Corrida olímpica pro triatlo esquenta no revezamento

Neste fim de semana rolou a antepenúltima etapa da Série Mundial de Triatlo, em Edmonton, no Canadá, a última com a disputa do revezamento misto.

2018wtsedmonton_170932_wag6620

Vittoria Lopes entregando para Manoel Messias na etapa de Edmonton. Foto: ITU

A equipe da Austrália venceu com 1:19:29, seguida dos Estados Unidos com 1:19:31 e da Nova Zelândia, com 1:19:39, com Bélgica e França vindo logo atrás. Na etapa de Nottingham, em junho, a vitória foi dos EUA, com Grã-Bretanha e França completando o pódio. Já no Mundial de Revezamento, disputado há 2 semanas, em Hamburgo, a França, com Leonie Periault, Dorian Coninx, Cassandre Beaugrand e Vincent Luis, venceu com 1:20:06. Austrália e EUA logo atrás.

Assim, encerra-se o 1º período para o ranking de classificação olímpica do revezamento. Para Tóquio-2020, as 7 melhores equipes deste ranking garantem 2 homens e 2 mulheres nos Jogos. Em 2020, teremos um pré-olímpico mundial, que dará mais 3 vagas.

Para o ranking, são considerados dois períodos, de maio/2018 a maio/2019 e de maio/2019 a março/2020. Serão consideradas as 5 melhores pontuações de cada país, sendo 2 de um período e 3 do outro, o que der mais pontos. O Mundial dá 1.000 pontos pro campeão, as etapas da Série Mundial e o Pré-Olímpico dará 800 e os campeonato continentais 500, reduzindo a pontuação por 7,5% a cada colocação seguinte.

No momento, o ranking de revezamento está assim: 1) Estados Unidos 2.396 pontos, 2) Austrália 2.358, 3) França 2.270, 4) Grã-Bretanha 2.073, 5) Holanda 1.781, 6) Canadá 1.498 e 7) Nova Zelândia 1.482. O Brasil só pontuou no Mundial, quando terminou em 16º. Não disputou a etapa de Nottingham e, agora em Edmonton, levou uma volta dos líderes e não pontuou. No momento está em 21º com apenas 311 pontos.

Ainda assim, os países que classificarem 2 homens e 2 mulheres individual podem disputar o revezamento. São 26 vagas pelo ranking (já desconsiderando os classificados pelo revezamento). No ranking atualizado, Manoel Messias é o 25º e Diogo Sclebin 42º no masculino e, no feminino, Luisa Baptista é a 32ª e Vittoria Lopes a 38ª. Todos teriam vaga olímpica.

Ainda tem muita coisa pela frente e a vaga no revezamento está longe, mas se continuarem participando das etapas da Série Mundial, o Brasil pode conseguir classificar os seus 4 principais atletas.

A Série Mundial volta no fim de agosto para Montreal.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s