Troféu Brasil – Final

O Troféu Brasil de 2017 acabou neste domingo com ótimas marcas em São Bernardo e a certeza de que o atletismo está indo no caminho certo.

Pista

9304

Márcio Teles e Hederson Estefani

Duas marcas chamaram muita atenção: o excelente tempo de 20.15 (+1,3m/s) de Aldemir Gomes da Silva Jr. nos 200m e 48.94 de Márcio Teles nos 400m com barreiras, recorde do Troféu. Este tempo colocaria Aldemir em 6º na final olímpica do Rio. Os dois conseguiram o índice pro mundial e nos 400m com barreiras Hederson Estefani também baixou do índice, com 49.13 e a prata. Vitória Cristina Rosa venceu os 200m feminino com 22.93 (+1,5m/s), ratificando o índice pro Mundial, assim como Rosângela Santos com 22.95.

Também venceram com índice Éder Souza nos 110m com barreiras com 13.47 (+0,8m/s) e Thiago André nos 800m com 1:44.81. Os outros campeões do dia foram: Altobeli da Silva nos 5.000m com 13:46.72, Maria Aparecida Ferraz nos 5.000m com 16:31.98, Kleidiane Jardim nos 1.500m com 4:23.58, Jailma Sales de Lima nos 400m com barreiras com 56.76, B3 Atletismo no 4x400m feminino com 3:35.45 e o EC Pinheiros no 4x400m masculino com 3:07.43.

Campo

9302

Laila Ferrer

O grande destaque no campo foi Núbia Soares no salto triplo. Ela saltou duas vezes para ótimos 14,56m ficando a apenas 2cm do recorde brasileiro! Tânia Ferreira da Silva ficou em 2º também com índice, de 14,13m. Geisa Arcanjo fez sua melhor marca do ano com 18,08m na primeira tentativa na final do arremesso de peso, mais uma vez melhor que o índice. Está chegando na marca que fez na final olímpica no Rio, com 18,16m, mas ainda longe do seu PB de 19,02m. No dardo, Laila Ferrer venceu com 62,52m, superando o índice pro Mundial de 61,20m.

Thiago Braz ainda não está no seu melhor, mas ficou com o ouro no salto com vara, empatando em 1º  com Augusto Dutra, ambos com 5,52m na 2ª tentativa e 3 erros no total. Ambos tentaram 5,62m, mas Augusto falhou 3 vezes e Thiago desistiu após sentir a panturrilha, preferindo se poupar. No heptatlo, Tamara Alexandrino venceu com bons 6.040, superando pela 1ª vez a barreira dos 6.000 pontos, mas ainda sem índice pro Mundial, que é 6.200. Vanessa Spindola fez 5.812, longe do seu PB de 6.188.

Os outros campeões foram Felipe Lorenzon no disco com fracos 57,97m, Paulo Enrique da Silva no dardo com 74,86m, Alexsandro de Melo no salto triplo com 16,42m, Fernando Ferreira no salto em altura com 2,25m e Julia Cristina dos Santos no salto em altura com 1,80m.

Por equipes, vitória do Pinheiros no masculino, no feminino e no geral, enquanto a B3 Atletismo ficou em 2º lugar nas 3 classificações.

A equipe pro Mundial já conta com 24 atletas, sem contar os maratonistas e revezamentos. Não é tão grande, mas tem ótima qualidade. A CBAt está no rumo certo.

Anúncios

Mundial de Atletismo – Dia 7

Presença brasileira em duas finais e dia de segundos ouros em Moscou.

Salto em distância masculino

Após se classificar apenas em 11º para a final, Mauro Vinícius da Silva entrava na final como uma das principais chances brasileiras de medalha, se não a principal. Após matar do coração quem assistiu a prova, com dois saltos queimados no início, ele fez 8,09m na 3ª tentativa e passou para os 3 saltos finais em 6º. Aí quando o russo Aleksandr Menkov saltou excelentes 8,52m na 3ª rodada, o ouro já era praticamente dele. Nas 3 rodadas finais, Duda ainda fez 8,05m, melhorou para 8,23m, subindo para 4º, mas caiu quando o mexicano Luis Rivera atingiu 8,27m. No último salto ele ainda melhorou para 8,24m, mas terminou na 5ª colocação.

Parecia difícil melhorar, mas Menkov conseguiu! No 5º salto fez um espetacular salto de 8,56m e garantiu o quarto ouro russo, com recorde nacional. A prata foi para o holandês Ignisious Gaisah, que desde junho não compete mais por Gana, com 8,29m, novo recorde holandês. Gaisah, campeão mundial indoor em 2006, também em Moscou e prata em Helsinque-2005, tem 8,43m, mas por Gana. O bronze ficou com o mexicano Luis Rivera. Prova muito forte, onde a diferença entre a prata e o 6º lugar foi apenas de 7cm. Com 6 atletas acima de 8,20m, foi a prova mais forte da história em Mundiais, com condições legais de vento. Só perde para Helsinque-2005, onde o vento foi fator importante na decisão. O americano tetracampeão mundial Dwight Phillips se recupera de lesão e foi apenas o 11º com 7,88m.

Lançamento de martelo feminino

Uma grande final com marcas excepcionais. A russa Tatyana Lysenko abriu a série com 77,58m, quase 3m melhor que a chinesa Zheng Wang, que aparecia em 2º até o começo da 3ª rodada. Aí a polonesa campeã mundial em Berlim-2009 e prata em Londres, Anita Wlodarczyk, lançou a 77,79m, assumindo a liderança. Na 4ª tentativa, Wlodarczyk melhorou para 78,46m, mas Lysenko logo depois atingiu 78,80m, recorde do campeonato, assumindo a liderança e não a perdendo mais! Esta marca foi o 2º melhor lançamento da história e o da polonesa, novo recorde nacional, o 5º da história. O bronze foi para a chinesa Wenxiu Zhang, bronze em Pequim, com 75,58m.

Arremesso de peso masculino

Desde o mundial de 1995, os americanos só não levaram o ouro em 2003. Aí em 2011, o alemão David Storl surpreendeu e venceu o Mundial aos 21 anos. Em Londres, ele foi prata, perdendo para o polonês Tomasz Majewski, que se tornou bicampeão olímpico. Em Moscou, o americano Ryan Whiting liderava a prova com 21,57m obtido na 1ª tentativa. Whiting vinha de uma excelente temporada, vencendo 3 etapas da Diamond League. Na 4ª tentativa, Storl fez um grande arremesso, mas os árbitros deram como falta. Após muito reclamar, seu arremesso foi revisto e validado com 21,73m, distância que lhe deu o ouro! Com 21,34m, o canadense Dylan Armstrong, bicampeão panamericano, foi bronze. Majewski foi mal e ficou apenas em 6º com 20,98m.

5.000m masculino

Tá difícil bater o britânico Mo Farah! Ele venceu essa prova em Daegu, levou os 5 e os 10.000m em Londres e leva seu 2º ouro em Moscou, após vencer os 10.000m no 1º dia de disputas. No primeiro quilometro, ele estava lá trás, em penúltimo, mas foi buscando e com um sprint e uma resistência excepcionais, deixou os 3 quenianos, 3 etíopes e 3 americanos para trás. A era Mo Farah veio para ficar! Ele venceu com 13:26.98. Numa chegada impressionante, o etíope Hagos Gebrhiwet e o queniano Isiah Koech fizeram 13:27.26. Fica até difícil ver quem chegou na frente, mas a prata foi dada ao etíope.

200m feminino

A jamaicana Shelly-Ann Fraser-Pryce foi espetacular. Correu praticamente sozinha e venceu com 22.17, levando seu segundo ouro em Moscou, primeiro título mundial dela nos 200m. A bicampeã olímpica nos 100m se tornou a 3ª atleta a vebcer os 100m e os 200m em um mesmo Mundial, a 1ª desde 1991! Novamente um empate de tempo entre 2ª e 3ª! Murielle Ahoure, da Costa do Marfim, e a nigeriana Blessing Okagbare fizeram 22.32, mas a prta foi para Ahoure, sua segunda prata em Moscou. Okagbare também leva sua segunda medalha da competição, após a prata no salto em distância. A americana Allyson Felix, melhor tempo nas semifinais e tricampeã mundial da prova sentiu um estiramento no final da curva e desistiu da prova.

Revezamento 4x400m masculino

O Brasil não enviava uma equipe nesta prova desde o Mundial de 2001, quando conquistou um ótimo 4º lugar, com 3:01.09, mesmo tempo das eliminatórias deste ano. Na final, entretanto, uma troca errada na primeira passagem do bastão atrasou bem a equipe, que terminou em 7º com 3:02.19. O ouro foi para a forte equipe americana, que fechou com o campeão dos 400m, LaShawn Merritt, com 2:58.71, melhor tempo do ano. Prata para a Jamaica, com 2:59.88 e bronze para a Rússia com 2:59.90. Interessante que a equipe da Bélgica, 5ª colocada, disputou com 3 irmãos na equipe: Jonathan, Kevin e Dylan Borlée.

Outras provas

Péssima participação brasileira pela manhã. No lançamento de dardo feminino, nada menos que 11 fizeram o índice de 61,50m, com a russa Maria Abakumova atingindo 69,09m. Jucilene de Lima foi bem mal, terminando em 26ª e penúltima com 55,18m. Na quali do salto triplo masculino, Jefferson Sabino foi 16º com 16,49m. Melhor marca do francês Teddy Tamgho com 17,41m.

Nos 100m com barreiras feminino, melhor tempo da americana Brianna Rollins com 12.55. No revezamento 4x400m feminino, melhor tempo da equipe da Rússia com 3:23.51. Nos 200m masculino, os brasileiros foram 4º em suas séries, com Bruno Lins com 20.60 e Aldemir da Silva Jr com 20.73, ambos fora das semifinais. Interessante que Usain Bolt fez apenas o 21º tempo, com 20.66, tempo superior ao do Bruno, mas como venceu a sua série, avançou. Nas semifinais a tarde, melhor tempo do americano Curtis Mitchell com 19.97. Bolt venceu a sua semi com 20.12.

Na semi do 1.500m masculino, praticamente todos os atletas da semifinal 1 foram mais rápidos que o vencedor da semifinal 2. Melhor tempo do queniano Nixon Chepseba, com 3:35.88. Já nas semifinais dos 800m feminino, domínio americano, com duas americanas entre as mais rápidas, com Alysia Montano a melhor com 1:58.92.

Resumo do fim de semana

Grandes resultados no Atletismo, BMX, Tiro Esportivo, Tênis…

Atletismo

No domingo, em Belém, aconteceu a 1ª etapa do Brazilian Athletics Tour 2013, série de meetings no país, que este ano só terá 3 eventos (Belém, Uberlândia e São Paulo), contra 5 dos últimos anos (saíram Rio e Fortaleza). O grande destaque, que inclusive foi destaque no site da IAAF, foi a grande prova dos 100m de Ana Cláudia Silva (foto)! Ela percorreu a distância em 11s05, novo recorde sul-americano e 6ª melhor marca do ano! Lembrando que na semana anterior ela quebrou o mesmo recorde em Campinas…

Outros bons resultados vieram do salto com vara masculino, onde Augusto de Oliveira fez 5,70m, confirmando o índice para o Mundial. Nos 200m masculino, Bruno Lins venceu a prova com 20s35 e Aldemir Gomes da Silva foi 2º com 20s44, ambos abaixo do índice. No lançamento de disco feminino, Andressa de Moraes fez 60,46m, a 77cm do índice para o Mundial. Keila Costa venceu o salto em distância com 6,56m, 9cm do índice. A prova contou com a volta de Maurren Maggi, em sua primeira competição desde os jogos de Londres. Em Belém, ficou apenas na 5ª posição com 6,21m. Nos 800m, Kleberson Davide foi 2º com 1:45.27, novamente correndo abaixo do índice. Outro ótimo resultado na capital paraense foi do cubano Ernesto Revé, que venceu o salto triplo com 17,37m, 2ª melhor marca do ano. A melhor do ano é dele mesmo.

Já em São Paulo, no sábado em torneio da FPA, mais índices para aumentar a equipe que vai para Moscou. Nos 400m, Anderson Henriques fez 45s16, abaixo do índice de 45s20. No salto com vara, Karla Rosa fez sua melhor marca pessoal com 4,53m, índice para o Mundial. Mas o índice A da prova é 4,60m e como Fabiana Murer já fez, Karla precisa de pelo menos 4,60m para ir a Rússia. Outros índices para o Pan Juvenil e para o Mundial de Menores também foram atingidos. A CBAt ainda não publicou a lista atualizada das seleções, que deu uma boa crescida!

Ciclismo

Murilo Fischer e Rafael Andriato disputam o tradicional Giro d’Itália, uma das 3 maiores competições de ciclismo em etapas do mundo. Na 5ª etapa, na última quarta-feira (dia 8), Rafael, que estreia no Giro, foi um dos destaques, chegando a liderar por mais de 3min a prova ainda em seu começo. Ele venceu duas metas volantes e terminou a etapa como o ciclista mais combatível do dia. Boa participação.

E mais uma excelente prova de Renato Rezende (foto) na Copa do Mundo de BMX! Após o 6º lugar na 1ª etapa, ele ficou com o 4º lugar na final da 2ª, disputada na Argentina. Na disputa de contra-relógio, ele também ficou com o 4º lugar. Na classificação geral, ele aparece na (adivinhem…) 4ª colocação. O nossos único representante olímpico da prova em Londres conquista seu melhor resultado da carreira. Na última temporada ele foi apenas o 28º na Copa do Mundo.

Entre as mulheres, a única que chegou a semifinal foi Bianca Quinalha. Na classificação geral, Bianca é a melhor brasileira na 17ª posição. Faltam 2 etapas, uma na Holanda e outra nos EUA.

Tênis, Tiro Esportivo e Triatlo

Bruno Soares segue sua grande fase e dessa vez atingiu a sua 2ª final de ATP 1.000, em Madri. Ao lado do austríaco Alexander Peya, perderam para a maior dupla de todos os tempos, os irmãos Bryan, por 62 63. Foi o 87º título dos gêmeos! Bruno e Peya chegaram a sua 4ª final do ano e 7ª da parceria, que nem completou 1 ano! No ranking divulgado nesta segunda-feira, eles já aparecem na 2ª posição na classificação de parcerias!

A seleção brasileira de pistola e rifle foi até os EUA para a Copa do Mundo e conseguiu 2 finais! A grande promessa da pistola, Felipe Wu, passou para a final da pistola de ar 10m em 6º lugar. Na final, não atirou tão bem e ficou apenas em 8º, seu melhor resultado em Copas do Mundo.

No rifle deitado 50m, Cassio Rippel (foto) chegou a final na excelente 3ª posição, com 625,3 pontos. Na final, ele seguiu muito bem, até ser eliminado e terminar na ótima 5ª posição. A sua melhor participação em Copas do Mundo havia sido um 34º lugar em Milão, no ano passado.

Na República Dominicana, Flávia Fernandes venceu a Copa Pan Americana de Triatlo com 2:09:36. Na prova juvenil, Fabiola Silva ficou com o bronze, com 1:07:34 (metade da distância). Na etapa de Yokohama do Mundial, nas provas paralímpicas, mais um bom resultado de Marcelo Collet, que venceu na categoria TRI-5. Sua 2ª vitória na Copa do Mundo esse ano. Marcelo já disputou a natação nas Paralimpíadas. Lembrando que o triatlo entra no programa paraolímpico no Rio-2016.

Outros esportes

Mateus Machado ficou muito perto de uma medalha no Mundial Juvenil de Levantamento de Peso. Na prova de arranque, ele fez 162kg, ficando na 4ª posição, 6kg do bronze. No arremesso, com 191kg ficou em 8º. No total, com 353kg, Mateus terminou a categoria 105kg na 7ª posição a 10kg do bronze.

No GP de Fort Lauderdale de Saltos Ornamentais, Hugo Parisi fez 400,10 na plataforma e atingiu o índice para o Mundial de Barcelona. ele avançou a semifinal da prova, mas não a final, terminando em 11º. Já César Castro, que já tinha o índice no trampolim 3m, o confirmou por mais 2 vezes, mas também não chegou a final, terminando em 10º na semi. As gêmeas Natali e Nicoli Cruz terminaram a plataforma sincronizada na 7ª e última posição sem o índice.

Sul-Americanos de Ouro

No último post, falei sobre o Brasileiro Sub-23 de Atletismo e sobre as boas marcas no arremesso de peso e nos sprints masculinos. Duas semanas depois, os campeões e vices deste torneio disputaram em São Paulo o Sul-Americano Sub-23 de Atletismo. Com a participação de 240 atletas dos 12 países da América do Sul, o torneio contou com a enorme equipe brasileira de 76 atletas e com o domínio completo do país no quadro de medalhas. O Brasil venceu 24 das 44 provas, levando ainda 14 pratas e 13 bronzes. Interessante que todos os 12 países medalharam no torneio.

Sem grandes marcas, os melhhores resultados foram parecidos com o do Campeonato Brasileiro. Sétima em Londres, Geisa Arcanjo (foto) venceu o arremesso de peso com bons 18,43m, ficando quase 3m a frente da prata. Na prova masculina, Darlan Romani venceu com um ótimo 19,93m, mantendo sua boa fase neste ano. Aldemir Gomes da Silva Jr, semifinalista nos 200m em Londres, fez a dobradinha dos 100m (10s42) e dos 200m (20s51), ambos com tempos médios, mas bons para a época do ano. Ele ainda fez parte da equipe 4x100m, que levou o ouro com 40s10. Andressa de Morais, 16ª em Londres no lançamento de disco, venceu a prova em São Paulo com 57,66m, mais de 3m pior que a marca nos Jogos Olímpicos. O argentino Braian Toledo, de apenas 19 anos e vice-campeão mundial juvenil em Barcelona este ano, venceu o lançamento de dardo com 78,49m. Foram quebrados ao todo 13 recordes do campeonato na 5ª edição do evento.

Sul-Americano de Ginástica Rítmica

Em Cali, Colômbia, o Brasil levou nada menos que 13 ouros no Sul-Americano do esporte, que contou com as categorias adulto, juvenil, infantil e pré-infantil. Nas provas de conjunto, levamos todos os 6 ouros (no geral e por aparelho, adulto e juvenil). Destaque individual para Bruna Morais (foto) e Simone Luiz, ouro e prata individual adulto. No juvenil, Andressa Jardim e Mayra Siñeriz fizeram a dobradinha no individual. Também houve dobradinha de ouro e prata no infantil e no pré-infantil. O Brasil só não levou ouro na equipe adulta, porque Rafaela Costa se lesionou e não terminou a competição.

Mundial Jovem A de Pentatlo Moderno

No novo esporte recém-descoberto pelos brasileiros (graças ao bronze de Yane Marques em Londres), 6 jovens promessas foram para a Hungria disputar o Mundial Jovem A com outrs 144 atletas do mundo todo. Nesta categoria, não é disputada a prova de hipismo e há um detalhe que faz muita diferença: a prova individual não tem semifinais e é disputada diretamente na final, que dura 2 dias.

Como só há final, todos os 79 meninos e 71 meninas tem a árdua e extenuante tarefa de enfrentar TODOS os adversários na prova de esgrima, que chegou a durar 6 horas no masculino. Nos revezamentos, o Brasil ocupou posições ruins, com o 11º no masculino (entre 14), 11º no feminino (entre 15) e 15º na dupla mista (entre 18 equipes).

No individual, o melhor resultado foi o 43º lugar no masculino com Lucas Santos. No feminino, a melhor performance foi de Amanda Turute, em 47º. O próximo Mundial Jovem A será disputado em agosto do ano que vem em Wuhan, China. No foto, o bielorrusso Krill Kasyanik, campeão no masculino.

Final da Copa do Mundo de Tiro ao Prato

Na Eslovênia, vários dos melhores atiradores ao prato do mundo se reuniram para a Final da Copa do Mundo. E o brasileiro Roberto Schmits, bronze no Pan de Guadalajara-2011, foi o único representante nacional na disputa. Após um excelente 1º dia na qualificação da fossa olímpica, Schmits aparecia na ótima 5ª posição, com 72 pratos em 75. Entretanto, teve um fraco 2º dia e caiu para a 11ª posição, com 117 pratos em 125 e não passou para a final. A vitória, com 145 pratos, ficou com o turco Oguzhan Tuzun, apenas 24º em Londres. Nenhum dos medalhistas olímpicos ficou no pódio, sendo que apenas o croata campeão olímpico Giovanni Cernogoraz passou para a final, mas ficou em 6º.

Num outro torneio internacional, disputado no mesmo local, Schmits fez os mesmos 117 pratos, mas passou para a final, ficanod em 6º, com 137. E o croata Cernogoraz ficou com a vitória.

Nesta semana

Novamente teremos poucos eventos importantes. Em compensação, os esportes de inverno começam a aparecer na programação esportiva, como o 1º torneio pré-olímpico feminino de hóquei no gelo (ainda na fase preliminar), os primeiros torneios de saltos e de combinado nórdico, mais uma etapa do Grand Prix juvenil de patinação artística e o Europeu de Duplas Mistas de Curling.

Um dos destaques é o 1º Campeonato Mundial Juvenil de Basquete 3×3, em Alcobendas, Espanha.

Domínio no Judô e boas marcas no Atletismo

Neste fim de semana foi disputado em Cali, Colômbia, o Pan e Sul-Americano Sub-17 e Sub-20, que contou com mais de 430 judocas de 23 países. Num alto nível, o Brasil foi completamente absoluto e a nova geração mostra que o Brasil segue como um dos principais celeiros do esporte no mundo. No Pan Sub-17, foram 11 ouros, 3 pratas e 1 bronze. No Pan Sub-20, outros 11 ouros e 4 pratas. Nos Sul-Americanos, 12 ouros, 10 pratas e 7 bronzes, totalizando excelentes 59 medalhas. Na foto, parte da seleção sub-17.

Lembrando que muitos dos nossos atuais medalhistas olímpicos começaram nestes eventos. Lista completa de medalhistas aqui.

Brasileiro Sub-23

Disputado em Maringá, contou com 5 atletas que estiveram em Londres, incluindo Geisa Arcanjo, 7ª no arremesso de peso olímpico. O estado de São Paulo dominou vencendo 31 provas, seguido do Rio de Janeiro com 4.

O grande resultado veio do arremesso de peso masculino, com Darlan Romani (foto). O catarinense mostrou sua constante ascensão e venceu a prova como novo recorde brasileiro adulto e sul-americano sub-23, com ótimos 20,48m. Já de olho nos 21m, ele se aproxima do índice que valia para Londres e do provável índice para Moscou-2013. Geisa também venceu sua prova com um bom 18,62m, 40cm a menos do resultado da final olímpica.

No sábado, Aldemir Gomes da Silva Jr, semifinalista nos 200m em Londres, completou os 100m com 10.20, melhor marca de um brasileiro no ano! No domingo, nos 200m, um ótimo 20.33, que também seria a melhor marca nacional no ano se não fosse o vento a favor de +3,2m/s.

No heptatlo, a promessa Vanessa Spinola venceu com 6.015 pontos, novo recorde sul-americano sub-23. A bronze no Mundial Juvenil deste ano Tamara Alexandrino foi 2ª colocada com 5.350, mostrando que precisa melhorar muito nos 800m, prova em que quase perdeu a medalha no Mundial e onde fez apenas 246 pontos neste domingo.

O torneio também serviu para definir a seleção que disputará o Sul-Americano Sub-23 ainda neste mês em São Paulo, classificando o campeão e o vice de cada prova para a competição continental.

Mundiais Juvenis

A sequencia de Mundiais Juvenis seguia na semana passada. No de Pentatlo Moderno em Drzonkow, Polônia, resultados bem fracos da seleção brasileira. No feminino, Amanda Turute (foto) foi apenas 28ª na Semifinal A, ficando fora da final após uma péssima esgrima, onde venceu apenas 3 das 30 disputas.

No masculino, Felipe Nascimento ficou perto de passar para a final, com o 14º lugar na Semifinal A., mesma posição de William Muinhos na Semifinal C. Lucas Santos completou o time com o 26º lugar na Semifinal B. Por equipes, o Brasil foi 17º. No revezamento masculino, o trio foi mal, terminando em 15º entre 16 equipes. E no revezamento misto, outro resultado ruim, um 18º lugar entre 19. O grande destaque do Mundial foi a americana Margaux Isaksen (foto), que venceu o individual, a prova por equipe e o revezamento. Após a final olímpica, onde Yane Marques foi bronze, presenciei a tristeza da americana ao lado de sua família com o 4º lugar em Londres, onde disse que tentava correr para alcançar a brasileira, mas não tinha forças.

O outro mundial juvenil foi o de Luta Olímpica, disputado em Pattaya, Tailândia. Esporte que dá 18 medalhas em Olimpíadas, o Brasil mostra que nem quando é sede olímpica investe no esporte. Mandou apenas uma representante, Laís Nunes de Oliveira, que até fez uma luta disputada com a húngara Mimi Hristova na estreia, mas perdeu por 2-0 (8-6) e terminou na 12ª colocação.

Poucos eventos importantes nesta semana. Destaques para:

– Semifinais e repescagens da Copa Davis (Brasil x Rússia em São José do Rio Preto)

– Mundial de Ciclismo de Estrada (que começa no sábado e segue até o dia 23)

– Europeu de Maratonas Aquáticas e de Remo

Diário de Londres – 8 de agosto

Com 5 dias restando, o cansaço começa a apertar. Por melhor que seja tudo isso aqui, o corpo pede. Só quero ver quando voltar a São Paulo e a rotina…

Boxe

Comecei meu dia já depois do almoço no ExCel. Após 6 dias seguidos de ExCel no início dos Jogos indo todo dia ao Judô, fiquei quase uma semana sem voltar. E voltei para assistir as semifinais das 3 categorias do boxe feminino, com a brasileira Adriana Araújo no 60kg.

Fiquei surpreso com a quantidade de irlandeses na Arena. Todos para acompanhar a grande e quase imbatível Katie Taylor (na foto de vermelho), favorita ao ouro. Nunca vi tanta gente de um país fora a Grã-Bretanha junta para ver um evento nesses Jogos. Katie, que carregou a bandeira irlandesa na Cerimônia de Abertura, é a aa atual tetracampeã mundial, e pentacapeã europeia e tetracampeã do Campeonato da União Europeia. Mais favorita, impossível. E ela não decepcionou, vencendo Mavzuna Chorieva, do Tadjiquistão, por 17-9. Na luta seguinte, que definiria sua adversária, a brasileira Adriana Araújo perdeu por 17-11 para a russa Sofya Ochigava. Adriana, assim, conquista a primeira medalha brasileira feminina no boxe e a 100ª da história brasileira.

Interessante foi na categoria 75kg, onde a norte-americana Claressa Shields de apenas 17 anos (!!) venceu facilmente a sua adversária do Cazaquistão por 29-15 e fará a final olímpica. Claressa, pelo que comentaram na Arena, fez apenas 2 ou 3 lutas internacionais até os Jogos.

Atletismo

De volta ao Estádio Olímpico a noite, a esperança era a final do Salto em Distância, mas sem brasileiros, restou acompanhar a vitória da americana favorita Brittney Reese, com 7,12m. Nesta noite, pleno domínio dos Estados Unidos. Em 4 provas disputadas, foram 3 ouros, 2 pratas e 2 bronzes. Allyson Felix também confirmou seu favoritismo e venceu os 200m e Aries Merritt também foi ouro ao ver o cubano Dayron Robles sentir uma contusão na final dos 110m com barreiras. A única derrota americana veio nos 400m com barreiras feminino, onde a russa Natalya Antyukh venceu Lashinda Demus, favorita, no sprint final.

Também pude acompanhar Usain Bolt na semifinal dos 200m, vencida com tranquilidade por ele com 20s18. Os brasileiros Bruno Lins e Aldemir da Silva Junior ficaram nas semifinais. Surpresa a classificação para a final do equatoriano Alex Quiñonez. Melhor tempo na 1ª rodada, ele pegou a 8ª e última vaga para a final.

Por aí

No dia dos duellso Brasil x Argentina, deu o esperado. Vitória brasileira tranquila no vôlei masculino com 3-0, e vitória argentina disputada no Basquete masculino por 82-77. Acaba assim o sonho da medalha dos meninos do basquete, que tinham um time para disputar até uma final.

Na “praia” de Londres, Larissa/Juliana se recuperaram da difícil derrota nas semifinais ontem e venceram a dupla chinesa Xue/Zhang Xi na briga pelo bronze, apesar de perderem o 1º set por horríveis 21-11. Na final entre americanas, Walsh/May se tornaram tricampeãs olímpicas.

No boxe masculino, uma incrível vitória de Yamaguchi Falcão sobre o campeão mundial, número 1 do mundo Julio la Cruz Peraza, de Cuba. Ano passado, eles se enfrentaram 3 vezes, com 3 vitória do cubano, inclusive na final do Pan de Guadalajara. Desta vez, com 18-15, o brasileiro despachou o favorito e já garantiu uma medalha! A terceira do boxe brasileiro em Londres! E os dois irmãos Falcão levam medalhas! Tomara que sejam melhores que o bronze.

No Tênis de Mesa, veio o esperado. 4 ouros e 2 pratas da China, o memso que em Pequim. E o Japão que vinha com quase 30 medalha, mas apenas 2 de ouro, conseguiu as duas em disputa hoje na luta livre feminina, e subiu para 4.

Programação de amanhã com dia cheio:

9:30 – Canoagem – Finais: C2 1.000m masculino, K4 1000m masculino, K1 500m feminino, K2 500m feminino

12:00 – Maratona Aquática – Poliana Okimoto tenta uma medalha no Hyde Park, na prova de 10km

16:30 – Boxe – As 3 finais femininas, com brasileira no pódio

19:00 – Vôlei de Praia – Finais da dipsuta masculina, com Alison/Emanuel na final!

Números

Medalhas Brasileiras: 2-1-7 (mais 4 asseguradas: vôlei de praia masculino, futebol masculino e 2 no boxe masculino)

Medalhas Distribuídas: 216-218-248 = 682

Países com Ouro: 41

Maior número de ouros: China (36)

Países com Medalhas: 76

Maior número de medalhas: Estados Unidos (81)

Maior medalhista: Michael Phelps (USA – natação) 4-2-0

Finais restantes: 86

Recordes Mundiais: 34 + 5 igualados

Recordes Olímpicos: 82 + 5 igualados

Diário de Londres – 7 de agosto

Dia com 5 decisões importantes para o Brasil. É os Jogos chegando a reta final. Só faltam mais 5 dias… 😦

Handball

Animado com a excelente campanha na 1ª fase do handball feminino, que terminou em 1º lugar no seu grupo, fui ao Parque Olímpico na esperança de conseguir um ingresso para as quartas-de-final contra a Noruega. Tinha um para ver Saltos Ornamentais, a semifinal do trampolim de 3m masculino no mesmo horário. Consegui trocar com um inglês que, aliás, estava com um ingressó ótimo num lugar excelente!

No 1º tempo, o Brasil jogou maravilhosamente bem e a Noruega estava longe de ser o time que foi campeão mundial ano passado em São Paulo. Irreconhecível, não conseguia marcar e o Brasil dominou amplamente  jogo, chegando a abrir 6 gols de diferença. O 1º tempo acabou 13-9 para o Brasil. Já o 1º tempo foi outra história. As meninas começaram a jogar mal e a goleira Kari Grimsbo defendia tudo! Não deu outra. Noruega vira o jogo e vence 21-19 e elimina o Brasil.

Mas elas tem que sair de cabeça erguida. Mereciam muito uma medalha, mas não foi desta vez. A esperança é uma equipe para brigar pelo ouro no Rio-2016.

Vôlei de Praia

A tarde fui para a Horse Guards Parade, no coração de Londres para acompanhar as semifinais do Vôlei de Praia. Ao memso tempo, ligado no jogo de vôlei feminino entre Brasil e Rússia. Na primeira semifinal do dia, o jogo de Alison/Emanuel e Plavins/Smedins, da Letônia. Sem dificuldade, os brasileiros dominaram o jogo por completo, vencendo 21-15 22-20 e se classificando para a final na quinta! Na segunda partida da sessão, uma semifinal feminina. Jogão entre Walsh/May-Treanor, americanas bicampeãs olímpicas, e Xue/Zhang Xie, chinesas que vem dominando o circuito este ano. E deu as americanas, que vão para sua 3ª final olímpica seguida, ao vencerem por 22-20 22-20, nos detalhes.

Agora, o que é um 3G decente! Conseguia assistir pela internet ao vivo o 5º set do Vôlei e, quando o Brasil conseguiu fechar de forma inacreditável, todos os brasileiros que estavam na arena comemoraram. Pena que a semifinal é no jogo da noite, mesmo horário da final do Vôlei de Praia masculino, onde os brasileiros enfrentarão a dupla alemã Brink/Reckermann.

Na sessão noturna, que eu não tinha ingresso, Larissa/Juliana venceramm o 1º set e estavam com o jogo na mão para finalmente chegar a final olímpica, mas levaram a virada das americanas Kessy/Ross e vão ter que fazer um jogo difícil com as chinesas pelo bronze nesta quarta.  E a final será entre 2 duplas americanas.

Por aí

No atletismo, dia médio para os brasileiros. Bruno Lins e Aldemir da Silva correram muito bem suas séries dos 200m e avançaram para as semifinais. Aldemir  orrreu ao lado de Usain Bolt e só perdeu para ele. O mesmo ocorreu com Bruno, que correu com o medalhista de prata dos 100m, o jamaicanoo Yohan Blake. No salto em distância, fracasso da campeã olímpica Maurren Maggi, que ficou apenas em 15ª com um fraquíssimo salto de 6,37m. No futebol, um 3-0 sobre a Coreia do Sul põe o Brasil na final contra o México. Será que dessa vez vem o tão sonhado ouro?

Nas finais, o russo Ivan Ukhov venceu o salto em altura, prova que teve 3 medalhistas de bronze e o alemão campeão mundial Robert Harting venceu o lançamento de disco. Nos 100m com barreiras, a australiana Sally Pearson confirmou seu enorme favoritismo e venceu com 12s35, novo recorde olímpico.

No levantamento de peso, o iraniano Behdad Salimikordasiabi venceu a categoria Acima de 105kg com 455kg no total (208kg no arranco e 247kg no arremesso) e se tornna o homem mais forte do mundo. No encerramento do Ciclismo de Pista, 2 novos ouros para a Grã-Bretanha, na Omnium feminina com Laura Trott e na Keirina masculina com o ídolo Chris Hoy. No sprint feminino, a australiana Anna Meares acabou com o sonho de Victoria Pendleton e venceu as 2 disputas da final. Das 10 provas da pista, os britânicos venceram 7! Um ouro novo para os donos da casa foi a prova por equipes do adestramento, onde 2 cavaleiros conseguiram espetaculares notas acima de 80,000.

Programação de quarta:

13:30 – Boxe feminino – Semifinais do 51kg, 60kg (com Adriana Araújo) e 75kg

19:00 – Atletismo – Finais dos 110m com barreiras masculino, salto em distância feminino, 400m com barreiras feminino e 200m feminino

Números

Medalhas Brasileiras: 2-1-5 (mais 4 asseguradas, só faltando decidir o tipo)

Medalhas Distribuídas: 196-198-218 = 624

Países com Ouro: 41

Maior número de ouros: China (34)

Países com Medalhas: 74

Maior número de medalhas: China (73)

Maior medalhista: Michael Phelps (USA – natação) 4-2-0

Finais restantes: 123

Recordes Mundiais: 33 + 5 igualados

Recordes Olímpicos: 81 + 5 igualados