Mundial de Snowboard e Esqui Estilo Livre – Parte 1

A partir desta edição, os mundiais de snowboard e de esqui freestyle vão ser ao mesmo tempo, pois muitas provas utilizam o mesmo percurso. A edição deste ano pós-olímpico está sendo disputada em Kreischberg, Áustria, e conta com a participação de 40 países. Com 24 provas sendo disputadas, vamos ao primeiro resumo do mundial.

Aerials

As provas de aerials abriram o Mundial. O chinês Qi Guangpu vem dominando a Copa do Mundo nesta temporada, com 3 vitórias em 3 provas. Ele defendia o título mundial conquistado em 2013 e se manteve no topo do pódio. Ele passou para a final apenas com a 12ª marca na qualificação e por pouco não fica de fora. Na 1ª rodada da final, fez a 2ª nota, depois novamente a 2ª nota na 2ª rodada, mas na última e decisiva tirou a melhor nota de toda a competição, com altíssimos 139,50. Alex Bowen (USA) com 121,27 e Maxim Gustik (BLR) com 119,91 completaram o pódio. Interessante que quem tirou a melhor nota em todas as outras fases da competição nem pegou pódio.

No feminino, a Austrália manteve sua enorme tradição nesta prova, mas com um novo nome, Laura Peel. No último salto da final, a disputa foi enorme. Peel tirou 88,47, contra 88,12 de Kiley McKinnon (USA) e 86,84 da vice-campeã olímpica e campeã mundial em 2013 Xu Mengtao (CHN). A chinesa fez 98,00 no primeiro salto e 96,90 no segundo, mas quando precisava, ficou com o bronze.

Snowboard Cross

Isabel Clark disputou a qualificação, mas ficou apenas na 26ª posição com 1:07.84 entre 30 atletas e não avançou às finais (apenas 16 passavam). Melhor tempo da campeã olímpica Eva Samkova (CZE) com 1:03.64. Apesar do melhor tempo, Samkova parou nas semifinais, quando ficou em 3ª. A campeã foi a americana Lindsey Jacobellis, que conquistou seu 4ª título mundial com 29 anos. Lembrando que ela é a eterna perdedora em Jogos Olímpicos e perdeu um ouro ganho em 2006. A prata ficou com a francesa Nelly Loccoz e o bronze com a italiana Michela Moioli.

No masculino, o italiano Luca Matteotti fez quase uma competição perfeita. Apenas 18º na qualificação (no masculino passavam 32), ele venceu sua bateria de 8as, foi segundo nas 4as, venceu na semi e por fim venceu na final. O campeão olímpico em Sochi Pierre Vaultier parou nas 4as e o australiano bicampeão mundial Alex Pullin, que fez o melhor tempo na qualificação, parou na semifinal. Kevin Hall (CAN) e Nick Baumgartner (USA) completaram o pódio.

Snowboard Halfpipe

Os medalhistas olímpicos que estavam em Kreischberg não foram bem. No masculino, o suíço campeão olímpico e mundial Iuri Podladtchikov passou raspando para a final, pegando a última vaga do seu grupo por apenas 0,50. Já na final não foi bem nas duas primeiras passagens, mas fez 84,25 na última, assumindo o bronze. Logo depois, o esloveno Tim-Kevin Ravnjak fez 89,25 e roubou o bronze do suíço. Apenas 21º em Sochi, o australiano Scotty James de 20 anos ficou com ouro, após uma excelente primeira passagem de 91,50. A prata foi para o chinês Zhang Yiwei com 89,50.

No feminino, a chinesa Cai Xueton, 6ª em Sochi, venceu com uma prova perfeita. Ela fez 3 passagens excepcionais e levaria o ouro com qualquer uma delas. Suas notas foram 94,25, 90,25 e 89,25, todas bem acima da espanhola Queralt Castellet com 81,25. Completou o pódio a francesa Clemence Grimal com 80,25. Prata olímpica, Torah Bright (AUS) foi apenas a 6ª na final com 57,00.

Moguls

A pontuação do moguls mudou um pouco nesta temporada. Até o ano passado, a pontuação máxima era 30, agora a base é 100, sendo 60 nos turns (os contornos nos morrinhos), 10 para cada um dos dois saltos e mais 20 pro tempo. Com a aposentadoria do canadense bicampeão olímpico Alexandre Bilodeau, o favorito agora é o seu compatriota Mikael Kingsbury. Melhor na quali com excelentes 86,59, ele foi o melhor na primeira passagem da final com nada menos que 87,44! Na segunda passagem com apenas os 6 melhores (que é a que vale) ele fez 86,54, mas viu o francês Anthony Benna surpreender com 86,89 e levar o ouro. Resultado excepcional para o 23º em Sochi e para quem nunca venceu um ouro em copas do mundo! Com o bronze o russo Alexandr Smyshlyaev com 85,68.

No feminino, o filme parece que não muda. A campeã olímpica e mais nova das 3 irmãs Justine Dufour-Lapointe foi a melhor em todas as fases da competição. Na quali 86,21, na primeira passagem da final fez 83,19 e na decisiva ótimos 87,25. Logo atrás dela a americana Hannah Kearney, que foi absoluto por muito tempo no circuito (venceu as últimas 4 edições da Copa do Mundo) com 85,66. Completou o pódio a australiana Britteny Cox com 81,98.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s