deslanchou e derrotou Porto Rico no último jogo da 1ª fase por 35-26 e chegou a 3 vitórias. Agora, pega o Chile na semifinal no domingo enquanto o outro jogo terá Argentina e México.

No vôlei masculino, o Brasil também sofreu para vencer uma equipe universitária americana. Os Estados Unidos abriram 2-0 e, caso vencessem por 3-0, eliminariam o Brasil. Mas vencemos o 3º set e com isso estávamos nos classificando. Quando o Brasil empatou, a classificação estava dada, mas os americanos precisavam vencer. Mas aí começaram a entrar os pontos de Lucas Lóh e Abouba, 19 e 18 pontos na partida respectivamente, e o Brasil fechou por 3-2 (23-25, 21-25, 25-17, 25-19, 15-9), fechando a 1ª fase com 3 vitórias. Na semifinal, Brasil pega Cuba e a Argentina enfrenta o Chile.

Nas primeiras baterias do K1 Extreme da canoagem slalom, Pedro Gonçalves e Ana Sátila venceram as suas baterias e estão na semifinal do domingo.

Kácio Fonseca teve uma boa participação na prova de sprint individual no ciclismo de pista. Ele foi 7º na qualificação com 10.226, acabou perdendo na 1ª rodada para venezuelano, mas venceu sua repescagem. Nas 4as, foi derrotado pelo trinitino Nicholas Paul (melhor na quali e único a baixar dos 10s) e venceu a disputa do 5º ao 8º. A equipe americana sobrou para levar o ouro na perseguição por equipes feminina e a colombiana Martha Bayona venceu o ouro na prova de Keirin.

Kim Rhode deu mais um show no tiro ao prato e foi ouro na prova de skeet vencendo com 55 pratos na decisão. Rhode levou seu 5º ouro em seu 6º Pan disputado, 1 medalha por edição. A americana já medalhou em 6 Olimpíadas seguidas e deve chegar em Tóquio como favorita no skeet.

A Argentina destruiu Cuba no hóquei na grama feminino por 13-1 pelo Grupo A, que teve também Canadá 5-0 Uruguai. No Grupo B, EUA fez 8-0 nas peruanas e Chile 2-0 no México.

Captura de Tela 2019-08-03 às 01.06.08

Medalhas do Brasil:

Dia Ouro Prata Bronze Total
Dia 1 2 3 3 8
Dia 2 2 1 2 5
Dia 3 4 2 8 14
Dia 4 3 2 4 9
Dia 5 1 2 1 4
Dia 6 0 2 5 7
Dia 7 3 2 1 6
TOTAL 15 14 24 53

Por esporte:

Esporte Ouro Prata Bronze Total
Ginástica Artística 4 4 3 11
Taekwondo 2 2 3 7
Triatlo 2 2 0 4
Boxe 1 3 2 5
Surfe 1 1 0 2
Badminton 1 0 4 4
Canoagem Velocidade 1 0 2 3
Patinação Artística 1 0 1 2
Handebol 1 0 0 1
Levantamento de Peso 1 0 0 1
Ciclismo 0 1 2 3
Boliche 0 1 0 1
Tiro 0 0 2 2
Esqui Aquático 0 0 1 1
Hipismo 0 0 1 1
Pentatlo Moderno 0 0 1 1
Vôlei de Praia 0 0 2 2
Saltos Ornamentais 0 0 1 1
TOTAL 15 14 24 53

Mais dois títulos mundiais de Ana Sátila!

Duas Olimpíadas nas costas, 3 medalhas em Mundiais e 2 em Jogos Pan-Americanos, mas Ana Sátila ainda disputa mundiais de base!

3334-capa_final-20-7-2019-16-49-03

Ana Sátila. Foto: CBCa

Ela esteve na Cracóvia, na Polônia, na semana passada para a disputa do seu último Mundial Júnior/Sub23 de canoagem slalom. Ana fez 23 anos em março, mas ainda pode disputar esta categoria até o fim do ano.

Após ir mal no K1 na sexta-feira, ao perder uma porta na semifinal, ela voltou com tudo no sábado para uma belíssima prova do C1, sua favorita. Ela não cometeu nenhuma falta e, numa prova perfeita, completou em 101,06. A russa Alsu Minazova fez um tempo melhor, com 100,45, mas bateu em 2 portas e terminou com a prata com 102,45. Bronze para a eslovaca Monika Skachova com 105,95.

No domingo, Ana voltou pra disputar o Extreme K1 e ela saiu com mais um ouro, repetindo o topo do pódio de 2018! Apesar de não ser olímpica, ela prova será disputada no Pan, onde a Ana busca dois ouros: no C1 e no K1 Extreme.

Ana Sátila chega a 10 medalhas em Mundiais! Em adultos tem 1-1-1, em Sub23 3-2-0 e em Jr 1-0-1.

Ana Sátila é bronze na Eslováquia

Depois de decepcionar na 1ª etapa semana passada na Grã-Bretanha, Ana Sátila é bronze no domingo na 2ª etapa da Copa do Mundo em Bratislava no C1.

youtube

Pódio do C1 feminino: Vilarrubla, Jaquet e Ana Sátila. Foto: Reprodução/Youtube

Na eliminatória do C1 na sexta-feira, Ana Sátila foi a melhor com 104,76 se classificando direto pra semifinal. Neste domingo, Ana foi a 5ª na semi com 120,04, 2,91 atrás da líder alemã Andrea Herzog. Na decisão, ela vinha muito bem, quando bateu na 19ª e na 23ª e última porta, levando 4 pontos de penalidade, terminando com 113,80, 1,65 atrás da campeã, a francesa Claire Jacquet. Monica Villarubla, de Andorra, foi prata com 112,32. No K1, Ana parou na semifinal em 22º, após perder a 18ª porta. Foi o 4º bronze da Ana Sátila no C1 em Copas do Mundo.

Quem não vem tão bem na Copa do Mundo é a australiana Jessica Fox. No ano passado, ela venceu as 5 etapas do C1 e 3 no K1, se sagrando campeã da temporada nas duas modalidades. Este ano, ela foi bronze nas duas provas na 1ª etapa, mas decepcionou em Bratislava, ficando em 6º no K1 e nem pegando final do C1. A britânica Mallory Franklin, que venceu as 2 provas na 1ª etapa, não competiu na Eslováquia.

O namorado da Ana, o francês naturalizado brasileiro Mathieu Desnos chegou na semifinal do K1, onde terminou em 22º a 7,62 do líder e 5,13 da final. Felipe Borges foi 24º na semifinal do C1 masculino. Na prova do K1 Extreme, que não é olímpica, mas terá nos Jogos Pan-Americanos, Pedro Gonçalves foi prata

Mundial de Canoagem Slalom – Parte II

Ninguém segura Jessica Fox.

jess_fox_c1gold_rio2018

Jessica Fox (AUS). Foto: ICF

Após brilhar no K1 no sábado, a australiana brilhou na final do C1 no domingo. Numa descida perfeita, ela voou e completou o percurso em 109,07, quase 5s mais rápida que a 2ª melhor, a britânica Mallory Franklin, com 113,85. Franklin também repetiu a cor da medalha do K1 no sábado. A checa Tereza Fiserova ficou com o bronze com 116,74. Ana Sátila terminou na 6ª posição, com 117,41, a apenas 0.26 do 4º lugar. Ana esbarrou a ponta do barco na porta de remonta 16 e tomou uma falta. Se zerasse, seria bronze. Fox encerra uma temporada espetacular, onde ela venceu todas as 5 etapas da Copa do Mundo. Aos 24 anos, ela chega a espetaculares 9 títulos mundiais adultos, fora o 4 juniores e 8 Sub-23.

hannes_aigner_k1gold_rio2018

Hannes Aigner (GER). Foto: ICF

No K1 masculino, show do alemão Hannes Aigner, bronze em Londres-2012. Zerando sua passagem, ele voou para 89,69, único abaixo dos 90s. Bronze no Rio-2016 e campeão mundial em 2015, o checo Jiri Prskavec foi prata com 90,65 e o russo Pavel Eigel, que jamais medalhou nesta prova em Copas do Mundo, surpreendeu com o bronze com 92,17. O campeão olímpico do Rio, o britânico Joe Clarke, foi 5º e o esloveno bicampeão mundial Peter Kauzer vinha muito bem, mas perdeu uma porta e acabou em 10º. Na semifinal, o brasileiro Pedro Gonçalves, 6º no Rio-2016, acabou em 27º, a 3s da vaga na final.

ana-sc3a1tila-k1-extreme-mundial-de-canoagem-slalom

Foto: Olimpíada Todo Dia

Mas Ana Sátila não zerou pro Brasil. Ela ficou com o ouro na empolgante e divertida prova do K1 Extreme, onde descem 4 por bateria e os 2 primeiros avançam de fase. Ela venceu sua bateria de 8as, de 4as, foi segunda na sua semifinal e ficou com o ouro, melhorando a prata de 2017. No masculino, vitória do italiano Christian de Dionigi e um intressante bronze para o argentino Thomas Bersinger.

O próximo Mundial de slalom será em 2019 em La Seu d’Urgell, na Espanha, local que recebeu várias etapas de Copas do Mundo e outros 2 Mundiais. E este valerá vaga olímpica.

Mundial de Canoagem Slalom – Parte I

Este é o 1º Mundial de um esporte olímpico no Rio de Janeiro após os Jogos de 2016 (tivemos um paralímpico de ciclismo na pista em março). Alguns problemas de organização, pois havia dúvida se teríamos mesmo o Mundial por falta de dinheiro, mas o governo federal bancou e cá estamos nós novamente na linda raia de Deodoro. E todos os melhores do mundo vieram.

jessica_fox_riok1gold

Jessica Fox (AUS). Foto: ICF

Nesta sábado, a australiana Jessica Fox deu mais um show para coroar uma excelente temporada  no K1. Das 5 etapas da Copa do Mundo, Fox venceu 3 e levou o título geral da temporada pela 1ª vez. Fox foi a melhor na 1ª descida nas eliminatórias, mas na semifinal teve um probleminha e ficou em 6º. Na decisão, novamente zerou sem faltas e venceu com o melhor tempo de 102,06 para levar o Mundial pela 3ª vez na carreira na prova! A britânica Mallory Franklin foi prata com 104,34 e a alemã Ricarda Funk completou o pódio com 105,32 (1 falta). Ana Sátila chegou à final, mas perdeu uma porta e deu 3 toques em portas, terminando em 9º com 162,99.

franz_anton_germany_c1goldrio

Franz Anton (GER). Foto: ICF

No C1 masculino, o título ficou com o alemão Franz Anton, que havia sido campeão mundial em 2015 no agora extinto C2 masculino. Zerando na final, Anton completou o percurso em 97,06, deixando a prata pro britânico Ryan Westley com 97,94 e bronze pro também alemão Sideris Tasiadis, com 98,87. Depois veio a armada eslovaca com Matej Benus 4º, Alexander Slafkovsky 5º e o mito Michal Martikan em 6º. Martikan, aos 39 anos, segue entre os maiores nomes da prova, com 5 medalhas olímpicas (ele não esteve no Rio-2016) e 22 em Mundiais, sendo 14 ouros! Desde 1995 ele está entre os melhores. Na semifinal da prova, Felipe Borges conseguiu um ótimo 18º lugar entre 30.

Nas provas por equipe, a Eslováquia venceu no C1 masculino, a Grã-Bretanha no K1 masculino e no C1 feminino e a França levou o K1 feminino. No C2 misto, ouro para os poloneses Marcin Pochwala e Aleksandra Stach.

Ouro no remo, mas alguns mundiais de base bem ruins…

Terminou neste domingo em Plovdiv, na Polônia, o Mundial Sub23 de Remo e o Brasil enviou 3 atletas para a competição, voltando com bons resultados, pelo menos para a realidade do remo brasileiro.

132229_12-lg-hd

Uncas Batista (centro) no pódio do Mundial Sub23 de Remo na Polônia. Foto: FISA

O destaque foi Uncas Batista, que se tornou bicampeão mundial sub23! Ele fez uma excelente campanha, mas na prova de single skiff peso leve, que não é olímpica. Uncas venceu sua eliminatória com 7:09.05, venceu a sua bateria de 4as com 7:27.70 e foi 2º na sua semifinal com 7:18.44. Na final, o francês Hugo Beurey começou melhor, abrindo 3s sobre o Uncas, que na segunda metade foi se recuperando até vencer com 6:51.27 contra 6:54.10 do francês.

Lucas Ferreira, bronze no Mundial Jr de 2016, chegou à Final A do single skiff, essa sim prova olímpica, e terminou em 6º, bem longe dos líderes. O brasileiro fez 7:06.45 e o canadense Trevor Jones foi o campeão com 6:48.70. No single skiff feminino, Milena Viana foi 3ª na Final B, 9ª o geral entre 17 atletas. Forma bons resultados se levarmos em conta a atual situação do remo brasileiro. Precisamos urgente achar um companheiro pro Uncas pro double skiff peso leve.

Também terminou neste domingo o Mundial Jr/Sub23 de canoagem velocidade e o Brasil saiu sem nenhum medalha. Pior, sem nenhuma Final A. Nem Jacky Godmann, que foi 4º no C1 200m Jr no ano passado pegou final. Agora ele é Sub23 e pegou Final B.

Também rolou essa semana o Mundial Jr de Saltos Ornamentais em Kiev, Ucrânia. A China levou 14 das 17 provas (!) e o Brasil conseguiu apenas uma final, e numa prova não olímpica. Luis Felipe Moura ficou em 11º no trampolim de 1m, categoria A (sub18).

Na semana anterior, Ana Sátila decepcionou ao perder portas na final do K1 e do C1 Sub23, mas saiu com um ouro de consolação na ‘gincana’ do Extreme K1. No Mundial Jr de Nado Artístico, em Budapeste, Brasil não conseguiu nenhum top-12. Na prova de equipes ficou em 13º na prova técnica e na livre, atrás até da Grã-Bretanha. No Mundial da Juventude de Vela, os destaques brasileiros foram no feminino, com um 5º lugar (Rafaela Salles e Fernanda Blyth na 29er), um 6º (Larissa Schenker na RSX) e um 7º (Marina da Fonte e Marina Arndt na 420). O único top-10 no masculino foi de Tiago Quevedo na Laser Radial.

Neste ciclo olímpico, o Brasil chegou a 31 medalhas na base (10O-9P-12B):

Ouro – Wesley Dantas – Surfe Júnior (set/16)
Ouro – Duda / Ana Patrícia – Vôlei de Praia Sub21 (jul/17)
Ouro – Adrielson / Renato  – Vôlei de Praia Sub21 (jul/17)
Ouro – Revezamento 4x400m misto – Atletismo Sub18 (jul/17)
Ouro – Uncas Batista – Remo single skiff peso leve Sub23 (jul/17)
Ouro – Isaquias Queiroz – C1 1.000m Sub23 (jul/17)
Ouro – Aldi de Oliveira – Judô 50kg Sub18 (ago/17)
Ouro – Daniel Cargnin – Judô 66kg Sub21 (out/17)
Ouro – Ana Sátila – Extreme K1 Sub23 (jul/18)
Ouro – Uncas Batista – Remo single skiff peso leve Sub23 (jul/18)
Prata – Manoel Messias – Triatlo Sub23 (set/16)
Prata – Ana Sátila Vargas – Canoagem slalom K1 Sub23 (jul/17)
Prata – Isaquias Queiroz – C1 200m Sub23 (jul/17)
Prata – Gabriella Moraes – Judô 63kg Sub18 (ago/17)
Prata – Milena Silva – Judô 70kg Sub18 (ago/17)
Prata – Judô por Equipe Mista Sub18 (ago/17)
Prata – André dos Santos – Karatê 70kg Cadete (out/17)
Prata – Luana Madeira – Levantamento de Peso 48kg Júnior (jul/18)
Prata – Mirieli Estaili Santos – Salto Triplo Sub20 (jul/18)
Bronze – Lucas Ferreira – Remo single skiff Júnior (ago/16)
Bronze – Leandro Souza – Taekwondo +78kg Juvneil (nov/16)
Bronze – Luana Madeira – Levantamento de Peso 48kg Júnior (jun/17)
Bronze – Giovana Rosa – Atletismo 400m Sub18 (jul/17)
Bronze – Amanda Arraes – Judô 44kg Sub18 (ago/17)
Bronze – Luiza Cruz – Judô +70kg Sub18 (ago/17)
Bronze – Maria Clara Pacheco – Taekwondo 47kg Cadete (ago/17)
Bronze – Beatriz Souza – Judô +78kg Sub21 (out/17)
Bronze – Futebol Masculino Sub17 (out/17)
Bronze – Gabriel Ramos – Taekwondo 59kg Juvenil (abr/18)
Bronze – Patrik Cardoso – Taekwondo +78kg Juvenil (abr/18)
Bronze – Alison dos Santos – 400m com barreiras Sub20 (jul/18)