Prévias Rio-2016: Ginástica Masculina

Atualizado em 15/07/2016 após saída de John Orozco (USA) e entrada de Danell Leyva (USA).

Individual Geral masculino

Pódio em Londres-2012: Ouro – Kohei Uchimura (JPN); Prata – Marcel Nguyen (GER); Bronze – Danell Leyva (USA)

Último Mundial (2015): Ouro – Kohei Uchimura (JPN); Prata – Manrique Larduet (CUB); Bronze – Deng Shudi (CHN)

635818367280628742-ap-britain-gymnastics-worlds-77154128

Kohei Uchimura (JPN)

Hexacampeão mundial, o japonês Kohei Uchimura (1O-4P) é mais que favorito para faturar o bicampeonato. A última vez que ele não venceu um individual geral em uma competição mundial foi apenas em Pequim-2008, quando foi prata. Desde então, um ouro olímpico e 6 mundiais na prova o consolidam como maior favorito. No último mundial, fez a melhor nota no solo e no salto na final, mas foi top5 em todos os 6 aparelhos. Uchimura tem apresentações espetaculares e com pouquíssimos erros de execução. Aos 27 anos já é um dos maiores ginastas da história e conta com 10 títulos mundiais. Difícil alguém ameaça-lo, mas alguns podem chegar perto. O ucraniano Oleg Vernyayev foi 4º colocado nos dois últimos mundiais, mas é o atual campeão europeu, universitário e dos Jogos Europeus. No último mundial teve uma queda no cavalo e ficou fora do pódio por conta disso, mas tem uma excelente barras paralelas e boas argolas.

O britânico Max Whitlock (2B) foi vice mundial em 2014 e 5º no de 2015 e tem boas chances de subir ao pódio. Ano passado vinha pra ser prata, mas caiu na barra fixa. Quem surpreendeu em 2015 foi o cubano Manrique Larduet, que teve solo e cavalo com alças ruins, mas foi a melhor nota na barra fixa e conquistou uma inesperada medalha de prata no Mundial. O chinês Deng Shudi foi bronze no Mundial e outro forte concorrente. Os Estados Unidos tem Sam Mikulak como principal esperança, após vencer a seletiva americana. Danell Leyva (1B), que entrou como reserva, foi prata em Londres, mas falhou bastante no último mundial, e tem bem menos chance de medalha. Quem venceu a seletiva americana foi Sam Mikulak, campeão do Pan de Toronto no geral e principal aposta do país. Em 2014, foi 12º no Mundial. De olho nos russos Nikolai Kuksenkov e David Belyavskiy, no japonês Yusuke Tanaka, nos alemães Marcel Nguyen e Fabian Hambuechen e no colombiano Jossimar Calvo.

E o Brasil? Sérgio Sasaki e Arthur Nory são os melhores brasileiros no individual geral e devem pegar final tranquilamente. Sasaki vem batendo na trave há alguns anos: foi 10º em Londres, 5º no Mundial de 2013 e 7º no de 2014. Arthur esteve na final dos últimos 3 mundiais e ano passado foi 12º colocado. Eles podem surpreender e quem sabe até beliscar uma medalha. Competir em casa é um fator importante na ginástica e aquele décimo a mais pode fazer a diferença.

Meu Pódio: Ouro – Kohei Uchimura (JPN); Prata – Max Whitlock (GBR~; Bronze – Oleg Vernyayev (UKR)

Equipe masculina

Pódio em Londres-2012: Ouro – China; Prata – Japão; Bronze – Grã-Bretanha

Último Mundial (2015): Ouro – Japão; Prata – Grã-Bretanha; Bronze – China

A China venceu as últimas duas Olimpíadas e 6 Mundiais seguidos, até ser interrompida ano passado pela grande equipe do Japão. Sendo assim, a disputa pelo ouro será entre as duas equipes, mesmo que a Grã-Bretanha tenha abocanhado uma prata no Mundial de 2015. Com Kohei Uchimura (1O-4P), Yusuke Tanaka (1P) e Kenzo Shirai na equipe, o Japão busca voltar ao topo do pódio olímpico após 12 anos. Tradição não falta, pois o Japão venceu 5 Olimpíadas seguidas entre 1960 e 1976. A China tem Deng Shudi e os especialistas nas argolas Liu Yang e nas barras paralelas You Hao. Zhang Chenglong (1O) é o único remanescente da excelente equipe que disputou os Jogos de Londres.

A Grã-Bretanha vem logo atrás com sua ótima equipe, com 3 medalhistas de bronze em Londres: Louis Smith (1P-2B), Max Whitlock (2B) e Kristian Thomas (1B). A equipe da Rússia não sobe ao pódio em Olimpíadas desde Sydney-2000 e em Mundiais desde 2006, mas sempre tem um grupo forte, com Denys Ablyazin (1P-1B), David Belyavskiy e Nikolai Kuksenkov como destaques. A equipe americana não está com essa bola toda, mas é uma equipe muito forte, com Sam Mikulak, Jacob Dalton e Danell Leyva (1B). Pode atrapalhar.

E o Brasil? A equipe do Brasil está em seu melhor momento na história. Foi 6ª o Mundial de 2014 e 8ª no de 2015, mas tem 5 nomes fortíssimos: Sérgio Sasaki e Arthur Nory no individual geral, Diego Hypólito e Arthur Zanetti como especialistas em aparelhos e Francisco Barretto Jr como um ótimo coringa. Em casa, a equipe pode surpreender e, se não cometer nenhum erro grave, briga por um bronze. Difícil? Claro, mas não impossível.

Meu Pódio: Ouro – Japão; Prata – Grã-Bretanha; Bronze – China

Solo masculino

Pódio em Londres-2012: Ouro – Zou Kai (CHN); Prata – Kohei Uchimura (JPN); Bronze – Denis Ablyazin (RUS)

Último Mundial (2015): Ouro – Kenzo Shirai (JPN); Prata – Max Whitlock (GBR); Bronze – Rayderley Zapata (ESP)

kenzoshirai

Kenzo Shirai (JPN)

O favorito é o japonês bicampeão mundial Kenzo Shirai. Aos 19 anos, já tem 2 ouros e 1 prata em mundiais. Com séries dificílimas, foi o único a ter uma nota de dificuldade acima de 7,000 n último mundial: incríveis 7,600! ele venceu em Glasgow no passado com 16,233, quase 0,700 melhor que o medalhista de prata, o britânico Max Whitlock (2B). A maior ameaça de Shirari é ele mesmo, mas dois ginastas podem jogar pressão sobre ele: seu compatriota Kohei Uchimura (1O-4P) e o russo Denis Ablyazin (1P-1B). Uchimura foi campeão mundial em 2011 e prata nos Jogos de Londres no solo e Ablyazin bronze em 2012 e campeão mundial e europeu em 2014. No mundial, foi o único a desbancar o Kenzo Shirai.

Outros bons nomes da prova são o espanhol Rayderley Zapata, bronze em 2015, o israelense Alexander Shatilov, 2 bronzes em mundiais, o chileno Tomás González, 4º em Londres e o americano Jacob Dalton.

E o Brasil? A esperança brasileira na prova é de Diego Hypólito. Bicampeão mundial em 2005 e 2007 e dono de mais 3 medalhas em mundiais, Diego decepcionou em Pequim-2008 e em Londres-2012. Pelo menos em Pequim pegou final. Mas Diego está bem, com notas altas e está cotado para uma medalha. Pode beliscar um bronze.

Meu Pódio: Ouro – Kenzo Shirai (JPN); Prata – Denis Ablyazin (RUS); Bronze – Max Whitlock (GBR)

Cavalo com Alças masculino

Pódio em Londres-2012: Ouro – Krisztian Berki (HUN); Prata – Louis Smith (GBR); Bronze – Max Whitlock (GBR)

Último Mundial (2015): Ouro – Max Whitlock (GBR); Prata – Louis Smith (GBR); Bronze – Harutyun Merdinyan (ARM) e Kazuma Kaya (JPN)

A maior ausência será o campeão olímpico em Londres e tricampeão mundial, o húngaro Krisztian Bérki. O veterano não pegou final no Mundial e, como é especialista, ficou de fora na única chance de se classificar pros Jogos. Mas o atual campeão mundial estará, o britânico Max Whitlock (2B). Bronze em Londres, Whitlock venceu o mundial com diferença de apenas 0,100 sobre seu compatriota Louis Smith (1P-2B), o queridinho da ginástica inglesa e presente em 4 pódios mundiais, além da prata no pódio de Londres-2012. A dupla tem boas chances de conseguir uma dobradinha britânica no Rio.

Tirando os britânicos e o húngaro, apenas 1 ginasta subiu 2 vezes ao pódio de Mundiais nas últimas 5 edições: o francês Cyril Tommasone. São poucos os que chegaram a mais de uma final, o que deixa a disputa de bronze muito aberta. Outros bons nomes são o armênio Harutyun Merdinyan, atual campeão europeu, o húngaro Vid Hidvégi e o croata Filip Ude.

E o Brasil? O melhor brasileiro na prova é Francisco Barretto Jr, mas está muito longe de uma final.

Meu Pódio: Ouro – Louis Smith (GBR); Prata – Max Whitlock (GBR); Bronze – Vid Hidvegi (HUN)

Argolas masculino

Pódio em Londres-2012: Ouro – Arthur Zanetti (BRA); Prata – Chen Yibing (CHN); Bronze – Matteo Morandi (ITA)

Último Mundial (2015): Ouro – Eleftherios Petrounias (GRE); Prata – You Hao (CHN); Bronze – Liu Yang (CHN)

19211735

Arthur Zanetti (BRA)

Devemos ter uma disputa entre 4 atletas: o brasileiro Arthur Zanetti (1O), os chineses Liu Yang e You Hao e o grego Eleftherios Petrounias. Petrounias larga na frente. Atual campeão mundial, o grego também é bicampeão europeu do aparelho. Apesar de não ter uma nota de dificuldade das mais altas, ele tem uma forma impecável e notas de execução quase sempre superiores a 9,000. Liu yang venceu o Mundial de 2014 e foi bronze e 2015, enquanto You Hao foi bronze em 2014 e prata no ano passado. O brasileiro é um dos principais nomes da prova, mas não tem o favoritismo de outrora.

Campeão mundial em 2013 e prata em 2011 e 2014, Zanetti venceu os Jogos em Londres, mas decepcionou feio no último mundial. Apesar disso, não pode ser deixado de lado e é forte concorrente ao ouro, ainda mais com a torcida ao seu lado. O russo Denius Ablyazin (1P-1B) foi bronze no Mundial de 2014, mesmo ano em que venceu o europeu. Outros nomes fortes são o francês Samir Ait Said e o veterano holandês Yuri van Gelder, campeão mundial em 2005.

E o Brasil? Arthur Zanetti deve ser o único brasileiro a pegar final das argolas. Campeão olímpico e mundial em 2013, tem boas chances de se consagrar como bicampeão olímpico, mas esbarra em um grego e dois chineses fortíssimos. Chance bem alta de medalha e a torcida vai ajudar e muito.

Meu Pódio: Ouro – Arthur Zanetti (BRA); Prata – Eleftherios Petrounias (GRE); Bronze – Liu Yang (CHN)

Salto masculino

Pódio em Londres-2012: Ouro – Yang Hak-seon (KOR); Prata – Denis Ablyazin (RUS); Bronze – Igor Radivilov (UKR)

Último Mundial (2015): Ouro – Ri Se-gwang (PRK); Prata – Marian Dragulescu (ROU); Bronze – Donnell Whittenburg (USA)

Único norte-coreano na ginástica masculina no Rio, Ri Se-gwang chega como atual bicampeão mundial. Em 2014 venceu na China com  15,416 e em 2015 faturou em Glasgow com 15,450. Também bicampeão mundial e atual campeão olímpico, o sul-coreano Yang Hak-seon (1O) dominava a prova, mas já há algum tempo não repete os bons resultados. Em 2014 foi 7º e em 2015 ficou de fora do mundial. Ainda assim, ele teria ginástica para vencer, mas já anunciou que está fora dos Jogos.

Aos 35 anos, o veterano romeno Marian Dragulescu (1P-2B) é tetracampeão mundial do salto (2001, 2005, 2006 e 2009) e foi bronze em Atenas-2004, mas segue em boa forma com a prata no europeu em maio, com nota acima de 15. O ucraniano Oleg Vernyayev foi ouro nos Jogos Europeus e no europeu este ano na prova e, ao lado do seu compatriota Igor Radivilov, tem boas chances de pódio. De olho também no armênio Artur Davtyan, vice europeu este ano, no americano Jacob Dalton, no japonês Kenzo Shirai e no britânico Kristian Thomas.

E o Brasil? Sérgio Sasaki e Digo Hypólito são os melhores brasileiros no salto. Sasaki foi finalista mundial em 2013 e em 2014, terminando em 5º nas duas oportunidades. Diego foi finalista nos mundiais de 2003, 2006 e de 2013, mas vem com dificuldades de notas acima de 15,000 no salto este ano.

Meu Pódio: Ouro – Oleg Vernyayev (UKR); Prata – Ri Se-gwang (PRK); Bronze – Igor Radivilov (UKR)

Barras paralelas masculino

Pódio em Londres-2012: Ouro – Feng Zhe (CHN); Prata – Marcel Nguyen (GER); Bronze – Hamilton Sabot (FRA)

Último Mundial (2015): Ouro – You Hao (CHN); Prata – Oleg Vernyayev (UKR); Bronze – Oleg Stepko (AZE) e Deng Shudi (CHN)

2015_european_artistic_gymnastics_championships_-_parallel_bars_-_oleg_verniaiev_05

Oleg Vernyayev (UKR)

Os chineses tem dominado as barras paralelas nos últimos anos. Nos últimos 15 mundiais, foram 8 ouros chineses e nas últimas 4 Olimpíadas, 3 vitórias. O atual campeão mundial é o chinês You Hao, que venceu por 0.150 o ouro no ano passado. Seu principal adversário é o ucraniano Oleg Vernyayev, campeão em 2014 e prata em 2015, bicampeão europeu em 2014 e 2015 e vice europeu este ano. Vernyayev está numa crescente focado no individual geral, mas este é o seu principal aparelho. O russo David Belyavskiy venceu no europeu este ano o ucraniano e pode ameaçá-lo novamente.

Campeão mundial em 2011, o americano Danell Leyva (1B) é uma boa aposta de medalha pros americanos no masculino, assim como Chris Brooks, melhor no aparelho na seletiva americana. Foi finalista no último mundial. O multi-talentoso japonês Kohei Uchimura (1O-4P) foi campeão mundial em 2013 e não pode ser descartado, assim como seus compatriotas Ruohei Kato (1P) e Yusuke Tanaka (1P). Outros bons nomes da prova são o holandês Epke Zonderland (1O), o azeri Oleg Stepko e o chinês Deng Shudi.

E o Brasil? Este é o pior aparelho do Brasil e é quase impossível um brasileiro chegar a final. Sérgio Sasaki e Arthur Nory devem tirar as melhores notas.

Meu Pódio: Ouro – Oleg Vernyayev (UKR); Prata – You Hao (CHN); Bronze – Yusuke Tanaka (JPN)

Barra fixa masculina

Pódio em Londres-2012: Ouro – Epke Zonderland (NED); Prata – Fabian Hambüchen (GER); Bronze – Zou Kai (CHN)

Último Mundial (2015): Ouro – Kohei Uchimura (JPN); Prata – Danell Leyva (USA); Bronze – Manrique Larduet (CUB)

O holandês Epke Zonderland (1O) é o grande nome da prova. Atual campeão olímpico, ele venceu os mundiais de 2013 e 2014 e boas chances de repetir sua vitória há 4 anos. Ele esbarra no super japonês Kohei Uchimura (1O-4P), campeão mundial ano passado e no pódio da prova há 4 mundiais seguidos. Prata no último mundial, o americano Danell Leyva (1B) entrou como reserva após a desistência de John Orzoco, e deve pegar uma final, mas não foi bem na seletiva americana, ficando em 3º no aparelho. Melhor apostar em Chris Brooks.

O cubano Manrique Larduet foi bronze em Glasgow com 15,600 e pode beliscar novamente uma medalha. Campeão mundial em 2007 e dono de duas medalhas olímpicas na prova, o alemão Fabian Hambüchen (1P-1B) vai apostar tudo nesta prova, sua favorita. Atento aos britânicos Kristian Thomas (1B) e Nile Wilson, campeão europeu, ao grego bicampeão mundial Vlasios Maras, ao chinês campeão mundial em 2010 Zhang Chenglong (1O) e no brasileiro Arthur Nory. A prova que encerra a ginástica artística nos Jogos promete muito.

E o Brasil? Arthur Nory foi 4º colocado no último mundial com 15,166 e se credencia a um pódio nos Jogos, mas precisaria subir um pouco sua dificuldade. Sérgio Sasaki também tem uma excelente prova e vem de uma boa nota na etapa de São Paulo do circuito mundial. Vale ficar de olho.

Meu Pódio: Ouro – Kohei Uchimura (JPN); Prata – Manrique Larduet (CUB); Bronze – Kristian Thomas (GBR)

Ginástica de trampolim masculina

Pódio em Londres-2012: Ouro – Dong Dong (CHN); Prata – Dmitry Ushakov (RUS); Bronze – Lu Chunlong (CHN)

Último Mundial (2015): Ouro – Gao Lei (CHN); Prata – Uladzislau Hancharou (BLR); Bronze – Andrey Yudin (RUS)

Olympics Day 7 - Gymnastics - Trampoline

Dong Dong (CHN)

O chinês Dong Dong (1O-1B) é o maior nome da prova na atualidade. Campeão em Londres, é tricampeão mundial, vencendo em 2009, 2010 e 2013, mas fracassou no último mundial, ficando de fora da final por não ser um dos dois melhores chineses na semi. Mas foi convocado para defender seu ouro e com certeza vai brigar por pódio. Seu compatriota Gao Lei é o atual campeão mundial e pode se tornar o 3º chinês a vencer o trampolim nos Jogos Olímpicos.

O bielorrusso Uladzislau Hancharou foi bronze no Mundial de 2014, mas subiu um degrau em 2015 para levar a prata e vem de ouro no europeu este ano em abril e no evento-teste no Rio. Está em alta e em ótima forma. A dupla russa também briga pelo pódio. Dmitry Ushakov (1P) venceu os Jogos Europeus e Andrey Yudin foi bronze no último mundial.

E o Brasil? Rafael Andrade será o primeiro brasileiro a disputar a ginástica de trampolim nos Jogos Olímpicos, mas tem poucas chances de avançar à final.

Meu Pódio: Ouro – Dong Dong (CHN); Prata – Uladzislau Hancharou  (BLR); Bronze – Dmitry Yshakov (RUS)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s