Jogos Olímpicos de PyeongChang-2018 – Dia 13

A decepção de Marcel Hirscher, mais uma derrota de Mikaela Shiffrin, show de Anna Gasser, 3 grandes finais na pista curta e um revezamento completamente imprevisível no biatlo.

Esqui Alpino

Captura de Tela 2018-02-23 às 23.24.28

A prova do slalom masculina foi muito dura. Com uma neve muito prensada, foi um show de escorregões e menos da metade dos 106 atletas que participaram conseguiu terminar a 1ª descida. Um dos que erraram foi justamente o grande favorito, o austríaco Marcel Hirscher, o maior esquiador da atualidade. Apesar de ter já dois ouros em PyeongChang, foi uma decepção ele ficar sem o título na sua prova principal. O norueguês Henrik Kristoffersen foi o melhor na 1ª descida com 47.72, seguido do sueco Andre Myhrer com 47.93 e do francês Victor Muffat-Jeandet com 48.34. O brasileiro Michel Macedo errou no meio da descida e foi um dos 54 que não completou.

image

Zenhäusern, Myhrer e Matt. Foto: AFP

Na 2ª descida, o austríaco Michael Matt, 19º a descer, voou com 50.66 somando 1:39.66 para ser o líder. Três atletas depois, veio o suíço Ramon Zenhäusern, que só tem uma vitória na carreira em Copas do Mundo, em janeiro deste ano. Ele fez 50.67, somando 1:39.33 e assumindo a liderança. O francês Clement Noel pegou o 3º lugar momentâneo com 1:39.70. Muffat-Jeandet não foi bem na 2ª descida e fez o 5º tempo no momento. Myhrer tinha uma boa vantagem sobre Zenhäusern e, mesmo com 51.06 na 2ª descida, foi pro topo com 1:38.99. Restava apenas Kristoffersen, que tinha 0.27 de vantagem, mas errou ainda no começo da descida e o ouro foi pro sueco.

Captura de Tela 2018-02-23 às 23.24.32

Fechando o esqui alpino individual (ainda temos a prova em equipe no sábado), a prova combinada feminina. No downhill, a americana Lindsey Vonn foi a melhor com 1:39.37, seguida da norueguesa Ragnhild Mowinckel com 1:40.11 e da suíça Michelle Gisin com 1:40.14. Mikaela Shiffrin fez o ótimo 6º tempo com 1:41.35 e era a especialista no slalom mais bem ranqueada. Aliás, apenas 22 atletas terminaram o downhill.

shiffrin_mikaela_022218_800x450

Shiffrin, Gisin e Holdener. Foto: Getty Images

No slalom, a eslovaca Petra Vlhova, especialista nesta prova, fez 40.41 para somar 2:22.99 e assumir a liderança. Pouco depois veio Wendy Holdener, campeã mundial em 2017. Com 40.23, melhor tempo da prova, somou 2:22.34 e assumiu o 1º lugar. Logo veio Mikaela Shiffrin. Não fez uma descida brilhante, 40.52, mas somou 2:21.87 e assumiu a liderança! Michelle Gisin não tem no slalom a sua especialidade, mas soube descer bem com 40.76 e aproveitou sua boa vantagem sobre Shiffrin para pular pra liderança com 2:20.90. Mowinckel fez 42.52 e, com 2:22.63, foi pro 4º lugar, sem medalha. Só restava Lindsey Vonn, em sua despedida olímpica, mas a americana, que tinha 0.77 de vantagem sobre Gisin, mas Vonn errou após a 1ª parcial e com isso o ouro foi pra suíça.

Patinação de Velocidade em Pista Curta

Captura de Tela 2018-02-23 às 23.25.03

Favorito ao ouro, o chinês Wu Dajing venceu a sua bateria de 4as de final dos 500m com tranquilidade, marcando 39.800, novo recorde mundial! Entre os principais eliminados, o sul-coreano Seo Yira se envolveu num acidente com chinês na 3ª bateria e o húngaro Liu Shaoang foi penalizado na 4ª. Na 1ª semifinal, Wu Dajing novamente liderou toda a prova vencendo com 40.087, com o canadense campeão dos 1.000m Samuel Girard em 2º a 40.185. Na 2ª semi toda asiática, dobradinha sul-coreana com Hwang Daeheon 40.108 e Lim Hyojun 40.132.

Short Track Speed Skating - Winter Olympics Day 13

Hwang, Wu e Lim. Foto: ISU

Na decisão, Wu repetiu a sua receita de sucesso e disparou logo na largada, colocando muita força e não deixando ninguém se aproximar. Numa prova muito rápida, a mais rápida da história, o chinês liderou de ponta a ponta para vencer o 1º ouro chinês em PyeongChang com 39.584, batendo novamente o recorde mundial! Os coreanos completaram o pódio com Hwang Daeheon pegando prata com 39.854 e Lim Hyojun o bronze com 39.919. Samuel Girard não largou bem e acabou em 4º com 39.987.

Captura de Tela 2018-02-23 às 23.31.38

Nos 1.000m feminino, a canadense Kim Boutin venceu a sua bateria de 4as, assim como a italiana Arianna Fontana e as sul-coreanas Choi Minjeong e Shim Sukhee. Entre as eliminadas, a canadense Marianne St-Gelais, que sai dos Jogos sem medalha. Na 1ª semifinal, Boutin e Fontana ficaram a frente eliminando a coreana Kim Alang em 3ª e a canadense Valerie Maltais, penalizada. Na 2ª semi, a holandesa Suzanne Schulting venceu por milímetros Shim Sukhee. Choi Minjeong chegou em 3º, mas avançou por ter sido atrapalhada pela chinesa Qu Chunyu, penalizada.

Short Track Speed Skating - Winter Olympics Day 13

Boutin, Schulting e Fontana . Foto: ISU

Com duas sul-coreanas na final, parecia duas medalhas tranquilas para as donas da casa. Schulting e Boutin foram pra frente logo no início, deixando as coreanas encaixotadas com Fontana no fundo. Na penúltima volta, a italiana partiu pro ataque a assumiu o 3º lugar. As coreanas forçaram para atacar e, na última volta caíram juntas, ficando sem medalha. Suzanne Schulting segurou a canadense e levou o 1º ouro da história da Holanda em pista curta, com 1:29.778 contra 1:29.956 de Boutin, que fecha os jogos medalhando nas 3 provas individuais. Arianna Fontana fica com o bronze e agora soma 8 medalhas olímpicas.

Captura de Tela 2018-02-23 às 23.31.42

Para encerrar a modalidade nos Jogos, o revezamento 5.000m masculino. Na Final B, vitórias dos Estados Unidos com 6:52.708. Na grande decisão,  Coreia do Sul, Hungria, China e Canadá na disputa. Coreia e China foram para a frente e lideraram por quase toda a 1ª metade, quando Lim Hyojun se embananou em uma troca e caiu na 23ª volta de 45, acabando com as chances coreanas de medalha, para desespero do público.

Short Track Speed Skating - Winter Olympics Day 13

A disputa ficou entre China e Canadá, quando de repente a Hungria começou a crescer e, na última, assumiu a liderança para levar o ouro por centímetros com 6:31.971, novo recorde olímpico! A China foi prata com 6:32.035 e o Canadá acabou com o bronze com 6:32.282. Foi o 1º ouro húngaro na história nos Jogos de Inverno e sua 1ª medalha desde Lake Placid-1980!

Biatlo

Captura de Tela 2018-02-23 às 23.24.38

Muita neve e vento no revezamento 4x6km feminino do biatlo e tudo poderia acontecer. E foi bem estranho, mesmo. No 1º tiro, 9 equipes passaram zeradas, mas na 2ª, várias precisaram dar tiros extras e quem entregou na frente pra primeira troca foi a italiana Lisa Vittozzi, que fez uma Olimpíada espetacular. A americana Susan Dunklee veio atrás a 5.2. No 2º tiro, Franziska Preuss se complicou, precisou dar os 3 tiros extras e mais uma volta de penalidade, diminuindo as chances da Alemanha de pódio. Na 2ª perna, foi a vez da Eslováquia crescer, por conta de Anastasiya Kuzmina, mas no 4º tiro ela também errou demais e precisou dar uma volta de penalidade. Quem liderava na metade era a Finlândia, com Kaisa Makarainen, 14s na frente da Itália, que vinha com Dorothea Wierer e 16s sobre Eslováquia e EUA. Enquanto isso, Denise Herrmann seguiu afundando a Alemanha, que chegou apenas em 12º na metade.

Captura de Tela 2018-02-24 às 00.08.46

Insira uma legenda

Na 3ª perna, quem começou a aparecer foi a Bielorrússia e a Polônia, que se recuperavam por conta dos inúmeros erros das outras equipes. Após o 6º tiro, Dzinara Alimbekava era a líder, mas foi ficando pra trás na hora da troca. Quem entregou na frente foi a Polônia, com 8s sobre a França, 12s sobre a Itália e 17s sobre a Bielorrússia. Neste momento, Suécia e Noruega estavam a 1min das líderes e a Alemanha a 1min12s. Darya Domracheva veio pela Bielorrussia e foi perfeita no 1º tiro, assumindo a liderança por 11.4 sobre a França, de Anais Bescond, 14.9 sobre a Polônia e 16.4 sobre a Eslováquia. Na última sessão, a bielorrussa assustou errando 3 tiros, mas com os extras conseguiu acertar e saiu na frente. Bescond precisou de 2 extras e saiu 6.4 atrás, mas quem aproveitou o erro do resto foi Hanna Öberg, da Suécia, que foi perfeita e saiu da linha de tiro em 3º a 10.9 de Domracheva. Com boa vantagem, a bielorrussa disparou e foi pra vitória, completando em 1:12:03.4, dando um ouro totalmente inesperado. Öberg ultrapassou Bescond e levou a prata 10.7 atrás da campeã e a França foi bronze a 17.6, com Noruega em 4º, Eslováquia em 5º e uma decepcionada Laura Dahlmeier completando pra Alemanha em 8º.

Snowboard

Captura de Tela 2018-02-23 às 23.31.47

Na 1ª final da história do Big Air feminino, a austríaca campeã mundial Anna Gasser levou o ouro com 185,00. Ela abriu com 85,50 na 1ª passagem e fez 89,00 na segunda. Bicampeã do slopestyle, a americana Jamie Anderson fez 90,00 no 1º salto e 87,25 no 2º e liderava a prova.

120121_g08_w01

Anderson, Gasser e Sadowski-Synnott. Foto: FIS

Na 3ª tentativa, Anderson fez apenas 47,50 e não melhorou sua pontuação total, ficando com 177,25. Só que Gasser, última a descer, deu um show e tirou 96,00, para somar 185,00 e pegar o ouro no último salto! A neozelandesa Zoi Sadowski Synnott ficou com o bronze com 157,50, a 1ª medalha de seu país em Jogos de Inverno desde Albertville-1992.

Combinado Nórdico

Captura de Tela 2018-02-23 às 23.24.56

Fechando as disputas na modalidade, a prova por equipe na rampa longa com o revezamento 4x5km. Nos saltos, a Áustria abriu vantagem com 469,5 pontos, pouco acima da Alemanha com 464,7, o que dava apenas 6s de vantagem no cross-country. O melhor salto dos austríacos foi de Wilhelm Denifl com 124,4 pontos, enquanto no lado alemão foi o de Johannes Rydzek, campeão olímpico na prova individual, com 129,3. O Japão ficou em 3º com 455,3 (19s atrás) e a forte equipe da Noruega em 4º com 449,2 (27s). Com 417,9 (1min09s), a França aparecia num já distante 5º lugar.

120125_g08_w01

Foto: FIS

Denifl abriu pra Áustria no revezamento, mas logo foi alcançado pelo alemão Vinzenz Geiger, que passou e entregou para Fabian Riessle em 1º, com 12s de vantagem para a Noruega e para a Áustria. Na 2ª perna Riessle seguiu abrindo pro dream team alemão e entregou para Eric Frenzel com 42s de vantagem, que passou a bola pra Rydzek com 1min de vantagem. Enquanto isso, lá atrás, Áustria e Noruega brigavam pela prata. Mas os austríacos abriram um pouco com Bernhard Gruber. Na última perna, Joergen Graabak forçou para alcançar os austríacos e passar, colocando a Noruega na frente com uma boa vantagem faltando 1,5km. Rydzek completou em 46:09.8, a Noruega foi prata 52.7 atrás e a Áustria pegou bronze a 1:07.8. Com isso, a Alemanha sai com os 3 ouros do combinado nórdico, repetindo o feito da Finlândia em Salt Lake City-2002.

Hóquei no Gelo

Captura de Tela 2018-02-23 às 23.24.49

No maior duelo da atualidade no esporte, Canadá e Estados Unidos fizeram um jogão, extremamente disputado e imprevisível. As americanas abriram o placar no finzinho do 1º período com Hilary Knight num powerplay. Com 2min do 2º período, o Canadá empatou com Haley Irwin e virou 5min depois com Marie-Philip Poulin. Faltando pouco mais de 6min pro fim, Monique Lamoureux empatou e levou o jogo pra prorrogação, que persistiu sem gols.

za8_0729

Foto: IIHF

A decisão foi pros shootout, portanto. Duas erraram de cada lado e na 4ª rodada as duas equipes marcaram. Estava 2-2. Mais um erro pra cada lado e, nas cobranças alternadas, os EUA vieram com Jocelyne Lamoureux, que marcou. E o Canadá entrou com sua grande jogadora, Meghan Agosta, que errou e finalmente deu o ouro pros Estados Unidos após 20 anos de espera!

Esqui Freestyle

Captura de Tela 2018-02-23 às 23.24.44

O americano Alex Ferreira abriu a final do halfpipe masculino com 92,60, seguido do canadense Noah Bowman com 89,40. Na 2ª passagem, o neozelandês Nico Porteous fez 94,80 para assumir o 1º lugar, mas mais tarde veio Ferreira e melhorou para 96,00. Enquanto isso, o campeão de Sochi, o também americano David Wise, havia caído nas 2 primeiras passagens.

Captura de Tela 2018-02-23 às 23.43.11

Ferreira, Wise e Porteous. Foto: FIS

Na última descida, Wise tirou alguns coelhos da cartola e fez uma grande prova, atingindo 97,20 pontos! Ferreira voltou e conseguiu melhorar sua nota para 96,40, mas não alcançando seu compatriota. Porteous levou o 2º bronze neozelandês do dia. Nada mal para um país que não medalha em Jogos de Inverno desde 1992.

Curling

Suíça e Grã-Bretanha começaram o dia com a disputa do tiebreak para definir a última vaga nas semifinais e os suíços venceram por 9-5. À noite, Niklas Edin e sua excelente equipe sueca passeou pelos suíços com 9-3 em 8 ends e se garantiram na decisão. Na outra partida semifinal, um jogo muito travado entre Canadá e Estados Unidos. Com 7 ends, a partida estava em 2-2 e o Canadá tinha o martelo, mas dois erros seguidos de Kevin Koe deram 2 pontos de graça pros americanos, que forçaram 1 ponto pro Canadá no 9º e fecharam com 5-3 para chegar na final. Desde que o curling voltou em Nagano-1998 que não teremos Canadá nas finais por equipes.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s