Mundial de Canoagem Velocidade

Como disse o colega do Brasil no Rio, nem sempre o campeão mundial é o melhor do mundo. Há quem discorde, mas isso ficou claro no sábado, no primeiro dia de finais no Mundial de Canoagem Velocidade, em Moscou.

Favoritíssimo e hoje o melhor atleta da canoa no Brasil e, possivelmente, do mundo, Isaquias Queiroz dos Santos foi para a final do C-1 1.000m como favorito ao ouro. Bronze no último ano nesta prova, que é olímpica, Isaquias já saiu na frente e liderou a prova do início ao fim. Ou melhor, quase até o fim. Na marca da 500m, estava com 1s3 de vantagem, na de 750m tinha quase 3s! Nos último 100m, o alemão Sebastian Brendel apetou o ritmo, mas Isaquias controlava e ia para o ouro. Aí, faltando uns 10m para a chegada, o brasileiro resolveu olhar o alemão e, com 2m, se desequilibrou e caiu da canoa. Uma frustração enorme e um choro que é um grande aprendizado.

No domingo, com a faca nos dentes, Isaquias não deu chance para o azar e venceu o C-1 500m, se tornando bicampeão mundial da prova. Ele também liderou do início ao fim e venceu com 1:47.916, quase um segundo e meio mais rápido que o mesmo alemão que ficou com o ouro nos 1.000m. Duas horas depois, ele voltou à raia ao lado do Erlon Silva e ficou com o bronze no C-2 200m com 36.064, atrás de Rússia e Alemanha.

O Brasil ainda teve um bronze com Valdenice do Nascimento no C-1 200m feminino, prova que (ainda) não é olímpica.

No C-2 1.000m, que é a prova olímpica, Erlon e Ronilson Oliveira, que estiveram em Londres-2012, ficaram em 8º na final A com 3:33.328, a pouca menos de 3s do bronze. N o C-2 500m feminino, Angela Aparecida da Silva e Andrea de Oliveira ficarame m 5º. Nivalter Jesus decepcionou um pouco e não chegou a final do C-1 200m, terminando em 5º na Final B (14º geral). Ainda assim, a canoa novamente se mostra como a melhor guarnição brasileira, muito a frente do caiaque, que inclusive recebe bem menos investimento.

Canoa

Tirando as medalhas brasilieiras, a Rússia levou 4 ouros (nenhum em prova olímpica) das 11 provas, vencendo o C-2 200m e C-2 500m, além do C-4 1.000m e do reveazmento C-1 200m. O russo Alexey Korovashkov foi destaque levando 3 ouros (só não esteve no C-4) e a prata no C-1 200.

Sebastian Brendel (foto) foi o grande nome individual, com 2 ouros (C-1 1.000m e 5.000m) e 1 prata (C-1 500m). No C-1 200m, vitória do ucraniano Yuriy Cheban, campeão olímpico da prova em Londres. No C-2 1.000m, vitória da Romênia.

Caiaque Masculino

A melhor prova do Brasil foi o K-2 500m, onde a dupla formada por Vagner Souto e Eduardo Fagundes ficou em 7º na Final B. Célso de Oliveira Jr no K-1 1.000m e Edson Isaias da Silva no K-1 200m ficaram em 2º na Final C de suas provas, 20º no geral.

As medalhas em geral foram bem distribuídas, com 7 países vencendo em 9 provas. Bronze em Londres, o canadense Mark de Jonge (foto) levou o K-1 200m, deixando os dois que ficaram a sua frente nos Jogos empatados com o bronze, fato raro. No K-1 1.000m, o ouro ficou com o checo Josef Dostál.

No K-2 200m, a Sérvia ficou com a vitória e a dupla da Eslováquia venceu o K-2 500m e o 1.000m. A equipe checa bronze em Londres no K-4 1.000m ficou a vitória.

Caiaque Feminino

O Brasil só teve uma representante, Ana Paula Vergutz, que teve como melhor resultado o 2º lugar na Final C do K-1 500m.

Campeã olímpica no K-1 200m, a neozelandesa Lisa Carrington segue imbatível na prova e se tonrou tricampeã mundial seguida com quase 1s de vanategm, com 37.898, melhor tempo da história na prova. A húngara Danuta Kozak, ouro em Londres no K-1 500m, levou novamente o título na mesma prova. A Hungria, aliás, venceu mais 3 provas, o K-2 200m, K-2 500m e K-4 500m, essas duas últimas são olímpicas.

Paracanoagem

Como tem acontecido nos últimos Mundiais, o Brasil foi muito bem nas prova de paracanoagem.

No V1 A 200m masculino, Luis Carlos da Silva levou a medalha de ouro com 54.944, 2s5 melhor que a prata. Fernando Rufino de Paulo foi prata no K1 TA 200m masculino, atrás de austríaco. A decepção ficou com Fernando Fernandes. Tetracampeão mundial no K1 A 200m, amargou a 5ª colocação. Além deles, foram mais dois 5os lugares e dois 6os.

Nos Jogos do Rio-2016, serão apenas 6 provas, 3 de cada gênero. A do Fernando Frenandes estará nos Jogos, mas a do Luis Carlos não.

Resumo

Nas 29 provas disputadas (sem considerar as de paracanoagem), a Hungria levou 6 ouros e 17 medalhas, excelente participação. A Rússia ficou logo atrás com 4-2-2, seguida da Alemanha com 2-5-1 e República Checa com 2-1-1. Ao todo, 15 países levaram um ouro e 24 conquistaram ao menos uma medalha e foram batidos 4 recordes mundiais.

O próximo Mundial será em 2015 em Milão e valerá como o primeiro pré olímpico do esporte.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s